Com­prar car­ro a cré­di­to é mais ba­ra­to do que fa­zer obras em ca­sa

Edição Público Lisboa - - ECONOMIA - Luísa Pin­to e Ro­sa So­a­res

sua fun­ção ao com­ple­men­tar a ofer­ta de pro­gra­mas pú­bli­cos que apoi­am a re­a­bi­li­ta­ção e a me­lho­ria da efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca”, dis­se fon­te ofi­ci­al do ga­bi­ne­te de Ma­tos Fernandes.

Di­fe­ren­ci­a­da, mas pa­ra pi­or

O pre­si­den­te da CPCI, Ma­nu­el Reis Cam­pos, não es­con­de a de­si­lu­são fa­ce ao re­du­zi­do mon­tan­te dos con­tra­tos já as­si­na­dos, afir­man­do que pre­fe­re pen­sar que “o pro­gra­ma ain­da não ar­ran­cou”. “Ain­da não há na­da — 300 mil eu­ros não é na­da. O pro­jec­to es­tá mon­ta­do, o por­tal fun­ci­o­na, os ob­jec­ti­vos cor­res­pon­dem aos an­sei­os dos por­tu­gue­ses que que­rem me­lho­rar a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca dos seus edi­fí­ci­os, tem ha­vi­do um es­for­ço de divulgação do pro­gra­ma. Mas a ex­pec­ta­ti­va era que es­te pro­gra­ma ti­ves­se ta­xas de ju­ro bo­ni­fi­ca­das, in­fe­ri­o­res às ta­xas do mer­ca­do. En­fim, que ti­ves­se uma ofer­ta di­fe­ren­ci­a­da, mas o que ve­mos é que a ofer­ta es­tá di­fe­ren­ci­a­da pa­ra pi­or”, cri­ti­ca Reis Cam­pos, em de­cla­ra­ções ao PÚ­BLI­CO.

A An­fa­je — As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Fa­bri­can­tes das Ja­ne­las Efi­ci­en­tes — tam­bém es­tá “pro­fun­da­men­te pre­o­cu­pa­da” com as con­di­ções pra­ti­ca­das pe­los par­cei­ros fi­nan­cei­ros do pro­gra­ma. De acor­do com es­ta as­so­ci­a­ção, que já pe­diu reu­niões com o Go­ver­no e com os gru­pos par­la­men­ta­res, os re­sul­ta­dos das si­mu­la­ções de cré­di­to que tem efec­tu­a­do re­ve­lam-se mui­to dis­su­a­so­ras: “Por exem­plo, num or­ça­men­to que tí­nha­mos pa­ra um em­prés­ti­mo de dez mil eu­ros, no fi­nal dos cin­co anos te­ría­mos pa­go mais 3900 eu­ros [ju­ros, co­mis­sões e ou­tros en­car­gos]. Ou­tro ban­co fa­zia uma ta­xa me­lhor, mas a pres­ta­ção fi­ca­va mais ele­va­da. Os en­car­gos são mui­to pe­sa­dos”, dis­se ao PÚ­BLI­CO Su­sa­na Nu­nes, da di­rec­ção da as­so­ci­a­ção. A An­fa­je in­te­gra a CPCI e foi aí que sou­be que 51% das si­mu­la­ções que são fei­tas no por­tal Ca­sa Efi­ci­en­te in­cluíam a apli­ca­ção de ja­ne­las efi­ci­en­tes, per­ce­ben­do que es­tá aqui a per­der um mer­ca­do im­por­tan­te.

Na mes­ma li­nha, Alexandre Fer­rei­ra, vi­ce-pre­si­den­te da Sec­ção Re­gi­o­nal Nor­te da Or­dem dos Ar­qui­tec­tos, de­fen­de que a ra­zão pa­ra que não avan­cem mais pro­jec­tos es­tá nas di­fi­cul­da­des de aces­so ao cré­di­to. “O mer­ca­do da cons­tru­ção, em to­da a sua fi­lei­ra, des­de pro­jec­tis­tas, aos for­ne­ce­do­res de ma­te­ri­ais e aos pres­ta­do­res de ser­vi­ços, é al­ta­men­te com­pe­ti­ti­vo, ain­da es­tá a tra­ba­lhar com mar­gens bai­xas, por cau­sa dos su­ces­si­vos anos em cri­se”, afir­ma. Pa­ra es­te res­pon­sá­vel, “não é crí­vel que o pro­ble­ma pa­ra que o pro­gra­ma não ar­ran­que se­ja do va­lor dos or­ça­men­tos apre­sen­ta­dos pe­los for­ne­ce­do­res”, acres­cen­tan­do que, “nu­ma bol­sa de 700 for­ne­ce­do­res, é sem­pre pos­sí­vel en­con­trar um bom or­ça­men­to”. Alexandre Fer­rei­ra re­for­ça que “o pro­ble­ma é sem­pre, e ain­da, o aces­so ao cré­di­to”.

