“O que foi con­se­gui­do nas fi­nan­ças pú­bli­cas não se po­de per­der”

Ex-mi­nis­tro das Fi­nan­ças diz que “aumentos pe­di­dos pa­ra a fun­ção pú­bli­ca” não lhe “pa­re­cem com­por­tá­veis ou jus­ti­fi­cá­veis”

Edição Público Porto - - DESTAQUE - En­tre­vis­ta Vítor Cos­ta e Sér­gio Aní­bal

se to­ma­ram de­ci­sões que iam no sen­ti­do, em primeiro lu­gar, de adop­tar medidas que evi­tas­sem o melt­down do sis­te­ma fi­nan­cei­ro e per­mi­tis­sem in­tro­du­zir fac­to­res que pre­ser­vas­sem a con­fi­an­ça dos agen­tes eco­nó­mi­cos no sis­te­ma fi­nan­cei­ro. Pa­ra im­pe­dir uma corrida aos ban­cos? Tí­nha­mos um pro­ble­ma de medo e po­dia ha­ver uma corrida ao sis­te­ma fi­nan­cei­ro que ace­le­ra­ria ain­da mais a cri­se. Ha­via a ne­ces­si­da­de de to­mar medidas no sen­ti­do de con­tri­buir pa­ra man­ter a so­li­dez do sis­te­ma, de lhe dar con­di­ções pa­ra ter li­qui­dez e, por es­sa via, dar um si­nal de que não há ra­zões pa­ra não ter con­fi­an­ça no sis­te­ma fi­nan­cei­ro. E é tam­bém a par­tir des­sa al­tu­ra que se co­me­ça a fa­lar na ne­ces­si­da­de de po­lí­ti­cas an­ti­cí­cli­cas, an­ti­re­ces­si­vas. Foi Durão Bar­ro­so, na al­tu­ra pre­si­den­te da Co­mis­são Eu­ro­peia, que avan­çou com es­sa ini­ci­a­ti­va. Mas que medidas foram adop­ta­das em con­cre­to? Nes­se Con­se­lho Eu­ro­peu de­ci­diu-se, em primeiro lu­gar, que os Es­ta­dos-mem­bros de­ve­ri­am con­ce­der ga­ran­ti­as aos ban­cos nas su­as ope­ra­ções de re­fi­nan­ci­a­men­to e que os Es­ta­dos de­ve­ri­am en­trar no ca­pi­tal dos ban­cos que ne­ces­si­tas­sem de ser re­ca­pi­ta­li­za­dos. Foi nes­sa al­tu­ra que fiz uma de­cla­ra­ção po­lí­ti­ca em que afir­mei que os de­pó­si­tos dos por­tu­gue­ses es­tão ga­ran­ti­dos pa­ra evi­tar si­tu­a­ções... Ha­via si­nais... Ha­via mui­ta in­tran­qui­li­da­de. Por es­sa al­tu­ra de­cor­ria o ca­so do Ban­co Por­tu­guês de Ne­gó­ci­os (BPN), e a fa­lên­cia do Leh­man Brothers ala­van­cou a re­le­vân­cia do ca­so BPN. O BPN, pe­la sua di­men­são, não era um ban­co que ti­ves­se um im­pac­to sis­té­mi­co, mas res­pi­ra­va-se um am­bi­en­te de ga­so­li­na no ar e qualquer fa­gu­lha era pe­ri­go­sa. Mas es­se am­bi­en­te que le­vou a que os Es­ta­dos qui­ses­sem sal­var os ban­cos a todo o cus­to foi ex­ces­si­vo, ten­do em con­ta o que sa­be­mos ho­je, o que foi a cri­se da dí­vi­da so­be­ra­na na Eu­ro­pa? Foi-se lon­ge de­mais? Te­nho di­fi­cul­da­de em di­zer que se foi lon­ge de­mais se olhar­mos, por exem­plo, pa­ra o que se pas­sou nos EUA. Os EUA dei­xa­ram fa­lir o Leh­man e ou­tras ins­ti­tui­ções, mas ra­pi­da­men­te