Ri­car­do Ferreira afir­ma que pas­sa­gem do Es­ta­do pa­ra a EDP “é na­tu­ral”

Ri­car­do Ferreira, di­rec­tor de re­gu­la­ção da EDP, as­ses­so­rou Car­los Tavares e aju­dou a cri­ar a le­gis­la­ção dos CMEC

Edição Público Porto - - ECONOMIA - Ana Bri­to

O di­rec­tor de re­gu­la­ção da EDP, Ri­car­do Ferreira, que fez par­te da equi­pa que cri­ou os con­tra­tos CMEC, entre 2003 e 2004, quan­do es­ta­va no ga­bi­ne­te do en­tão mi­nis­tro da Eco­no­mia Car­los Tavares, con­si­de­rou “na­tu­ral” a sua con­tra­ta­ção pe­la EDP, em 2005.

“No ter­mo de fun­ções no ga­bi­ne­te, al­go que mui­to me honra é o fac­to de me te­rem sido apre­sen­ta­das três pro­pos­tas de co­la­bo­ra­ção”, uma de Abel Ma­teus, o pre­si­den­te da Au­to­ri­da­de da Con­cor­rên­cia, e ou­tras du­as da REN e da EDP, re­ve­lou o eco­no­mis­ta, ou­vi­do on­tem na co­mis­são par­la­men­tar de inqué­ri­to às ren­das ex­ces­si­vas na ener­gia. “De­sem­pe­nhei fun­ções com o má­xi­mo pro­fis­si­o­na­lis­mo, se­ri­e­da­de, isen­ção e éti­ca; acho na­tu­ral e não ve­jo na­da de mal”, dis­se o di­rec­tor da EDP a pro­pó­si­to da sua tran­si­ção pa­ra a em­pre­sa de ener­gia, que con­si­de­rou “fru­to das cir­cuns­tân­ci­as” e do “re­co­nhe­ci­men­to” do seu tra­ba­lho.

O eco­no­mis­ta tam­bém des­va­lo­ri­zou o fac­to de ter saí­do do ga­bi­ne­te go­ver­na­men­tal no qual es­te­ve a con­ce­ber, em no­me do Es­ta­do, o me­ca­nis­mo de re­mu­ne­ra­ção que se veio a apli­car pos­te­ri­or­men­te à sua en­ti­da­de em­pre­ga­do­ra. “Não ve­jo que tenha al­gu­ma vez fal­ta­do às mi­nhas res­pon­sa­bi­li­da­des; de­fen­di os in­te­res­ses que es­ta­vam em cau­sa em cada mo­men­to, e sou­be quais eram”, afir­mou Ri­car­do Ferreira, que já es­ta­va na EDP quan­do, em 2007, com Ma­nu­el Pi­nho à fren­te do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, os CMEC efec­ti­va­men­te en­tra­ram em vi­gor.

An­tes de che­gar ao ga­bi­ne­te de Car­los Tavares, Ri­car­do Ferreira pas­sou pe­la Bos­ton Con­sul­ting Group, de on­de tam­bém saí­ram ou­tros con­sul­to­res que vi­e­ram a as­su­mir res­pon­sa­bi­li­da­des no Es­ta­do e no sec­tor eléc­tri­co: Pe­dro Rezende, que che­gou a ser ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo da EDP, Miguel Bar­re­to, que foi di­rec­tor-ge­ral da Ener­gia, An­tó­nio Cou­ti­nho, ad­mi­nis­tra­dor da EDP Co­mer­ci­al, e João Con­cei­ção, que as­ses­so­rou o Es­ta­do quer na cri­a­ção, quer na apli­ca­ção dos CMEC (no ga­bi­ne­te de Ma­nu­el Pi­nho) e que é ho­je mem­bro da co­mis­são exe­cu­ti­va da REN.

Pe­dro Rezende, João Con­cei­ção e Miguel Bar­re­to foram cons­ti­tuí­dos ar­gui­dos na in­ves­ti­ga­ção ju­di­ci­al aos CMEC — mas, no ca­so de Bar­re­to, es­se es­ta­tu­to foi de­cla­ra­do nu­lo pe­lo juiz de instrução cri­mi­nal Ivo Ro­sa.

Ou­vi­do no Par­la­men­to na quin­ta­fei­ra, João Con­cei­ção tam­bém des­va­lo­ri­zou quer uma even­tu­al pro­xi­mi­da­de entre a Bos­ton Con­sul­ting, o Es­ta­do e as em­pre­sas de ener­gia, quer o fac­to de ter as­ses­so­ra­do o Es­ta­do e pos­te­ri­or­men­te ter pas­sa­do pa­ra um al­to car­go na REN, da qual é ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo des­de 2009.

Ri­car­do Ferreira e João Con­cei­ção foram dois dos mem­bros da equi­pa que re­pre­sen­tou o Es­ta­do por­tu­guês nas reu­niões com os téc­ni­cos da Co­mis­são Eu­ro­peia pa­ra ob­ter jun­to de Bruxelas a apro­va­ção dos CMEC, con­si­de­ra­dos um au­xí­lio es­ta­tal. Nas reu­niões participaram tam­bém o en­tão di­rec­tor-ge­ral da ener­gia Jorge Bor­re­go e “al­guns ad­vo­ga­dos da Sim­mons & Sim­mons Re­be­lo de Sousa”, a so­ci­e­da­de de ad­vo­ga­dos que ho­je se chama SRS Ad­vo­ga­dos e que tem co­mo só­cio ge­ren­te Pe­dro Re­be­lo de Sousa, ir­mão do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

ana.bri­to@pu­bli­co.pt

RO­DRI­GO AN­TU­NES/LU­SA

Di­rec­tor de re­gu­la­ção da EDP es­te­ve on­tem na co­mis­são de inqué­ri­to par­la­men­tar às ren­das ex­ces­si­vas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.