“O ins­tru­tor avi­sou-nos: ‘Vou tor­nar-me num ani­mal’”

O or­gu­lho e os ris­cos de ser co­man­do con­ta­dos na pri­mei­ra pes­soa por quem fez o cur­so há no­ve anos

Edição Público Porto - - PRI­MEI­RA PÀ­GI­NA - Ana Di­as Cor­dei­ro

Fiz o cur­so de Co­man­dos na Car­re­guei­ra e não me ar­re­pen­do. Não hou­ve um dia em que não te­nha pen­sa­do em de­sis­tir. Não há nin­guém que não pen­se nis­so. Nin­guém es­tá pre­pa­ra­do. E há sem­pre um mo­men­to de fra­que­za, de so­fri­men­to. Da­mos for­ça uns aos ou­tros e es­sa é uma das prin­ci­pais apren­di­za­gens.

Ca­da gru­po de 80 ou 100 ins­tru­en­dos tem co­mo ins­tru­to­res um ofi­ci­al e um sar­gen­to, ou um ofi­ci­al e dois sar­gen­tos. Es­tes res­pon­dem ao co­man­dan­te de com­pa­nhia, que é um ca­pi­tão. De­pois, o gru­po é di­vi­di­do. O ca­pi­tão que era meu co­man­dan­te de com­pa­nhia ti­nha ele­va­dos va­lo­res mo­rais e um gran­de sen­ti­do da res­pon­sa­bi­li­da­de.

Lo­go no iní­cio, um dos nos­sos ins­tru­to­res che­gou ao pé de nós — es­tá­va­mos no in­te­ri­or da ca­ser­na — e dis­se: “A pes­soa que vo­cês es­tão a ver aqui não é a mes­ma pes­soa que vão ver no cur­so. Eu vou tor­nar-me num ani­mal.” Exis­tiu sin­ce­ri­da­de. Aqui­lo que ele nos ten­tou trans­mi­tir com aque­la con­ver­sa foi: “A par­tir da­qui, es­tão por vos­sa con­ta.” E de­pois: “Sa­bem re­al­men­te no que se vão me­ter?” Não sa­be­mos.

Num dos cas­ti­gos, ti­ve que ras­te­jar na gra­vi­lha ao lon­go de 200 me­tros. Foi psi­co­lo­gi­ca­men­te de­vas­ta­dor. En­quan­to eu ras­te­ja­va, ti­nha um dos ins­tru­to­res per­ma­nen­te­men­te a di­zer-me: “Es­tás a ver? Dei­xa­rem-te pa­ra trás.” Ele que­ria di­zer-me que os meus co­le­gas de equi­pa não se ti­nham lem­bra­do de mim, e por is­so eu ti­nha che­ga­do atra­sa­do. Não era ver­da­de. Cho­rei não pe­lo cas­ti­go fí­si­co que me dei­xou os jo­e­lhos e co­to­ve­los em san­gue e a far­da num far­ra­po; cho­rei por es­ta­rem a in­cu­tir-me es­sa des­con­fi­an­ça. A ver­da­de é que, qu­an­do um de nós não es­tá, to­da a equi­pa so­fre. E eu não es­ta­va. Fui cas­ti­ga­do.

Nes­se pro­ces­so, o que se pro­cu­ra es­ti­mu­lar é o com­pa­nhei­ris­mo e o es­pí­ri­to de sa­cri­fí­cio, tam­bém pe­lo ou­tro. Na guer­ra, por cau­sa de um elo mais fra­co, os ou­tros po­dem li­te­ral­men­te mor­rer. Os que es­tão ali con­nos­co de­vem ser ca­pa­zes de dar a vi­da por nós.

Só os me­lho­res dos cur­sos po­dem ser ins­tru­to­res. Mas exis­tem ins­tru­to­res bons e ins­tru­to­res maus. Se são más pes­so­as, con­ti­nu­am a ser más pes­so­as qu­an­do che­gam a ins­tru­to­res. No cur­so de Co­man­dos, há coi­sas que nos são exi­gi­das que são des­ne­ces­sá­ri­as, por­que há al­guns ho­mens com ins­tin­tos ani­ma­les­cos.

Vão pa­ra ali a pen­sar que são os mai­o­res do mun­do. São bru­tos, e to­dos são sel­va­gens no cur­so. Mas não quer di­zer que to­dos o se­jam cá fo­ra. Com um des­ses ins­tru­to­res, só 16 das de­ze­nas de ins­tru­en­dos que es­ta­vam no iní­cio con­cluí­ram o cur­so. No meu cur­so, fo­mos 20 e tal a ter­mi­nar.

