Rui Rio ce­deu na Arrábida pa­ra pou­par 160 mi­lhões

Rio deu luz ver­de à po­lé­mi­ca cons­tru­ção na zo­na de pro­tec­ção da Pon­te da Arrábida pa­ra não pa­gar in­dem­ni­za­ção

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Patrícia Carvalho patricia.carvalho@pu­bli­co.pt

O des­blo­que­ar da cons­tru­ção do po­lé­mi­co em­pre­en­di­men­to na es­car­pa da Pon­te da Arrábida, no Por­to, foi uma con­tra­par­ti­da pa­ra que o en­tão pre­si­den­te da Câ­ma­ra do Por­to e ac­tu­al lí­der do PSD, Rui Rio, con­se­guis­se apre­sen­tar, em Ju­lho de 2009, a ver­são fi­nal do acor­do do Par­que da Ci­da­de.

As cons­tru­ções, que o exe­cu­ti­vo de Rio sem­pre con­tes­ta­ra, no­me­a­da­men­te em tri­bu­nal, têm um Pe­di­do de In­for­ma­ção Pré­via (PIP) de­fe­ri­do em 2009, com ba­se num pa­re­cer dos ser­vi­ços in­ter­nos da au­tar­quia. O li­cen­ci­a­men­to é de 2013, já com o mu­ni­cí­pio mu­ni­do de um ou­tro pa­re­cer pe­di­do ex­ter­na­men­te. Am­bos os pa­re­ce­res ju­rí­di­cos de­fen­dem que a Imo­loc, uma pro­mo­to­ra imo­bi­liá­ria, ou quem lhe su­ce­des­se, ti­nha di­rei­tos cons­ti­tuí­dos na­que­le lo­cal. O PÚ­BLI­CO sa­be que exis­ti­ram co­mu­ni­ca­ções entre funcionários da câ­ma­ra e ju­ris­tas a in­di­car que os pa­re­ce­res te­ri­am de ser fa­vo­rá­veis à Imo­loc, por­que só as­sim se­ria as­si­na­do o acor­do do Par­que da Ci­da­de.

Já exis­ti­ra uma pri­mei­ra ver­são des­se acor­do, de De­zem­bro de 2008, mas que ca­du­ca­ra sem ser con­cre­ti­za­da. Em Ju­lho de 2009, Rui Rio chama os jor­na­lis­tas pa­ra apre­sen­tar o que se­rá a ver­são fi­nal do acor­do do Par­que da Ci­da­de, entre a Câ­ma­ra do Por­to e o con­sór­cio que pos­suía ter­re­nos na­que­le lo­cal, cons­ti­tuí­do pe­la Mé­dio e Lon­go Pra­zo (her­dei­ra dos cré­di­tos da Imo­loc, en­tre­tan­to em pro­ces­so de in­sol­vên­cia), a Prés­ti­mo e a Jar­dins de Fran­ça. As ne­go­ci­a­ções per­mi­ti­ri­am pôr fim a to­dos os pro­ces­sos ju­di­ci­ais en­vol­ven­do os ter­re­nos do par­que — que, no li­mi­te, po­de­ri­am cus­tar ao mu­ni­cí­pio mais de 160 mi­lhões de eu­ros — a tro­co de uma in­dem­ni­za­ção na or­dem dos 43,9 mi­lhões, que a câ­ma­ra pa­ga­ria atra­vés da ali­e­na­ção de um con­jun­to de imó­veis, que in­cluíam o Ma­ta­dou­ro ou o Edi­fí­cio Trans­pa­ren­te.

