IGF fis­ca­li­za câ­ma­ra por cau­sa dos pré­di­os na Ar­rá­bi­da

Ins­pec­to­res es­tão no ter­re­no há qua­se du­as se­ma­nas. Ve­re­a­do­ra do PS que es­cre­veu à IGF enal­te­ce de­ci­são de ana­li­sar as obras

Edição Público Porto - - LOCAL - Mar­ga­ri­da Go­mes

A Ins­pec­ção-Ge­ral de Fi­nan­ças (IGF) es­tá a ava­li­ar as cons­tru­ções na zo­na da Ar­rá­bi­da que têm sus­ci­ta­do po­lé­mi­ca. Ao que o PÚ­BLI­CO apu­rou, a ins­pec­ção du­ra há qua­se du­as se­ma­nas e de­cor­re no De­par­ta­men­to Mu­ni­ci­pal de Ur­ba­nis­mo. Os ins­pec­to­res es­tão ins­ta­la­dos no edi­fí­cio dos cor­rei­os, nu­ma sa­la que a au­tar­quia lhes dis­po­ni­bi­li­zou du­ran­te o de­cur­so da in­ves­ti­ga­ção.

A câ­ma­ra con­fir­ma que há uma in­ves­ti­ga­ção em cur­so mas, num email en­vi­a­do ao PÚ­BLI­CO, afir­ma que não co­men­ta a ac­ti­vi­da­de nor­mal dos or­ga­nis­mos pú­bli­cos. “Pe­ran­te uma de­nún­cia acer­ca do pro­ces­so da Ar­rá­bi­da, a IGF pe­diu a co­la­bo­ra­ção à câ­ma­ra pa­ra con­sul­tar o pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo que de­cor­reu so­bre a ma­té­ria ao lon­go dos anos no mu­ni­cí­pio, ten­do-lhes fa­cul­ta­da to­da a co­la­bo­ra­ção”, lê-se no email.

Es­ta ac­ção de­cor­re dois me­ses de­pois de a ve­re­a­do­ra Ode­te Pa­trí­cio ter so­li­ci­ta­do à Ins­pec­ção-Ge­ral de Fi­nan­ças uma in­ves­ti­ga­ção so­bre a le­ga­li­da­de das obras em cur­so na es­car­pa da Ar­rá­bi­da. A ve­re­a­do­ra in­de­pen­den­te, elei­ta nas lis­tas do PS, diz que “al­gu­mas cons­tru­ções à co­ta al­ta e à co­ta” bai­xa nos ter­re­nos jun­tos à Pon­te da Ar­rá­bi­da lhe cau­sam “in­qui­e­ta­ção e per­ple­xi­da­de”, pe­lo que de­ci­diu co­lo­car o pro­ble­ma à IGF por ter com­pe­tên­ci­as no âm­bi­to do or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio.

“Ve­nho, na qua­li­da­de de ve­re­a­do­ra elei­ta nas lis­tas do PS pa­ra de­fen­der o in­te­res­se pú­bli­co, so­li­ci­tar que pro­ce­da à ac­ção ins­pec­ti­va de for­ma a de­ter­mi­nar se as li­cen­ças de cons­tru­ção emi­ti­das nas ime­di­a­ções da Pon­te da Ar­rá­bi­da, Mo­nu­men­to Na­ci­o­nal, es­tão — ou não — con­for­mes com o or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio ac­tu­al­men­te em vi­gor e con­for­me o pre­vis­to no Pla­no Di­rec­tor Mu­ni­ci­pal”, afir­ma na car­ta. “Es­tan­do es­sas cons­tru­ções lo­ca­li­za­das em ‘so­los afec­tos à es­tru­tu­ra eco­ló­gi­ca’, de acor­do com o PDM, es­pe­ci­fi­ca­men­te num ‘área ver­de de en­qua­dra­men­to de es­pa­ço ca­bal’ e zo­na de ‘pro­tec­ção de re­cur­sos na­tu­rais’, co­mo se com­pre­en­de que se te­nha pro­ce­di­do ao res­pec­ti­vo li­cen­ci­a­men­to?”, per­gun­ta Ode­te Pa­trí­cio.

Nu­ma de­cla­ra­ção on­tem ao PÚ­BLI­CO, a ve­re­a­do­ra enal­te­ce a de­ci­são da IGF de ana­li­sar as cons­tru­ções e diz es­pe­rar que a “ins­pec­ção se­ja con­clu­si­va pa­ra dei­xar de ha­ver dú­vi­das so­bre um pro­ces­so que le­van­ta mui­tas in­ter­ro­ga­ções”. “Há mui­tas ques­tões que não es­tão res­pon­di­das ca­bal­men­te”, sus­ten­ta, su­bli­nhan­do que “a li­cen­ça atri­buí­da, em 2017, es­tá em con­tra­ven­ção com o PDM que de­ter­mi­na que aque­la é uma zo­na ver­de”, afir­ma, no­tan­do que “Rui Mo­rei­ra jus­ti­fi­ca a emis­são da li­cen­ça com ba­se em di­rei­tos ad­qui­ri­dos atra­vés de um Pla­no de In­ter­ven­ção Pré­via, apro­va­do em 2001”.

Tri­bu­nal no lo­te da Sel­mi­nho

Uma de­le­ga­ção do Tri­bu­nal Ju­di­ci­al da Co­mar­ca do Por­to, que es­tá a jul­gar o ca­so Sel­mi­nho, es­te­ve on­tem na Cal­ça­da da Ar­rá­bi­da a vi­si­tar o ter­re­no cu­ja pro­pri­e­da­de é re­cla­ma­da pe­la au­tar­quia e tam­bém pe­la Sel­mi­nho, a imo­bi­liá­ria da fa­mí­lia de Rui Mo­rei­ra, que o ad­qui­riu a um ca­sal, em 2001.

O juiz Pau­lo Ra­mos so­li­ci­tou a uma equi­pa de to­pó­gra­fos da Câ­ma­ra do Por­to pa­ra me­dir o ter­re­no de vá­ri­os ân­gu­los pa­ra que “as me­di­das li­ne­a­res” do mes­mo pos­sam cons­tar do pro­ces­so. Ao lon­go da vi­si­ta, fo­ram fei­tas per­gun­tas ao ca­sal que ven­deu o ter­re­no por par­te dos ad­vo­ga­dos Jo­sé Ri­car­do Gon­çal­ves, em re­pre­sen­ta­ção da Sel­mi­nho, e Nu­no Car­va­lhi­nha, que re­pre­sen­ta os an­ti­gos do­nos do ter­re­no, re­gis­ta­do por usu­ca­pião, no iní­cio de 2001. Pe­la Câ­ma­ra do Por­to es­te­ve o ad­vo­ga­do Pe­dro Alhi­nho.

Quem es­te­ve mui­to ac­ti­vo ao lon­go a vi­si­ta e fez per­gun­tas foi o juiz Pau­lo Ra­mos, que se apre­sen­tou com a sua câ­ma­ra pa­ra ti­rar as su­as pró­pri­as fo­to­gra­fi­as,

mar­ga­ri­da.go­mes@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.