Or­ça­men­to de 2019 pre­vê mais 300 mi­lhões pa­ra a Saú­de

Go­ver­no con­vic­to de que dé­fi­ce em 2018 fi­ca abai­xo de 0,7% • Não ha­ve­rá aumentos na fun­ção pú­bli­ca • Standard and Poor’s me­lho­ra pers­pec­ti­va da dí­vi­da

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - São Jo­sé Al­mei­da sao.jose.al­mei­da@pu­bli­co.pt

Há a con­vic­ção den­tro do Go­ver­no de que o Or­ça­men­to do Es­ta­do (OE) pa­ra 2018 pos­sa fechar com os números do dé­fi­ce abai­xo dos 0,7% do PIB, a per­cen­ta­gem pre­vis­ta no Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­da­de en­tre­gue no fim de Abril em Bruxelas.

E, ape­sar de as ex­pec­ta­ti­vas so­bre as con­tas pú­bli­cas de 2018 se­rem po­si­ti­vas, “o ce­ná­rio ma­cro­e­co­nó­mi­co em que o Go­ver­no es­tá a pre­pa­rar o Or­ça­men­to pa­ra 2019 não con­ta com um dé­fi­ce ze­ro, mas res­pei­ta os 0,2% de dé­fi­ce”, e não ze­ro por cen­to pre­vis­tos pe­lo mi­nis­tro das Fi­nan­ças no mes­mo pro­gra­ma, afir­mou ao PÚ­BLI­CO um mem­bro do Go­ver­no.

“Temos fei­to as pre­vi­sões de mo­do con­ser­va­dor, pa­ra que, fa­ce a um im­pre­vis­to, não ha­ja der­ra­pa­gens ne­ga­ti­vas”, jus­ti­fi­cou o mes­mo res­pon­sá­vel go­ver­na­men­tal. E acres­cen­tou: “Se cor­rer bem, em 2019, é me­lhor, mas tem de evi­tar­se qualquer des­ca­la­bro. E quan­do a pre­vi­são é de 0,2%, o dé­fi­ce tan­to po­de aca­bar em dé­fi­ce ze­ro co­mo em 0,4%. Com pre­vi­sões de 0,2% es­ta­mos a fa­lar ape­nas de 500 mi­lhões de eu­ros.”

Já em re­la­ção ao Or­ça­men­to pa­ra 2018, o mes­mo mi­nis­tro sa­li­en­tou ain­da que “o cum­pri­men­to or­ça­men­tal es­tá em li­nha com a pre­vi­são de 0,7%” e, “se no primeiro se­mes­tre foi me­nos, no se­gun­do se­mes­tre po­de ser mais, por cau­sa do 14.º mês que es­te ano vai ser pa­go a cem por cen­to, ao con­trá­rio do que acon­te­ceu no ano pas­sa­do que foi só me­ta­de”.

Um ou­tro mem­bro do Go­ver­no ou­vi­do pe­lo PÚ­BLI­CO tem uma ex­pec­ta­ti­va mais op­ti­mis­ta so­bre os números do dé­fi­ce. “É sa­bi­do que o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Má­rio Centeno, quer que fi­que abai­xo do pre­vis­to e o seu re­gis­to his­tó­ri­co é ir sem­pre além do pre­vis­to em ter­mos de re­du­ção do dé­fi­ce”, afir­mou es­te go­ver­nan­te, acres­cen­tan­do que tem sido se­gui­da uma po­lí­ti­ca de “ri­gor nas con­tas pú­bli­cas, man­ten­do a re­cu­pe­ra­ção do po­der de com­pra e do ren­di­men­to, bem co­mo o in­ves­ti­men­to nos ser­vi­ços pú­bli­cos”.

Es­te se­gun­do res­pon­sá­vel go­ver­na­ti­vo ga­ran­te mes­mo que fi­car abai­xo dos 0,2% de dé­fi­ce em 2019 “não é um ob­jec­ti­vo só de Centeno, é um ob­jec­ti­vo do primeiro-mi­nis­tro e o seu cum­pri­men­to não vai re­la­xar em ano elei­to­ral, até por­que tu­do in­di­ca que o PS vai con­ti­nu­ar no Go­ver­no em 2020 e não pre­ci­sa de elei­to­ra­lis­mo or­ça­men­tal”.

Tec­ni­ca­men­te ze­ro

Além dis­so, ar­gu­men­ta, o va­lor do dé­fi­ce (se­ja ze­ro, se­ja aci­ma de ze­ro) no Or­ça­men­to do Es­ta­do de 2019 é al­go que só se sa­be­rá em Mar­ço de 2020, al­tu­ra em que as ins­ti­tui­ções eu­ro­pei­as con­fir­mam ofi­ci­al­men­te qual o dé­fi­ce de cada país. De qualquer, for­ma, sa­li­en­ta que, pa­ra as ins­ti­tui­ções eu­ro­pei­as, abai­xo de 0,3% já é tec­ni­ca­men­te con­si­de­ra­do que o país em cau­sa cum­priu o dé­fi­ce ze­ro.

O mes­mo go­ver­nan­te aler­ta pa­ra o fac­to de as pre­vi­sões fei­tas pe­lo exe­cu­ti­vo se re­fe­ri­rem ao dé­fi­ce sem os even­tu­ais cus­tos or­ça­men­tais com o No­vo Ban­co e no­ta que es­te ano po­de­rá ain­da ter de ser fei­ta uma no­va in­jec­ção fi­nan­cei­ra pe­lo Es­ta­do. Mas a sua in­ci­dên­cia no Or­ça­men­to de 2018 não con­ta­rá pa­ra o apu­ra­men­to do dé­fi­ce que é ti­do em con­ta pe­la Co­mis­são Eu­ro­peia, em ter­mos de cum­pri­men­to do Tra­ta­do Or­ça­men­tal.

No Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019, a apos­ta do Go­ver­no se­rá o in­ves­ti­men­to nos ser­vi­ços pú­bli­cos. Pa­ra es­se fim, de­ve­rá ser ca­na­li­za­da a fol­ga or­ça­men­tal obtida quer com as ca­ti­va­ções, quer com a pou­pan­ça no pagamento de ju­ros da dí­vi­da pú­bli­ca (ac­tu­al­men­te em 1,8%), gra­ças à bai­xa do dé­fi­ce e da cre­di­bi­li­za­ção do Es­ta­do por­tu­guês nos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros.

Mes­mo as­sim, fri­sa o primeiro mem­bro do Go­ver­no ou­vi­do pe­lo PÚ­BLI­CO, “os ju­ros da dí­vi­da por­tu­gue­sa já es­ti­ve­ram mais baixos”, além de que “os com­bus­tí­veis es­tão a su­bir e o Es­ta­do gas­ta com­bus­tí­veis”, jus­ti­fi­can­do as ra­zões da pru­dên­cia or­ça­men­tal em re­la­ção ao in­ves­ti­men­to pú­bli­co em 2019.

E usan­do co­mo pa­ra­le­lo o Or­ça­men­to de 2017, re­fe­re que no ano pas­sa­do o dé­fi­ce de 0,9% foi atin­gi­do gra­ças a fac­to­res de cres­ci­men­to da re­cei­ta pú­bli­ca, par­te de­les em con­sequên­cia da que­da do de­sem­pre­go, da su­bi­da do em­pre­go e do au­men­to dos sa­lá­ri­os que re­pre­sen­ta­ram um acrés­ci­mo entre 6% e 7% na re­cei­ta da Se­gu­ran­ça So­ci­al.

MA­NU­EL DE AL­MEI­DA/LU­SA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.