Va­le dos Caí­dos O lu­gar que Fran­co cri­ou “pa­ra re­cor­dar aos ven­ci­dos que foram ven­ci­dos”

Mais de 40 anos de­pois do fim da di­ta­du­ra, a exu­ma­ção de Fran­co é o pon­to de par­ti­da pa­ra a re­con­ci­li­a­ção com o pas­sa­do de Es­pa­nha. Se­rá a con­cór­dia pos­sí­vel? Há mais per­gun­tas do que res­pos­tas

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Ma­nu­el Lou­ro, no Va­le dos Caí­dos

Ain­da se es­tá em ple­na au­to-es­tra­da nú­me­ro 6, que li­ga Ma­drid à Co­ru­nha e por on­de se per­cor­re a mai­or par­te dos 54 qui­ló­me­tros que se­pa­ram a ca­pi­tal es­pa­nho­la do Va­le dos Caí­dos. O GPS in­di­ca que faltam 14km pa­ra se che­gar ao des­ti­no, mas já se vê, ao fun­do, por entre as ár­vo­res da vas­ta ser­ra de Gu­a­dar­ra­ma, a im­po­nen­te cruz que é a protagonista do monumento no cen­tro da ac­tu­a­li­da­de po­lí­ti­ca es­pa­nho­la, o tú­mu­lo do di­ta­dor Francisco Fran­co.

O monumento, no va­le de Cu­el­ga­mu­ros, apro­xi­ma-se. O céu es­cu­re­ce, a tem­pe­ra­tu­ra bai­xa e ca­em os pri­mei­ros pin­gos de chu­va, con­tex­to me­te­o­ro­ló­gi­co ha­bi­tu­al por aqui. Ape­sar dis­so, a fila de car­ros na en­tra­da prin­ci­pal do com­ple­xo é sig­ni­fi­ca­ti­va — vai au­men­tar com o pas­sar do dia. Des­de a por­ta, on­de se pagam no­ve eu­ros, até à basílica on­de repousa o “ge­ne­ra­lís­si­mo”, há que per­cor­rer mais cin­co qui­ló­me­tros. O am­bi­en­te é de im­po­nên­cia — Fran­co cons­truiu um monumento à sua me­di­da, pa­ra que se sen­tis­se o pe­so da sua His­tó­ria. E pres­sen­te-se, ali, que a His­tó­ria é pesada.

“O ob­jec­ti­vo é tor­nar a pes­soa pe­que­na”, ex­pli­ca Án­gel Llo­ren­te, o his­to­ri­a­dor de ar­te e es­pe­ci­a­lis­ta em ar­te e ide­o­lo­gia fran­quis­ta que acom­pa­nhou o PÚ­BLI­CO ao Va­le dos Caí­dos. Mas, ao mes­mo tem­po, quer (ou quis) im­preg­nar quem a vê de or­gu­lho. “Quer-nos fa­zer di­zer ‘eu per­ten­ço ao país que fez es­ta obra’.”

Na au­to-es­tra­da 6, a cruz que re­pre­sen­ta o ideá­rio na­ci­o­nal-ca­to­li­cis­ta, de 150 me­tros de al­tu­ra e bra­ços de 23 me­tros cada, é uma mi­ni­a­tu­ra. Aqui, é um gi­gan­te que nos re­ce­be.

A cruz cen­tra o olhar de quem che­ga. Quan­do fi­nal­men­te o mag­ne­tis­mo de­sa­pa­re­ce, sur­ge a mag­ni­tu­de do res­to do com­ple­xo — a fa­mo­sa pra­ça com 30 mil me­tros qua­dra­dos, a im­po­nen­te es­ca­da­ria da basílica be­ne­di­ti­na de San­ta Cruz do Va­le dos Caí­dos, 240 me­tros de com­pri­do cons­truí­dos no in­te­ri­or da ro­cha que for­ma o va­le de Cu­el­ga­mu­ros, o ce­ná­rio na­tu­ral que en­vol­ve o monumento.

Tu­do ali foi pen­sa­do pa­ra trans­mi­tir uma ideia. No tec­to do in­te­ri­or da basílica foi man­ti­da a ro­cha original, co­mo em al­gu­mas par­tes do pátio ex­te­ri­or. “A uti­li­za­ção da ro­cha original é sím­bo­lo de for­ta­le­za, de for­ça”, ex­pli­ca Llo­ren­te. “No Va­le dos Caí­dos es­tá pre­sen­te o po­der fí­si­co, eco­nó­mi­co, po­lí­ti­co, ide­o­ló­gi­co e es­pi­ri­tu­al.”

No dia 1 de Abril de 1940, no primeiro ani­ver­sá­rio da vi­tó­ria nacionalista na san­gren­ta Guer­ra Ci­vil Es­pa­nho­la, foi pu­bli­ca­do o de­cre­to que deu a par­ti­da pa­ra a cons­tru­ção do monumento desejado por Fran­co. Se­ria fei­to pa­ra: “Per­pe­tu­ar a me­mó­ria dos que caí­ram na nos­sa glo­ri­o­sa cru­za­da.”