O que nun­ca se dis­se na al­tu­ra é que, pa­ra que a Mé­dio e Lon­go Pra­zo as­si­nas­se o acor­do, era ne­ces­sá­rio que fos­se des­blo­que­a­do o em­pre­en­di­men­to na es­car­pa da Arrábida, cu­ja cons­tru­ção fora sis­te­ma­ti­ca­men­te in­de­fe­ri­da pe­lo primeiro ve­re­a­dor do Ur­ba­nis­mo de Rui Rio, Ri­car­do Fi­guei­re­do, e que a em­pre­sa an­da­va há anos a con­tes­tar em tri­bu­nal. Em Ou­tu­bro de 2008, quan­do de­cor­ri­am as ne­go­ci­a­ções so­bre o Par­que da Ci­da­de, a Câ­ma­ra do Por­to so­li­ci­ta um pa­re­cer in­ter­no que in­di­cas­se se a Imo­loc ain­da ti­nha di­rei­tos edi­fi­ca­ti­vos na es­car­pa. Se­gun­do in­for­ma­ção pres­ta­da à im­pren­sa, há pou­cas se­ma­nas, pe­la pró­pria Câ­ma­ra do Por­to, é com ba­se nes­te pa­re­cer que Li­no Ferreira de­fe­re, em Abril de 2009, o PIP apre­sen­ta­do pe­la Ar­ca­da, a em­pre­sa que se pre­pa­ra­va pa­ra com­prar os ter­re­nos da Mé­dio e Lon­go Pra­zo, e que, à da­ta, ti­nha co­mo ad­mi­nis­tra­dor úni­co Pau­lo Barros Va­le. Con­tu­do, exis­tem co­mu­ni­ca­ções que in­di­cam que es­te pa­re­cer ju­rí­di­co já fora pe­di­do com o ob­jec­ti­vo de se en­con­trar uma so­lu­ção fa­vo­rá­vel à cons­tru­ção.

No ca­so do se­gun­do pa­re­cer, da au­to­ria do ju­ris­ta Pau­lo Gon­çal­ves, de Coim­bra, as ins­tru­ções são cla­ras: é pre­ci­so per­ce­ber se é pos­sí­vel en­con­trar ra­zões que per­mi­tam ar­gu­men­tar que ain­da exis­tem di­rei­tos de­cor­ren­tes do PIP de 2002, pa­ra jus­ti­fi­car o de­fe­ri­men­to do li­cen­ci­a­men­to da­que­la obra, por­que só as­sim se­rá as­si­na­do o Acor­do do Par­que da Ci­da­de. O pa­re­cer re­co­nhe­ce a exis­tên­cia des­ses di­rei­tos e em Mar­ço de 2013 o en­tão ve­re­a­dor do Ur­ba­nis­mo de Rui Rio, Gon­ça­lo Gon­çal­ves, li­cen­cia a obra que, ain­da ho­je, es­tá a cau­sar po­lé­mi­ca, sen­do mes­mo al­vo de uma in­ves­ti­ga­ção por par­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

Im­bró­glio an­ti­go

O im­bró­glio em tor­no dos ter­re­nos da Arrábida co­me­çou quan­do, a 7 de Ja­nei­ro de 2002, Nu­no Car­do­so, a di­as de dei­xar a pre­si­dên­cia da câ­ma­ra (ga­nha, en­tre­tan­to, por Rui Rio, mas que ain­da não to­ma­ra pos­se), emi­te um des­pa­cho no qual di­zia ho­mo­lo­gar o pa­re­cer fa­vo­rá­vel ao PIP do Ga­bi­ne­te de Ava­li­a­ção de Pro­jec­tos Es­tra­té­gi­cos (GAPE), mas dei­xa­va “a de­ci­são fi­nal pa­ra o pró­xi­mo exe­cu­ti­vo”. Tu­do o que acon­te­ceu a se­guir es­te­ve, de al­gu­ma ma­nei­ra, re­la­ci­o­na­do com es­te des­pa­cho de Nu­no Car­do­so. A Imo­loc ar­gu­men­ta­va que o au­tar­ca ti­nha apro­va­do o PIP, ao ho­mo­lo­gar o pa­re­cer do GAPE — e que era con­trá­rio ao de ou­tro or­ga­nis­mo da au­tar­quia, a Co­mis­são Mu­ni­ci­pal de De­fe­sa do Pa­tri­mó­nio, que emi­ti­ra pa­re­cer des­fa­vo­rá­vel — e que, mes­mo que as­sim não fos­se en­ten­di­do, te­ria ha­vi­do um de­fe­ri­men­to tá­ci­to, já que o des­pa­cho de Car­do­so foi es­cri­to a 7 de Ja­nei­ro de 2002, o úl­ti­mo dia pa­ra que a câ­ma­ra se pu­des­se pro­nun­ci­ar so­bre o PIP. Ao não de­ci­dir, de­ci­di­ra ta­ci­ta­men­te, ar­gu­men­ta­vam. E a em­pre­sa avan­ça pa­ra tri­bu­nal.

