O Leh­man Brothers fa­liu há dez anos O que mu­dou e o que não mu­dou

Teixeira dos San­tos “O que foi con­se­gui­do nas fi­nan­ças pú­bli­cas não se po­de per­der”

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Sér­gio Aní­bal

“Na­da irá fi­car co­mo dan­tes”, foi uma das fra­ses mais ou­vi­das quan­do, de­pois do cho­que da fa­lên­cia do ban­co de in­ves­ti­men­to nor­te-ame­ri­ca­no a 15 de Se­tem­bro de 2008, o sis­te­ma fi­nan­cei­ro mun­di­al es­ta­va em que­da li­vre, lan­ça­va as eco­no­mi­as pa­ra uma re­ces­são e ar­rui­na­va as fi­nan­ças pú­bli­cas de vá­ri­os paí­ses.

Com o de­sem­pre­go a dis­pa­rar e a pres­são da opi­nião pú­bli­ca a su­bir, a pa­la­vra mu­dan­ça pas­sou a es­tar na bo­ca dos po­lí­ti­cos e entre os prin­ci­pais al­vos es­ta­vam a re­gu­la­ção do sis- te­ma fi­nan­cei­ro, o pa­pel das agên­ci­as de ra­ting, os de­se­qui­lí­bri­os ma­cro­e­co­nó­mi­cos glo­bais e o pen­sa­men­to eco­nó­mi­co do­mi­nan­te. Nos úl­ti­mos dez anos, em res­pos­ta ao de­sas­tre eco­nó­mi­co que se se­guiu à que­da do Leh­man, mui­tas medidas foram to­ma­das e com­por­ta­men­tos al­te­ra­dos, mas no meio das mu­dan­ças é pos­sí­vel en­con­trar se­me­lhan­ças, al­gu­mas de­las fun­da­men­tais, entre os ce­ná­ri­os an­tes e de­pois do 15 de Se­tem­bro de 2008.

Re­gu­la­ção fi­nan­cei­ra

Os go­ver­nos e as en­ti­da­des que era su­pos­to re­gu­la­rem e fis­ca­li­za­rem o sis­te­ma fi­nan­cei­ro foram apa­nha­dos des­pre­ve­ni­dos, dei­xan­do que as con­di­ções pa­ra a cri­se se acu­mu­las­sem de uma for­ma ex­plo­si­va. Por is­so, não é sur­pre­en­den­te que a se­guir à cri­se fos­se di­fí­cil en­con­trar al­guém a re­cu­sar a ideia de que era pre­ci­so re­for­çar a re­gu­la­ção. De fac­to, nos anos se­guin­tes as­sis­tiu-se a um mo­vi­men­to cla­ro nes­sa di­rec­ção, tan­to nos EUA co­mo na Eu­ro­pa. Nos EUA, on­de a cri­se te­ve o seu iní­cio por cau­sa das prá­ti­cas ex­tre­ma­men­te ar­ris­ca­das de con­ces­são de em­prés­ti­mos, al­te­ra­ram-se as re­gras no cré­di­to hi­po­te­cá­rio e re­ti­rou-se, atra­vés da le­gis­la­ção Dodd-Frank, apro­va­da em Ju­lho de 2010, al­gu­ma da enor­me li­ber­da­de de ac­ção de que be­ne­fi­ci­a­vam os ban­cos. A ní­vel glo­bal, o acor­do de Ba­si­leia III trou­xe mai­o­res exi­gên­ci­as ao ní­vel dos rá­ci­os de ca­pi­tal, for­çan­do os ac­ci­o­nis­tas dos ban­cos a in­jec­ta­rem mais di­nhei­ro.