“A di­men­são da nos­sa cru­za­da, os sacrifícios he­rói­cos que a vi­tó­ria en­cer­ra, e a trans­cen­dên­cia que te­ve pa­ra o fu­tu­ro de Es­pa­nha es­ta epo­peia, não po­dem fi­car per­pe­tu­a­dos pe­los sim­ples mo­nu­men­tos com que se cos­tu­mam co­me­mo­rar em vi­las e ci­da­des os fei­tos sa­li­en­tes da nos­sa His­tó­ria e os epi­só­di­os glo­ri­o­sos dos seus fi­lhos. É ne­ces­sá­rio que as pe­dras que se le­van­tem te­nham a gran­de­za dos mo­nu­men­tos an­ti­gos, que de­sa­fi­em o tem­po e o es­que­ci­men­to e que cons­ti­tu­am lu­gar de me­di­ta­ção e de re­pou­so em que as ge­ra­ções fu­tu­ras ren­dam tri­bu­to de ad­mi­ra­ção aos que lhes le­ga­ram uma Es­pa­nha me­lhor”, diz o do­cu­men­to.

Fran­co nun­ca ocul­tou o seu de­se­jo. O “cau­di­lho” de Es­pa­nha quis er­guer o Va­le dos Caí­dos — pro­jec­to do ar­qui­tec­to Pe­dro Mur­gu­ru­za, a quem su­ce­deu de­pois da sua mor­te Di­e­go Mén­dez — pa­ra glo­ri­fi­car os que su­cum­bi­ram às su­as mãos no golpe de Es­ta­do que se trans­for­mou em guer­ra ci­vil con­tra os re­pu­bli­ca­nos, que, uni­dos nu­ma Fren­te Po­pu­lar (de es­quer­da), ven­ce­ram as elei­ções de 1936.

A cons­tru­ção do monumento es­tá tam­bém en­vol­ta em po­lé­mi­ca. Cal­cu­la-se que 20 mil re­pu­bli­ca­nos presos te­nham tra­ba­lha­do na obra, for­ça­dos e a tro­co de um sa­lá­rio sim­bó­li­co e uma re­du­ção de pe­na de três di­as por cada um de tra­ba­lho. Mui­tos mor­re­ram, não se sa­be ao cer­to qu­an­tos.

No dis­cur­so na ce­ri­mó­nia de inauguração, a 1 de Abril de 1959, 19 anos de­pois do iní­cio da cons­tru­ção e no 20.º ani­ver­sá­rio do fim da guer­ra, Fran­co in­sis­tiu no ca­rác­ter de mis­são do seu golpe e da guer­ra. Es­ta “não foi, evi­den­te­men­te, só mais uma con­ten­da ci­vil, mas uma ver­da­dei­ra cru­za­da”, dis­se.

Po­rém, pou­co tem­po de­pois da inauguração, o fran­quis­mo ten­tou mu­dar o sig­ni­fi­ca­do do monumento pen­sa­do, er­gui­do e inau­gu­ra­do pa­ra ido­la­trar os na­ci­o­na­lis­tas e o seu che­fe. O re­gi­me co­me­çou a fa­lar de um monumento aos caí­dos, em ge­ral. Ou se­ja, quis trans­for­má-lo no monumento da re­con­ci­li­a­ção, dan­do-a co­mo ad­qui­ri­da.

Em no­me da re­con­ci­li­a­ção, co­me­ça­ram a se­guir pa­ra o Va­le dos Caí­dos os res­tos mor­tais de mi­lha­res de ví­ti­mas de am­bos os la­dos da Guer­ra Ci­vil, en­ter­ra­das em va­las co­muns es­pa­lha­das por Es­pa­nha. Uma de­ci­são que se man­tém po­lé­mi­ca até ho­je, por­que mui­tos dos mor­tos, exe­cu­ta­dos e de­sa­pa­re­ci­dos, foram levados sem con­sen­ti­men­to das fa­mí­li­as.

Ho­je, es­tão se­pul­ta­das no Va­le 34 mil pes­so­as, cu­jos res­tos mor­tais foram re­cu­pe­ra­dos entre 1959 e 1983, e qua­se me­ta­de es­tá por iden­ti­fi­car.

“Ini­ci­al­men­te, quan­do apa­re­ce o de­cre­to que dá for­ma à cons­tru­ção des­te lu­gar, fa­la-se dos ‘caí­dos’. Em al­guns do­cu­men­tos, pos­te­ri­o­res, fa­la-se de caí­dos de am­bos os la­dos. Mas ini­ci­al­men­te é pa­ra os ‘caí­dos na glo­ri­o­sa cru­za­da’”, re­for­ça Llo­ren­te. “Por is­so”, pros­se­gue, “os ‘caí­dos’ são aque­les que lutaram pe­la de­fe­sa de Es­pa­nha con­tra os es­tran­gei­ros, os an­ti­es­pa­nhóis. Por­que os es­pa­nhóis que lu­tam pe­la Re­pú­bli­ca e que mor­rem não são re­cor­da­dos. São an­ti­es­pa­nhóis. Os seus no­mes não apa­re­cem em la­do al­gum.”

“Pen­so que o monumento aos caí­dos não é pa­ra re­cor­dar os caí­dos. É pa­ra re­cor­dar aos ven­ci­dos que foram ven­ci­dos”, diz o his­to­ri­a­dor.

