“Be­to” O’Rour­ke, a “coi­sa” mais pa­re­ci­da com Obama

Tem 45 anos. Res­pi­ra ju­ven­tu­de. Ga­nhe ou per­ca, o candidato de­mo­cra­ta do Te­xas já não po­de ser ig­no­ra­do para 2020

Edição Público Porto - - ESPAÇO PÚBLICO - Sem Fron­tei­ras coun­ti­es do Te­xas

1.Po­de o Te­xas, um ve­lho e inex­pug­ná­vel re­du­to con­ser­va­dor, ser o lugar im­pro­vá­vel on­de o Pa­ri­do Re­pu­bli­ca­no perde um dos seus dois lu­ga­res no Se­na­do? A pergunta pa­re­ce­ria es­tú­pi­da há meia dú­zia de me­ses. Até ao dia em que Ro­bert “Be­to” O’Rour­ke, candidato de­mo­cra­ta ao lugar no Se­na­do que hoje per­ten­ce a Ted Cruz, co­me­çou a dar que fa­lar. Pri­mei­ro no Te­xas, de­pois a ní­vel na­ci­o­nal. Ted Cruz, pro­fun­da­men­te con­ser­va­dor e ri­val di­rec­to de Do­nald Trump nas “pri­má­ri­as” do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no on­de se ini­ci­ou a mar­cha do ac­tu­al Presidente em di­rec­ção à Ca­sa Bran­ca, te­ria a sua re­e­lei­ção ga­ran­ti­da nas eleições de meio de man­da­to que se re­a­li­zam em No­vem­bro. O Te­xas de­via ser um ca­so ar­ru­ma­do. Não é. A Va­nity Fair, que tem fei­to um acom­pa­nha­men­to sis­te­má­ti­co do que se es­tá a pas­sar na ter­ra imen­sa dos cow­boys e do pe­tró­leo, pu­bli­ca­va há meia dú­zia de dias um título de­li­ci­o­so: “Os re­pu­bli­ca­nos fe­cham os olhos, cer­ram os den­tes e pre­pa­ram-se para fa­zer re­a­ni­ma­ção a Ted Cruz.” Mes­mo as­sim, pros­se­gue a re­vis­ta, “os aliados de Cruz es­tão a pre­pa­rar­se para o pi­or”. “O em­ba­ra­ço po­ten­ci­al de perder o Te­xas de­sen­ca­de­ou um ver­da­dei­ro blitz de recolha de fun­dos no mundo con­ser­va­dor”, escreve a re­vis­ta. Trump con­des­cen­deu em vi­si­tar o estado, ape­sar de não mor­rer de amo­res por Ted Cruz. Nas “pri­má­ri­as” de 2016, os dois can­di­da­tos in­sul­ta­ram-se até ao li­mi­te do ad­mis­sí­vel. Trump che­gou a li­gar o pai de Cruz, de ori­gem cu­ba­na, ao as­sas­sí­nio de JFK. Os re­pu­bli­ca­nos já qua­se dão a Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes co­mo per­di­da. A van­ta­gem no Se­na­do é mí­ni­ma: 51-49.

2. As son­da­gens co­lo­cam O’Rour­ke den­tro da mar­gem de er­ro das in­ten­ções de vo­to. Tu­do pas­sou a ser pos­sí­vel. Porquê? O’Rour­ke tem si­do des­cri­to pela grande im­pren­sa co­mo um fe­nó­me­no me­diá­ti­co, antigo mem­bro de uma ban­da punk, al­to, ma­gro, lou­ro, ir­lan­dês, com um le­ve ar a JFK, o que pren­de ime­di­a­ta­men­te o ima­gi­ná­rio ame­ri­ca­no. O “Be­to” vem da sua ci­da­de Na­tal, El Pa­so, on­de do­mi­na a po­pu­la­ção de ori­gem his­pâ­ni­ca, que fa­la uma lín­gua que do­mi­na fa­cil­men­te. É uma mais-va­lia, em­bo­ra Cruz pos­sa es­tar mais pró­xi­mo de uma po­pu­la­ção pro­fun­da­men­te re­li­gi­o­sa, na sua mai­o­ria ca­tó­li­ca, que he­si­ta en­tre o con­ser­va­do­ris­mo re­pu­bli­ca­no e as di­a­tri­bes de Trump con­tra os me­xi­ca­nos “la­drões e vi­o­la­do­res” ou os dra­mas vi­vi­dos nas fron­tei­ras do No­vo Mé­xi­co ou da Ca­li­fór­nia. O’Rour­ke é um personagem. A mes­ma re­vis­ta fez de­le até ago­ra o mais com­ple­to per­fil de cam­pa­nha, com ou­tro título ca­paz de fi­xar as aten­ções: “Pa­re­ce o Iowa em 2007: “Be­to” O’Rour­ke é a res­pos­ta es­ti­lo Obama da es­quer­da a Trump 2020?” O candidato de­mo­cra­ta co­me­ça a ser vis­to co­mo “o an­tí­do­to ao lado mais ar­ti­fi­ci­al da política ame­ri­ca­na na era Trump”. “É au­tên­ti­co, cheio de ener­gia e des­pro­vi­do de qual­quer pre­o­cu­pa­ção em se­guir as es­tra­té­gi­as dos con­sul­to­res.” Quem escreve o ar­ti­go é um jor­na­lis­ta que es­te­ve no Iowa, no cé­le­bre dia cin­zen­to e frio de Ja­nei­ro de 2008 em que a América fi­cou a co­nhe­cer um candidato de­mo­cra­ta, jo­vem, negro, cor­ren­do con­tra o es­ta­blish­ment partidário, pro­ta­go­ni­za­do pela en­tão in­ven­cí­vel Hil­lary Clin­ton, e que ven­ceu as “pri­má­ri­as do estado” mai­o­ri­ta­ri­a­men­te branco, con­ser­va­dor e ge­la­do.

