O PCP pre­fe­re o fas­cis­mo à Eu­ro­pa?

Edição Público Porto - - ESPAÇO PÚBLICO - Vi­cen­te Jor­ge Silva

Pre­ve­jo que a pergunta do título pos­sa pro­vo­car in­dig­na­ção en­tre os co­mu­nis­tas por­tu­gue­ses. E, no en­tan­to, não fa­ço mais do que in­ter­ro­gar-me, tão se­ri­a­men­te quan­to pos­sí­vel, so­bre o sen­ti­do de vo­to dos eu­ro­de­pu­ta­dos do PCP con­tra as san­ções apro­va­das no Par­la­men­to Eu­ro­peu (PE) ao ac­tu­al Go­ver­no hún­ga­ro li­de­ra­do por Vik­tor Or­bán, mas tam­bém so­bre o pos­te­ri­or co­mu­ni­ca­do dos co­mu­nis­tas vi­san­do ex­pli­car esse vo­to — e que revela uma to­tal es­qui­zo­fre­nia.

Aí, o PCP “de­nun­cia e con­de­na fir­me­men­te os ata­ques à de­mo­cra­cia, aos di­rei­tos sociais, às li­ber­da­des e ga­ran­ti­as fundamentais dos ci­da­dãos na Hun­gria”. Só que is­so não o im­pe­diu de vo­tar — jun­tan­do­se às for­ças mais re­ac­ci­o­ná­ri­as, xe­nó­fo­bas e fas­ci­zan­tes — con­tra as san­ções do PE ao Go­ver­no de Or­bán. Porquê? Por­que o PCP re­jei­ta que a pre­tex­to des­ta si­tu­a­ção a UE “ten­te abrir ca­mi­nho ao in­cre­men­to das su­as ameaças, chan­ta­gens, im­po­si­ções e san­ções con­tra os Es­ta­dos e os seus po­vos”. Mais: o “avan­ço da ex­tre­ma-di­rei­ta e de for­ças fas­ci­zan­tes na Eu­ro­pa” deve-se ao “apro­fun­da­men­to do ca­rác­ter su­pra­na­ci­o­nal da UE e das su­as po­lí­ti­cas” e ao “seu cres­cen­te des­res­pei­to da so­be­ra­nia na­ci­o­nal e dos di­rei­tos sociais”.

É ra­ro en­con­trar um exem­plo tão con­su­ma­do de hi­po­cri­sia e de pres­ti­di­gi­ta­ção política que ul­tra­pas­sa mes­mo exem­plos an­te­ri­o­res da du­pli­ci­da­de do PCP. Con­de­na-se o Go­ver­no hún­ga­ro, mas re­jei­tam-se as san­ções con­tra ele em nome da fal­ta de “au­to­ri­da­de da UE para se ar­vo­rar em juiz ou se­quer re­fe­rên­cia no que à de­mo­cra­cia e aos di­rei­tos hu­ma­nos diz res­pei­to”. Se não fos­se a UE, de­pre­en­de-se, não te­ria acon­te­ci­do o avan­ço das for­ças fas­ci­zan­tes na Eu­ro­pa. Qual a saída? A es­co­lha mais ób­via seria não vo­tar a favor ou con­tra as san­ções (uma vez que se con­de­na si­mul­ta­ne­a­men­te o Go­ver­no hún­ga­ro e a UE), mas pre­fe­rir a abs­ten­ção. Seria pe­dir de­mais, po­rém, a um par­ti­do cu­ja eu­ro­fo­bia mi­li­tan­te ul­tra­pas­sa, sem qual­quer pu­dor, a sua hi­pó­cri­ta e in­con­gru­en­te con­de­na­ção do re­gi­me hún­ga­ro. O PCP não he­si­tou em dei­xar cair a más­ca­ra e pôr a nu as su­as in­sa­ná­veis con­tra­di­ções, qu­an­do in­vo­ca uma sa­cros­san­ta so­be­ra­nia na­ci­o­nal a que his­to­ri­ca­men­te sem­pre foi aves­so no tem­po da URSS (e das in­va­sões da Hun­gria e da Che­cos­lo­vá­quia pe­los tan­ques so­vié­ti­cos, apro­va­das pe­los co­mu­nis­tas por­tu­gue­ses). Vo­tou, pois, con­tra as san­ções ao apren­diz de fas­cis­ta Or­bán, que lhe pa­re­ce pre­fe­rí­vel à odi­o­sa UE.

Sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, a nova ge­ra­ção dos di­ri­gen­tes do PCP pa­re­ce ser ainda mais in­te­gris­ta e me­nos fle­xí­vel do que a dos seus an­te­ces­so­res. E po­de­mos vis­lum­brar o ros­to des­se in­te­gris­mo atra­vés do olhar gla­ci­al do eu­ro­de­pu­ta­do João Fer­rei­ra, que acu­mu­la es­sas fun­ções com as de ve­re­a­dor da Câ­ma­ra de Lis­boa, uma du­pli­ca­ção cho­can­te segundo os cri­té­ri­os éti­cos do PCP, mas bem re­ve­la­do­ra do po­der des­te jo­vem qua­dro po­lí­ti­co de 39 anos. É es­sa ge­ra­ção que en­car­na um ra­di­ca­lis­mo si­mé­tri­co da ex­tre­ma-di­rei­ta populista e eu­ro­cép­ti­ca para quem a prioridade número um é a des­trui­ção do que res­ta da União Eu­ro­peia e o fe­cha­men­to num mí­ti­co e ar­ro­gan­te so­be­ra­nis­mo na­ci­o­na­lis­ta.

Há de­cer­to mui­tas ra­zões para cri­ti­car o ca­mi­nho que a Eu­ro­pa tem tri­lha­do des­de os pri­mei­ros tem­pos da CEE, com os im­pon­de­ra­dos alar­ga­men­tos a no­vos paí­ses que não cum­pri­am os cri­té­ri­os de in­te­gra­ção, e a per­ver­são bu­ro­crá­ti­ca e tec­no­crá­ti­ca das ins­tân­ci­as di­ri­gen­tes eu­ro­pei­as. O cru­za­men­to des­sas de­ri­vas, exa­cer­ba­das pela ques­tão mi­gra­tó­ria, trou­xe-nos à cri­se que a Eu­ro­pa hoje atra­ves­sa e às ameaças que as eleições de 2019 co­lo­cam à so­bre­vi­vên­cia do pro­jec­to eu­ro­peu. Mas tro­car as vol­tas à re­a­li­da­de não che­ga para dis­far­çar a ver­da­dei­ra fa­ce dos que sem­pre re­jei­ta­ram esse pro­jec­to e se iden­ti­fi­cam, no fun­do, com uma nos­tal­gia do au­to­ri­ta­ris­mo — se­ja de di­rei­ta, se­ja de es­quer­da, ou con­ver­gin­do am­bos nu­ma noc­tur­na ter­ra de nin­guém on­de to­dos os ga­tos são par­dos.

A nova ge­ra­ção dos di­ri­gen­tes do PCP pa­re­ce ser ainda mais in­te­gris­ta e me­nos fle­xí­vel do que a dos seus an­te­ces­so­res

MI­GUEL MAN­SO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.