É, aliás, o que mos­tram to­dos os si­nais no monumento. Em cada uma das du­as ca­pe­las la­te­rais da basílica exis­tem as por­tas de aces­so às tum­bas, ve­da­das ao pú­bli­co. É lá que re­pou­sam de­ze­nas de mi­lha­res de ví­ti­mas da Guer­ra Ci­vil que par­tiu Es­pa­nha ao meio — e que ain­da frac­ci­o­na, co­mo se vê na po­lé­mi­ca so­bre a exu­ma­ção do cor­po do di­ta­dor, apro­va­da pe­lo Par­la­men­to por ini­ci­a­ti­va dos so­ci­a­lis­tas, no po­der. Por ci­ma de cada por­ta lê-se: “Caí­dos por Deus e por Es­pa­nha”, a frase que foi o le­ma do fran­quis­mo.

“Não se diz ‘pe­los caí­dos por Es­pa­nha’. Aqui, alu­de-se aos que lutaram por Fran­co. Não são to­dos. Aqui, são só os fran­quis­tas”, ati­ra Llo­ren­te.

Gus­ta­vo Ala­res é pro­fes­sor de His­tó­ria Con­tem­po­râ­nea na Uni­ver­si­da­de de Za­ra­go­za e au­tor dos li­vros Po­lí­ti­cas do Pas­sa­do na Es­pa­nha Fran­quis­ta e His­tó­ria, Na­ci­o­na­lis­mo e Di­ta­du­ra. Tam­bém ele descarta a men­sa­gem de re­con­ci­li­a­ção. “Alu­dir a uma su­pos­ta re­con­ci­li­a­ção de­bai­xo da imen­sa cruz do na­ci­o­nal-ca­to­li­cis­mo e da se­pul­tu­ra do lí­der do fas­cis­mo es­pa­nhol — Jo­sé Pri­mo de Ri­ve­ra — e do di­ta­dor não dei­xa de ser um exer­cí­cio de pro­pa­gan­da gros­sei­ra. De fac­to, o Va­le dos Caí­dos nun­ca foi uti­li­za­do co­mo es­pa­ço de re­con­ci­li­a­ção, mas sim um lu­gar de me­mó­ria e pe­re­gri­na­ção pa­ra os nos­tál­gi­cos do re­gi­me fran­quis­ta”, diz ao PÚ­BLI­CO Gus­ta­vo Ala­res.

A importância de Felipe II

A lo­ca­li­za­ção do Va­le dos Caí­dos era tam­bém es­pe­ci­fi­ca­da no de­cre­to de cons­tru­ção. “A ra­zão mais men­ci­o­na­da e mais es­cri­ta [pa­ra a es­co­lha do lu­gar] é que es­te é o cen­tro ge­o­grá­fi­co da Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca. Era, por is­so, o lo­cal in­di­ca­do”, diz Llo­ren­te.

Mas não se­ria es­ta a úni­ca ra­zão pa­ra o jo­vem re­gi­me fran­quis­ta escolher o va­le de Cu­el­ga­mu­ros pa­ra le­van­tar o seu monumento pa­ra a eter­ni­da­de. “Es­ta­mos num va­le ro­de­a­do de mon­ta­nhas e com um mon­te no cen­tro, que era ide­al co­mo ba­se do monumento. A ba­se já es­ta­va na na­tu­re­za, não era pre­ci­so fa­zê-la. E é per­to de Ma­drid”, ex­pli­ca Llo­ren­te.

Es­te his­to­ri­a­dor apon­ta ain­da ou­tro mo­ti­vo pa­ra a es­co­lha da lo­ca­li­za­ção: a pro­xi­mi­da­de ao Mos­tei­ro do Es­co­ri­al, em San Lo­ren­zo de El Es­co­ri­al (a lo­ca­li­da­de mais próxima do Va­le dos Caí­dos). Fran­co quis es­tar pró­xi­mo do rei mais po­de­ro­so da His­tó­ria de Es­pa­nha e dos már­ti­res do Im­pé­rio Es­pa­nhol.

Es­te com­ple­xo al­ber­ga um mos­tei­ro, um pa­lá­cio re­al e uma basílica. Foi eri­gi­do entre 1563 e 1584, ide­a­li­za­do por Felipe II, rei de Es­pa­nha, de Por­tu­gal e dos Al­gar­ves, de Ná­po­les e da Si­cí­lia, da In­gla­ter­ra e Ir­lan­da. Foi o mo­nar­ca da épo­ca de mai­or ex­pan­são do Im­pé­rio Es­pa­nhol.

“O Mos­tei­ro do Es­co­ri­al era tam­bém re­si­dên­cia re­al, e foi on­de se guar­da­ram res­tos mor­tais de már­ti­res — Felipe II trou­xe mi­lha­res de res­tos de san­tos e tam­bém re­lí­qui­as. Além dis­so, era no mos­tei­ro on­de se en­ter­ra­vam, tra­di­ci­o­nal­men­te,

Tal­vez fos­se de­se­já­vel, de­pois de 40 anos, que fos­se su­pe­ra­do es­se su­pos­to ‘es­pí­ri­to da tran­si­ção’

Gus­ta­vo Ala­res His­to­ri­a­dor

os mo­nar­cas es­pa­nhóis”, no­ta Llo­ren­te. “En­tão, que me­lhor lu­gar do que um que já es­ta­va ide­o­lo­gi­ca­men­te re­la­ci­o­na­do com o es­plen­dor, o da épo­ca de Felipe II, e que era um lu­gar de már­ti­res a que se jun­tam os no­vos már­ti­res? E os no­vos már­ti­res são os caí­dos na ‘glo­ri­o­sa cru­za­da’.”