Reis Cam­pos diz que a ban­ca tem de per­ce­ber que o pro­gra­ma “es­tá a cor­rer mal”. Ca­so con­trá­rio, “se­rão os mi­nis­té­ri­os e a CPCI a ter de in­ter­vir”. O lí­der da CPCI re­for­ça: “Se não fo­rem atin­gi­dos os ob­jec­ti­vos, fi­ca­mos to­dos mal”, lem­bran­do o en­tu­si­a­mo do BEI nes­te pro­jec­to. lui­sa.pin­[email protected]­bli­co.pt ro­sa.so­a­[email protected]­bli­co.pt Ao con­trá­rio do que era a ex­pec­ta­ti­va ini­ci­al, não se es­tá a ve­ri­fi­car uma cor­ri­da aos em­prés­ti­mos dis­po­ni­bi­li­za­dos no âm­bi­to do Ca­sa Efi­ci­en­te. A tra­var os par­ti­cu­la­res, que em seis me­ses pe­di­ram ape­nas 300 mil eu­ros fa­ce aos 200 mi­lhões dis­po­ní­veis, es­tão as con­di­ções dos em­prés­ti­mos que es­tão a ser dis­po­ni­bi­li­za­dos.

A ofer­ta dos dois ban­cos que es­tão a ofe­re­cer so­lu­ções es­pe­cí­fi­cas, a CGD e o Mil­len­nium BCP, es­tão di­vi­di­dos em dois seg­men­tos: o do cré­di­to à ha­bi­ta­ção, com ta­xas de ju­ro mais bai­xas, mas mai­o­res exigências em ter­mos de ga­ran­ti­as, co­mo hi­po­te­ca do imó­vel, e o do cré­di­to ao con­su­mo, com ju­ros mui­to mais ele­va­dos, mas com con­di­ções mais fle­xí­veis. O No­vo Ban­co anun­ci­ou a ade­são ao pro­gra­ma, mas con­ti­nua a não apre­sen­tar pro­du­tos es­pe­cí­fi­cos.

Com ba­se nas ofer­tas co­nhe­ci­das, fi­nan­ci­ar a subs­ti­tui­ção de ja­ne­las, ins­ta­lar pai­néis so­la­res ou re­a­li­zar obras que me­lho­rem a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca das ha­bi­ta­ções no âm­bi­to do pro­gra­ma co-fi­nan­ci­a­do pe­lo Ban­co Eu­ro­peu do In­ves­ti­men­to, in­de­pen­den­te­men­te do mon­tan­te, não é fá­cil e é mais ca­ro que ou­tras ofer­tas de cré­di­to, co­mo o pa­ra com­pra de au­to­mó­veis.

A tí­tu­lo de exem­plo, o Cré­di­to Ha­bi­ta­ção Cai­xa Ca­sa Efi­ci­en­te apre­sen­ta uma TAEG (ta­xa de ju­ro que in­clui to­dos os cus­tos as­so­ci­a­dos ao em­prés­ti­mo) de 3,8% a 4,3% (es­ta úl­ti­ma pa­ra quem não tem pro­du­tos fi­nan­cei­ros as­so­ci­a­dos), já com a bo­ni­fi­ca­ção de 0,25% no spre­ad (ou mar­gem co­mer­ci­al do ban­co) acor­da­da pe­lo BEI. De acor­do com a si­mu­la­ção apre­sen­ta­da no si­te da CGD, pa­ra a ta­xa de 4,3%, pa­ra um cli­en­te com 30 anos, que pre­ten­da pe­dir um em­prés­ti­mo de 40 mil eu­ros, com hi­po­te­ca, se­gu­ro de vi­da, se­gu­ro mul­tir­ris­cos, des­pe­sas ini­ci­ais de 1380 eu­ros, co­mis­sões e des­pe­sas men­sais de 6,76 eu­ros, o cus­to no fi­nal de 20 anos as­cen­de a 58.426 eu­ros. Ou se­ja, à ta­xa ac­tu­al (Eu­ri­bor a 12 me­ses) pa­ga per­to de 20 mil eu­ros por um em­prés­ti­mo de 40 mil.

