Pre­si­den­te do par­la­men­to ve­ne­zu­e­la­no man­tém de­sa­fio, ho­ras de­pois de ser de­ti­do

Lí­der opo­si­ci­o­nis­ta esteve de­ti­do meia ho­ra. Go­ver­no diz que a ope­ra­ção foi “ir­re­gu­lar” e de­mi­tiu os agen­tes en­vol­vi­dos

Edição Público Lisboa - - MUNDO - João Ru­e­la Ribeiro jo­ao.ru­e­[email protected]­bli­co.pt

O pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal ve­ne­zu­e­la­na, Ju­an Gu­ai­dó, foi de­ti­do on­tem pe­los ser­vi­ços se­cre­tos e aca­bou por ser li­ber­ta­do cer­ca de meia ho­ra de­pois. O Go­ver­no diz ter si­do uma ope­ra­ção não-au­to­ri­za­da.

A de­ten­ção acon­te­ceu dois di­as de­pois de Gu­ai­dó ter cha­ma­do “usur­pa­dor” a Ni­co­lás Ma­du­ro e ter di­to es­tar pre­pa­ra­do pa­ra as­su­mir a pre­si­dên­cia do país. A opo­si­ção, que de­tém a mai­o­ria na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, não re­co­nhe­ce os re­sul­ta­dos das elei­ções presidenciais do ano pas­sa­do ga­nhas por Ma­du­ro. Foi a mu­lher de Gu­ai­dó, Fa­bi­a­na Ro­sa­les, que re­ve­lou na sua con­ta de Twit­ter a de­ten­ção.

Ho­ras de­pois, o di­ri­gen­te má­xi­mo do par­la­men­to vol­tou a adop­tar uma pos­tu­ra de­sa­fi­a­do­ra fa­ce ao re­gi­me. “Se que­ri­am en­vi­ar uma men­sa­gem pa­ra que nos es­con­dês­se­mos, aqui es­tá a res­pos­ta do po­vo: aqui es­ta­mos”, afir­mou Gu­ai­dó du­ran­te um en­con­tro pú­bli­co or­ga­ni­za­do pe­la opo­si­ção em La Gu­ai­ra, no Nor­te do país.

O pre­si­den­te da As­sem­bleia vol­tou a di­zer que o seu ob­jec­ti­vo é liderar um pro­ces­so de tran­si­ção pa­ra a de­mo­cra­cia. “Que­ro man­dar uma men­sa­gem mui­to cla­ra a Mi­ra­flo­res [re­si­dên­cia ofi­ci­al do Pre­si­den­te]: o jo­go mu­dou, o po­vo vai con­ti­nu­ar nas ru­as”, dis­se.

Gu­ai­dó foi de­ti­do quan­do se di­ri­gia pa­ra La Gu­ai­ra, on­tem de ma­nhã. O car­ro em que se­guia foi in­ter­cep­ta­do por veí­cu­los do Ser­vi­ço Bo­li­va­ri­a­no de In­te­li­gên­cia Na­ci­o­nal (Se­bin), des­cre­veu um jor­na­lis­ta. Foi li­ber­ta­do ao fim de meia ho­ra e con­ti­nu­ou o seu ca­mi­nho pa­ra o en­con­tro. Du­as jor­na­lis­tas que o acom­pa­nha­vam fo­ram tam­bém de­ti­das bre­ve­men­te, sem qual­quer ex­pli­ca­ção.

“Es­pec­tá­cu­lo me­diá­ti­co”

O mi­nis­tro das Co­mu­ni­ca­ções, Jor­ge Ro­drí­guez, dis­se que a ope­ra­ção foi “ir­re­gu­lar” e que os agen­tes que pren­de­ram Gu­ai­dó fo­ram de­mi­ti­dos ime­di­a­ta­men­te. O Go­ver­no des­cre­veu a bre­ve de­ten­ção co­mo um “es­pec­tá­cu­lo me­diá­ti­co”, diz a BBC.

Na sex­ta-fei­ra, Gu­ai­dó in­vo­cou a Cons­ti­tui­ção pa­ra se di­zer dis­pos­to a as­su­mir as com­pe­tên­ci­as do che­fe de Es­ta­do e fa­zer uma “tran­si­ção de­mo­crá­ti­ca” na Ve­ne­zu­e­la. Po­rém, o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, on­de a Me­sa de Uni­da­de Na­ci­o­nal, da opo­si­ção, tem a mai­o­ria, dei­xou um no­vo ape­lo às For­ças Ar­ma­das pa­ra que apoi­em a sua pro­pos­ta.

Ma­du­ro des­va­lo­ri­zou a de­cla­ra­ção de Gu­ai­dó, que dis­se ter si­do “um show” ape­nas com o ob­jec­ti­vo de de­ses­ta­bi­li­zar o país.

No en­tan­to, na sequên­cia da de­cla­ra­ção de Gu­ai­dó, que per­ten­ce ao par­ti­do da opo­si­ção Von­ta­de Po­pu­lar, na sex­ta-fei­ra, a mi­nis­tra das Pri­sões, Iris Va­re­la, ame­a­çou pren­dê-lo. “Gu­ai­dó, já te­nho uma ce­la pron­ta pa­ra ti, com um uni­for­me”, afir­mou no Twit­ter. O lí­der do par­ti­do, Le­o­pol­do Ló­pez, es­tá em pri­são do­mi­ci­liá­ria, de­pois de ter si­do con­de­na­do a mais de 13 anos de pri­são, num ca­so que a opo­si­ção diz ter mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca.

O pre­si­den­te da Or­ga­ni­za­ção de Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos, Luis Al­ma­gro, con­de­nou o que qua­li­fi­cou co­mo o “se­ques­tro” de Ju­an Gu­ai­dó e pe­diu à “co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal” que tra­ve “os cri­mes de Ma­du­ro e os seus la­cai­os”.

MI­GUEL GUTIERREZ/EPA

Ju­an Gu­ai­dó (à di­rei­ta) foi de­ti­do quan­do se di­ri­gia pa­ra um en­con­tro pú­bli­co em La Gu­ai­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.