Li­ber­da­de de ex­pres­são pa­ra ba­na­li­zar ou não fa­lar do ra­cis­mo?

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE - Opi­nião Ma­ma­dou Ba

A pro­pó­si­to das re­a­ções ao con­vi­te de Má­rio Ma­cha­do (M.M.) pe­la TVI, Pa­che­co Pe­rei­ra (P.P.) acu­sa o SOS Ra­cis­mo de ten­ta­ti­va de ins­tru­men­ta­li­za­ção da ERC e de pa­tro­ci­nar o regresso da cen­su­ra. Fos­sem os re­pe­ti­dos ata­ques de P.P. ape­nas ins­cri­tos na or­dem da afir­ma­ção da di­ver­gên­cia po­lí­ti­ca, só me­re­ce­ri­am a aten­ção que, em de­mo­cra­cia, me­re­cem as di­ver­gên­ci­as: um de­ba­te frontal, sé­rio. Mas são ata­ques que se es­con­dem atrás do bi­om­bo da de­fe­sa da li­ber­da­de de ex­pres­são pa­ra re­la­ti­vi­zar a ig­no­mí­nia do ra­cis­mo. Es­tes ata­ques ao SOS e à lu­ta an­tir­ra­cis­ta em Portugal me­re­cem ser des­mon­ta­dos e com­ba­ti­dos os ar­gu­men­tos que os sus­ten­tam.

Qua­se to­dos eles ocor­rem em mo­men­tos em que o ra­cis­mo ma­ta ci­da­dãos e cau­sa mai­or in­dig­na­ção so­ci­al e po­lí­ti­ca no país. Foi as­sim quan­do fo­ram as­sas­si­na­dos Al­cin­do Mon­tei­ro, To­ni no Bair­ro da Be­laVis­ta e MC Sna­ke. Anos an­tes, sem­pre na sen­da da desvalorização da vi­o­lên­cia ra­cis­ta da ex­tre­ma­di­rei­ta, P.P. ti­nha con­si­de­ra­do um “ca­so iso­la­do” o as­sas­si­na­to de Jo­sé Car­va­lho, do PSR, pe­la mi­lí­cia de ex­tre­ma-di­rei­ta Mo­vi­men­to de Ação Na­ci­o­nal. O pa­drão dos ata­ques de P.P. é sem­pre o mes­mo e ins­cre­ve-se sub­til­men­te na mi­ni­mi­za­ção do ra­cis­mo e na ca­ta­lo­ga­ção das re­a­ções à vi­o­lên­cia ra­cis­ta co­mo “exa­ge­ra­das”, aten­ta­tó­ri­as à li­ber­da­de de ex­pres­são e “ma­ni­pu­la­tó­ri­as.”

Em 17 de ju­nho de 95 (Ex­pres­so), in­dig­na­do com o que con­si­de­rou ser a “his­te­ria” das re­a­ções ao as­sas­si­na­to de Al­cin­do Mon­tei­ro pe­lo bando na­zi a que per­ten­cia M.M., es­cre­veu P.P.: “O que de to­do não se jus­ti­fi­ca e, bem pe­lo con­trá­rio, me­re­ce tam­bém in­dig­na­ção mes­mo que po­li­ti­ca­men­te in­cor­rec­to, é o ab­so­lu­to exa­ge­ro, des­tem­pe­ro, ex­ces­so não só das re­ac­ções ao que acon­te­ceu co­mo do mo­do co­mo o que acon­te­ceu es­tá a ser po­li­ti­ca­men­te usa­do com a com­pla­cên­cia de to­dos.”

So­bre o ter­ror da noi­te do 10 de ju­nho de 95, em que mi­lí­ci­as na­zis var­re­ram o Bair­ro Al­to es­pan­can­do ne­gros e ma­tan­do Al­cin­do Mon­tei­ro, P.P. es­cre­veu: “O ri­dí­cu­lo de fa­lar na ‘Noi­te de Cris­tal’ ou no ‘ter­ror fas­cis­ta à sol­ta pe­las ru­as de Lis­boa’ só não sal­ta aos olhos de to­da a gen­te por­que o nos­so dis­cur­so es­tá tão de­gra­da­do que as pa­la­vras já não têm o sig­ni­fi­ca­do que pre­ten­dem ter.” Con­clui­ria ain­da que “o que acon­te­ceu foi um gra­ve incidente ra­cis­ta que, não sen­do iso­la­do (...), não jus­ti­fi­ca, ape­sar de tu­do, a di­men­são apo­ca­líp­ti­ca que lhe que­rem dar”. Pa­ra além de clas­si­fi­car o as­sas­si­na­to de Al­cin­do Mon­tei­ro de “incidente ra­cis­ta”, con­se­gue nun­ca re­fe­rir o seu no­me em to­do o ar­ti­go, tal o des­va­lor que atri­buía ao que acon­te­ce­ra.

