Co­mo evi­tar que um pe­dó­fi­lo se trans­for­me num abu­sa­dor?

Di­rec­tor do Ins­ti­tu­to de Se­xo­lo­gia de uni­ver­si­da­de de Ber­lim ex­pli­ca co­mo é que a Ale­ma­nha es­tá a fa­zer pre­ven­ção de abu­so se­xu­al

Edição Público Porto - - SOCIEDADE - Ana Cris­ti­na Pe­rei­ra

A pergunta foi lan­ça­da por Klaus M. Bei­er, di­rec­tor do Ins­ti­tu­to de Se­xo­lo­gia da Uni­ver­si­da­de da Cha­ri­té — Me­di­ci­na de Ber­lim, no au­di­tó­rio da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to: co­mo pre­ve­nir o abu­so se­xu­al de cri­an­ças? E a res­pos­ta saiu­lhe cla­ra. “Aju­dan­do os pe­dó­fi­los a con­tro­la­rem os seus im­pul­sos.”

De­sen­vol­veu um pro­jec­to pi­o­nei­ro na Ale­ma­nha, que apre­sen­tou na 13.ª edi­ção do Young Eu­ro­pe­an Sci­en­tis Me­e­ting, a con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal or­ga­ni­za­da por alu­nos da­que­la fa­cul­da­de. E diz-se dis­pos­to a treinar quem de­se­jar se­guir-lhe as pi­sa­das. “Gos­ta­va que hou­ves­se em Lis­boa ou Por­to um gru­po de te­ra­peu­tas que se dis­po­ni­bi­li­zas­sem pa­ra avan­çar com um ser­vi­ço des­tes”, afi­an­ça.

O abu­so se­xu­al po­de pro­vo­car nas ví­ti­mas stress pós-trau­má­ti­co. Os efei­tos de lon­ga du­ra­ção afectam o sis­te­ma imu­ni­tá­rio, abrin­do ca­mi­nho a ou­tras do­en­ças. E is­to le­va Bei­er a ques­ti­o­nar por que se in­ves­te tão pou­co em pre­ven­ção primária.

O pro­jec­to foi lan­ça­do em 2005, com uma cam­pa­nha que incluiu car­ta­zes e spots. A men­sa­gem era mais ou me­nos es­ta: “Tu não és cul­pa­do por ter es­te de­se­jo se­xu­al, mas és res­pon­sá­vel pe­lo teu com­por­ta­men­to se­xu­al. Há aju­da! Não te tor­nes num agres­sor.”

A pedofilia, classificada pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de co­mo uma do­en­ça, “não é uma es­co­lha, é um des­ti­no”, en­fa­ti­za Bei­er. “Ma­ni­fes­ta­se du­ran­te a pu­ber­da­de e man­tém­se es­tá­vel ao lon­go da vi­da. Não tem cu­ra. Uma pes­soa po­de, po­rém, apren­der a con­tro­lar os seus ím­pe­tos, evi­tar pas­sar à prá­ti­ca.”

Im­por­ta não con­fun­dir pe­dó­fi­los com agres­so­res se­xu­ais de cri­an­ças. Cer­ca de 60% dos agres­so­res se­xu­ais iden­ti­fi­ca­dos usam cri­an­ças co­mo subs­ti­tu­to. Têm, por exem­plo, uma de­bi­li­da­de men­tal, um dis­túr­bio de per­so­na­li­da­de an­ti-so­ci­al ou uma at­mos­fe­ra fa­mi­li­ar trau­ma­ti­zan­te. “Eles gos­ta­ri­am de ter se­xo com uma mu­lher; re­cor­rem a uma me­ni­na, por­que é mais fá­cil”, diz. Cer­ca de 40% so­frem de pedofilia (atrac­ção por cri­an­ças pré-pú­be­res) ou he­be­fi­lia (atrac­ção por pú­be­res ou re­cém­pú­be­res). E es­ses, pe­lo ní­vel de so­fri­men­to que ex­pe­ri­en­ci­am, es­ta­rão mais aber­tos a pro­cu­rar aju­da.

“A so­ci­e­da­de tem de pa­rar de de­mo­ni­zar a pedofilia”, con­si­de­ra o es­pe­ci­a­lis­ta. Só se con­se­gui­rá tra­tar es­tas pes­so­as a tí­tu­lo pre­ven­ti­vo se hou­ver um ser­vi­ço especializado e se es­se ser­vi­ço for ca­paz de es­ta­be­le­cer uma re­la­ção de con­fi­an­ça (o que im­pli­ca não de­nun­ci­ar) e de em­pa­tia (com­pre­en­der o so­fri­men­to).

