Mui­tos do­en­tes com can­cro ig­no­ram que têm di­rei­tos. Li­ga vai apoi­ar 800 es­te ano

Ad­vo­ga­dos aju­dam a pe­dir do­cu­men­tos ou a re­di­gir re­que­ri­men­tos e tam­bém ela­bo­ram pa­re­ce­res ju­rí­di­cos

Edição Público Porto - - SOCIEDADE - Ale­xan­dra Cam­pos

Mui­tos do­en­tes com can­cro des­co­nhe­cem que têm di­rei­tos es­pe­ci­ais que de­cor­rem da sua pa­to­lo­gia. Mas há ca­da vez mais do­en­tes on­co­ló­gi­cos a pe­dir apoio à Li­ga Por­tu­gue­sa con­tra o Can­cro (LPCC) pa­ra po­der fa­zer va­ler al­guns des­tes di­rei­tos e até pa­ra re­sol­ver con­fli­tos le­gais.

O cres­ci­men­to das so­li­ci­ta­ções de apoio tem si­do subs­tan­ci­al: se em 2016 a uni­da­de de apoio ju­rí­di­co da li­ga aju­dou cer­ca de du­as cen­te­nas de pes­so­as, em 2017 res­pon­deu a mais de 500 so­li­ci­ta­ções de apoio e es­te ano o nú­me­ro de­ve­rá ul­tra­pas­sar já 800, con­ta­bi­li­za Ana Eli­sa­be­te Fer­rei­ra, advogada que co­la­bo­ra com a LPCC. O apoio é gra­tui­to.

A aju­da pa­ra re­cla­mar di­rei­tos e so­lu­ci­o­nar con­fli­tos ju­rí­di­cos é pres­ta­da atra­vés de acon­se­lha­men­to, de con­sul­tas, de aju­da pa­ra pe­dir do­cu­men­tos e re­di­gir re­que­ri­men­tos, ela­bo­ra­ção de pa­re­ce­res ou sim­ples apoio bu­ro­crá­ti­co, es­pe­ci­fi­ca a advogada, que apre­sen­ta ho­je es­tes úl­ti­mos da­dos no 3.º Con­gres­so Na­ci­o­nal de Pre­ven­ção On­co­ló­gi­ca e Di­rei­tos dos Do­en­tes, no Por­to.

A Li­ga pas­sou a dis­po­ni­bi­li­zar apoio ju­rí­di­co aos do­en­tes em 2015, ini­ci­al­men­te em Coim­bra (na sua se­de re­gi­o­nal) e mais tar­de tam­bém no Por­to (nas ins­ta­la­ções do IPO), on­de exis­tem ac­tu­al­men­te con­sul­tas pre­sen­ci­ais, mas, lem­bra Ana Eli­sa­be­te Fer­rei­ra, tam­bém é pos­sí­vel ob­ter es­te ti­po de aju­da atra­vés da Li­nha Can­cro (con­tac­tá­vel atra­vés do nú­me­ro 800 100 100 ou do en­de­re­ço elec­tró­ni­co li­nha­can­cro@ li­ga­con­tra­can­cro.pt, to­dos os di­as úteis das 9h às 18h).

Se os di­rei­tos fun­da­men­tais são iguais e equi­va­len­tes pa­ra to­dos os do­en­tes, al­guns do­en­tes têm di­rei­tos mais es­pe­cí­fi­cos e é es­se o ca­so das pes­so­as que apre­sen­tam um grau de in­ca­pa­ci­da­de igual ou su­pe­ri­or a 60% de­vi­do a do­en­ça on­co­ló­gi­ca, ex­pli­ca Ana Eli­sa­be­te Fer­rei­ra.

Há vá­ri­os ti­pos de di­rei­tos a con­si­de­rar. Lo­go à ca­be­ça sur­gem os que têm que ver com o Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de (SNS) e que in­clu­em a isen­ção de ta­xas mo­de­ra­do­ras, a com­par­ti­ci­pa­ção es­pe­ci­al de de­ter­mi­na­dos me­di­ca­men­tos e o re­gi­me es­pe­cí­fi­co pa­ra aqui­si­ção de pró­te­ses e ou­tros pro­du­tos de apoio. No âm­bi­to da Se­gu­ran­ça So­ci­al, há apoi­os e sub­sí­di­os pa­ra fa­zer fa­ce à si­tu­a­ção de do­en­ça, às des­pe­sas acres­ci­das de­ter­mi­na­das pe­la in­ca­pa­ci­da­de ou à si­tu­a­ção de in­va­li­dez, sin­te­ti­za a advogada.