Es­tas re­gras, com­bi­na­das com a pró­pria pres­são dos mer­ca­dos, for­ça­ram efec­ti­va­men­te os ban­cos a mu­dar. Os ní­veis de ca­pi­tal são ago­ra bas­tan­te mais al­tos: o rá­cio de ca­pi­tal co­re ti­er-one su­biu de 8,8% pa­ra 14,7% na Eu­ro­pa e de 9,8% pa­ra 12,9% nos EUA. A de­pen­dên­cia do fi­nan­ci­a­men­to de cur­to pra­zo — que quan­do o Leh­man Brothers fa­liu dei­xou de es­tar disponível pa­ra to­dos — di­mi­nuiu gran­de­men­te (de 32% pa­ra 14% nos EUA). To­dos os ban­cos se queixam de uma su­per­vi­são mais in­tru­si­va, o que é um si­nal de que são ago­ra obri­ga­dos a dar mais in­for­ma­ção.

Por tu­do is­to, Nu­no Teles, um dos au­to­res do li­vro A Fi­nan­cei­ri­za­ção do

Ca­pi­ta­lis­mo em Por­tu­gal, re­co­nhe­ce que “as mu­dan­ças foram mui­tas” e que as medidas to­ma­das “per­mi­ti­ram al­guns pro­gres­sos”. No en­tan­to, es­tá entre aque­les que não acre­di­tam que as mu­dan­ças te­nham sido as su­fi­ci­en­tes pa­ra eli­mi­nar os ris­cos de uma no­va cri­se. “O mo­de­lo de ne­gó­cio fi­nan­cei­ro pré-cri­se con­ti­nua o mes­mo, com as mes­mas dis­fun­ções que per­mi­tem uma mi­ría­de de pro­du­tos e mer­ca­dos fi­nan­cei­ros opa­cos, uma eco­no­mia in­ter­na­ci­o­nal as­sen­te no en­di­vi­da­men­to, uma afec­ta­ção en­vi­e­sa­da de re­cur­sos pa­ra o sec­tor imo­bi­liá­rio e pa­ra a bol­sa e uma es­tru­tu­ra mo­no­po­lis­ta ban­cá­ria”, afir­ma.

Ape­sar de em 2008 o fac­to de ha­ver “ban­cos de­ma­si­a­do gran­des pa­ra fa­lir” ter sido apon­ta­do co­mo uma das cau­sas da cri­se, es­ta foi uma ques­tão em que na­da se al­te­rou: em 2007, os cin­co mai­o­res ban­cos de in­ves­ti­men­to ti­nham 32,6% das re­cei­tas do sec­tor, e es­te nú­me­ro man­tém-se inal­te­ra­do, de acor­do com a The Eco

no­mist. Além dis­so, ago­ra, é mui­to evidente que um no­vo im­pul­so re­gu­la­dor é bas­tan­te im­pro­vá­vel. Pe­lo con­trá­rio, a ten­dên­cia é a in­ver­sa, com al­gu­mas das pro­vi­sões do DoddF­rank a se­rem eli­mi­na­das nos EUA.

Agên­ci­as de ra­ting

Standard & Poor’s, Mo­ody’s e Fit­ch, conhecidas nos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros co­mo “as três gran­des”, de­sem­pe­nha­ram um pa­pel ful­cral nos tris­tes acon­te­ci­men­tos que aba­la­ram en­tão o mun­do há dez anos. Foram es­tas que, quan­do os ban­cos de­ci­di­ram ven­der em pa­co­te os cré­di­tos hi­po­te­cá­ri­os de al­to ris­co con­ce­di­do no mer­ca­do sub­pri­me nor­te­a­me­ri­ca­no, atri­buí­ram a es­ses tí­tu­los classificações mui­to po­si­ti­vas. Is­to é, ga­ran­ti­ram com os seus ra­tings que in­ves­tir nes­ses cré­di­tos não era ar- ris­ca­do, al­go que se re­ve­lou com­ple­ta­men­te fal­so. Es­ta fa­lha cla­mo­ro­sa tor­nou-se ain­da mais grave quan­do as pes­so­as co­me­ça­ram a ter no­ção de que eram os emis­so­res dos tí­tu­los que pa­ga­vam às agên­ci­as pa­ra que es­tas atri­buís­sem os ra­tings, al­go que aju­da a ex­pli­car a ago­ra fa­mo­sa frase en­con­tra­da num email de um ana­lis­ta da Standard & Poor’s an­tes da cri­se: “Nós atri­buí­mos ra­tings a to­dos os ne­gó­ci­os. Po­dem ser es­tru­tu­ra­dos por vacas, que nós da­mos um ra­ting na mes­ma.” De­pois de 2008, a re­gu­la­ção foi re­for­ça­da: as agên­ci­as são ago­ra for­ça­das, tan­to nos EUA co­mo na Eu­ro­pa, a for­ne­cer mui­to mais in­for­ma­ção aos re­gu­la­do­res e ao mer­ca­do so­bre a for­ma co­mo cal­cu­lam os ra­tings. Na Eu­ro­pa, on­de o pa­pel das agên­ci­as de ra­ting foi no­va­men­te pos­to em cau­sa quan­do es­tas bai­xa­ram a clas­si­fi­ca­ção atri­buí­da à dí­vi­da so­be­ra­na de vá­ri­os paí­ses, in­cluin­do Por­tu­gal, cri­a­ram-se tam­bém re­gras mais apertadas.