O es­pe­ci­a­lis­ta em ar­te e ide­o­lo­gia fran­quis­ta con­si­de­ra que al­guém te­rá acon­se­lha­do Fran­co, ex­pli­can­do-lhe to­das es­tas ma­té­ri­as. “Por­que ele não ti­nha cul­tu­ra pa­ra is­so.”

“O Va­le dos Caí­dos é, en­tão, um monumento de­di­ca­do à mai­or gló­ria de Fran­co, que se con­si­de­ra­va uma es­pé­cie de no­vo Felipe II, com o seu pró­prio Es­co­ri­al, e do seu re­gi­me na­ci­o­nal-ca­tó­li­co. A enor­me cruz que co­roa o monumento é uma boa ex­pres­são dele”, de­fen­de, por sua vez, Car­los Na­va­jas, pro­fes­sor de His­tó­ria Con­tem­po­râ­nea da Uni­ver­si­da­de de La Ri­o­ja.

Foi o rei Ju­an Car­los quem, a 22 de Novembro de 1975, dois di­as de­pois da mor­te do “ge­ne­ra­lís­si­mo”, de­ci­diu se­pul­tar Fran­co no Va­le dos Caí­dos. Em con­cre­to, “no pres­bi­té­rio entre o al­tar mai­or e o co­ro da basílica”. É lá que es­tá o cor­po, que o Go­ver­no quer en­vi­ar pa­ra ou­tro la­do. O lu­gar de se­pul­tu­ra de Fran­co foi uma das pri­mei­ras de­ci­sões de Ju­an Car­los, que o di­ta­dor es­co­lhe­ra, seis me­ses an­tes, co­mo seu su­ces­sor a “tí­tu­lo de rei”. Ju­an Car­los deu-lhe a se­pul­tu­ra, mas tam­bém fez o que Fran­co — que ten­do de­ci­di­do des­de ce­do a res­tau­ra­ção da mo­nar­quia após a sua mor­te cha­ma­ra a si a edu­ca­ção do her­dei­ro — não pre­viu. Ju­an Car­los deu iní­cio à pri­mei­ra etapa do seu rei­na­do com um pro­ces­so de tran­si­ção pa­ra a de­mo­cra­cia. Pou­cos anos de­pois, a tran­si­ção fi­cou es­ta­be­le­ci­da com a apro­va­ção de uma no­va Cons­ti­tui­ção, ra­ti­fi­ca­da em 1978.

Fran­co foi se­pul­ta­do no seu Va­le, qua­se 40 anos de­pois do iní­cio da Guer­ra Ci­vil com que es­ten­deu a pas­sa­dei­ra do po­der. Em 1936, o ge­ne­ral di­ri­giu um golpe mi­li­tar con­tra o Go­ver­no da II Re­pú­bli­ca es­pa­nho­la. O golpe de­ge­ne­rou ra­pi­da­men­te pa­ra uma guer­ra entre es­pa­nhóis, de um la­do os na­ci­o­na­lis­tas que lu­ta­vam por uma “no­va Es­pa­nha”, do ou­tro a es­quer­da re­pu­bli­ca­na no po­der.

Com o apoio ide­o­ló­gi­co e mi­li­tar do di­ta­dor na­zi Adolf Hi­tler e do fas­cis­mo de Be­ni­to Mus­so­li­ni, que usa­ram o con­fli­to es­pa­nhol co­mo tu­bo de en­saio pa­ra avan­ça­rem pe­la Eu­ro­pa — e pe­la II Guer­ra Mun­di­al —, Fran­co derrota os re­pu­bli­ca­nos em 1939, abrin­do a era da sua di­ta­du­ra que du­rou até à sua mor­te.

Os cál­cu­los do nú­me­ro de mor­tos do con­fli­to va­ri­am, mas vá­ri­os his­to­ri­a­do­res apon­tam pa­ra mais de meio milhão, con­ta­bi­li­zan­do já a san­gren­ta re­pres­são dos fran­quis­tas no pós-guer­ra — cal­cu­la-se que as tro­pas na­ci­o­na­lis­tas, lo­go após a vi­tó­ria, te­nham exe­cu­ta­do cer­ca de 50 mil pes­so­as, pa­ra além dos fu­zi­la­men­tos que foram fa­zen­do à me­di­da que pro­gre­di­am no ter­re­no.

Nestes 500 mil mor­tos es­tão tam­bém as exe­cu­ções de na­ci­o­na­lis­tas às mãos dos re­pu­bli­ca­nos, ca­so de Jo­sé An­tó­nio Pri­mo de Ri­ve­ra, fun­da­dor da Fa­lan­ge Es­pa­nho­la (par­ti­do de ín­do­le fas­cis­ta, e o úni­co per­mi­ti­do du­ran­te o fran­quis­mo), em Ali­can­te, no iní­cio da guer­ra. Pri­mo de Ri­ve­ra foi tras­la­da­do com pom­pa pe­lo re­gi­me pa­ra o Va­le dos Caí­dos.

