A pre­ca­ri­e­da­de e o fu­tu­ro da in­ves­ti­ga­ção em Portugal

Edição Público Lisboa - - CIÊNCIA - Opi­nião Má­rio Lo­pes e Car­los Sou­sa Oli­vei­ra

O Es­ta­do in­te­grou re­cen­te­men­te nos qua­dros da fun­ção pú­bli­ca mi­lha­res de tra­ba­lha­do­res pre­cá­ri­os in­di­fe­ren­ci­a­dos, mas a in­te­gra­ção dos pre­cá­ri­os mais qua­li­fi­ca­dos, os in­ves­ti­ga­do­res e bol­sei­ros dou­to­ra­dos das uni­ver­si­da­des, la­bo­ra­tó­ri­os do Es­ta­do e ins­ti­tu­tos de in­ves­ti­ga­ção, quan­do se processa, faz-se a um rit­mo mui­to len­to e em fun­ção do pe­so ins­ti­tu­ci­o­nal de al­gu­mas aca­de­mi­as. Os vá­ri­os di­plo­mas aprovados pe­la As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca e pe­lo Go­ver­no são em nú­me­ro de­ma­si­a­do ex­ten­so, lan­çan­do al­gu­ma con­fu­são na aná­li­se des­ta qu­es­tão.

A aca­de­mia de­fen­de ci­o­sa­men­te a au­to­no­mia uni­ver­si­tá­ria, no âm­bi­to do qual se en­qua­dra o prin­cí­pio de que a ad­mis­são e pro­gres­são na car­rei­ra académica se de­vem fa­zer por con­cur­so, ten­do co­mo cri­té­rio o mé­ri­to in­di­vi­du­al. No en­tan­to, es­tes tra­ba­lha­do­res com vín­cu­los pre­cá­ri­os têm exe­cu­ta­do ao lon­go dos anos (num mí­ni­mo de cin­co anos des­de a con­clu­são do seu dou­to­ra­men­to) ta­re­fas in­dis­pen­sá­veis à pro­du­ti­vi­da­de das ins­ti­tui­ções aci­ma re­fe­ri­das, atra­vés dos seus con­tri­bu­tos pa­ra pro­jec­tos de in­ves­ti­ga­ção, ori­en­ta­ção de te­ses e par­ti­ci­pa­ção em au­las ou cur­sos de for­ma­ção uni­ver­si­tá­ria. E em­bo­ra a in­ves­ti­ga­ção se­ja uma ac­ti­vi­da­de per­ma­nen­te, po­de-se ar­gu­men­tar que as pes­so­as que a exe­cu­tam po­dem não ser sem­pre as mes­mas, pois po­de ha­ver rotação de pes­so­al.

No en­tan­to, não é es­te o ca­so dos pre­cá­ri­os cu­ja in­te­gra­ção se dis­cu­te, pois es­tes têm si­do con­tra­ta­dos su­ces­si­va­men­te pa­ra ta­re­fas des­te ti­po e não ape­nas pa­ra um tra­ba­lho iso­la­do (ne­ces­si­da­de pon­tu­al). Vá­ri­os de­les, pe­lo “es­ta­tu­to” que gran­je­a­ram ao lon­go dos anos, têm exer­ci­do fun­ções de re­pre­sen­ta­ção ex­ter­na das ins­ti­tui­ções em que tra­ba­lham, jun­to de ou­tras en­ti­da­des. Co­mo exem­plo, po­dem re­fe­rir-se, en­tre ou­tros, câ­ma­ras mu­ni­ci­pais, or­dens pro­fis­si­o­nais, a Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção Ci­vil, a Agên­cia pa­ra o In­ves­ti­men­to e Co­mér­cio Ex­ter­no de Portugal (AICEP), em­pre­sas par­cei­ras de pro­jec­tos na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, bem co­mo in­te­rac­ção com a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e opi­nião pú­bli­ca, par­ti­ci­pa­ção em cor­pos di­rec­ti­vos de so­ci­e­da­des ci­en­tí­fi­cas, etc.