Em 2007, P.P. es­cre­via no seu blo­gue que “tu­do na lon­ga ma­nu­ten­ção de pri­são pre­ven­ti­va de Má­rio Ma­cha­do é es­tra­nho e apon­ta pa­ra ra­zões pu­ra­men­te po­lí­ti­cas, o que é inad­mis­sí­vel nu­ma de­mo­cra­cia”. Por­tan­to, per­ce­be-se ho­je que na­da di­fe­ren­te po­de di­zer so­bre o bran­que­a­men­to des­te cri­mi­no­so na­zi.

Após o co­mu­ni­ca­do do SOS e da Car­ta Aber­ta subs­cri­ta por tan­tos co­le­ti­vos e in­di­vi­du­a­li­da­des de per­ten­ças so­ci­o­e­có­no­mi­cas, ét­ni­co-ra­ci­ais e fi­li­a­ções di­ver­sas, apa­re­ceu mui­to boa gen­te alar­ma­da com a li­ber­da­de de ex­pres­são e, cla­ro es­tá, o co­ro­lá­rio do pe­ri­go cen­só­rio, bem co­mo com um pre­ten­so ata­que in­dis­cri­mi­na­do à co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Se­ria se­cun­da­da pe­la ine­nar­rá­vel de­li­be­ra­ção da ERC que, pe­la for­ma e con­teú­do, nos en­ver­go­nha en­quan­to co­mu­ni­da­de com­pro­me­ti­da com o com­ba­te ao ra­cis­mo. A ERC es­co­lheu en­co­lher os om­bros e as­so­bi­ar pa­ra o la­do co­mo qua­se sem­pre fez nes­ta ma­té­ria, mos­tran­do-se con­for­tá­vel com a nor­ma­li­za­ção e a ba­na­li­za­ção do ra­cis­mo na im­pren­sa. Ao op­tar pe­la inér­cia e pe­la des­res­pon­sa­bi­li­za­ção pe­ran­te a ame­a­ça a va­lo­res de­mo­crá­ti­cos es­sen­ci­ais, a ERC re­ve­lou-se ins­ti­tu­ci­o­nal e po­li­ti­ca­men­te im­pre­vi­den­te e inó­cua, con­tri­buin­do ain­da pa­ra o mai­or des­cré­di­to das ins­ti­tui­ções. Não fos­se a hon­ro­sa de­cla­ra­ção de vo­to de Má­rio Mes­qui­ta e a des­for­ra te­ria si­do ain­da mai­or, tal é a va­cui­da­de éti­ca da po­si­ção da en­ti­da­de re­gu­la­do­ra. Di­ga-se que é fal­so fa­lar em ata­que à li­ber­da­de de ex­pres­são da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Só por má-fé se po­de in­vo­car o pe­di­do de san­ções à TVI e ou­tros ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al por vi­o­la­ção da lei, apou­can­do o ato de ci­da­da­nia que foi a car­ta aber­ta.

É cu­ri­o­so no­tar que quem ten­tou ames­qui­nhar as re­a­ções ao que acon­te­ceu op­tou por des­va­lo­ri­zar o lu­gar e o pa­pel da pa­la­vra nas opres­sões, re­la­ti­vi­zar e des­con­ver­sar so­bre a ex­tre­ma-di­rei­ta e o ra­cis­mo, con­vo­can­do a la­dai­nha do ra­paz e o lo­bo. Em 2017, o pro­fes­sor Jor­ge Va­la di­zia a res­pei­to do pro­gra­ma de in­ves­ti­ga­ção Ati­tu­des So­ci­ais dos Por­tu­gue­ses, ba­se­an­do-se em da­dos do Eu­ro­pe­an So­ci­al Sur­vey: “So­mos dos paí­ses da Eu­ro­pa que mais ma­ni­fes­tam ra­cis­mo bi­o­ló­gi­co e cul­tu­ral. Ou se­ja, acre­di­ta­mos que se po­dem hi­e­rar­qui­zar gru­pos hu­ma­nos em fun­ção de fa­to­res bi­o­ló­gi­cos ou de fa­to­res cul­tu­rais.” Ain­da as­sim, con­tra to­das as evi­dên­ci­as, ad­ver­tem-nos — mes­mo com o au­men­to ex­po­nen­ci­al de quei­xas por dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al à Co­mis­são pa­ra a Igual­da­de e Con­tra a Dis­cri­mi­na­ção Ra­ci­al e a du­pli­ca­ção de inqué­ri­tos aber­tos por cri­mes de ódio pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co em 2018 — que a ex­tre­ma-di­rei­ta só exis­te por fa­lar­mos de­la. Nu­ma ca­ri­ca­tu­ra per­fei­ta dos in­de­fe­tí­veis de­fen­so­res da li­ber­da­de de ex­pres­são e sen­ti­ne­las con­tra o pe­ri­go fas­cis­ta, po­de, no li­mi­te, di­zer-se que com­ba­ter o ra­cis­mo faz mal à de­mo­cra­cia e que gen­te que se de­di­ca a es­te ofí­cio é, sim­ples­men­te, gen­te to­la e idi­o­ta útil da “fa­cho-es­fe­ra”. Es­ta po­si­ção de aves­truz em no­me da de­mo­cra­cia não é de­fe­sa, mas ca­pi­tu­la­ção.