“Dei­xem-no em paz”

De cor cin­zen­ta, co­mo a pe­dra original da ro­cha do va­le de Cu­el­ga­mu­ros, a la­je do tú­mu­lo de Fran­co es­tá pra­ti­ca­men­te co­ber­ta com as flo­res que os ad­mi­ra­do­res lá vão dei­xan­do. Só o seu no­me es­tá à vis­ta.

Des­de que o pre­si­den­te do Go­ver­no, Pe­dro Sánchez, anun­ci­ou que pre­ten­dia re­ti­rar Fran­co do Va­le, o nú­me­ro dos que que­rem ver o monumento au­men­tou. Mui­tos vi­si­tan­tes po­sam pa­ra fo­to­gra­fi­as com o tú­mu­lo em pa­no de fun­do, ape­sar dos su­ces­si­vos avi­sos dos vi­gi­lan­tes: “Não é per­mi­ti­do ti­rar fo­to­gra­fi­as.” Al­guns ben­zem-se e fi­cam por mo­men­tos em si­lên­cio a olhar pa­ra o tú­mu­lo.

Toda a basílica do Va­le dos Caí­dos es­tá den­tro do mon­te. O tú­mu­lo de Fran­co si­tua-se ao fun­do, entre o al­tar-mor e o co­ro — es­tá ali­nha­do com a sua gran­de cruz. Do ou­tro la­do do al­tar-mor, tam­bém com mui­tas flo­res, es­tá a la­je de Pri­mo de Ri­ve­ra.

Pa­ra os vi­si­tan­tes, o primeiro en­con­tro é com o cri­a­dor da Fa­lan­ge, mas o lu­gar mais im­por­tan­te foi re­ser­va­do a Fran­co.

“Fran­co es­tá no lu­gar mais digno. Até ao Con­cí­lio Va­ti­ca­no II [1961-65], os pa­dres da­vam as mis­sas vi­ra­dos de cos­tas pa­ra as pes­so­as. Vi­ra­dos de fren­te pa­ra Je­sus”, ex­pli­ca Llo­ren­te. Hi­po­te­ti­ca­men­te, o sa­cer­do­te ofi­ci­an­te olha­va pa­ra Je­sus e pa­ra Fran­co.

Em Ju­nho des­te ano, os so­ci­a­lis­tas as­su­mi­ram o Go­ver­no, afas­tan­do um exe­cu­ti­vo do Par­ti­do Po­pu­lar (PP, direita). Ra­pi­da­men­te, Pe­dro Sánchez tor­nou a exu­ma­ção do di­ta­dor uma prioridade. No dia 12 de Se­tem­bro, o Con­gres­so de De­pu­ta­dos deu luz ver­de ao exe­cu­ti­vo pa­ra re­ti­rar o cor­po — o que Sánchez quer fa­zer até ao fim do ano. “Uma de­mo­cra­cia ma­du­ra co­mo a nos­sa não po­de ter sím­bo­los que se­pa­rem os es­pa­nhóis”, dis­se o pre­si­den­te do Go­ver­no.

Do­lo­res ig­no­rou as ordens dos guar­das do monumento e ti­rou fo­to­gra­fi­as à la­je de Fran­co. Ben­zeu-se, ob­ser­vou a cam­pa e saiu da basílica. Não dá o no­me, a ida­de, a pro­fis­são e não per­mi­te que se grave a sua voz. Foi a pri­mei­ra vez que vi­si­tou o Va­le dos Caí­dos, mo­ti­va­da pe­la cu­ri­o­si­da­de que a dis­cus­são po­lí­ti­ca ge­rou. Na sua opi­nião, o Go­ver­no de­via pre­o­cu­par-se com ou­tros as­sun­tos: “Há coi­sas mui­to mais im­por­tan­tes do que de­sen­ter­rar al­guém que mor­reu. Ele es­tá aqui há mais de 40 anos. Mor­reu em paz, dei­xem-no em paz”, diz.

Apoi­a­do em mu­le­tas, o marido de Do­lo­res co­me­ça por di­zer que não quer fa­lar. Mas ao ou­vir a mu­lher in­ter­rom­pe: “O Go­ver­no de­via era gas­tar di­nhei­ro na cri­a­ção de es­tru­tu­ras pa­ra o aces­so de pes­so­as in­ca­pa­ci­ta­das ao monumento!”

O monumento — ge­ri­do pe­lo Pa­tri­mó­nio Na­ci­o­nal — tem mui­tas es­ca­das e não há aces­sos pa­ra quem tem mobilidade re­du­zi­da.

O dia 20 de Novembro, ani­ver­sá­rio da mor­te de Fran­co, é dia de romaria es­pe­ci­al ao Va­le dos Caí­dos. Al­guns nos­tál­gi­cos do fran­quis­mo vão pres­tar-lhe homenagem, o tal “tri­bu­to de ad­mi­ra­ção aos que lhes le­ga­ram uma Es­pa­nha me­lhor” de que fa­la­va o de­cre­to de 1940.

