Uma no­va cri­se não es­tá ao vi­rar da es­qui­na

Eco­no­mis­tas não acre­di­tam num no­vo co­lap­so co­mo o vi­vi­do na úl­ti­ma dé­ca­da. Ce­ná­rio di­fe­ren­te é o de um ajus­ta­men­to do ci­clo eco­nó­mi­co

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Vítor Cos­ta

Os si­nais de pe­ri­go exis­tem. Há cada vez mais eco­no­mis­tas a si­na­li­zá-los. E há até quem já mar­que a da­ta pa­ra uma no­va cri­se fi­nan­cei­ra que le­va­rá a uma re­ces­são glo­bal. Po­de­rá es­tar o mun­do no­va­men­te à beira de um buraco equi­va­len­te ao que se abriu após a fa­lên­cia do Leh­man Brothers? Os eco­no­mis­tas ou­vi­dos pe­lo PÚ­BLI­CO afas­tam es­se ce­ná­rio, não es­con­dem que há ame­a­ças, mas lem­bram tam­bém que mui­to mu­dou na úl­ti­ma dé­ca­da.

“Não es­tou cer­to nem jul­go que [uma] no­va cri­se fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal es­te­ja ao vi­rar da es­qui­na”, lem­bra o eco­no­mis­ta e pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio Ri­car­do Ca­bral, adi­an­tan­do que, ape­sar de ha­ver “vá­ri­os” e “gra­ves” fac­to­res de ins­ta­bi­li­da­de, “os po­de­res do­mi­nan­tes têm ca­pa­ci­da­de pa­ra adi­ar o de­fla­grar da even- tu­al cri­se fi­nan­cei­ra por vá­ri­os anos”.

Uma opi­nião que é partilhada por Rui Bár­ba­ra do Ban­co Car­re­go­sa, que co­me­ça por lem­brar que a todo o mo­men­to há eco­no­mis­tas a pre­ver que uma no­va cri­se es­tá à es­prei­ta. “O que de­ve­mos fa­zer é dis­tin­guir entre cor­rec­ções — quer da eco­no­mia quer dos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros — , que são cí­cli­cas, e even­tos mais estruturais e mais ra­ros”, até por­que acon­te­ci­men­tos co­mo a Gran­de Depressão de 1929 ou a Gran­de Re­ces­são de 2008 “po­dem ocor­rer”, mas “com in­ter­va­los de 70, 80 anos”.

Di­fe­ren­te res­pos­ta tem a pergunta so­bre se va­mos ter uma re­ces­são na Eu­ro­pa ou nos Es­ta­dos Uni­dos (EUA). Aí, a res­pos­ta é “sim”, diz Rui Bár­ba­ra, “mais ce­do ou mais tar­de ela vi­rá. E qu­an­to mais tem­po nos dis­tan­ci­ar­mos da úl­ti­ma cri­se, mais per­to es­ta­re­mos de uma no­va”, até por­que, adi­an­ta, a “eco­no­mia mo­ve-se por ci­clos e eles não de­sa­pa­re­ce­ram”.

E o que os números mos­tram é que

tan­to os EUA co­mo a zo­na euro apre­sen­tam ac­tu­al­men­te lon­gos pe­río­dos de cres­ci­men­to. Se as mais re­cen­tes pre­vi­sões do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) se con­fir­ma­rem, em 2023 os EUA re­gis­ta­rão 14 anos con­se­cu­ti­vos de cres­ci­men­to e a zo­na euro re­gis­ta­rá dez.

Ris­cos e soluções

O que le­va en­tão eco­no­mis­tas co­mo Je­an-Clau­de Tri­chet, que em 2008 li­de­ra­va o Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu (BCE) e que me­ses an­tes da que­da do Leh­man su­biu as ta­xas de ju­ro, a di­zer que a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra es­tá ho­je tão pe­ri­go­sa co­mo a vi­vi­da há dez anos? Ou o que le­va Nouriel Roubini, um dos eco­no­mis­tas co­nhe­ci­dos por te­rem pre­vis­to a cri­se de 2008, a pers­pec­ti­var uma no­va cri­se fi­nan­cei­ra e uma gran­de re­ces­são já pa­ra 2020?

Um dos mo­ti­vos apon­ta­dos tem que ver com os efei­tos da re­ti­ra­da dos es­tí­mu­los da­dos pe­los ban­cos cen­trais co­mo for­ma de com­ba­ter a Gran­de Re­ces­são e o mo­vi­men­to de su­bi­da de ta­xas de ju­ro já ini­ci­a­da por al­guns des­tes ban­cos cen­trais, em par­ti­cu­lar a Re­ser­va Fe­de­ral nor­te­a­me­ri­ca­na. O efei­to des­tas medidas, ali­a­do à po­lí­ti­ca ex­pan­si­o­nis­ta em cur­so nos EUA, que obri­ga a mai­o­res ne­ces­si­da­des de fi­nan­ci­a­men­to, es­tá a cau­sar da­nos, em par­ti­cu­lar nos paí­ses emer­gen­tes que se en­con­tram en­di­vi­da­dos e que têm gran­de par­te da dí­vi­da em dó­la­res.

É com ba­se nes­te ce­ná­rio que o eco­no­mis­ta João Mo­rei­ra Rato diz que “a próxima cor­rec­ção nos mer­ca­dos de dí­vi­da já es­tá a co­me­çar e a ter mui­to im­pac­to em paí­ses emer­gen­tes”, exem­pli­fi­can­do com o ca­so da Tur­quia e da Ar­gen­ti­na, que, afir­ma, “já es­tão a pas­sar por uma si­tu­a­ção de­li­ca­da” ao ve­rem as su­as mo­e­das a so­frer for­tes des­va­lo­ri­za­ções fa­ce ao dó­lar. Is­to acontece, ex­pli­ca João

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.