En­si­no su­pe­ri­or vai ter mais 2500 va­gas pa­ra es­tran­gei­ros

O Go­ver­no vai au­men­tar o nú­me­ro de lu­ga­res pa­ra es­tu­dan­tes de fo­ra do país. Nos úl­ti­mos qua­tro anos cres­ceu 50% e nes­te mo­men­to há cer­ca de 10.200 nas uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Sa­mu­el Sil­va sa­mu­el.sil­va@pu­bli­co.pt

O Go­ver­no vai au­to­ri­zar as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or a abri­rem va­gas pa­ra mais 2500 es­tu­dan­tes es­tran­gei­ros no pró­xi­mo ano lectivo. As uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos têm ac­tu­al­men­te lu­gar pa­ra cer­ca de 10 mil alu­nos de li­cen­ci­a­tu­ra em ca­da ano. Fa­ce ao au­men­to da pro­cu­ra que se tem ve­ri­fi­ca­do, o Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e En­si­no Su­pe­ri­or (MCTES) vai au­to­ri­zar um cres­ci­men­to des­se nú­me­ro.

A no­vi­da­de foi con­fir­ma­da ao PÚ­BLI­CO pe­lo ga­bi­ne­te do mi­nis­tro Ma­nu­el Hei­tor. A me­di­da es­ta­va a ser ne­go­ci­a­da nos úl­ti­mos me­ses com as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or, que vi­nham de­fen­den­do es­te au­men­to de va­gas pa­ra alu­nos es­tran­gei­ros.

O Es­ta­tu­to do Es­tu­dan­te In­ter­na­ci­o­nal, apro­va­do em 2014, di­ta que as uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos po­dem des­ti­nar até 20% do nú­me­ro de va­gas de li­cen­ci­a­tu­ra es­ta­be­le­ci­das no con­cur­so na­ci­o­nal de aces­so pa­ra um con­cur­so es­pe­ci­al pa­ra alu­nos es­tran­gei­ros. O MCTES vai au­men­tar es­te va­lor pa­ra 25% no pró­xi­mo ano. Is­to sig­ni­fi­ca que pas­sa­rão a ser per­to de 12.700 as va­gas pa­ra es­tran­gei­ros nas li­cen­ci­a­tu­ras do en­si­no pú­bli­co. No cor­ren­te ano, ha­via cer­ca 10.200.

O pre­si­den­te do Con­se­lho de Rei­to­res das Uni­ver­si­da­des Por­tu­gue­sas (CRUP), Fon­tai­nhas Fer­nan­des, olha pa­ra es­te au­men­to de va­gas co­mo “uma opor­tu­ni­da­de pa­ra al­gu­mas ins­ti­tui­ções” de en­si­no su­pe­ri­or, que têm ti­do mais su­ces­so nas apos­tas de cap­ta­ção de es­tu­dan­tes es­tran­gei­ros.

Fon­tai­nhas Fer­nan­des co­lo­ca tam­bém a me­di­da em con­tex­to: nos pró­xi­mos anos, o país vai pas­sar de 120 mil jo­vens com 18 anos, pa­ra 85 mil, o que vai co­lo­car as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or em di­fi­cul­da­de na sua prin­ci­pal fon­te de re­cru­ta­men­to de alu­nos, o con­cur­so na­ci­o­nal de aces­so, ao qu­al con­cor­re quem ter­mi­na o en­si­no se­cun­dá­rio. A atrac­ção de es­tran­gei­ros po­de aju­dar a com­pen­sar os efei­tos ne­ga­ti­vos da que­bra de­mo­grá­fi­ca. Es­ta me­di­da era “a úni­ca for­ma” de o Go­ver­no cum­prir o ob­jec­ti­vo de au­men­tar o nú­me­ro de es­tu­dan­tes in­ter­na­ci­o­nais em Por­tu­gal, por­que o to­tal de va­gas co­me­ça­va a tor­nar-se in­su­fi­ci­en­te, ex­pli­ca o pre­si­den­te do Con­se­lho Co­or­de­na­dor dos Ins­ti­tu­tos Su­pe­ri­o­res Po­li­téc­ni­cos (CCISP), Pe­dro Do­min­gui­nhos. Em “al­guns cur­sos e al­gu­mas ins­ti­tui­ções” ha­via “uma pres­são mui­to gran­de” com o nú­me­ro de va­gas des­ti­na­das a es­tran­gei­ros a ser cons­tan­te­men­te pre­en­chi­da, acres­cen­ta.

O nú­me­ro de es­tu­dan­tes in­ter­na­ci­o­nais nas ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or por­tu­gue­sas não tem pa­ra­do de cres­cer nos úl­ti­mos anos. A evo­lu­ção é cons­tan­te des­de 2011/12, al­tu­ra em que 28.656 es­tran­gei­ros fre­quen­ta­ram um cur­so su­pe­ri­or em Por­tu­gal. No úl­ti­mo ano lectivo, fo­ram 49.708. O mo­men­to mais de­ter­mi­nan­te pa­ra es­ta evo­lu­ção foi, con­tu­do, a en­tra­da em vi­gor do Es­ta­tu­to do Es­tu­dan­te In­ter­na­ci­o­nal, que per­mi­te às ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais cri­ar um con­cur­so es­pe­cí­fi­co pa­ra es­tran­gei­ros, re­co­nhe­cer os exa­mes na­ci­o­nais de al­guns paí­ses e tam­bém co­brar pro­pi­nas mais al­tas a quem vem de fo­ra. En­tre 2014/15, ano em que o es­ta­tu­to co­me­çou a ser apli­ca­do, e o ano lectivo se­guin­te, o to­tal de alu­nos in­ter­na­ci­o­nais ins­cri­tos em Por­tu­gal au­men­tou 13%.