A gran­de mai­o­ria de­sis­te. Mas acon­te­ce me­nos com aque­les que já são mi­li­ta­res. Quem não é mi­li­tar, não sa­be. Eu não era mi­li­tar. Que­ria fa­zer en­fer­ma­gem na tro­pa. De­pois pen­sei: se eu vou pa­ra a tro­pa, vou pa­ra uma coi­sa on­de vai exis­tir um tes­te aos meus pró­pri­os li­mi­tes, fí­si­cos e psi­co­ló­gi­cos.

Nu­ma noi­te mui­to fria, fa­zía­mos gi­nás­ti­ca em tron­co nu e três caí­ram pa­ra o la­do. Num ou­tro cur­so, es­que­ce­ram-se de um ins­tru­en­do den­tro de um char­co no qual ti­nha si­do obri­ga­do a fi­car dei­ta­do, por cas­ti­go. Vol­ta­ram pa­ra o ir bus­car. Ele já es­ta­va em hi­po­ter­mia.

Às ve­zes não há sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de. Hou­ve ins­tru­en­dos que par­ti­ram as du­as per­nas por caí­rem na pro­va da cor­da rá­pi­da, em que é pre­ci­so des­cer por uma cor­da de uma al­tu­ra equi­va­len­te a um quar­to an­dar. Não há na­da que nos se­pa­re do chão. Nos Co­man­dos, só se po­de usar os bra­ços, e não se po­dem cru­zar as per­nas, du­ran­te a des­ci­da.

Um co­le­ga meu es­ta­va agar­ra­do à cor­da lá em ci­ma, não des­cia. De for­ma com­ple­ta­men­te ir­res­pon­sá­vel, e pa­ra o pu­nir, cá em bai­xo, o ins­tru­tor co­me­çou a sa­cu­dir a cor­da. O meu co­le­ga só não caiu por aca­so.

No cam­po, não se pá­ra, nem quem fi­ca do­en­te. Nem pen­sar. Uma gri­pe, uma in­to­xi­ca­ção ali­men­tar, na­da con­ta. E quem pen­sa que não vai aguen­tar tem que aguen­tar. A quem ma­goa um pé, é-lhe di­to: “Tens dois pés, cor­re com o ou­tro.” Só uma coi­sa com­ple­ta­men­te in­ca­pa­ci­tan­te é que per­mi­te a um ins­tru­en­do pa­rar uma pro­va. Che­ga uma al­tu­ra em que ve­mos as coi­sas com na­tu­ra­li­da­de. Des­mai­ar, vo­mi­tar, en­trar em hi­po­ter­mia tor­na-se ba­nal. Exis­te pres­são. So­mos miú­dos. Te­mos 20 e pou­cos anos.

Os tes­tes de ad­mis­são de­vi­am ser mais di­fí­ceis, e os exa­mes mé­di­cos mais ri­go­ro­sos. Ha­via um co­le­ga que ti­nha ti­do uma he­pa­ti­te e o que ti­nha me­do das al­tu­ras, não de­vi­am es­tar ali. E es­ta­vam, a fa­zer tu­do igual aos ou­tros.

As pes­so­as não sa­bem pa­rar. Qu­an­do di­go as pes­so­as, fa­lo dos ins­tru­to­res. Há ins­tru­to­res que não sa­bem pa­rar. A gran­de mai­o­ria dos exer­cí­ci­os é ne­ces­sá­ria. Mas se po­de­mos fa­zer as coi­sas com se­gu­ran­ça, era as­sim que de­via ser. E nem sem­pre is­so acon­te­ce.

A in­se­gu­ran­ça não é só du­ran­te as pro­vas. Há mui­ta gen­te que vem do Nor­te do país fa­zer a ins­tru­ção na Car­re­guei­ra. Hou­ve dois aci­den­tes de au­to­mó­vel com co­le­gas do meu cur­so. Aci­den­tes gra­ves. Saí­ram da ins­tru­ção exaus­tos e qui­se­ram che­gar o mais de­pres­sa pos­sí­vel a ca­sa. Um fi­cou pa­ra­plé­gi­co; o ou­tro de­sis­tiu.

Che­ga­mos a ca­sa com as far­das com­ple­ta­men­te ro­tas e des­fei­tas, com cas­ca­lho den­tro dos bol­sos, com ar­ra­nhões e fe­ri­das pe­lo cor­po to­do. A mi­nha mãe di­zia: “Pa­re­ces um Cris­to.” E não te­mos mui­to tem­po. Ir a ca­sa não é o mes­mo que des­can­sar. Acon­te­cia de 11 em 11 di­as, apro­xi­ma­da­men­te. Fi­ca­va dois di­as, mas con­ti­nu­a­va em per­ma­nen­te es­ta­do de aler­ta. O cor­po es­tá ha­bi­tu­a­do a dor­mir qua­tro ho­ras e nun­ca sa­be­mos o que po­de acon­te­cer.