Po­rém, des­de que o Go­ver­no fa­lou na exu­ma­ção, o nú­me­ro de vi­si­tas cres­ceu sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te: se­gun­do da­dos do Pa­tri­mó­nio Na­ci­o­nal es­pa­nhol, des­de o iní­cio de 2018 pas­sa­ram pe­lo Va­le dos Caí­dos mais de 153 mil pes­so­as. Só em Ju­lho, re­gis­ta­ram-se mais de 38 mil vi­si­tas, mais 49% do que no mes­mo pe­río­do de 2017, ano em que, no to­tal, se re­gis­ta­ram mais de 283 mil vi­si­tas, mais 7,8% do que no ano an­te­ri­or.

Ro­dri­go, que es­tá na ca­sa dos 30 anos, vai ao Va­le pe­lo me­nos uma vez por ano. Che­gou com uma ban­dei­ra es­pa­nho­la à cin­tu­ra, à se­me­lhan­ça de ou­tros vi­si­tan­tes. Faz-se fotografar a fa­zer a sau­da­ção fas­cis­ta. “Ve­nho to­dos os anos. Pa­re­ce-me um lu­gar que va­le a pe­na vi­si­tar, re­me­mo­rar e fo­men­tar pa­ra que a po­pu­la­ção tam­bém co­nhe­ça os sí­ti­os de cul­to e os sí­ti­os de tu­ris­mo e de His­tó­ria des­te país”, afir­ma.

A de­ci­são do Go­ver­no, diz Ro­dri­go, não pas­sa de “uma for­ma de des­pis­tar a po­pu­la­ção no que diz res­pei­to às más po­lí­ti­cas que es­tão a ser le­va­das a ca­bo”. “Que­rem des­vi­ar o fo­co da ci­da­da­nia com um de­ba­te es­té­ril pa­ra ti­rar da­qui uma pes­soa morta que foi go­ver­nan­te des­te país, so­bre o qual se as­si­nou uma paz, uma tré­gua, du­ran­te a tran­si­ção”, ati­ra Ro­dri­go. Pros­se­gue: “É uma ma­nei­ra de des­vi­ar a atenção dos ci­da­dãos no que diz res­pei­to aos problemas que temos em Es­pa­nha com a imi­gra­ção, com a in­de­pen­dên­cia da Catalunha, com a su­bi­da dos im­pos­tos...”

Is­ma­el e Ro­sa, ou­tro ca­sal de vi­si­tan­tes, são igual­men­te con­tra a exu-

ma­ção do ge­ne­ral. “No que me diz res­pei­to, Fran­co es­tá bem on­de es­tá. Não é pre­ci­so to­car-lhe”, diz Is­ma­el. Ro­sa con­cor­da e afir­ma que “is­to é His­tó­ria, e a His­tó­ria não se po­de mu­dar”.

Que fu­tu­ro?

Quem não co­nhe­ce a his­tó­ria e o con­tex­to do Va­le dos Caí­dos en­con­tra ape­nas um com­ple­xo tu­rís­ti­co em re­dor de uma im­po­nen­te basílica. Há um ho­tel — on­de tam­bém se organizam ca­sa­men­tos e bap­ti­za­dos —, um res­tau­ran­te e um co­lé­gio, de alu­nos in­ter­nos, ge­ri­do pe­los mon­ges be­ne­di­ti­nos que fa­zem par­te da Aba­dia de San­ta Cruz do Va­le dos Caí­dos e que vivem no mos­tei­ro, ou­tro dos edi­fí­ci­os. O te­le­fé­ri­co que da­va aces­so à cruz es­tá en­cer­ra­do há dé­ca­das. Não fal­ta a tí­pi­ca lo­ja de mer­chan­di­sing à saí­da da basílica, on­de se ven­dem Tshirts com o no­me da basílica e a cruz e li­vros, al­guns so­bre a his­tó­ria do monumento e so­bre a Guer­ra Ci­vil.

A con­tex­tu­a­li­zar o es­pa­ço pa­ra o vi­si­tan­te de­sin­for­ma­do não há na­da. Só exis­te um pla­ca alu­si­va à inauguração. “Aqui não há na­da que iden­ti­fi­que o monumento com Fran­co. Tu­do is­to é ca­tó­li­co”, diz o his­to­ri­a­dor Án­gel Llo­ren­te. “Mas a lei­tu­ra que se faz é que é fran­quis­ta. Um re­tra­to de Mus­so­li­ni não é fas­cis­ta, mas Mus­so­li­ni é fas­cis­ta. Por is­so, a in­ter­pre­ta­ção que fa­ze­mos do re­tra­to é que po­de ser tam­bém fas­cis­ta”, diz, fa­zen­do uma lei­tu­ra ide­o­ló­gi­ca des­ta ar­qui­tec­tu­ra. “A car­ga sim­bó- li­ca aba­fa a car­ga ar­tís­ti­ca.”

A exu­ma­ção faz par­te de um pro­ces­so mais alargado de re­con­ci­li­a­ção e de ten­ta­ti­va de en­fren­tar as fe­ri­das do pas­sa­do — e de ajus­tar con­tas com os cri­mes do fran­quis­mo, um te­ma que ain­da di­vi­de a so­ci­e­da­de es­pa­nho­la. Pa­ra que is­so acon­te­ça, o Go­ver­no quer re­ac­ti­var a Lei da Me­mó­ria His­tó­ri­ca, cri­a­da em 2007 por ou­tro che­fe de Go­ver­no so­ci­a­lis­ta, Jo­sé Luis Za­pa­te­ro, e alar­gar o seu âm­bi­to.

