Con­cor­rên­cia acu­sa cin­co em­pre­sas de car­tel em concursos fer­ro­viá­ri­os

Pa­ra a AdC, as em­pre­sas dos gru­pos Mo­ta-En­gil, So­ma­gue, Teixeira Duarte, Com­sa e Vos­s­loh fi­xa­ram pre­ços em concursos da IP

Edição Público Porto - - ECONOMIA - Isa­bel Avei­ro e Luí­sa Pin­to

Por sus­pei­ta de “cons­ti­tuí­rem um car­tel em concursos pú­bli­cos lan­ça­dos pe­la In­fra-es­tru­tu­ras de Por­tu­gal, entre 2014 e 2015”, a Au­to­ri­da­de da Con­cor­rên­cia acu­sou on­tem cin­co em­pre­sas e seis ges­to­res das res­pec­ti­vas en­ti­da­des, atra­vés da adop­ção de uma no­ta de ili­ci­tu­de, adop­ta­da um dia an­tes.

Em co­mu­ni­ca­do, a AdC fez sa­ber que os vi­sa­dos são “cin­co em­pre­sas de ma­nu­ten­ção fer­ro­viá­ria dos gru­pos Mo­ta-En­gil, Com­sa, So­ma­gue, Teixeira Duarte e Vos­s­loh”.

As em­pre­sas vi­sa­das, que fa­zem par­te dos gru­pos em­pre­sa­ri­ais re­fe­ri­dos, são: Fer­gru­po — Cons­tru­ções e Téc­ni­cas Fer­ro­viá­ri­as, Fu­tri­fer — In­dús­tri­as Fer­ro­viá­ri­as, Mo­ta-En­gil — En­ge­nha­ria e Cons­tru­ção, Ne­o­pul — So­ci­e­da­de de Es­tu­dos e Cons­tru­ções e So­ma­fel — En­ge­nha­ria e Obras Fer­ro­viá­ri­as, dis­se o re­gu­la­dor.

São igual­men­te acu­sa­dos “seis titulares de ór­gãos de ad­mi­nis­tra­ção e di­rec­ção, por es­ta­rem en­vol­vi­dos nas in­frac­ções”. A no­ta de ili­ci­tu­de ago­ra adop­ta­da “não de­ter­mi­na o re­sul­ta­do fi­nal da in­ves­ti­ga­ção”, que “nes­ta fa­se do pro­ces­so” con­ce­de às em­pre­sas e vi­sa­dos a opor­tu­ni­da­de “de exer­ce­rem o seu di­rei­to de au­di­ção e de­fe­sa em re­la­ção ao ilí­ci­to que lhes é im­pu­ta­do e à san­ção ou san­ções em que po­de­rão in­cor­rer”, re­a­fir­ma a Au­to­ri­da­de.

A AdC ale­ga que as em­pre­sas “ma­ni­pu­la­ram as pro­pos­tas apre­sen­ta­das nos concursos lan­ça­dos pe­la In­fra-es­tru­tu­ras de Por­tu­gal”, ten­do pa­ra o efei­to ce­le­bra­do “dois acor­dos res­tri­ti­vos da con­cor­rên­cia vi­san­do a fi­xa­ção dos pre­ços da pres­ta­ção dos ser­vi­ços e a re­par­ti­ção dos lo­tes cons­tan­tes de um dos concursos”.

Os concursos “des­ti­na­vam-se à pres­ta­ção de ser­vi­ços de ma­nu­ten­ção de equi­pa­men­tos da re­de fer­ro­viá­ria Em re­ac­ção, a Mo­ta-En­gil En­ge­nha­ria e Cons­tru­ção (Mo­ta-En­gil) dis­se que “re­pu­dia e não se re­vê de todo em com­por­ta­men­tos co­mo os que são re­fe­ri­dos, ou quais­quer ou­tros que con­tra­ri­em o nor­mal fun­ci­o­na­men­to dos mer­ca­dos” da acu­sa­ção ago­ra co­nhe­ci­da.

O gru­po re­co­nhe­ce que “aca­bou de ser no­ti­fi­ca­do por par­te da Au­to­ri­da­de da Con­cor­rên­cia (AdC) de uma no­ta de ili­ci­tu­de” que “irá apreciar”. E ga­ran­te que “se­gu­ra­men­te” irá “exer­cer, nos ter­mos da lei, o seu di­rei­to de de­fe­sa em re­la­ção aos fac­tos que na mes­ma são des­cri­tos”.

isa­bel.avei­ro@pu­bli­co.pt lui­sa.pin­to@pu­bli­co.pt

NU­NO FERREIRA SAN­TOS

In­ves­ti­ga­ção re­caiu so­bre concursos da IP em 2014-15

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.