Se­rão es­tas re­gras su­fi­ci­en­tes? A ver­da­de é que, pa­ra além das mai­o­res obri­ga­ções de in­for­ma­ção, o mo­de­lo-ba­se em que quem pa­ga pe­los

ra­tings são as em­pre­sas que es­tão a ser ava­li­a­das é o mes­mo. E a importância das agên­ci­as man­tém-se, co­mo se pô­de tes­te­mu­nhar com o efei­to po­si­ti­vo nas ta­xas de ju­ro de que be­ne­fi­ci­ou Por­tu­gal quan­do os seus

ra­tings foram re­ti­ra­dos do “li­xo”.

De­se­qui­lí­bri­os ma­cro­e­co­nó­mi­cos

De um la­do, a Chi­na, com os seus ex­ce­den­tes co­mer­ci­ais gi­gan­tes­cos; do ou­tro la­do, os EUA, com um enor­me dé­fi­ce ex­ter­no. Uma coi­sa jun­tou-se à ou­tra e con­du­ziu a que, com a Chi­na a in­ves­tir as su­as pou­pan­ças, os EUA pu­des­sem, a ta­xas bai­xas, en­di­vi­dar­se cada vez mais, ge­ran­do os de­se­qui­lí­bri­os que con­du­zi­ram à cri­se.

Es­ta é, em ter­mos de po­lí­ti­ca ma­cro­e­co­nó­mi­ca, uma das teorias mais po­pu­la­res so­bre as cau­sas da cri­se. Por es­se mo­ti­vo, de­pois de 2008, os de­ci­so­res po­lí­ti­cos de todo o pla­ne­ta es­for­ça­vam-se pa­ra che­gar a acor­dos que di­mi­nuís­sem os de­se­qui­lí­bri­os ma­cro­e­co­nó­mi­cos mun­di­ais. Nos úl­ti­mos dez anos, o ce­ná­rio mu­dou, mas no­vos de­se­qui­lí­bri­os per­sis­tem, num ce­ná­rio po­lí­ti­co que é ago­ra bem me­nos pro­pí­cio ao en­ten­di­men­to.

Ri­car­do Reis, pro­fes­sor da Lon­don Scho­ol of Economics, de­fen­de que “foi na cri­se eu­ro­peia de 201012 que os tais de­se­qui­lí­bri­os glo­bais foram mui­to im­por­tan­tes: os gran­des ex­ce­den­tes foram nal­gu­mas re­giões do cen­tro da Eu­ro­pa, e os enor­mes dé­fi­ces foram nou­tros paí­ses da pe­ri­fe­ria, com Por­tu­gal in­cluí­do no se­gun­do gru­po”. Nes­te ca­so, a si­tu­a­ção cla­ra­men­te mu­dou, e ago­ra é a zo­na euro co­mo um todo que tem um sal­do mui­to po­si­ti­vo, com pou­co a con­se­guir ser fei­to pa­ra o evi­tar.