Nes­se pro­ces­so, já se fa­lou na re­con­ver­são do Va­le dos Caí­dos. Mas, se a trasladação de Fran­co é ga­ran­ti­da, fal­tan­do ape­nas co­nhe­cer os pra­zos, o que fa­zer com um monumento que é um in­sul­to à me­mó­ria das ví­ti­mas da di­ta­du­ra pa­ra uns, e o es­pa­ço a ho­me­na­ge­ar Fran­co e a sua vi­tó­ria so­bre a es­quer­da pa­ra ou­tros? É uma pergunta pa­ra a qual ain­da não há res­pos­ta.

“O que fa­zer com o Va­le dos Caí­dos foi uma pergunta que fi­ze­ram os po­lí­ti­cos mas tam­bém os his­to­ri­a­do­res e os pro­fes­so­res de te­o­ria po­lí­ti­ca. Creio que ain­da não se en­con­trou res­pos­ta”, diz Án­gel Llo­ren­te.

Pe­dro Sánchez já deu con­ta des­sa in­cer­te­za. Num primeiro mo­men­to, e pa­ra trans­for­mar a sim­bo­lo­gia do Va­le dos Caí­dos, tor­nan­do-o um verdadeiro “lu­gar de re­con­ci­li­a­ção”, o che­fe do Go­ver­no es­pa­nhol propôs cri­ar um museu da me­mó­ria que al­ber­gas­se um cen­tro de in­ves­ti­ga­ção. Po­rém, no fi­nal de Agos­to, fa­lou ape­nas em man­ter o lu­gar co­mo um “ce­mi­té­rio ci­vil” que sir­va de “lu­gar de re­pou­so” às ví­ti­mas da guer­ra ali es­tão se­pul­ta­das.

Es­te é tam­bém um dos prin­ci­pais ar­gu­men­tos pa­ra de­fen­der a exu­ma­ção. Se aque­le é um lu­gar de­di­ca­do a quem mor­reu du­ran­te no con­fli­to, o ge­ne­ral não per­ten­ce àque­le es­pa­ço por­que não per­deu a vi­da na guer­ra — mor­reu na sua ca­ma.

So­bre Pri­mo de Ri­ve­ra, o exe­cu­ti­vo já dis­se que fi­ca­rá no Va­le dos Caí­dos, mas dei­xa­rá o lu­gar de des­ta­que e irá pa­ra jun­to das ou­tras ví­ti­mas.

“Se exu­ma­rem os res­tos de Fran­co, o Va­le po­de­ria per­der o seu ca­rác­ter fran­quis­ta. Por­que se­ria um monumento aos caí­dos. Mas te­ri­am de fa­zer uma cam­pa­nha jun­to da opi­nião pú­bli­ca pa­ra ha­ver es­sa mu­dan­ça: já não é o sí­tio on­de Fran­co es­tá en­ter­ra­do mas sim os que mor­re­ram na Guer­ra Ci­vil”, re­fe­re Llo­ren­te.

As opi­niões dos es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo PÚ­BLI­CO di­ver­gem so­bre es­te te­ma, es­pe­lhan­do a sua com­ple­xi­da­de. Gus­ta­vo Ala­res avi­sa que o “des­ti­no fi­nal do Va­le dos Caí­dos de­pen­de da von­ta­de po­lí­ti­ca do ac­tu­al Go­ver­no e, em qualquer ca­so, se­ria de­se­já­vel que qualquer me­di­da con­tas­se com um am­plo con­sen­so po­lí­ti­co”. “O fu­tu­ro do Va­le é in­cer­to”, diz.

Ala­res tor­ce o na­riz à ideia de ser um es­pa­ço de re­con­ci­li­a­ção: “Tan­to pe­la sua na­tu­re­za co­mo pe­lo seu sim­bo­lis­mo e es­té­ti­ca, é um lu­gar com uma for­te mar­ca ide­o­ló­gi­ca que não po­de ser ig­no­ra­da. A pre­ten­são de trans­for­mar o monumento num es­pa­ço de re­con­ci­li­a­ção pa­re­ce-me pou­co acer­ta­da. Nin­guém pen­sa­ria em Aus­chwitz co­mo um lu­gar de ‘re­con­ci­li­a­ção’ e é, de qualquer for­ma, di­fí­cil de o con­se­guir sem per­der o ri­gor his­tó­ri­co e o mí­ni­mo sen­so co­mum.” “Uma ade­qua­da con­tex­tu­a­li­za­ção his­tó­ri­ca po­de­ria ser in­te­res­san­te, ape­sar de não es­tar isen­ta de problemas”, acres­cen­ta.

Na­va­jas diz que há ou­tra for­ma de olhar pa­ra o pro­ble­ma: “Den­tro das al­te­ra­ções que se pro­du­zem no sig­ni­fi­ca­do dos mo­nu­men­tos his­tó­ri­cos ao lon­go do tem­po, não se­rá o Va­le dos Caí­dos, no fun­do, um monumento que de­nun­cia o pró­prio Fran­co e a sua ego­ma­nia, a sua di­ta­du­ra e o seu afã de se le­gi­ti­mar na Vi­tó­ria — com ‘V’ maiús­cu­lo — nu­ma Guer­ra Ci­vil? Ou se­ja, fa­zen­do uma lei­tu­ra mui­to sub­til da ques­tão, o Va­le dos Caí­dos vol­tou-se con­tra o seu cri­a­dor.”