3. O pri­mei­ro si­nal de alar­me da cam­pa­nha de Ted Cruz foi jus­ta­men­te o di­nhei­ro que, nos EUA, po­de ser um in­di­ca­dor fun­da­men­tal so­bre as preferências dos elei­to­res. Num estado ri­co e con­ser­va­dor, o fac­to de a cam­pa­nha do seu ri­val ter os cofres mais chei­os do que os seus fez so­ar mui­tas cam­pai­nhas. Pri­mei­ro no Te­xas, de­pois em Washing­ton. O alar­me não é de on­tem, em­bo­ra te­nha si­do dis­pa­ra­do com dis­cri­ção. Escreve o si­te Po­li­ti­co.us que o vi­ce-go­ver­na­dor do estado, Dan Pa­trick, apa­re­ceu em Washing­ton a 25 de Ju­lho para en­tre­gar um pe­di­do ur­gen­te na Ca­sa Bran­ca: “Man­dem o presidente Trump.” Pa­trick di­ri­giu a cam­pa­nha de Trump no Te­xas. O Presidente irá ao Te­xas em Ou­tu­bro. “O seu ad­ver­sá­rio di­rec­to, o re­pre­sen­tan­te de­mo­cra­ta “Be­to” O’Rour­ke, ar­re­ca­dou to­ne­la­das de di­nhei­ro, re­du­ziu a di­fe­ren­ça nas son­da­gens a qua­se na­da e emer­giu co­mo uma cau­se cé­le­bre dos li­be­rais à es­ca­la na­ci­o­nal.” “Não es­ta­mos a fa­zer bluff, is­to é re­al e é uma ame­a­ça sé­ria”, dis­se, por sua vez, aos cor­re­li­gi­o­ná­ri­os de Washing­ton o se­na­dor igual­men­te te­xa­no (são dois por estado) John Cornyn. Não se tra­ta ape­nas do Te­xas.