No re­gi­me ge­ral de cré­di­to à ha­bi­ta­ção, o ban­co pú­bli­co apre­sen­ta uma TAEG bem mais bai­xa, en­tre 2,9% e 2,4%, pa­ra com­pra, “cons­tru­ção, ou obras de be­ne­fi­ci­a­ção, re­cu­pe­ra­ção ou am­pli­a­ção de ha­bi­ta­ção per­ma­nen­te ou se­cun­dá­ria (...)”.

O ou­tro pro­du­to cri­a­do es­pe­ci­fi­ca­men­te pe­la CGD é o Cré­di­to Pes­so­al Cai­xa Ca­sa Efi­ci­en­te, on­de a TAEG po­de va­ri­ar en­tre 4,1% (ape­nas pa­ra ener­gi­as re­no­vá­veis) e 8,7% já com a bo­ni­fi­ca­ção de 0,25%, no re­gi­me va­riá­vel (as­so­ci­a­do à Eu­ri­bor). Aqui não é exi­gi­da hi­po­te­ca, mas pa­ra um em­prés­ti­mo de 30 mil eu­ros man­tém-se a exi­gên­cia de se­gu­ro de vi­da e fi­an­ça. Ao fim de se­te anos, se a Eu­ri­bor não se al­te­rar, pa­ga­rá qua­se 10 mil eu­ros de ju­ros e ou­tros en­car­gos. É ain­da ofe­re­ci­da uma ta­xa fi­xa a dez anos, com uma TAEG de 9,7%. Fo­ra do Ca­sa Efi­ci­en­te, o cré­di­to ao con­su­mo mul­ti­fun­ci­o­na­li­da­de da Cai­xa tem uma TAEG mui­to pró­xi­ma, 9,5%, um va­lor li­gei­ra­men­te aci­ma da ta­xa va­riá­vel e mais bai­xo que a ta­xa fi­xa.

As con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to do Mil­len­nium não sur­pre­en­dem pe­la po­si­ti­va. No ca­so de par­ti­cu­la­res, e com ga­ran­tia de hi­po­te­ca, a TAEG as­so­ci­a­da à Eu­ri­bor va­ria en­tre 4% e 4,5% (sem pro­du­tos as­so­ci­a­dos) e 4%. A si­mu­la­ção de um fi­nan­ci­a­men­to pa­ra um cli­en­te de 30 anos, no mon­tan­te de 30 mil eu­ros, a 15 anos, com a TAEG de 4,5%, só de des­pe­sas de con­tra­to pa­ga 546 eu­ros, sen­do obri­ga­tó­rio o se­gu­ro de vi­da e mul­tir­ris­cos. O MTIC (mon­tan­te to­tal im­pu­ta­do ao cli­en­te) as­cen­de a 40.586 eu­ros.

Sem ga­ran­tia hi­po­te­cá­ria, as ofer­tas pas­sam pa­ra o Cré­di­to Pes­so­al Ca­sa Efi­ci­en­te, ape­nas com ta­xas fi­xas, que são de 9,9% (TAEG) pa­ra Ca­sa Efi­ci­en­te me­lho­ri­as e elec­tro­do­més­ti­cos, e de 4,5% pa­ra ener­gi­as re­no­vá­veis. No pri­mei­ro ca­so, um fi­nan­ci­a­men­to de 10 mil eu­ros a dez anos im­pli­ca o pa­ga­men­to fi­nal de 13.407 eu­ros. Nes­te ca­so não são re­fe­ri­das exigências ao ní­vel dos se­gu­ros de vi­da e ou­tras ga­ran­ti­as.

A com­pa­ra­ção de so­lu­ções cri­a­das es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra o Ca­sa Efi­ci­en­te com ou­tras de cré­di­to ao con­su­mo é sur­pre­en­den­te. O Mil­len­nium anun­cia uma TAEG de 6,6% pa­ra com­pra de car­ro no­vo com hi­po­te­ca, bem mais bai­xa do que a do cré­di­to pa­ra subs­ti­tuir ja­ne­las. Na Cai­xa, fa­zer obras em ca­sa pró­pria, com co­fi­nan­ci­a­men­to do BEI, na ver­ten­te de con­su­mo, cus­ta li­gei­ra­men­te mais que com­prar um au­to­mó­vel no­vo, on­de a TAEG é de 8,6%.

PAU­LO PI­MEN­TA

CGD e Mil­len­nium BCP já têm ofer­tas es­pe­cí­fi­cas. No­vo Ban­co, não

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.