Fa­lên­cia do Leh­man Brothers foi o “ga­ti­lho” que fez tu­do “cair com­ple­ta­men­te”

“Sa­bía­mos que ha­via ban­cos ex­pos­tos ao mas não ha­via trans­pa­rên­cia que per­mi­tis­se sa­ber até que pon­to es­te ou aque­le ban­co es­ta­va a ser afec­ta­do”, ad­mi­te o an­ti­go mi­nis­tro das Fi­nan­ças

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Sub­pri­me, En­tre­vis­ta Vítor Cos­ta e Sér­gio Aní­bal

De­pois da cri­se do sub­pri­me nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca (EUA), em 2007, tu­do pa­re­cia con­tro­la­do na Eu­ro­pa, re­co­nhe­ce o ago­ra pre­si­den­te do ban­co Eu­ro­Bic, mas de­pois veio a que­da do Leh­man e tu­do mu­dou. A sur­pre­sa so­bre a re­al di­men­são dos problemas na ban­ca pro­vo­ca­dos pe­los cré­di­tos hi­po­te­cá­ri­os de al­to ris­co com ori­gem nos EUA foi to­tal. Um sur­pre­sa que era trans­ver­sal a to­dos os mi­nis­tro das Fi­nan­ças da União Eu­ro­peia e tam­bém do Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu (BCE), ad­mi­te Teixeira dos San­tos. Co­mo vi­veu a fa­lên­cia do Leh­man Brothers? No Ve­rão an­te­ri­or tí­nha­mos ti­do a cri­se do sub­pri­me que cau­sou uma gran­de perturbação nos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros. Quan­do em Agos­to de 2007 o BNP Pa­ri­bas sus­pen­deu o res­ga­te de tí­tu­los que es­ta­vam as­so­ci­a­dos ao cré­di­to imo­bi­liá­rio ame­ri­ca­no, foi o si­nal de aler­ta de que ha­via um pro­ble­ma. Os mer­ca­dos con­traí­ram-se e vi­ve­mos um pe­río­do mui­to for­te de fal­ta de li­qui­dez que le­vou o BCE a in­jec­tar mais de 90 mil mi­lhões de eu­ros no sis­te­ma. Já es­ta­vam em es­ta­do de aler­ta... Em me­a­dos de 2008 ain­da vi­vía­mos um pou­co a on­da de cho­que da cri­se do sub­pri­me com os ban­cos a re­a­jus­ta­rem­se a uma no­va si­tu­a­ção em que era mais di­fí­cil o aces­so à li­qui­dez in­ter­na­ci­o­nal e ao seu re­fi­nan­ci­a­men­to, e is­so tra­du­zi­a­se, ob­vi­a­men­te, em mai­o­res di­fi­cul­da­des pa­ra os ban­cos, em par­ti­cu­lar na con­ces­são de cré­di­to. O sen­ti­men­to era que ha­via um pro­ble­ma mas que es­ta­va a ser re­sol­vi­do? Exac­to. Ha­via um pro­ble­ma que, de al­gu­ma for­ma, gra­du­al­men­te, ia sen­do re­sol­vi­do, em­bo­ra se an­te­ci­pas­se que es­sa si­tu­a­ção, pe­las di­fi­cul­da­des exis­ten­tes no fi­nan­ci­a­men­to da eco­no­mia, iria ori­gi­nar al­gu­ma re­trac­ção da actividade económica. Mas o gran­de pro­ble­ma que vi­vía­mos no Ve­rão de 2008 era um pro­ble­ma de in­fla­ção. Foi nes­sa al­tu­ra que o pre­ço do pe­tró­leo dis­pa­rou pa­ra 150 dó­la­res o bar­ril e o pre­ço de uma sé­rie de com­mo­di­ti­es su­biu de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va. A ta­xa de in­fla­ção che­gou a atin­gir os 3,1% em Por­tu­gal, em ter­mos ho­mó­lo­gos. Is­to fez com que o BCE, em Ju­lho de 2008, tomasse a de­ci­são de su­bir as ta­xas de re­fe­rên­cia [pa­ra 4,25%]. O am­bi­en­te era de que a cri­se do se ia re­sol­ver e a con­jun­tu­ra era de de­sa­ce­le­ra­ção económica e su­bi­da da in­fla­ção... É um pou­co nes­se qua­dro que sur­ge a fa­lên­cia do Leh­man Brothers, que