Uma epi­de­mia que con­ta­mi­nou o ci­ne­ma: o VIH/sida no Qu­e­er Lis­boa

O Ví­rus-Ci­ne­ma: Ci­ne­ma Qu­e­er e VIH/sida dá no­me a um pro­gra­ma que in­clui re­tros­pec­ti­va no São Jorge e na Ci­ne­ma­te­ca, ex­po­si­ção e li­vro de en­sai­os. “Era al­tu­ra de tra­zer es­te as­sun­to”, diz o di­rec­tor do festival

Edição Público Porto - - CULTURA - Ali­ne Flor

Quan­do a epi­de­mia de VIH/sida eclo­diu, na dé­ca­da de 80, o ci­ne­ma foi um im­por­tan­te meio de re­sis­tên­cia e re­fle­xão. Re­vi­si­tan­do es­se tem­po, o ci­clo O Ví­rus-Ci­ne­ma: Ci­ne­ma Qu­e­er e VIH/sida apre­sen­ta-se co­mo um dos ei­xos cen­trais da programação do Qu­e­er Lis­boa 2018, que ar­ran­cou on­tem. Uma ideia que cres­ceu até se tor­nar um pro­gra­ma mul­ti­dis­ci­pli­nar — re­tros­pec­ti­va ci­ne­ma­to­grá­fi­ca, li­vro, ex­po­si­ção —, lan­çan­do um olhar so­bre o mo­do co­mo o ci­ne­ma fil­mou a sida, fo­can­do em par­ti­cu­lar o ví­deo-ac­ti­vis­mo dos anos 80 e 90, e so­bre o re­fle­xo des­sas abor­da­gens nas re­pre­sen­ta­ções da epi­de­mia até aos di­as de ho­je.

O im­pul­so sur­giu no fi­nal do ano pas­sa­do, com uma ses­são es­pe­ci­al do pre­mi­a­do 120 Ba­ti­men­tos por Mi­nu­to (2017), de Ro­bin Cam­pil­lo, nu­ma par­ce­ria com a Mi­das Fil­mes. O ci­clo que ho­je se ini­cia coin­ci­de com os 30 anos da cri­a­ção do Dia Mun­di­al da Lu­ta con­tra a Sida, mas vai além da efeméride — foi-se cons­truin­do ao lon­go dos anos, des­cre­ve João Ferreira, di­rec­tor ar­tís­ti­co do Qu­e­er Lis­boa. A ideia co­me­çou a ga­nhar for­ma em con­ver­sas com co­la­bo­ra­do­res do festival e ac­ti­vis­tas da lu­ta con­tra a sida, “e o ci­clo aca­bou por ter um ta­ma­nho mui­to mai­or” do que à par­ti­da se ima­gi­na­va.

Porquê “ví­rus-ci­ne­ma”? A ex­pres­são dá tí­tu­lo a um en­saio de Ri­car­do Vi­ei­ra Tavares so­bre Má Ra­ça (1986), de Le­os Ca­rax. Pa­ra João Ferreira, “além de ser [um tí­tu­lo] mui­to bo­ni­to”, es­sa ideia do ví­rus ci­ne­ma “tem mui­to que ver tam­bém” com a for­ma co­mo o festival quis “abor­dar es­ta fil­mo­gra­fia”, com aqui­lo que quis “dar a ver”.

A re­tros­pec­ti­va mos­tra co­mo o ci­ne­ma foi afec­ta­do pe­lo VIH/sida, não só por­que a abor­da­gem ao te­ma con­ta­mi­nou, li­te­ral­men­te, a pro­du­ção, mas por­que “o pró­prio ci­ne­ma se trans­for­mou” com is­so. Gran­de par­te dos fil­mes a exi­bir “são inéditos cá”, sa­li­en­ta João Ferreira. “Era im­por­tan­te mos­trar es­tas obras, por­que têm ti­do pou­ca cir­cu­la­ção e são re­le­van­tes a vá­ri­os ní­veis, quer em ter­mos de ci­ne­ma, quer em ter­mos so­ci­ais e po­lí­ti­cos.” Obras em­ble­má­ti­cas e me­nos es­que­ci­das co­mo Kids (1995), de Lar­ry Clark, Noi­tes Bra­vas (1992), de Cy­ril Col­lard, ou E Ago­ra? Lem­bra-me (2013), de Jo­a­quim Pin­to, di­a­lo­ga­rão com “vídeos mais experimentais, mais ac­ti­vis­tas”, que sur­gi­ram nas dé­ca­das “ne­gras” de 80 e 90 e aca­ba­ram por se tor­nar fil­mes “qua­se de bi­bli­o­te­ca, de arquivo”.

Um des­ses fil­mes se­mi­nais é Bud­di­es, de Arthur J. Bres­san, Jr., o primeiro “que fa­la so­bre a sida de for­ma ab­so­lu­ta­men­te ex­plí­ci­ta” a che­gar às sa­las de ci­ne­ma, em 1985, e que foi “com­ple­ta­men­te es­que­ci­do”. Uma có­pia re­cen­te­men­te res­tau­ra­da se­rá apre­sen­ta­da ama­nhã, no Ci­ne­ma São Jorge. “É mes­mo im­pres­si­o­nan­te ver co­mo as coi­sas mu­da­ram. Per­ce­be-se a con­fu­são que exis­tia, a fal­ta de in­for­ma­ção, o des­co­nhe­ci­men­to de to­dos. É mui­to for­te ver is­so ho­je”, comenta o di­rec­tor do Qu­e­er Lis­boa.