4. Vol­te­mos a O’Rour­ke, que é bas­tan­te mais do que um candidato de ar “ken­nedyi­a­no”, do­ta­do de um for­te ca­ris­ma, que já per­cor­reu, um a um, os 254 coun­ti­es do Te­xas, par­ti­ci­pan­do nos fa­mo­sos Town Hall, en­con­tros di­rec­tos com as pes­so­as que cri­am o clima ide­al para uma conversa, in­do bas­tan­te mais lon­ge do que um sim­ples co­mí­cio. Mes­mo as­sim, em al­guns sí­ti­os, O’Rour­ke ti­nha uma mul­ti­dão à sua es­pe­ra e as emo­ções aca­ba­ram por se so­bre­por à conversa que gos­ta de es­ta­be­le­cer, mas ao con­trá­rio. É ele que faz as perguntas e que ou­ve as res­pos­tas. “A coi­sa mais atra­en­te em O’Rour­ke é que é, ao mes­mo tem­po, de­li­ci­o­sa­men­te des­com­pli­ca­do e ex­tre­ma­men­te po­de­ro­so: fa­la de política co­mo nós fa­la­mos com os nos­sos amigos”, escreve Pe­ter Hamby na Va­nity Fair, de­pois de fa­zer um lon­go per­cur­so com o candidato para um epi­só­dio de uma sé­rie do­cu­men­tal. Fa­la com­ple­ta­men­te à von­ta­de das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas (te­ma im­po­pu­lar na América), dos sa­lá­ri­os dos pro­fes­so­res, dos cuidados de saú­de para os ve­te­ra­nos, do ajus­ta­men­to das pen­sões de re­for­ma dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos ou da im­por­tân­cia da im­pren­sa li­vre. No guião dos de­mo­cra­tas, a or­dem é para fa­lar ape­nas do Oba­ma­ca­re. Não perde uma opor­tu­ni­da­de para atacar Do­nald Trump, in­cluin­do em ma­té­ria de política ex­ter­na. De­san­cou o com­por­ta­men­to de Trump na cé­le­bre con­fe­rên­cia de im­pren­sa con­jun­ta com Vla­di­mir Pu­tin em Hel­sín­quia. “Foram as com­bi­na­ções se­cre­tas a con­fir­mar-se di­an­te dos nos­sos olhos.” Foi, diz Hamby, a segunda mai­or ova­ção de um Town Hall em Cor­pus Ch­ris­ti, a se­guir à sua re­cu­sa em acei­tar do­na­ti­vos das cor­po­ra­ções. “Eu que­ria que o Te­xas fos­se o exem­plo, a pon­te so­bre as pe­que­nas ques­tiún­cu­las, a par­ti­da­ri­te, as bi­ca­das sem sen­ti­do, a mal­da­de, o in­sul­to, a tra­pa­ça, o ra­cis­mo, o ódio, a an­si­e­da­de e a pa­ra­nóia que do­mi­na uma grande parte da con­ver­sa­ção na­ci­o­nal.” De ra­ja­da, sus­pen­den­do a res­pi­ra­ção. “Ado­ra­ria que vo­cês fos­sem a res­pos­ta grande, am­pla, con­fi­an­te, am­bi­ci­o­sa, ge­ne­ro­sa e ins­pi­ra­do­ra para tu­do is­to.” Ca­da ac­ção de cam­pa­nha, ca­da dia do candidato é trans­mi­ti­do em di­rec­to para as re­des sociais. Sem cor­tes ou em­be­le­za­men­tos. Co­mo sai. Os talkshows na­ci­o­nais co­me­çam a dis­pu­tá-lo. “A len­da de ‘Be­to’ co­me­ça a ser mai­or que o Te­xas.” Tem 45 anos. Res­pi­ra ju­ven­tu­de. Bill Clin­ton to­mou pos­se com 46 e Obama com 47. Co­mo Obama, a sua cam­pa­nha es­tá as­sen­te na or­ga­ni­za­ção qua­se es­pon­tâ­nea de vo­lun­tá­ri­os, mui­tos de­les jo­vens. Re­cu­san­do os do­na­ti­vos das em­pre­sas e da Co­mis­são Na­ci­o­nal De­mo­cra­ta, já ar­re­ca­dou em me­nos de um ano 23 milhões de dó­la­res. “Os elei­to­res com que fa­lei no Te­xas dis­se­ram qua­se to­dos a mes­ma coi­sa qu­an­do lhes per­gun­tei por­que gos­ta­vam de­le: ‘Pa­re­ce re­al.’” “Não te­nho uma mar­ca para aqui­lo que es­ta­mos a fa­zer.” “Es­ta­mos ape­nas a par­ti­lhar a nos­sa história, pe­din­do às pes­so­as de Cor­pus Ch­ris­ti ou McAl­len ou Luf­kin que nos con­tem as su­as. É es­ta a me­lhor forma de che­gar­mos a elas.” O’Rour­ke tem um pen­sa­men­to. Diz o que pen­sa so­bre a Saú­de ou os imigrantes ou as di­fi­cul­da­des das pes­so­as. “Eu pen­so as­sim e vo­cês” é a sua fór­mu­la pre­fe­ri­da. Até ago­ra es­tá a fun­ci­o­nar. So­bre­tu­do, fa­la para os in­de­pen­den­tes. Ga­nhe ou per­ca, já não po­de ser ig­no­ra­do para 2020.

O’Rour­ke é bas­tan­te mais do que um candidato de ar “ken­nedyi­a­no”, do­ta­do de um for­te ca­ris­ma, que já per­cor­reu, um a um, os 254

Jor­na­lis­ta. Escreve ao domingo

teresa.de.sou­sa@pu­bli­co.pt

SER­GIO FLO­RES/ BLO­OM­BERG

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.