Nos qua­tro anos de vi­gên­cia do no­vo en­qua­dra­men­to le­gal, o to­tal de es­tu­dan­tes es­tran­gei­ros au­men­tou 48,2%. Ac­tu­al­men­te, re­pre­sen­tam um sex­to do to­tal de alu­nos do en­si­no su­pe­ri­or por­tu­guês. O cres­ci­men­to do nú­me­ro de es­tran­gei­ros é trans­ver­sal a pra­ti­ca­men­te to­das as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or. A úni­ca ex­cep­ção é a Es­co­la Su­pe­ri­or de Ho­te­la­ria e Tu­ris­mo do Es­to­ril que, nos úl­ti­mos qua­tro anos, man­te­ve 4% de es­tu­dan­tes es­tran­gei­ros no seu con­tin­gen­te de alu­nos. Es­ta ins­ti­tui­ção não abre va­gas atra­vés de um con­cur­so es­pe­ci­al pa­ra alu­nos in- ter­na­ci­o­nais, de­vi­do às di­men­sões li­mi­ta­das das su­as ins­ta­la­ções, que não lhe per­mi­tem re­ce­ber mais alu­nos. En­tre as ins­ti­tui­ções com uma pro­por­ção mais bai­xa de alu­nos es­tran­gei­ros en­con­tram-se so­bre­tu­do po­li­téc­ni­cos: Vi­seu e San­ta­rém e Cá­va­do e Ave têm to­dos 4% de es­tu­dan­tes in­ter­na­ci­o­nais; Vi­a­na do Cas­te­lo tem 5% de ins­cri­tos. En­tre as uni­ver­si­da­des, são as dos Aço­res e de Trás-osMon­tes as que têm ti­do me­nos su­ces­so na atrac­ção de es­tran­gei­ros, que re­pre­sen­tam 6% do to­tal de alu­nos em ca­da uma des­tas ins­ti­tui­ções. É tam­bém um po­li­téc­ni­co do in­te­ri­or quem me­lhor sou­be apro­vei­tar o es­ta­tu­to do es­tu­dan­te in­ter­na­ci­o­nal. O ca­so do Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Bra­gan­ça é ver­da­dei­ra­men­te pa­ra­dig­má­ti­co: os es­tran­gei­ros já re­pre­sen­tam mais de um quar­to (26%) do to­tal de alu­nos ins­cri­tos. Nos úl­ti­mos qua­tro anos, es­sa pro­por­ção du­pli­cou. Quem es­tu­da em Bra­gan­ça che­ga so­bre­tu­do do Bra­sil e Ca­bo Ver­de.

O Bra­sil é o prin­ci­pal país emis­sor de es­tu­dan­tes es­tran­gei­ros e es­tá no to­po da lis­ta de pra­ti­ca­men­te to­das as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or. Se­guem-se os paí­ses afri­ca­nos com lín­gua ofi­ci­al por­tu­gue­sa. Nos úl­ti­mos anos, al­guns paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na, so­bre­tu­do o Equa­dor e a Colôm­bia, e tam­bém da Ásia - co­mo a Chi­na e, em al­guns ca­sos, a In­do­né­sia — têm tam­bém en­vi­a­do um nú­me­ro cres­cen­te de es­tu­dan­tes par­ta Por­tu­gal.

Há ou­tras cin­co ins­ti­tui­ções que têm ti­do mai­or su­ces­so nas es­tra­té­gi­as de atrac­ção de alu­nos es­tran­gei­ros de­sen­vol­vi­das nos úl­ti­mos anos pe­las ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or (ver tex­to ao la­do), es­tan­do pró­xi­mas dos 20% de es­tu­dan­tes in­ter­na­cio-

[Es­te au­men­to de va­gas] é “uma opor­tu­ni­da­de pa­ra al­gu­mas ins­ti­tui­ções” [de en­si­no su­pe­ri­or] An­tó­nio Fon­tai­nhas Fer­nan­des Pre­si­den­te do Con­se­lho de Rei­to­res das Uni­ver­si­da­des Por­tu­gue­sas

nais. En­tre elas es­tá a Uni­ver­si­da­de de Coim­bra (18%), que tem já uma lon­ga tra­di­ção de cap­ta­ção de alu­nos in­ter­na­ci­o­nais, so­bre­tu­do bra­si­lei­ros - em 2011/12 já ti­nha 14% de es­tran­gei­ros - e a Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa (18%).

Ca­sos dis­tin­tos são os das uni­ver­si­da­des de Évo­ra e do Al­gar­ve e tam­bém dos Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co da Guar­da. Nas três si­tu­a­ções a per­cen­ta­gem de alu­nos es­tran­gei­ros au­men­tou sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te nos úl­ti­mos qua­tro anos, quan­do pas­sou a vi­go­rar o Es­ta­tu­to do Es­tu­dan­te In­ter­na­ci­o­nal.

A ins­ti­tui­ção alen­te­ja­na pas­sou de 10% de alu­nos es­tran­gei­ros pa­ra 19%. A uni­ver­si­da­de do Al­gar­ve fez um ca­mi­nho se­me­lhan­te (de 11% pa­ra 19%). O cres­ci­men­to foi ain­da mai­or na Guar­da: de 8% pa­ra 19%.

O nú­me­ro de es­tu­dan­tes in­ter­na­ci­o­nais nas ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or por­tu­gue­sas não tem pa­ra­do de cr­res­cer nos úl­ti­mos anos

PAU­LO PI­MEN­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.