Exis­te ra­zão de am­bos os la­dos e é pre­ci­so bom sen­so, equi­lí­brio e au­sên­cia de ra­di­ca­lis­mos, pa­ra en­con­trar so­lu­ções jus­tas pa­ra os bol­sei­ros e úteis pa­ra as ins­ti­tui­ções, sem pôr em cau­sa os prin­cí­pi­os es­sen­ci­ais de­fen­di­dos por gran­de par­te da aca­de­mia, in­cluin­do os au­to­res des­te ar­ti­go. Ou se­ja, os pre­cá­ri­os só de­ve­rão ser in­te­gra­dos nas car­rei­ras es­pe­ci­ais (do­cen­tes e in­ves­ti­ga­do­res) se se ve­ri­fi­ca­rem os mes­mos cri­té­ri­os exi­gi­dos aos que ace­dem a es­sas car­rei­ras pe­las vi­as nor­mais, de­ven­do re­a­li­zar provas de mé­ri­to ab­so­lu­to, pa­ra o que é ne­ces­sá­rio que se abram as cor­res­pon­den­tes va­gas. Não é ra­zoá­vel nem ne­ces­sá­rio pa­ra re­sol­ver es­te pro­ble­ma que uns en­trem pe­las vi­as nor­mais e ou­tros pe­la “por­ta do ca­va­lo”.

Nes­te con­tex­to, não é acei­tá­vel man­ter in­de­fi­ni­da­men­te em si­tu­a­ção pre­cá­ria pes­so­as cu­jo tra­ba­lho as pró­pri­as ins­ti­tui­ções su­ces­si­va­men­te va­lo­ri­za­ram. E não é ra­zoá­vel di­zer que es­te pro­ces­so é con­tra a au­to­no­mia uni­ver­si­tá­ria, pois foi a aca­de­mia que es­co­lheu os bol­sei­ros e in­ves­ti­ga­do­res pre­cá­ri­os e tem ti­ra­do par­ti­do do seu tra­ba­lho anos a fio. Por ou­tro la­do, é do mais ele­men­tar bom sen­so a po­si­ção dos lí­de­res das ins­ti­tui­ções de não que­re­rem as­su­mir com­pro­mis­sos com o pa­ga­men­to dos sa­lá­ri­os fu­tu­ros des­ses bol­sei­ros se es­tes pas­sa­rem a de­sem­pe­nhar fun­ções per­ma­nen­tes, sem ga­ran­ti­rem pre­vi­a­men­te os re­cur­sos ne­ces­sá­ri­os à sa­tis­fa­ção des­ses com­pro­mis­sos. E, em ge­ral, o Es­ta­do ain­da não ga­ran­tiu es­ses re­cur­sos às ins­ti­tui­ções. Por is­so, é im­por­tan­te que o Es­ta­do não ma­ni­fes­te ape­nas a in­ten­ção de re­gu­la­ri­zar os pre­cá­ri­os, é pre­ci­so

Exis­te ra­zão de am­bos os la­dos e é pre­ci­so bom sen­so e au­sên­cia de ra­di­ca­lis­mos, pa­ra en­con­trar so­lu­ções jus­tas pa­ra os bol­sei­ros e úteis pa­ra as ins­ti­tui­ções, sem pôr em cau­sa os prin­cí­pi­os es­sen­ci­ais de­fen­di­dos por gran­de par­te da aca­de­mia

que acom­pa­nhe es­sas in­ten­ções com os re­cur­sos ne­ces­sá­ri­os ao seu cum­pri­men­to. O país e as ins­ti­tui­ções não se po­dem dar ao luxo de mar­gi­na­li­zar ou em­pur­rar pa­ra a emi­gra­ção ou de­sem­pre­go mui­tas das pes­so­as mais qua­li­fi­ca­das de que o país dis­põe. Há tam­bém que con­si­de­rar os as­pec­tos so­ci­ais e hu­ma­nos de quem já an­da na ca­sa dos 40, 50 ou mais anos.