So­mos vo­lun­tá­ri­os. Mas de­sis­tir nem sem­pre é fá­cil. O cus­to pa­ra o Es­ta­do da for­ma­ção é mui­to al­to, e por is­so não era ób­vio de­sis­tir a meio de uma fa­se. Mui­tos co­man­dan­tes de com­pa­nhia, co­mo o meu, só per­mi­tem a de­sis­tên­cia no fim de uma de­ter­mi­na­da fa­se, que du­ra cer­ca de um mês. É uma for­ma de pu­ni­ção — fi­car até es­tar con­cluí­da es­sa fa­se.

As no­tas dos tes­tes fí­si­cos e psi­co­téc­ni­cos são su­pe­ri­o­res às da tro­pa con­ven­ci­o­nal. Mes­mo as­sim, as pro­vas de ad­mis­são de­vi­am ser mais di­fí­ceis, pa­ra ha­ver uma mai­or se­lec­ção à par­ti­da. E de­via ha­ver mais in­for­ma­ção. O cur­so te­ria me­nos gen­te, mas gen­te mais ca­paz. Exis­tem ví­de­os a pro­mo­ver a ida pa­ra os co­man­dos. Cam­pa­nhas à por­ta dos cen­tros co­mer­ci­ais. Eu pró­prio fiz di­vul­ga­ção. É pos­to de uma ma­nei­ra mui­to he­rói­ca. Tam­bém mos­tra a du­re­za de al­guns exer­cí­ci­os. Não é só pro­pa­gan­da, mas a in­for­ma­ção é pos­ta de uma ma­nei­ra pa­trió­ti­ca.

Qu­an­do va­mos aos pri­mei­ros tes­tes no Cen­tro de Co­man­dos da Car­re­guei­ra, per­gun­tam-nos: “Gos­tas de des­por­tos ra­di­cais? Gos­tas de an­dar de he­li­cóp­te­ro? Gos­tas de ar­mas?”

Is­so não é su­fi­ci­en­te. Não sa­be­mos ao que va­mos. E de­vía­mos sa­ber. Exis­te uma de­ter­mi­na­da es­tru­tu­ra dos cur­sos: a fa­se in­di­vi­du­al, a fa­se de equi­pa e de gru­po. A pri­mei­ra fa­se é aque­la em que não é tão im­por­tan­te a ins­tru­ção, mas ver quem re­al­men­te tem ap­ti­dões. Num gru­po de 100, são eli­mi­na­das mui­tas pes­so­as.

O cur­so é uma va­lo­ri­za­ção. Mas o fac­to de se ser co­man­do não quer di­zer que se é me­lhor que os ou­tros. É bom pa­ra um de­ter­mi­na­do ob­jec­ti­vo: o de ir pa­ra a guer­ra, pa­ra a fren­te de com­ba­te. Eu não fui, por­que, pa­ra mim, o cur­so foi uma ex­pe­ri­ên­cia de vi­da.

Qu­an­do re­ce­be­mos a boi­na, exis­te um or­gu­lho tão gran­de que nin­guém se lem­bra. O pes­so­al es­que­ce, fi­ca con­ten­te, fi­ca or­gu­lho­so. Al­go que foi trau­ma­ti­zan­te aca­ba por fi­car es­con­di­do ao su­pe­rar­mos os nos­sos li­mi­tes.

Qu­an­do o cor­po des­li­ga

O que fi­cou pa­ra trás? Cor­rer na gra­vi­lha, des­cal­ço; mil paus de chi­ne­lo (le­van­tar os bra­ços com o cor­po hir­to) e a se­guir, já no li­mi­te das nos­sas for­ças, lan­çar­mo­nos nu­ma pro­va de cor­ri­da ou de re­sis­tên­cia. Vin­te qui­ló­me­tros a cor­rer com dez qui­los às cos­tas. Ou 12 qui­ló­me­tros com 16 qui­los. E de­pois di­ze­rem-nos: “Is­to não aca­ba aqui.” Ou fi­car in­de­fi­ni­da­men­te de có­co­ras na “po­si­ção de ele­fan­te pen­san­te”, com o pe­so to­do do cor­po e da G3 em pu­nho. Fa­zer fle­xões com os pu­nhos na gra­vi­lha. De­ze­nas de fle­xões. Há quem di­ga que um co­man­do nun­ca se dei­ta por me­nos de 50.