A men­sa­gem que, em seu en­ten­der, im­por­ta interiorizar é: “Sa­be­mos que is­to faz par­te da se­xu­a­li­da­de hu­ma­na, sa­be­mos que es­sa é a ori­en­ta­ção se­xu­al de 1% da po­pu­la­ção, gos­ta­ría­mos de integrar es­sas pes­so­as, não qu­e­re­mos que pas­sem à prá­ti­ca, por­que não qu­e­re­mos que fa­çam mal às nos­sas cri­an­ças. Ofe­re­ce­mos-lhe tratamento. Quem abu­sar de cri­an­ças se­rá castigado.”

Pro­gra­ma em 11 ci­da­des

Pa­re­ce-lhe que os me­dia têm res­pon­sa­bi­li­da­des. “No primeiro ano do pro­gra­ma, os jor­na­lis­tas foram mui­to hos­tis”, re­cor­da. “Per­gun­ta­vam-nos: ‘O que es­tão a fa­zer aí? Es­tão lou­cos? Es­tas pes­so­as são criminosas. Têm de fa­zer quei­xa de­las.’ Nós ti­ve­mos de os con­ven­cer de que es­ta é a ma­nei­ra cer­ta de pro­te­ger as cri­an­ças. E eles com­pre­en­de­ram. Co­me­ça­ram a usar ter­mos mais neu­tros.”

A lin­gua­gem não é de so­me­nos. “Se és um ar­qui­tec­to ou um mé­di­co que so­fre de pedofilia e lu­tas con­tra is­so, não vais aceitar en­trar num pro­gra­ma que di­ga que és um abu­sa­dor de cri­an­ças”, exem­pli­fi­ca. “Tu vais pen­sar: eu te­nho con­tro­la­do o meu com­por­ta­men­to e tu es­tás a di­zer que eu sou um abu­sa­dor de cri­an­ças! Eu nun­ca abu­sei de uma cri­an­ça! Eu não que­ro abu­sar de ne­nhu­ma cri­an­ça!”

O pro­gra­ma pa­ra adul­tos exis­te em 11 ci­da­des ale­mãs. Nos pri­mei­ros 12 anos, 8497 pe­di­ram aju­da e 1418 re­ve­la­ram-se aptos pa­ra tratamento, que com­bi­na psi­co­te­ra­pia in­di­vi­du­al e de gru­po com fár­ma­cos. Em 2014, ar­ran­cou um pro­gra­ma pa­ra ado­les­cen­tes em Ber­lim. Até Ju­nho des­te ano, 114 pe­di­ram aju­da e 51 re­ce­be­ram luz ver­de.

Dois ter­ços dos adul­tos que se su­jei­ta­ram a tratamento es­tão a con­se­guir con­tro­lar a sua pul­são se­xu­al. Um ter­ço ad­mi­te ter vol­ta­do a ver por­no­gra­fia in­fan­til. Nos ado­les­cen­tes, até ago­ra não há re­gis­to de rein­ci­dên­cia. Bei­er quer alar­gar a ofer­ta a ado­les­cen­tes de todo o país. Por te­rem uma ida­de mais próxima da das ví­ti­mas, “correm mai­or ris­co” de pas­sar do de­se­jo à prá­ti­ca.

O que po­de fa­zer quem es­tá lon­ge? A equi­pa cri­ou uma fer­ra­men­ta de autoajuda pa­ra quem sen­te atrac­ção por me­no­res e não tem aces­so a te­ra­pia e co­lo­cou-a on­li­ne. Es­tá em in­glês e em ale­mão. No fu­tu­ro, de­ve­rá exis­tir nou­tras lín­guas, in­cluin­do por­tu­guês. Já re­ce­beu pe­di­dos de aju­da de pe­dó­fi­los de cer­ca de 60 paí­ses, no­me­a­da­men­te de Por­tu­gal.

ac­pe­rei­ra@pu­bli­co.pt

NELSON GARRIDO

“A so­ci­e­da­de tem de pa­rar de de­mo­ni­zar a pedofilia”, diz es­pe­ci­a­lis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.