A pri­mei­ra vez que a Imo­loc re­cor­reu aos tribunais no âm­bi­to des­te pro­ces­so foi pa­ra ten­tar sus­pen­der a efi­cá­cia do ac­to do en­tão ve­re­a­dor do Ur­ba­nis­mo, Ri­car­do Fi­guei­re­do, que em 19 de Novembro de 2002, e de­pois de ou­vir os in­te­res­sa­dos, in­de­fe­ri­ra o PIP apre­sen­ta­do em 2 de

O PÚ­BLI­CO sa­be que exis­ti­ram co­mu­ni­ca­ções entre funcionários da câ­ma­ra e ju­ris­tas a in­di­car que os pa­re­ce­res te­ri­am de ser fa­vo­rá­veis à Imo­loc, por­que só as­sim se­ria as­si­na­do o acor­do do Par­que da Ci­da­de

Mar­ço de 2001 e que fora al­vo de dois adi­ta­men­tos. Es­te primeiro pro­ces­so, que cor­reu no Tri­bu­nal Ad­mi­nis­tra­ti­vo do Por­to, re­sul­tou na re­jei­ção do pe­di­do da Imo­loc, lo­go em 2003.

In­sis­tin­do que o des­pa­cho de Nu­no Car­do­so lhe con­fe­ri­ra di­rei­tos, a em­pre­sa avan­ça com no­vo pro­ces­so, ago­ra no Tri­bu­nal Ad­mi­nis­tra­ti­vo e Fis­cal de Penafiel, pro­cu­ran­do im­pug­nar os des­pa­chos de Ri­car­do Fi­guei­re­do de 16 de Ou­tu­bro e de 19 de Novembro de 2002 que ti­nham le­va­do ao in­de­fe­ri­men­to do PIP. De no­vo, a em­pre­sa per­de. Em 12 de Mar­ço de 2007, o tri­bu­nal de­ci­de “ne­gar pro­vi­men­to ao re­cur­so”, jul­gan­do “im­pro­ce­den­tes os ví­ci­os in­vo­ca­dos”. E é so­bre es­ta de­ci­são que a Imo­loc de­ci­de re­cor­rer pa­ra o Su­pre­mo Tri­bu­nal Ad­mi­nis­tra­ti­vo (STA), con­se­guin­do aí a sua pri­mei­ra vi­tó­ria, ain­da que mui­to li­mi­ta­da em re­la­ção às su­as pre­ten­sões.

Ví­ci­os por apreciar

O que o Su­pre­mo de­ci­de, a 5 de Fe­ve­rei­ro de 2009, é anu­lar a sen­ten­ça de 2007 “e or­de­nar a bai­xa do pro­ces­so ao tri­bu­nal re­cor­ri­do pa­ra pro­la­ção de no­va de­ci­são”. Não por­que o Su­pre­mo ti­ves­se en­ten­di­do que aque­la de­ci­são fora er­ra­da nos pon­tos que ana­li­sa­ra, mas por­que não ti­nham sido apre­ci­a­dos to­dos os ale­ga­dos “ví­ci­os de vi­o­la­ção da lei” apre­sen­ta­dos pe­la em­pre­sa. O re­gres­so à pri­mei­ra ins­tân­cia ti­nha co­mo ob­jec­ti­vo que es­ta se pro­nun­ci­as­se de no­vo so­bre to­dos os pon­tos apre­sen­ta­dos pe­la re­cor­ren­te, mas na­da ga­ran­tia que a de­ci­são fi­nal se­ria di­fe­ren­te da ini­ci­al, des­fa­vo­rá­vel à em­pre­sa.