Quan­to a sa­ber se a “fa­cho-es­fe­ra” me­re­ce es­pa­ço na dis­pu­ta de­mo­crá­ti­ca, pai­ra no ar um ilu­mi­nis­mo ab­so­lu­tis­ta so­bre a li­ber­da­de de ex­pres­são que atra­ves­sa to­do o es­pec­tro po­lí­ti­co. Do al­to do seu pri­vi­lé­gio, os “ze­la­do­res” pe­la de­mo­cra­cia di­zem que há o di­rei­to de ser ra­cis­ta, mi­só­gi­no e ho­mó­fo­bo. Pois são ape­nas “opi­niões”. A te­se é que as “opi­niões”, se­jam quais fo­rem e se­ja qual o seu grau de vi­la­nia e vi­o­lên­cia, são le­gí­ti­mas. Ob­nu­bi­la­dos com a de­fe­sa da li­ber­da­de de ex­pres­são, já pou­co lhes im­por­ta se a “opi­nião” é, ela pró­pria, vi­o­lên­cia e se po­de ser­vir pa­ra a le­gi­ti­mar.

Pa­ra quem é sis­te­ma­ti­ca­men­te es­ma­ga­do e vi­o­len­ta­do pe­lo po­der das idei­as e das “opi­niões”, das con­ven­ções so­ci­ais e po­lí­ti­cas que o re­me­tem pa­ra um lu­gar de su­bal­ter­ni­da­de e de es­tig­ma, a te­se de que ra­cis­mo, ma­chis­mo e ho­mo­fo­bia são me­ras opi­niões é uma afron­ta.

Dar pal­co à ide­o­lo­gia fas­cis­ta e ra­cis­ta é uma ca­pi­tu­la­ção pe­ran­te a te­se de que na dis­pu­ta po­lí­ti­ca to­das as idei­as têm o mes­mo di­rei­to de ex­pres­são e, por­tan­to, a mes­ma le­gi­ti­mi­da­de. Não, em de­mo­cra­cia, o que põe em cau­sa a dig­ni­da­de hu­ma­na não me­re­ce res­pei­to nem lu­gar. A ar­ma­di­lha não é não sa­ber dis­tin­guir uma es­tra­té­gia co­mer­ci­al vil de ca­ça às au­di­ên­ci­as da ade­são po­lí­ti­ca à ba­na­li­za­ção do fas­cis­mo e do ra­cis­mo. A ar­ma­di­lha é, por ta­ti­cis­mo ou alhe­a­men­to, re­la­ti­vi­zar a di­men­são do ra­cis­mo em Portugal, dan­do co­ber­tu­ra a uma nar­ra­ti­va ne­ga­ci­o­nis­ta des­fa­sa­da da re­a­li­da­de. Aí, sim, quan­do acor­dar­mos, po­de o pe­sa­de­lo ser tão gran­de que tal­vez nos ar­re­pen­da­mos das te­ses dos exa­ge­ros das re­a­ções à re­al di­men­são do fas­cis­mo. Não se tra­ta de es­co­lher en­tre li­ber­da­de de ex­pres­são e cen­su­ra, mas en­tre a de­mo­cra­cia e o ódio ra­ci­al. Não bas­ta ar­guir que a sub­je­ti­vi­da­de de cren­ças vi­o­len­tas po­de en­qua­drar-se na es­fe­ra da opi­nião. O ra­cis­mo ja­mais po­de ser con­si­de­ra­do uma me­ra opi­nião, pois be­lis­ca um bem mai­or, a hu­ma­ni­da­de de al­guns, se­jam mui­tos ou pou­cos. Nu­ma so­ci­e­da­de de­cen­te, o di­rei­to à dig­ni­da­de es­tá aci­ma do di­rei­to à li­ber­da­de de vi­o­len­tar. Es­ta é a ba­li­za éti­ca do li­mi­te à li­ber­da­de de ex­pres­são. Di­ri­gen­te do SOS Ra­cis­mo

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.