Fran­ces­co Fran­co, pro­fes­sor na No­va Scho­ol of Bu­si­ness and Economics, ex­pli­ca que a zo­na euro pas­sou a de­sem­pe­nhar o pa­pel que an­tes era da Chi­na, ao pas­so que os EUA man­têm dé­fi­ces ele­va­dos. “Es­se dé­fi­ce re­flec­te so­bre­tu­do o fac­to de o mun­do precisar de dó­la­res”, diz, la­men­tan­do que se as­sis­ta a “um re­cuo no multilateralismo em vá­ri­as áre­as”, de que é exem­plo a po­lí­ti­ca pro­tec­ci­o­nis­ta de Do­nald Trump, “o que não cria pers­pec­ti­vas pa­ra en­con­trar soluções con­jun­tas”.

Pen­sa­men­to eco­nó­mi­co

Oi­to di­as de­pois da fa­lên­cia do Leh­man Brothers, Alan Gre­ens­pan, o ex­pre­si­den­te da Re­ser­va Fe­de­ral que aca­bou por ser vis­to co­mo o sím­bo­lo da ide­o­lo­gia económica que

im­pe­rou du­ran­te a dé­ca­da an­te­ri­or, fez o seu mea cul­pa pe­ran­te o Con­gres­so dos EUA: “Sim, en­con­trei uma fa­lha [na ide­o­lo­gia]. Não sei quão sig­ni­fi­ca­ti­va ou per­ma­nen­te se­rá. Mas te­nho es­ta­do bas­tan­te pre­o­cu­pa­do com is­so”, dis­se.

No pós-Leh­man, tam­bém os eco­no­mis­tas foram al­vo de for­tes críticas, por não te­rem pre­vis­to a cri­se e por te­rem oferecido a ba­se ci­en­tí­fi­ca pa­ra baixos ní­veis de re­gu­la­ção, elo­gio da to­ma­da do ris­co e apo­lo­gia da pro­cu­ra in­ces­san­te do lu­cro. Em par­ti­cu­lar, a uti­li­za­ção de mo­de­los teó­ri­cos em que o com­por­ta­men­to dos agen­tes eco­nó­mi­cos é sem­pre ra­ci­o­nal re­ve­lou-se mui­to fa­lí­vel.

“A gran­de cri­se fi­nan­cei­ra veio es­sen­ci­al­men­te va­li­dar mui­tas das críticas que já vi­nham sen­do dirigidas à ci­ên­cia económica con­ven­ci­o­nal”, afir­ma Ri­car­do Paes Ma­me­de, pro­fes­sor no ISCTE, e aqui­lo que acon­te­ceu, ex­pli­ca, é que “o am­bi­en­te académico se tor­nou me­nos hos­til aos eco­no­mis­tas he­te­ro­do­xos e o en­si­no um pou­co mais sen­sí­vel ao mun­do re­al”. Fran­ces­co Fran­co tam­bém vê mu­dan­ças. “Es­ta di­fi­cul­da­de dos mo­de­los pa­ra res­pon­der à cri­se le­vou a que du­ran­te os anos se­guin­tes se as­sis­tis­se a um im­pul­so re­for­çan­do as aná­li­ses mul­ti­dis­ci­pli­na­res, e se pas­sas­se a con­si­de­rar nos mo­de­los fac­to­res mais he­te­ro­gé­ne­os.”

Is­to se­rá su­fi­ci­en­te? Fran­co re­co­nhe­ce que “a no­va abor­da­gem na cons­tru­ção de mo­de­los não vai che­gar à ver­da­de, mas o es­for­ço fei­to foi bom”. Ri­car­do Paes Ma­me­de diz que “ho­je os eco­no­mis­tas mains­tre­am acre­di­tam me­nos na­qui­lo que fa­zem do que acre­di­ta­vam há dez anos”, mas que “is­so não che­ga pa­ra que a ci­ên­cia económica do­mi­nan­te se­ja al­go di­fe­ren­te do que é”.

KEVIN COOMBS/REUTERS

Reu­nião na se­de do Leh­man Brothers em Lon­dres a 11 de Se­tem­bro de 2008

PETER FOLEY/EPA

À fa­lên­cia do Leh­man Brothers se­guiu-se o co­lap­so no sis­te­ma fi­nan­cei­ro e a re­ces­são na eco­no­mia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.