Não fal­ta­rão re­mé­di­os pa­ra do­en­ça de Par­kin­son

Edição Público Porto - - SOCIEDADE -

A Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal do Me­di­ca­men­to (In­far­med) ga­ran­tiu on­tem que não ha­ve­rá fal­tas de me­di­ca­ção pa­ra a do­en­ça de Par­kin­son em Por­tu­gal, mas ape­lou a doentes e médicos pa­ra que te­nham mo­de­ra­ção na com­pra e na pres­cri­ção.

O con­se­lho di­rec­ti­vo do In­far­med es­te­ve reu­ni­do com la­bo­ra­tó­ri­os, so­ci­e­da­des científicas e re­pre­sen­tan­tes de doentes pa­ra ava­li­ar al­ter­na­ti­vas te­ra­pêu­ti­cas ao me­di­ca­men­to Si­ne­met, que es­tá em rup­tu­ra de stock.

Em con­fe­rên­cia de im­pren­sa no fi­nal da reu­nião, a pre­si­den­te do In­far­med, Ma­ria do Céu Machado, ma­ni­fes­tou-se con­vic­ta de que não vai ha­ver fa­lhas no aces­so à me­di­ca­ção, lem­bran­do que se tra­ta de um me­di­ca­men­to do qual de­pen­de mui­tas ve­zes a vi­da dos doentes.

“Po­de­mos comprometer-nos que não vai fa­lhar o me­di­ca­men­to a ne­nhum dos doentes”, afir­mou Ma­ria do Céu Machado, in­di­can­do que o as­sun­to es­tá a ser tra­ta­do com “enor­me pre­o­cu­pa­ção” pe­la Au­to­ri­da­de do Me­di­ca­men­to. E lem­brou que “a interrupção do tratamento po­de ser ain­da mais grave do que a pró­pria do­en­ça”.

A rup­tu­ra por par­te da em­pre­sa que pro­duz o Si­ne­met es­tá re­la­ci­o­na­da com um “pro­ble­ma de fa­bri­co”, que a fir­ma não ex­pli­cou ao In­far­med, e que afec­ta 45 paí­ses, in­cluin­do os EUA. O pro­ble­ma po­de­rá não es­tar re­sol­vi­do an­tes do fi­nal do primeiro tri­mes­tre de 2019, ad­mi­tiu a mes­ma res­pon­sá­vel.

Na reu­nião de on­tem es­ti­ve­ram qua­tro far­ma­cêu­ti­cas, in­cluin­do um re­pre­sen­tan­te da em­pre­sa MSD em Por­tu­gal, que ven­de o Si­ne­met. Há dois medicamentos ac­tu­al­men­te co­mer­ci­a­li­za­dos em Por­tu­gal pa­ra o Par­kin­son, com o Si­ne­met a atin­gir até ago­ra 80% da quo­ta do mer­ca­do, o que cor­res­pon­de a mais de 600 mil em­ba­la­gens por ano.

Se­gun­do Céu Machado, um dos la­bo­ra­tó­ri­os que já co­mer­ci­a­li­za um me­di­ca­men­to em Por­tu­gal, mas com uma pe­que­na quo­ta de mer­ca­do, irá fa­zer “um es­for­ço pa­ra au­men­tar es­sa quo­ta”. Du­as ou­tras far­ma­cêu­ti­cas têm um me­di­ca­men­to se­me­lhan­te, não co­mer­ci­a­li­za­do em Por­tu­gal. Com­pro­me­te­ram-se a “fa­zer um es­for­ço” pa­ra o pas­sa­rem a ven­der em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.