Crí­ti­cos já fa­zem con­tas a con­gres­so ex­tra­or­di­ná­rio

As di­ver­gên­ci­as já che­ga­ram à di­rec­ção. Crí­ti­cos es­tu­dam to­das as hi­pó­te­ses pa­ra ten­tar afas­tar o lí­der

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Margarida Go­mes margarida.go­mes@pu­bli­co.pt

A se­ma­na que ago­ra ter­mi­na foi trá­gi­ca pa­ra Rui Rio. O lí­der do PSD não só não des­co­la nas son­da­gens co­mo já co­me­ça a ou­vir críticas da pró­pria di­rec­ção do par­ti­do. A sua frase de que a ideia de o BE ta­xar as mais­va­li­as imo­bi­liá­ri­as “não é as­sim tão dis­pa­ra­ta­da” dei­xou Nu­no Morais Sarmento e Ma­nu­el Cas­tro Al­mei­da, am­bos vi­ce-pre­si­den­tes do par­ti­do, es­tar­re­ci­dos. E as mo­vi­men­ta­ções de bas­ti­do­res já co­me­ça­ram.

De­sa­pon­ta­dos com Rio, os seus ad­ver­sá­ri­os es­tão a mo­vi­men­tar-se no sen­ti­do de en­con­tra­rem uma al­ter­na­ti­va. Fon­tes do PSD dis­se­ram ao PÚ­BLI­CO que há quem de­fen­da que se de­ve co­me­çar já a re­co­lher as­si­na­tu­ras pa­ra a con­vo­ca­ção de um con­gres­so ex­tra­or­di­ná­rio. Es­te gru­po quer che­gar a De­zem­bro com as­si­na­tu­ras su­fi­ci­en­tes pa­ra for­çar um con­gres­so lo­go no iní­cio de 2019, que re­sul­te nu­ma mu­dan­ça de li­de­ran­ça.

Mas não é só in­ter­na­men­te que Rui Rio es­tá a ser cri­ti­ca­do. Luís Me­ne­zes Lei­tão, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, que o apoi­ou pa­ra a li­de­ran­ça con­tra San­ta­na Lo­pes, acu­sa-o de “co­lo­car o PSD num es­ta­do co­ma­to­so”. Na sua pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok, Me­ne­zes Lei­tão não pou­pa Rio. “Quan­do um lí­der de um par­ti­do não se re­vê nos mi­li­tan­tes do seu par­ti­do, há um ma­ni­fes­to equí­vo­co que é pre­ci­so re­sol­ver. Ou o lí­der mu­da de par­ti­do ou o par­ti­do mu­da de lí­der. E is­to tem de ser re­sol­vi­do ra­pi­da­men­te, sob pe­na de en­trar­mos num rio sem re­gres­so.”

Na quar­ta-fei­ra, na reu­nião da co­mis­são po­lí­ti­ca do PSD, que an­te­ce­deu o con­se­lho na­ci­o­nal, Morais Sarmento te­rá afir­ma­do, se­gun­do o Ex­pres­so, que Rio deu um “ti­ro no pé”, ao apoi­ar a pro­pos­ta blo­quis­ta da “ta­xa Ro­bles”. Por seu la­do, Cas­tro Al­mei­da te­rá di­to que as de­cla­ra­ções do lí­der do par­ti­do “me­xi­am com os fundamentos e com a ca­rac­te­ri­za­ção ide­o­ló­gi­ca do par­ti­do”.

Ao que PÚ­BLI­CO apu­rou, as de- cla­ra­ções de Morais Sarmento e Cas­tro Al­mei­da, mas tam­bém as de Margarida Balseiro Lo­pes, lí­der da JSD, An­dré Co­e­lho Li­ma ou Ma­ria Gra­ça Carvalho, vo­gais da di­rec­ção na­ci­o­nal, evi­den­ci­am o mal-es­tar que var­re o PSD.

Fon­te da di­rec­ção do PSD as­se­gu­ra que, ape­sar das críticas, a reu­nião da co­mis­são po­lí­ti­ca de­cor­reu num “cli­ma dis­ten­di­do. Não nas­ceu ali uma frac­tu­ra, em­bo­ra no iní­cio da reu­nião tenha ha­vi­do uma cla­ra di­ver­gên­cia por cau­sa das de­cla­ra­ções de Rio so­bre a ‘ta­xa Ro­bles’”.

Es­te in­ci­den­te acontece na mes­ma se­ma­na em que Rui Rio dis­se no pro­gra­ma Blo­co Cen­tral, da TSF, que pa­ra “aque­les que discordam, de for­ma es­tru­tu­ral, é mais co­e­ren­te sair”. E foi mais lon­ge, ten­do con­vi­da­do os crí­ti­cos a se­gui­rem o exem­plo de Pe­dro San­ta­na Lo­pes. Es­te epi­só­dio dei­xou o par­ti­do fu­ri­o­so.

Men­sa­gem encriptada

Na reu­nião de quar­ta-fei­ra ou­vi­ram­se mais críticas à es­tra­té­gia so­ci­al­de­mo­cra­ta, de Margarida Balseiro Lo­pes, pre­si­den­te da JSD, ao co­or­de­na­dor do Con­se­lho Es­tra­té­gi­co Na­ci­o­nal e vi­ce-pre­si­den­te do par­ti­do, Da­vid Jus­ti­no. Rio em­pe­nhou-se em ex­pli­car que a pro­pos­ta de tri­bu­ta­ção das mais-va­li­as, des­ti­na­da a pe­na­li­zar a es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria que o par­ti­do pre­ten­de apre­sen­tar em se­de de Or­ça­men­to do Es­ta­do, não es­tá em sin­to­nia com a do BE. Mas te­rá ad­mi­ti­do que a sua men­sa­gem pos­sa não ter sido per­cep­tí­vel, daí que an­tes de en­trar pa­ra o con­se­lho na­ci­o­nal tenha fei­to de­cla­ra­ções à TVI, es­cla­re­cen­do qual vai ser a po­si­ção do PSD relativamente à es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria.

E o que dis­se Rio? “É pre­ci­so al­te­rar a ta­xa de IRS so­bre as mais­va­li­as, não é a cri­a­ção de uma no­va ta­xa. Es­ta­mos a fa­lar de um im­pos­to. É di­fe­ren­te eu com­prar uma ca­sa e ven­dê-la pas­sa­do um ano ou dois com uma mais-va­lia ou ter es­sa ca­sa e ven­dê-la daí a dez ou 15 anos com a mes­ma mais-va­lia. E por is­so eu en­ten­do que o im­pos­to que se pa­ga quan­do se com­ba­te a es­pe­cu­la­ção, que é a com­pra e ven­da per­ma­nen­te, de­ve ser mais al­to do que quan­do uma pes­soa tem uma ca­sa e a ven­de mui­to mais tar­de. Até, no li­mi­te, se ti­ver uma ca­sa mui­tos anos, po­de não pa­gar na­da.”

Quan­do um lí­der de um par­ti­do não se re­vê nos mi­li­tan­tes do seu par­ti­do, há um ma­ni­fes­to equí­vo­co que é pre­ci­so re­sol­ver Luís Me­ne­zes Lei­tão Pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio

MA­NU­EL FER­NAN­DO ARAÚ­JO/LU­SA

Rio ouviu mui­tas críticas no con­se­lho na­ci­o­nal de quar­ta-fei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.