Há um mo­men­to em que sen­ti­mos que o nos­so cor­po tem ca­pa­ci­da­de de des­li­gar. O so­fri­men­to tor­na-nos pes­so­as mais cons­ci­en­tes.

Psi­co­lo­gi­ca­men­te, o cur­so é des­gas­tan­te e vi­o­len­to. Hou­ve du­as pes­so­as eli­mi­na­das no úl­ti­mo dia do cur­so. Fi­ze­ram tu­do co­mo os ou­tros até ao úl­ti­mo dia e não fo­ram acei­tes por, su­pos­ta­men­te, não te­rem o es­pí­ri­to de sa­cri­fí­cio ne­ces­sá­rio. Mais tar­de, um de­les vol­tou e foi co­man­do. Os co­man­dos, na Car­re­guei­ra, são uma das três for­ças es­pe­ci­ais do Exér­ci­to, além das Ope­ra­ções Es­pe­ci­ais Ran­gers, em La­me­go, e dos pá­ra-que­dis­tas em Tan­cos.

Te­mos vá­ri­as pro­vas. A pro­va de ti­ro de com­ba­te é pre­ce­di­da de uma pre­pa­ra­ção que si­mu­la uma si­tu­a­ção de com­ba­te. Cor­re­mos, ras­te­ja­mos nas sil­vas, ro­la­mos no chão, car­re­ga­mos pe­sos. Num cur­so de três me­ses te­mos cer­ca de 20 ti­ros de com­ba­te com es­sa si­tu­a­ção de com­ba­te si­mu­la­do, em que fa­ze­mos o ti­ro ao al­vo já de­pois de es­tar­mos com­ple­ta­men­te des­gas­ta­dos pe­la pro­va.

Na Se­ma­na da So­bre­vi­vên­cia, ti­ram-nos tu­do. Fi­ca­mos sem far­da, nem mo­chi­la, nem re­cur­sos ali­men­ta­res, du­ran­te qua­tro ou cin­co di­as. Te­mos que cons­truir abri­gos, fa­zer rou­pa com se­ra­pi­lhei­ra; ma­tar e co­zi­nhar um ani­mal que po­de ser um co­e­lho ou uma ga­li­nha. Ca­da gru­po tem de fa­zer is­so.

Aca­ba­mos por nos co­nhe­cer­mos a nós mes­mos por es­tar­mos sem­pre a tes­tar os nos­sos li­mi­tes. Fi­co a sa­ber quais as mi­nhas li­mi­ta­ções, as mi­nhas di­fi­cul­da­des. Olho pa­ra mim de ou­tra for­ma: se­rá que sou ami­go do meu ami­go, exis­te egoís­mo da mi­nha par­te, ou sou ca­paz de me sa­cri­fi­car pe­lo ou­tro? No fim do cur­so, um co­po de água não ti­nha o mes­mo va­lor pa­ra mim. Ou um col­chão. Coi­sas bá­si­cas ga­nham um no­vo sen­ti­do.

A Se­ma­na In­ver­ti­da é a se­ma­na em que se faz à noi­te o que nor­mal­men­te se faz du­ran­te o dia, e vi­ce-ver­sa. Aqui­lo é um cho­que tão gran­de no cor­po que aca­ba por nos de­so­ri­en­tar com­ple­ta­men­te. Faz par­te da ac­ção psi­co­ló­gi­ca, a mes­ma que nos faz dor­mir ao som al­to de mú­si­cas mon­ta­das pa­ra re­pe­tir um de­ter­mi­na­do re­frão ou fra­se, até à exaus­tão. Eu con­se­guia dor­mir em qual­quer la­do. Che­guei a dor­mir de pé, de tão can­sa­do.

Exis­te uma sequên­cia co­mum a to­dos os cur­sos. Mas à par­ti­da nun­ca sa­be­mos qu­an­do va­mos ser cha­ma­dos pa­ra os exer­cí­ci­os. Po­de ser a meio da noi­te, de ma­dru­ga­da. Po­de ser qu­an­do es­ta­mos pres­tes pa­ra a ir a ca­sa, e nos di­zem que afi­nal não va­mos, es­se mo­men­to não che­ga e não sa­be­mos qu­an­do che­ga­rá.

Qu­an­do re­ce­be­mos a boi­na, exis­te um or­gu­lho mui­to gran­de. O pes­so­al fi­ca con­ten­te, fi­ca or­gu­lho­so. E es­que­ce. O que foi trau­ma­ti­zan­te fi­ca es­con­di­do ao su­pe­rar­mos os nos­sos li­mi­tes

DR

LUÍS RA­MOS/AR­QUI­VO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.