per­ce­be­ram que ti­nham de as­se­gu­rar a es­ta­bi­li­da­de no sis­te­ma fi­nan­cei­ro. O pro­gra­ma TARP (Trou­bled As­set Re­li­ef Pro­gram) foi um pro­gra­ma de in­ter­ven­ção. É is­so que di­fe­ren­cia a po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na fa­ce à eu­ro­peia, in­ter­ven­ção for­te e ime­di­a­ta das au­to­ri­da­des no res­ga­te do sis­te­ma fi­nan­cei­ro. Na Eu­ro­pa de­mo­rá­mos mui­to tem­po. Não in­ter­vi­e­mos tão rá­pi­da e fron­tal­men­te. Os ame­ri­ca­nos foram lo­go a jo­go pa­ra lim­par e es­ta­bi­li­zar o sis­te­ma fi­nan­cei­ro, com­pra­ram os ac­ti­vos pro­ble­má­ti­cos, lim­pa­ram os ba­lan­ços dos ban­cos, é evidente que o dé­fi­ce ame­ri­ca­no dis­pa­rou e a dí­vi­da tam­bém, mas as­se­gu­ra­ram a es­ta­bi­li­da­de do sis­te­ma fi­nan­cei­ro e, nes­se sen­ti­do, re­ti­ra­ram, ou mi­ti­ga­ram, mui­to o ris­co que os mer­ca­dos po­de­ri­am per­ce­ber de a si­tu­a­ção dos ban­cos po­der vir a con­ta­mi­nar ou pôr em ris­co as fi­nan­ças pú­bli­cas ame­ri­ca­nas no fu­tu­ro. E não foi o que acon­te­ceu na Eu­ro­pa... Na área do euro não ti­ve­mos o cha­ma­do “len­der of last resort” a fun­ci­o­nar, o pres­ta­mis­ta de úl­ti­ma ins­tân­cia, nem ti­ve­mos um Te­sou­ro, co­mo os ame­ri­ca­nos ti­ve­ram, a ser­vir de backs­top. Os ban­cos [na Eu­ro­pa] ti­ve­ram de man­ter os seus ac­ti­vos tó­xi­cos e ou­tros que, com a de­te­ri­o­ra­ção da con­jun­tu­ra, não eram tó­xi­cos mas que aca­ba­ram por ser pro­ble­má­ti­cos. Não resolvemos a si­tu­a­ção do sis­te­ma fi­nan­cei­ro e fo­mos pe­na­li­za­dos pe­los mer­ca­dos por ter dé­fi­ces e dí­vi­da... Sem­pre me in­ter­ro­guei por­que é que os mer­ca­dos fi­ca­ram tão pre­o­cu­pa­dos e sen­sí­veis aos dé­fi­ces e dí­vi­da ele­va­dos na saí­da da cri­se em 2009, quan­do nun­ca se pre­o­cu­pa­ram com os dé­fi­ces, por exem­plo, da Bél­gi­ca, Gré­cia ou Itá­lia, des­de a cri­a­ção do euro. E en­con­tra al­gu­ma ex­pli­ca­ção? A úni­ca que ve­jo é que os mer­ca­dos, ao cons­ta­ta­rem o agra­va­men­to do dé­fi­ce e da dí­vi­da na área do euro, em par­ti­cu­lar nal­guns paí­ses, e ape­sar de os paí­ses te­rem as­su­mi­do com­pro­mis­sos de cor­rec­ção da si­tu­a­ção, ti­ve­ram sem­pre a per­cep­ção de que o sis­te­ma ban­cá­rio es­ta­va fra­gi­li­za­do, e mui­to em­bo­ra os Es­ta­dos dis­ses­sem que iri­am di­mi­nuir o dé­fi­ce, ti­nham uma es­pa­da de Dâ­mo­cles em ci­ma da ca­be­ça. Ou se­ja, o pro­ble­ma nos ban­cos iria obri­gar os Es­ta­dos a in­ter­vir e es­tes não iri­am con­se­guir cor­ri­gir as fi­nan­ças pú­bli­cas en­quan­to não cor­ri­gis­sem a si­tu­a­ção dos ban­cos.