Ala­res lem­bra ou­tras op­ções: “Exis­te tam­bém ou­tro ti­po de intervenções que foram re­a­li­za­das nou­tros pe­río­dos his­tó­ri­cos e nou­tros paí­ses: des­de a de­mo­li­ção (com mai­or ou me­nor grau de so­le­ni­da­de) até ao sim­ples aban­do­no à pas­sa­gem do tem­po. Is­to foi uma ac­tu­a­ção (a não ac­tu­a­ção) relativamente co­mum em di­ver­sas ex-re­pú­bli­cas so­vié­ti­cas. Co­mo monumento de ter­ror, ob­so­le­to e de­sac­tu­a­li­za­do, inú­til pa­ra a so­ci­e­da­de ac­tu­al, o Va­le se­ria devorado pe­lo tem­po, tom­ba­do co­mo o re­gi­me ca­du­co e ruinoso que re­pre­sen­ta­va. Uma so­lu­ção que não es­tá isen­ta de li­ris­mo e que con­si­de­ro de di­fí­cil apli­ca­ção.”

Re­con­ci­li­a­ção por “am­né­sia”

A po­lé­mi­ca so­bre a exu­ma­ção e o des­ti­no do Va­le dos Caí­dos mos­tra co­mo as fe­ri­das do fran­quis­mo con­ti­nu­am aber­tas, a re­con­ci­li­a­ção não es­tá fei­ta e há quem quei­ra jus­ti­ça ou ape­nas re­cu­pe­rar os cor­pos de fa­mi­li­a­res de­sa­pa­re­ci­dos. O mo­de­lo de tran­si­ção da di­ta­du­ra pa­ra a de­mo­cra­cia fez-se em Es­pa­nha atra­vés de uma es­pé­cie de “am­né­sia” co­lec­ti­va relativamente ao pas­sa­do, ma­te­ri­a­li­za­da na Lei da Am­nis­tia, de 1977. Mais de 40 anos de­pois, pro­cu­ra-se ago­ra ir mais lon­ge e abrir uma es­pé­cie de “ajus­te de con­tas” com a His­tó­ria con­tem­po­râ­nea do país.

“Du­ran­te a tran­si­ção quis-se in­ten­ci­o­nal­men­te es­que­cer o pas­sa­do. Es­que­cer pa­ra nos re­con­ci­li­ar. A tran­si­ção é uma re­con­ci­li­a­ção. Mas não uma re­con­ci­li­a­ção pa­ra re­co­nhe­cer­mos os nos­sos er­ros e cul­pas e di­zer­mos ‘is­to foi o que fi­ze­mos e ago­ra va­mos cri­ar uma coi­sa no­va’. Foi an­tes ‘va­mos re­con­ci­li­ar-nos por­que já não sei quem és, já não me re­cor­do’”, cri­ti­ca Llor­ne­te, que, nes­ta vi­si­ta ao Va­le dos Caí­dos, acres­cen­ta: “Se ca­lhar era ne­ces­sá­rio na­que­le mo­men­to.”

“Creio que a re­con­ci­li­a­ção é pos­sí­vel e ne­ces­sá­ria”, con­ti­nua o his­to­ri­a­dor de ar­te, pro­pon­do que o “Es­ta­do pro­cu­re le­gal­men­te os res­tos das ví­ti­mas e as en­ter­re de for­ma digna”. “O res­to da in­ves­ti­ga­ção ca­be aos his­to­ri­a­do­res.”

Ala­res faz tam­bém uma re­fle­xão so­bre es­ta no­va in­ter­pre­ta­ção de re­con­ci­li­a­ção e da tran­si­ção: “O de­no­mi­na­do ‘es­pí­ri­to da tran­si­ção’ viria a sin­te­ti­zar uma su­pos­ta vocação de con­sen­so e de bus­ca por soluções di­a­lo­ga­das e pa­cí­fi­cas pe­ran­te o fim do fran­quis­mo. Mas es­ta in­ter­pre­ta­ção da tran­si­ção es­pa­nho­la es­tá a ser sub­me­ti­da a no­vas lei­tu­ras.”

“O cer­to é que, na au­sên­cia de epi­só­di­os de cla­ra di­men­são sim­bó­li­ca — co­mo o 25 de Abril por­tu­guês ou a que­da do Mu­ro de Ber­lim —, a emergente de­mo­cra­cia es­pa­nho­la es­ta­be­le­ceu uma tran­si­ção co­mo um atí­pi­co lu­gar de me­mó­ria”, diz. “Tal­vez fos­se de­se­já­vel, de­pois de 40 anos, que fos­se su­pe­ra­do es­se su­pos­to ‘es­pí­ri­to da tran­si­ção’, que per­mi­tiu, entre ou­tras coi­sas, man­ter o mau­so­léu de um di­ta­dor san­gui­ná­rio em ple­na de­mo­cra­cia.”

PAUL HAN­NA/REUTERS

SU­SA­NA VE­RA/REUTERS

SU­SA­NA VE­RA/REUTERS

To­dos os anos, a 20 de Novembro, os nos­tál­gi­cos de Fran­co e da di­ta­du­ra visitam o Va­le dos Caí­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.