No­va cri­se dei­xa­ria Por­tu­gal em ris­co

Edição Público Porto - - DESTAQUE -

Pe­ran­te uma no­va cri­se ou um abran­da­men­to for­te da eco­no­mia in­ter­na­ci­o­nal, Por­tu­gal fi­ca­ria nu­ma si­tu­a­ção “mui­to pre­cá­ria”, che­gan­do mes­mo a cor­rer o ris­co de “in­cum­pri­men­to” de­vi­do aos ele­va­dos ní­veis de en­di­vi­da­men­to do país, se­gun­do a opi­nião dos eco­no­mis­tas con­tac­ta­dos pe­lo PÚ­BLI­CO.

Ape­sar apre­sen­tar a balança cor­ren­te e de ca­pi­tal equi­li­bra­da e ele­va­dos sal­dos or­ça­men­tais pri­má­ri­os, co­mo sa­li­en­ta o eco­no­mis­ta Ri­car­do Ca­bral, Por­tu­gal “con­ti­nua mui­to vul­ne­rá­vel a cho­ques, pois os ní­veis de dí­vi­da ex­ter­na bru­ta e lí­qui­da e de dí­vi­da pú­bli­ca con­ti­nu­am pró­xi­mos dos má­xi­mos his­tó­ri­cos em per­cen­ta­gem do PIB e em má­xi­mos his­tó­ri­cos, em ní­veis ab­so­lu­tos”. Uma si­tu­a­ção que, pe­ran­te “qualquer aba­lo mais for­te nos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros, po­de re­sul­tar na en­tra­da do país em in­cum­pri­men­to”, sa­li­en­ta o pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio.

Uma opi­nião que é partilhada pe­lo eco­no­mis­ta João Mo­rei­ra Rato. “O grau de en­di­vi­da­men­to, pú­bli­co e pri­va­do, da eco­no­mia por­tu­gue­sa é mui­to ele­va­do”, aler­ta o eco­no­mis­ta, que, ain­da as­sim, res­sal­va que a po­lí­ti­ca se­gui­da pe­lo BCE, que ao con­trá­rio da Re­ser­va Fe­de­ral ain­da não su­biu ta­xas, per­mi­te uma mai­or pro­tec­ção à eco­no­mia eu­ro­peia, mas se a Eu­ro­pa abran­dar, en­tão “Por­tu­gal fi­ca nu­ma si­tu­a­ção mui­to pre­cá­ria”. É por is­so que o eco­no­mis­ta diz que nos en­con­tra­mos nu­ma corrida “con­tra o tem­po”, em que é ur­gen­te “re­du­zir o en­di­vi­da­men­to o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel e re­zar pa­ra que a eco­no­mia eu­ro­peia aguen­te mais uns tem­pos”.

Por úl­ti­mo, Rui Bár­ba­ra diz mes­mo que es­ta­mos me­nos pre­pa­ra­dos pa­ra uma no­va cri­se e, mais uma vez, o ar­gu­men­to é o mes­mo. “Temos me­nos mar­gem de ma­no­bra, por­que es­ta­mos mais en­di­vi­da­dos” e temos “a mes­ma li­ber­da­de em ter­mos mo­ne­tá­ri­os, que é qua­se ne­nhu­ma, uma vez que es­tá en­tre­gue ao BCE”. Ain­da as­sim, o eco­no­mis­ta lem­bra que tal­vez o BCE es­te­ja mais bem pre­pa­ra­do. “Pe­lo me­nos tem mais ex­pe­ri­ên­cia em cri­ses…”, con­clui.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.