nos re­ve­la que a si­tu­a­ção do sis­te­ma fi­nan­cei­ro e dos ban­cos, em par­ti­cu­lar, es­tá lon­ge de es­tar ul­tra­pas­sa­da e que as su­as de­bi­li­da­des ou fra­gi­li­da­des se­ri­am bem mai­o­res do que aque­las que se po­de­ri­am ima­gi­nar. O mer­ca­do in­ter­ban­cá­rio pra­ti­ca­men­te se­cou, ha­via gran­de des­con­fi­an­ça entre as ins­ti­tui­ções, sa­bía­mos que ha­via ban­cos que es­ta­vam ex­pos­tos aos ac­ti­vos tó­xi­cos do sub­pri­me, mas, em boa ver­da­de, não ha­via trans­pa­rên­cia que per­mi­tis­se sa­ber até que pon­to es­te ou aque­le ban­co es­ta­va a ser afec­ta­do pe­la ex­po­si­ção a es­se ti­po de ac­ti­vos. Era um pro­ble­ma de su­per­vi­são? Era mais um pro­ble­ma de trans­pa­rên­cia, de re­por­te. O sis­te­ma não es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra ter e di­vul­gar in­for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca so­bre es­te ti­po de ac­ti­vos. As con­tas que eram pu­bli­ca­das não ti­nham um grau de de­ta­lhe que per­mi­tis­se ver quais os ac­ti­vos pro­ble­má­ti­cos, e ge­rou-se um am­bi­en­te de mui­ta des­con­fi­an­ça nas re­la­ções entre os ban­cos sem se con­se­guir ava­li­ar o ris­co. A fa­lên­cia do Leh­man Brothers foi co­mo um ga­ti­lho. O ní­vel de in­cer­te­za aden­sou­se e aqui­lo que pa­re­cia ser uma si­tu­a­ção que es­ta­va es­ta­bi­li­za­da e que gra­du­al­men­te se po­de­ria ir re­cu­pe­ran­do, de um mo­men­to pa­ra o ou­tro, caiu com­ple­ta­men­te. Só pa­ra re­cor­dar, a ter­mi­no­lo­gia que na al­tu­ra se usa­va a ní­vel eu­ro­peu era o ris­co de melt­down do sis­te­ma fi­nan­cei­ra. Era um ris­co de co­lap­so. A não an­te­ci­pa­ção da gra­vi­da­de da si­tu­a­ção, que fi­cou evidente com a que­da do Leh­man Brothers, a sur­pre­sa, era ge­ral entre os lí­de­res eu­ro­peus, o BCE... Era par­ti­lha­do de uma for­ma ge­ral. Era um sen­ti­men­to que se vi­via, pe­lo me­nos, entre os meus co­le­gas. Mas mes­mo o BCE, que ti­nha re­la­ções com a Re­ser­va Fe­de­ral nor­te-ame­ri­ca­na (Fed)? O BCE, se sou­bes­se, nun­ca te­ria to­ma­do uma me­di­da em con­tra­pé co­mo to­mou em Ju­lho de 2008. A su­bi­da das ta­xas de ju­ro nes­te am­bi­en­te e com o que veio a pas­sar-se aca­bou, ela pró­pria, por con­tri­buir pa­ra o agra­va­men­to da con­jun­tu­ra económica. E que con­tri­bui pa­ra a re­ces­são de 2009... A par­tir de me­a­dos de 2008, se vir­mos as con­tas tri­mes­trais, sen­ti­mos a de­sa­ce­le­ra­ção de cres­ci­men­to a ní­vel eu­ro­peu e

O BPN (...) não era um ban­co que ti­ves­se um im­pac­to sis­té­mi­co, mas res­pi­ra­va-se um am­bi­en­te de ga­so­li­na no ar e qualquer fa­gu­lha era pe­ri­go­sa

que nos vai le­var ao pon­to mais bai­xo da cri­se, que ocor­re, mais ou me­nos, em me­a­dos de 2009, o ano da gran­de re­ces­são. E a ní­vel in­ter­no, quan­do é que há um pon­to de vi­ra­gem e quan­do é que se per­ce­be que se tem de mu­dar de ru­mo? Is­so acontece cla­ra­men­te em fi­nais de Se­tem­bro, iní­ci­os de Ou­tu­bro. Hou­ve um Eurogrupo, um Eco­fin e de­pois uma ci­mei­ra de che­fes de Es­ta­do, e foi aí que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.