Be­ne­fí­ci­os fis­cais

Tam­bém es­tão dis­po­ní­veis be­ne­fí­ci­os fis­cais ao ní­vel do IRS, do IVA, do im­pos­to úni­co de cir­cu­la­ção e do im­pos­to so­bre veí­cu­los, em de­ter­mi­na­das cir­cuns­tân­ci­as es­pe­ci­fi­ca­das na lei.

Exis­te igual­men­te um re­gi­me es­pe­ci­al pa­ra a aqui­si­ção de ser­vi­ços e pro­du­tos par­ti­cu­la­res, co­mo o car­tão de es­ta­ci­o­na­men­to pa­ra a in­ca­pa­ci­da­de mo­to­ra, o cré­di­to à ha­bi­ta­ção bo­ni­fi­ca­do, a aqui­si­ção de se­gu­ros de saú­de, o ac­ci­o­na­men­to de se­gu­ros de vi­da com co­ber­tu­ra de in­va­li­dez e um re­gi­me es­pe­ci­al no ar­ren­da­men­to ur­ba­no, no que res­pei­ta a ac­tu­a­li­za­ções de ren­das e des­pe­jos, acres­cen­ta Ana Eli­sa­be­te Fer­rei­ra.

Os do­en­tes com in­ca­pa­ci­da­de tam­bém têm di­rei­tos es­pe­cí­fi­cos no tra­ba­lho, no­me­a­da­men­te o di­rei­to à ade­qua­ção do seu pos­to de tra­ba­lho. E há ou­tras ques­tões que sur­gem com me­nos frequên­cia e que têm que ver, por exem­plo, com o tes­ta­men­to vi­tal, a par­ti­ci­pa­ção em en­sai­os clí­ni­cos, a so­li­ci­ta­ção de uma se­gun­da opi­nião mé­di­ca e tem­pos de es­pe­ra.

In­for­mar so­bre es­ta ma­té­ria é fun­da­men­tal, en­fa­ti­za — por­que, mes­mo que os do­en­tes co­nhe­çam os di­rei­tos, mui­tas ve­zes não é fá­cil con­se­guir que es­tes se­jam re­co­nhe­ci­dos, fri­sa a advogada.

A área mais com­pli­ca­da é a das se­gu­ra­do­ras, por­que “es­te é um âm­bi­to em que há mai­or li­ber­da­de con­tra­tu­al” e tam­bém há pro­ble­mas de­vi­do “à fal­ta de cla­re­za das apó­li­ces”, su­bli­nha. Mas, de um for­ma ge­ral, e es­pe­ci­fi­ca­men­te na área la­bo­ral, fis­cal e da Se­gu­ran­ça So­ci­al, o im­pac­to tem si­do “mui­to po­si­ti­vo”.

A LPCC dis­po­ni­bi­li­za na sua pá­gi­na na In­ter­net um guia dos di­rei­tos do do­en­te on­co­ló­gi­co.

No con­gres­so, Ana Eli­sa­be­te Fer­rei­ra vai lem­brar igual­men­te que os do­en­tes on­co­ló­gi­cos tam­bém têm de­ve­res, co­mo o da “uti­li­za­ção cor­rec­ta e ra­zoá­vel dos ser­vi­ços” e “a obri­ga­ção de cor­te­sia pa­ra com os pro­fis­si­o­nais” de saú­de.

Al­guns do­en­tes têm di­rei­tos mais es­pe­cí­fi­cos e é es­se o ca­so das pes­so­as que apre­sen­tam um grau de in­ca­pa­ci­da­de igual ou su­pe­ri­or a 60%

acam­pos@pu­bli­co.pt

RUI GAUDÊNCIO

O cres­ci­men­to das so­li­ci­ta­ções de apoio tem si­do subs­tan­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.