Aque­da do Leh­man Brothers e os acon­te­ci­men­tos que se lhe se­gui­ram le­va­ram a que a pa­la­vra de or­dem na União Eu­ro­peia, a par­tir da se­gun­da me­ta­de de 2008, fos­se se­gu­rar o sis­te­ma fi­nan­cei­ro e adop­tar po­lí­ti­cas que con­tra­ri­as­sem a de­sa­ce­le­ra­ção que já se fa­zia sen­tir na actividade económica. Ou se­ja, era pre­ci­so gas­tar, in­ves­tir pa­ra re­lan­çar a eco­no­mia. Em 2007, Por­tu­gal apre­sen­tou um dé­fi­ce or­ça­men­tal de 2,9% do PIB, per­mi­tin­do-lhe, no ano se­guin­te, sair do Procedimento por Dé­fi­ces Ex­ces­si­vos. Mas fi­ca­va a dú­vi­da, que se aden­sou com a cri­se das dí­vi­das so­be­ra­nas, que aca­ba­ria por le­var o país a um res­ga­te: Por­tu­gal po­dia e de­via adop­tar uma po­lí­ti­ca an­ti­cí­cli­ca. O en­tão mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Fer­nan­do Teixeira dos San­tos, ex­pli­ca que ha­via mar­gem pa­ra se­guir as ori­en­ta­ções de Bruxelas, e lem­bra os en­si­na­men­tos que se de­vem re­ti­rar do que acon­te­ceu des­de en­tão. Pa­ra além das medidas pa­ra o sec­tor fi­nan­cei­ro, o Con­se­lho Eu­ro­peu de Ou­tu­bro de 2008 tam­bém adop­tou medidas pa­ra tra­var a de­sa­ce­le­ra­ção da eco­no­mia. Em Por­tu­gal, co­mo se pro­ces­sou es­sa dis­cus­são? A nos­sa si­tu­a­ção or­ça­men­tal per­mi­tia a adop­ção des­sas po­lí­ti­cas? Tí­nha­mos aca­ba­do de sair do Procedimento por Dé­fi­ces Ex­ces­si­vos em 2008 e a per­cep­ção que tí­nha­mos era que ha­ve­ria al­gum es­pa­ço de ma­no­bra pa­ra medidas de ca­rác­ter con­tra­cí­cli­co. É nes­se qua­dro que em fi­nais de 2008 dis­cu­ti­mos um pla­no de re­cu­pe­ra­ção económica a ní­vel eu­ro­peu. Se­guin­do um pou­co aqui­lo que eram as in­di­ca­ções a ní­vel eu­ro­peu, [em Por­tu­gal] adop­ta­ram-se medidas de apoio às ener­gi­as renováveis, na área do apoio ao in­ves­ti­men­to na ban­da lar­ga, medidas fo­ca­das nas pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, al­gu­mas medidas de apoio às fa­mí­li­as e uma coi­sa im­por­tan­te na al­tu­ra, que foi o PME In­ves­te, pa­ra dar con­di­ções à ban­ca de po­der mais fa­cil­men­te fi­nan­ci­ar as em­pre­sas. Foram es­sas medidas que le­va­ram a um agra­va­men­to do dé­fi­ce em 2009? O agra­va­men­to que ti­ve­mos no dé­fi­ce em 2009 tem que ver, sem dú­vi­da, com as medidas dis­cri­ci­o­ná­ri­as que foram adop­ta­das, mas ti­ve­mos um im­pac­to mui­to gran­de nos es­ta­bi­li­za­do­res au­to­má­ti­cos. Ti­ve­mos uma que­bra de re­cei­ta em 2009 na or­dem dos qua­tro mil mi­lhões de eu­ros. Is­to tam­bém foi um im­pac­to for­te e que con­tri­buiu de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va pa­ra o agra­va­men­to do dé­fi­ce. Foi tam­bém nes­se ano que hou­ve um au­men­to sa­la­ri­al na fun­ção pú­bli­ca. Per­gun­tam-me mui­tas ve­zes is­so, e sou fran­co con­vos­co, não sou in­gé­nuo. Em 2009 hou­ve elei­ções e ob­vi­a­men­te au­men­tar a fun­ção pú­bli­ca em 2,9% po­de so­ar a uma me­di­da de ca­rác­ter elei­to­ra­lis­ta. Não vou con­tes­tar es­sas lei­tu­ras. Não va­le a pe­na. Ago­ra, na po­si­ção em que es­ta­va e com o que

RUI GAU­DÊN­CIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.