Ti­ves­se a de­ci­são do STA ocor­ri­do nou­tra al­tu­ra e tal­vez Rui Rio es­ti­ves­se mais do que dis­pos­to a con­ti­nu­ar a li­ti­gar. Mas o au­tar­ca vi­ra-se con­fron­ta­do com uma de­ci­são do Tri­bu­nal da Re­la­ção do Por­to que con­de­na­va a câ­ma­ra, num dos pro­ces­sos do Par­que da Ci­da­de, a pa­gar uma in­dem­ni­za­ção cu­jo va­lor, ex­tra­po­lan­do pa­ra os ou­tros pro­ces­sos que ain­da cor­ri­am so­bre o mes­mo ca­so, po­de­ria, no to­tal, apon­tar pa­ra uma in­dem­ni­za­ção fi­nal su­pe­ri­or a 160 mi­lhões de eu­ros (pa­ra que se per­ce­ba o im­pac­to, re­cor­de-se que o or­ça­men­to to­tal da câ­ma­ra pa­ra 2009 era de 226 mi­lhões de eu­ros).

Se­gun­do a pri­mei­ra ver­são do acor­do, de 2008, o con­sór­cio com­pro­me­tia-se a pôr fim a to­dos os pro­ces­sos ju­di­ci­ais e a câ­ma­ra ce­dia em tro­ca um con­jun­to de imó­veis, ava­li­a­do em 43,9 mi­lhões de eu­ros, pa­ra os quais o con­sór­cio iria en­con­trar com­pra­do­res. O acor­do ca­du­cou sem ter sido con­cre­ti­za­do e em Ju­lho de 2009 e pe­ran­te a ame­a­ça de os pro­ces­sos se­rem re­ac­ti­va­dos, o au­tar­ca apre­sen­ta a que se­ria a ver­são fi­nal do acor­do — man­tém-se o va­lor da in­dem­ni­za­ção (acres­ci­do de ju­ros) e os imó­veis con­ti­nu­am a ser a for­ma de ar­ran­jar o va­lor acor­da­do, mas se­rá a câ­ma­ra a ali­e­ná-los.

Fon­tes li­ga­das às ne­go­ci­a­ções in­di­ca­ram ao PÚ­BLI­CO que Pau­lo Barros Va­le — ad­mi­nis­tra­dor da Ar­ca­da e cu­jas em­pre­sas, pos­te­ri­or­men­te, apa­re­ce­ri­am co­mo pro­mi­ten­tes com­pra­do­res de imó­veis que o mu­ni­cí­pio pre­ten­dia ali­e­nar pa­ra pa­gar a in­dem­ni­za­ção do Par­que da Ci­da­de — es­te­ve, de fac­to, en­vol­vi­do no pro­ces­so ne­go­ci­al, mas, qu­es­ti­o­na­do pe­lo PÚ­BLI­CO, o em­pre­sá­rio ne­gou es­se en­vol­vi­men­to, di­zen­do des­co­nhe­cer se foi ne­go­ci­a­da al­gu­ma con­tra­par­ti­da re­la­ci­o­na­da com os ter­re­nos da Ar­ca­da. O PÚ­BLI­CO ten­tou ou­vir Rui Rio so­bre todo es­te pro­ces­so, mas tal não foi pos­sí­vel.

