Cos­ta quer re­for­ma da zo­na eu­ro até às eu­ro­pei­as

Pri­mei­ro-mi­nis­tro de­fen­de que os par­ti­dos so­ci­ais-de­mo­cra­tas e so­ci­a­lis­tas da União Eu­ro­peia li­de­rem a re­for­ma a fa­zer até Maio

Edição Público Porto - - POLÍTICA - São Jo­sé Al­mei­da

A con­clu­são no ac­tu­al “man­da­to des­te Par­la­men­to Eu­ro­peu” da re­for­ma da zo­na eu­ro, con­cre­ta­men­te “a união ban­cá­ria, a re­for­ma do Me­ca­nis­mo Eu­ro­peu de Es­ta­bi­li­da­de, in­cluin­do a cri­a­ção de um ins­tru­men­to de apoio ao Fun­do Úni­co de Re­so­lu­ção, o Sis­te­ma Eu­ro­peu de Se­gu­ro de De­pó­si­tos, a cri­a­ção de uma ca­pa­ci­da­de or­ça­men­tal pró­pria pa­ra a zo­na eu­ro”, co­mo for­ma de “com­ple­tar a União Eco­nó­mi­ca e Mo­ne­tá­ria”, é de­fen­di­da ho­je pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, em Ber­lim, num de­ba­te or­ga­ni­za­do pe­lo SPD, em que par­ti­ci­pam tam­bém a se­cre­tá­ria-ge­ral des­te par­ti­do ale­mão, An­drea Nah­les, e o pri­mei­ro-mi­nis­tro da Gré­cia, Ale­xis Tsi­pras.

No dis­cur­so, a que o PÚ­BLI­CO te­ve aces­so, Cos­ta afir­ma que, se a re­for­ma da zo­na eu­ro não se con­cre­ti­zar até às elei­ções eu­ro­pei­as de Maio, a “tran­si­ção en­tre qu­a­dros”, que ocor­re a ca­da no­vo man­da­to do Par­la­men­to Eu­ro­peu, “te­rá um im­pac­to mui­to ne­ga­ti­vo na evo­lu­ção da eco­no­mia eu­ro­peia e na con­fi­an­ça dos ci­da­dãos”. E sus­ten­ta que “as­se­gu­rar uma União Eu­ro­peia mais for­te e mais efi­caz na pro­tec­ção dos eu­ro­peus” se­rá “a res­pos­ta ao me­do” que “sen­tem” os ci­da­dãos eu­ro­peus.

Cos­ta ar­gu­men­ta: “[Não é pos­sí­vel] que­rer mais Eu­ro­pa da de­fe­sa, da se­gu­ran­ça, da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, se não ti­ver­mos uma zo­na eu­ro es­tá­vel, ca­paz de cri­ar pros­pe­ri­da­de pa­ra to­dos e pro­mo­ver a con­ver­gên­cia.” E de­fen­de que ca­be aos par­ti­dos so­ci­ais-de­mo­cra­tas e so­ci­a­lis­tas de­mo­crá­ti­cos da UE li­de­ra­rem o pro­ces­so, que es­tá a ser im­pul­si­o­na­do pe­lo Pre­si­den­te fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron. “Quan­do até um li­be­ral co­mo Ma­cron com­pre­en­deu que é ab­so­lu­ta­men­te vi­tal pa­ra o fu­tu­ro do pro­jec­to eu­ro­peu com­ple­tar a União Eco­nó­mi­ca e Mo­ne­tá­ria, nós não po­de­mos dei­xar de es­tar na li­nha da fren­te da sua con­cre­ti­za­ção”, afir­ma Cos­ta. E acres­cen­ta: “Quan­do o pre­si­den­te do Eu­ro­gru­po é um so­ci­a­lis­ta, quan­do o pre­si­den­te da Co­mis­são de As­sun­tos Eco­nó­mi­cos e Fi­nan­cei­ros no Par­la­men­to Eu­ro­peu é um so­ci­a­lis­ta, quan­do o mi­nis­tro das Fi­nan­ças da ‘gran­de co­li­ga­ção’ na Ale­ma­nha é um so­ci­al-de­mo­cra­ta, nós te­mos de li­de­rar es­ta mu­dan­ça.”

Fa­lan­do na qua­li­da­de de se­cre­tá­rio-ge­ral do PS, Cos­ta lem­bra que Por­tu­gal e a Gré­cia saí­ram do pro­ce­di­men­to por dé­fi­ce ex­ces­si­vo e que é al­tu­ra de se avan­çar. “É al­tu­ra de com­ple­tar­mos a União Eco­nó­mi­ca e Mo­ne­tá­ria”, exor­ta, aler­tan­do pa­ra os ris­cos que a ac­tu­al si­tu­a­ção em Itá­lia re­pre­sen­ta pa­ra o fu­tu­ro do pro­jec­to eu­ro­peu. “É nos di­as de sol que se ar­ran­ja o te­lha­do e de­ve­mos ar­ran­já-lo an­tes que Sal­vi­ni e Di Maio nos tra­gam no­vos di­as de chu­va.”

sao.jo­se.al­mei­da@pu­bli­co.pt

ARIS OIKONOMOU/REU­TERS

Lí­der do PS par­ti­ci­pa ho­je em Ber­lim em de­ba­te or­ga­ni­za­do pe­lo SPD

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.