Da mes­ma for­ma que o ci­ne­ma foi im­pe­li­do a mos­trar es­tas re­a­li­da­des, em al­guns des­tes fil­mes há uma ne­ces­si­da­de de agir so­bre elas, “um la­do pe­da­gó­gi­co”. “Os pri­mei­ros vídeos fei­tos nos Es­ta­dos Uni­dos, mas tam­bém em Fran­ça e em In­gla­ter­ra, eram for­mas de pre­ven­ção e de aler­ta” — e es­sa in­fluên­cia, des­cre­ve João Ferreira, “vai-se no­tar no res­to do ci­ne­ma que abor­da es­te te­ma”.

Es­se la­do pe­da­gó­gi­co é tam­bém abor­da­do nal­guns dos en­sai­os do li­vro O Ví­rus-Ci­ne­ma: Ci­ne­ma Qu­e­er e VIH/sida, co­or­de­na­do por João Ferreira e An­tó­nio Fer­nan­do Cas­cais. Es­ta edi­ção da As­so­ci­a­ção Cul­tu­ral Ja­ne­la In­dis­cre­ta, que or­ga­ni­za o festival, reú­ne textos de 24 au­to­res, por­tu­gue­ses e es­tran­gei­ros: médicos e ac­ti­vis­tas, pro­gra­ma­do­res e crí­ti­cos (entre os quais Au­gus­to M. Se­a­bra, Jorge Mou­ri­nha e Nu­no Cres­po, co­la­bo­ra­do­res do PÚ­BLI­CO).

Cada en­saio de­bru­ça-se so­bre um fil­me, um re­a­li­za­dor. Mas tam­bém há textos so­bre o ac­ti­vis­mo ge­ra­do pe­la epi­de­mia, e ain­da au­to­res que dis­cu­tem as su­as pró­pri­as obras, co­mo Jer­ry Tar­ta­glia, Tom Ka­lin ou Matthi­as Mül­ler — re­a­li­za­dor ale­mão “que no fi­nal da dé­ca­da de 80 e iní­cio da de 90 fez fil­mes so­bre a sida cá em Por­tu­gal”, su­bli­nha João Ferreira. O co­or­de­na­dor es­cre­veu dois en­sai­os: o que abre o li­vro, so­bre as pri­mei­ras abor­da­gens ao VIH/sida na fic­ção e na lon­ga-me­tra­gem — o já re­fe­ri­do Bud­di­es (1985), Par­ting Glan­ces (1986), de Bill Sherwo­od, e An Early Frost (1985), de John Er­man —, e ou­tro so­bre um dos seus fil­mes fa­vo­ri­tos, Poi­son (1991), de Todd Hay­nes. “Co­me­ça a tra­tar o as­sun­to de uma for­ma me­ta­fó­ri­ca, mes­mo ale­gó­ri­ca. Is­so foi mui­to in­te­res­san­te.”

É jus­ta­men­te com o lan­ça­men­to des­te li­vro de en­sai­os que o pro­gra­ma arranca ho­je, às 16h30, no São Jorge. Tam­bém a ex­po­si­ção pa­ra­le­la O ví­rus tem a sua inauguração às 18h na Ga­le­ria Fo­co, reu­nin­do um con­jun­to de olha­res de jo­vens ar­tis­tas, co­mis­sa­ri­a­do por Thomas Men­don­ça. “Pa­ra eles foi tam­bém uma des­co­ber­ta, e is­to era uma coi­sa que nos in­te­res­sa­va”, diz João Ferreira. “Dar a mos­trar es­tes fil­mes a uma ge­ra­ção mais no­va que vi­ve a epi­de­mia de uma for­ma com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te, mas tam­bém per­ce­ber co­mo é que a interpreta, co­mo é que olha pa­ra ela em ter­mos cri­a­ti­vos.” A me­mó­ria da epi­de­mia ins­cri­ta no ci­ne­ma per­de-se tam­bém pe­la di­fi­cul­da­de de aces­so à mai­o­ria des­tes fil­mes: “Do que te­nho fa­la­do com uma ge­ra­ção mais no­va, es­tão mui­to cu­ri­o­sos. Is­so tam­bém foi um dos in­cen­ti­vos, era al­tu­ra de tra­zer es­te as­sun­to e de dar a co­nhe­cer es­tas obras”, diz João Ferreira.

O Qu­e­er Lis­boa de­cor­re no São Jorge e na Ci­ne­ma­te­ca até ao pró­xi­mo sá­ba­do.

ali­ne.flor@pu­bli­co.pt

FO­TOS: DR

Es­tre­a­do em 1986, Bud­di­es (em ci­ma), de Arthur J. Bres­san, Jr. foi o primeiro fil­me ex­pli­ci­ta­men­te so­bre a sida a che­gar às sa­las de ci­ne­ma; Matthi­as Mül­ler fil­mou Pen­são Glo­bo (ao la­do) em Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.