Num ar­ti­go de opi­nião pu­bli­ca­do on­tem no Jor­nal de No­tí­ci­as e in­ti­tu­la­do “O crime ur­ba­nís­ti­co de Rio”, Pau­lo Morais, ex-ve­re­a­dor do Ur­ba­nis­mo de Rui Rio e pre­si­den­te da Fren­te Cí­vi­ca, clas­si­fi­ca­ra o pa­re­cer ju­rí­di­co in­ter­no da câ­ma­ra, de 2008, co­mo “exo­té­ri­co”, não atri­buin­do mais cre­di­bi­li­da­de ao se­gun­do pa­re­cer, ex­ter­no, pe­di­do em 2009. De­pois de ter con­sul­ta­do todo o pro­ces­so da Arrábida e de ter con­cluí­do que ele es­ta­va “mor­to e bem mor­to pe­lo ve­re­a­dor Ri­car­do Fi­guei­re­do”, Pau­lo Morais de­fen­de, em de­cla­ra­ções ao PÚ­BLI­CO, que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co “de­via em­bar­gar a obra de ime­di­a­to”.

Sem fa­zer re­fe­rên­cia ao pro­ces­so do Par­que da Ci­da­de, o ex-vi­ce­pre­si­den­te de Rui Rio dis­se não ter dú­vi­da de que os dois pa­re­ce­res ju­rí­di­cos exis­ti­am pa­ra sus­ten­tar o pe­di­do de PIP de Pau­lo Barros Va­le (que des­cre­ve co­mo “em­pre­sá­rio influente na au­ra de Rui Rio”) e pa­ra fa­zer “res­sus­ci­tar o pro­ces­so” do em­pre­en­di­men­to da Arrábida. O em­pre­sá­rio res­pon­deu a Morais, no Fa­ce­bo­ok, ques­ti­o­nan­do: “Qual é es­sa tal ca­pa­ci­da­de de in­fluên­cia es­pe­ci­al do ci­da­dão PBV so­bre Rui Rio, com quem nun­ca fa­lou so­bre o as­sun­to, nem nun­ca se­quer en­trou (em 12 anos) no seu ga­bi­ne­te?” No mes­mo es­pa­ço, o ex-vi­ce-pre­si­den­te de Rio res­pon­deu: “O pro­mo­tor não se re­cor­da­rá dos con­tac­tos que te­ve com Rui Rio na câ­ma­ra (on­de diz que não es­te­ve nos 12 anos de pre­si­dên­cia de Rio). Mas eu re­cor­do, por exem­plo, uma reu­nião em que Rio, eu pró­prio, o pro­mo­tor e mais par­ti­ci­pan­tes (que não re­fi­ro por ques­tões de edu­ca­ção) es­ti­ve­ram pre­sen­tes.”

De­pois da apro­va­ção do PIP de 2009, por Li­no Ferreira, o pro­jec­to de ar­qui­tec­tu­ra na es­car­pa da Arrábida foi apro­va­do pe­lo ve­re­a­dor do Ur­ba­nis­mo do úl­ti­mo man­da­to de Rui Rio, Gon­ça­lo Gon­çal­ves, em 2011. O li­cen­ci­a­men­to se­ria de­fe­ri­do, pe­lo mes­mo ve­re­a­dor, em Mar­ço de 2013. Já no man­da­to de Rui Mo­rei­ra, o em­pre­en­di­men­to foi al­vo de no­vos PIP, apro­va­dos pe­lo ve­re­a­dor Ma­nu­el Correia Fer­nan­des. Rui Lo­za, que lhe su­ce­deu na fun­ção, apro­vou o pro­jec­to de ar­qui­tec­tu­ra em Ju­nho de 2017, e o res­pon­sá­vel do Ur­ba­nis­mo no ac­tu­al man­da­to, Pe­dro Baganha, de­fe­riu o pe­di­do de li­cen­ci­a­men­to, em 16 de Novembro de 2017. O al­va­rá de obras da 1.ª fa­se é de 7 de Fe­ve­rei­ro des­te ano.

PAU­LO PI­MEN­TA

Du­ran­te o primeiro man­da­to, to­das as de­ci­sões foram no sen­ti­do de ne­gar a exis­tên­cia de di­rei­tos cons­tru­ti­vos na ba­se da es­car­pa da Pon­te da Arrábida

Rui Rio foi pre­si­den­te da Câ­ma­ra do Por­to entre 2002 e 2013

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.