Nes­te pro­ble­ma há tam­bém ou­tras ques­tões a con­si­de­rar, por exem­plo, a ne­ces­si­da­de de re­ju­ve­nes­ci­men­to em mui­tas uni­ver­si­da­des, pois as res­tri­ções às con­tra­ta­ções nas úl­ti­mas du­as dé­ca­das cri­a­ram em mui­tas ins­ti­tui­ções um cor­po do­cen­te en­ve­lhe­ci­do. Is­to acon­se­lha­ria a uma po­lí­ti­ca de con­tra­ta­ção de as­sis­ten­tes no­vos pa­ra se­rem for­ma­dos e se­rem os pro­fes­so­res do fu­tu­ro. Mas es­te pro­ces­so de­mo­ra tem­po, que em al­guns ca­sos não exis­te. Ou se­ja, é pre­ci­so pen­sar na tran­si­ção, pa­ra a qual os bol­sei­ros, a in­te­grar, po­dem dar um con­tri­bu­to po­si­ti­vo.

Ten­do em con­ta o ex­pos­to, pen­sa-se que com bom sen­so e au­sên­cia de ra­di­ca­lis­mos, se o Es­ta­do dis­po­ni­bi­li­zar às ins­ti­tui­ções de in­ves­ti­ga­ção os re­cur­sos que pre­ci­sa­ri­am, o pro­ble­ma dos bol­sei­ros e in­ves­ti­ga­do­res pre­cá­ri­os po­de­ria ter uma so­lu­ção so­ci­al­men­te jus­ta e do in­te­res­se do país e das ins­ti­tui­ções, sem vi­o­la­ção do prin­cí­pio bá­si­co da en­tra­da na car­rei­ra e pro­mo­ção pe­lo mé­ri­to. De­ve-se tam­bém re­al­çar-se que é im­por­tan­te não re­pe­tir os er­ros do pas­sa­do, pa­ra que da­qui a dez ou 20 anos não te­nha­mos um pro­ble­ma de pre­cá­ri­os na in­ves­ti­ga­ção co­mo te­mos ago­ra. É ne­ces­sá­rio de­fi­nir as re­gras pa­ra que os bol­sei­ros ou in­ves­ti­ga­do­res dou­to­ra­dos sai­bam com o que con­tar e não per­mi­tir que as si­tu­a­ções se pos­sam eter­ni­zar, co­mo acon­te­ceu com mui­tos dos ac­tu­ais pre­cá­ri­os.

Nes­te con­tex­to, a par da re­so­lu­ção des­te pro­ble­ma, é pre­ci­so que o Es­ta­do, a aca­de­mia e a in­dús­tria (que de­ve­ria in­te­grar um nú­me­ro cres­cen­te de dou­to­ra­dos, pa­ra pro­mo­ver a ino­va­ção e me­lho­rar a com­pe­ti­ti­vi­da­de) re­pen­sem o fi­nan­ci­a­men­to da in­ves­ti­ga­ção e do em­pre­go de dou­to­ra­dos na in­dús­tria e, em al­guns as­pec­tos, se adop­tem mo­de­los e prá­ti­cas mais sus­ten­tá­veis do que as dos úl­ti­mos anos. Ou se­ja, é pre­ci­so pen­sar no fu­tu­ro da in­ves­ti­ga­ção e dos in­ves­ti­ga­do­res, na aca­de­mia e na in­dús­tria, no cur­to, mé­dio e lon­go pra­zo. A re­so­lu­ção do pro­ble­ma dos ac­tu­ais pre­cá­ri­os na in­ves­ti­ga­ção po­de e de­ve re­sul­tar de uma re­fle­xão abran­gen­te e não de mais me­di­das avul­sas que es­sen­ci­al­men­te adi­am os pro­ble­mas sem os re­sol­ve­rem de for­ma du­ra­dou­ra. Pro­fes­sor au­xi­li­ar e pro­fes­sor ca­te­drá­ti­co ju­bi­la­do do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Téc­ni­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.