“Não po­de­mos ser ‘nós con­tra eles’”, diz Mer­kel ao re­cor­dar a “Noi­te de Cris­tal”

Chan­ce­ler con­gra­tu­la-se pe­lo re­flo­res­ci­men­to da vi­da ju­dai­ca no país, nu­ma ce­ri­mó­nia as­si­na­lan­do os 80 anos da

Edição Público Porto - - MUNDO - Ma­ria João Guimarães

A chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, mar­cou on­tem o 80.º ani­ver­sá­rio da Kris­tall­na­cht (“Noi­te de Cris­tal”), noi­te de per­se­gui­ção e ata­ques vi­o­len­tos con­tra ju­deus na Ale­ma­nha le­va­dos a ca­bo pe­los na­zis, com um dis­cur­so nu­ma si­na­go­ga de Ber­lim.

Cha­mou ao re­flo­res­cer da vi­da ju­dai­ca na Ale­ma­nha “um pre­sen­te ines­pe­ra­do de­pois da Sho­ah”, em que fo­ram as­sas­si­na­dos seis mi­lhões de ju­deus por na­zis ale­mães e seus co­la­bo­ra­do­res em paí­ses ocu­pa­dos pe­la Ale­ma­nha na­zi. Por is­so, a Ale­ma­nha tem um de­ver mo­ral de lu­tar con­tra o an­ti-se­mi­tis­mo, dis­se Mer­kel. “Es­ta­mos a ver um an­ti-se­mi­tis­mo pre­o­cu­pan­te que ame­a­ça a vi­da ju­dai­ca no nos­so país”, ad­mi­tiu.

Mas Mer­kel tam­bém dis­se que tem de ha­ver “to­le­rân­cia ze­ro” pa­ra ata­ques con­tra ju­deus, se­jam es­tes le­va­dos a ca­bo pe­la ex­tre­ma-di­rei­ta ou por “pes­so­as de ou­tros paí­ses”, as­sim co­mo nun­ca se de­ve cul­par a gran­de co­mu­ni­da­de mu­çul­ma­na da Ale­ma­nha pe­la vi­o­lên­cia co­me­ti­da por is­la­mis­tas ra­di­cais.

A “Noi­te de Cris­tal” foi cha­ma­da as­sim pe­los es­ti­lha­ços de vi­dros nas ru­as de ci­da­des da Ale­ma­nha e Áus­tria após os ata­ques a si­na­go­gas, lo­jas e ca­sas de ju­deus. Pe­lo me­nos 91 pes­so­as fo­ram mor­tas nes­ta noi­te, fo­ram quei­ma­das cen­te­nas de si­na­go­gas (co­mo a de Ber­lim em que Mer­kel dis­cur­sou), fo­ram van­da­li­za­das cer­ca de 7500 lo­jas de ju­deus e mais de 30 mil ju­deus fo­ram pre­sos, mui­tos man­da­dos pa­ra cam­pos de con­cen­tra­ção.

“Is­to deu a pos­si­bi­li­da­de a mui­tos ale­mães pa­ra agir com ba­se em res­sen­ti­men­tos mui­to an­ti­gos, de dar cor­po ao seu ódio e vi­o­lên­cia”, dis­se Mer­kel. “Com o po­grom de No­vem­bro, foi de­se­nha­do o ca­mi­nho pa­ra o Ho­lo­caus­to.”

Pou­co an­tes do dis­cur­so, um tri­bu­nal em Ber­lim de­ci­diu dar “luz ver­de” a uma mar­cha de ex­tre­ma­di­rei­ta pla­ne­a­da pa­ra mais tar­de. A Chan­ce­ler da Ale­ma­nha po­lí­cia ti­nha-a im­pe­di­do ar­gu­men­tan­do que era ina­cei­tá­vel ter uma ma­ni­fes­ta­ção de extremistas no dia em que o país as­si­na­la­va ata­ques a ví­ti­mas da vi­o­lên­cia na­zi. Es­ta­va tam­bém pla­ne­a­da uma con­tra­ma­ni­fes­ta­ção da es­quer­da.

Mer­kel men­ci­o­nou as ma­ni­fes­ta­ções da ex­tre­ma-di­rei­ta em Chem­nitz (após a mor­te de um ale­mão nu­ma lu­ta com dois re­que­ren­tes de asi­lo) em que fo­ram per­se­gui­das pes­so­as que pa­re­ci­am es­tran­gei­ras e ata­ca­dos um res­tau­ran­te ju­dai­co, o úni­co da ci­da­de, e um ju­deu em Ber­lim, não mui­to lon­ge da­que­la si­na­go­ga. “Es­ta for­ma de vi­o­lên­cia an­ti-se­mi­ta faz lem­brar o iní­cio dos po­groms”, de­cla­rou a chan­ce­ler.

O par­ti­do ra­di­cal Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha (AfD) tem re­la­ti­vi­za­do o pas­sa­do na­zi do país — um dos seus lí­de­res, Ale­xan­der Gau­land, cha­mou-lhe “uma ca­ga­ni­ta de pás­sa­ro na His­tó­ria”; ou­tro, Björn Höc­ke, cri­ti­cou o mo­nu­men­to do Ho­lo­caus­to em Ber­lim. Es­te par­ti­do tem tam­bém cul­pa­do re­fu­gi­a­dos pe­la vi­o­lên­cia, in­cluin­do an­ti-se­mi­ta, na Ale­ma­nha, e for­mou uma pe­que­na ala ju­dai­ca pa­ra afas­tar acu­sa­ções de an­ti-se­mi­tis­mo.

“Há du­as ques­tões a que pre­ci­sa­mos de res­pon­der com ur­gên­cia”, dis­se Mer­kel. “Pri­mei­ro, o que apren­de­mos re­al­men­te com a Sho­ah, es­ta que­bra na ci­vi­li­za­ção? E, se­gun­do, são as nos­sas ins­ti­tui­ções su­fi­ci­en­te­men­te for­tes pa­ra que um au­men­to do an­ti-se­mi­tis­mo, ou mes­mo ca­so uma mai­o­ria apre­sen­te an­ti-se­mi­tis­mo, pos­sa ser im­pe­di­do no fu­tu­ro?”

“To­do o in­di­ví­duo é úni­co e nun­ca de­ve ser ob­jec­to de ge­ne­ra­li­za­ções”, dis­se ain­da a chan­ce­ler no seu dis­cur­so. “Não po­de­mos dei­xar que as nos­sas so­ci­e­da­des se­jam di­vi­di­das en­tre nós e eles, nós con­tra ou­tros. To­da a pes­soa tem o di­rei­to e po­de rei­vin­di­car ser vis­ta co­mo um in­di­ví­duo pe­lo Es­ta­do”.

O pre­si­den­te do Con­se­lho Cen­tral dos Ju­deus da Ale­ma­nha, Jo­sef Schus­ter, dis­se que era “um es­cân­da­lo” que a ca­da du­as se­ma­nas uma si­na­go­ga ou uma mes­qui­ta se­ja al­vo de gra­fit­ti com pa­la­vras de ódio ou, pi­or, de um ata­que. E men­ci­o­nou um “par­ti­do, que se sen­ta mui­to à di­rei­ta no Bun­des­tag [Par­la­men­to]”, que in­cen­ti­va o ódio. “Es­tes são os au­to­res morais dos in­cên­di­os.”

O que apren­de­mos re­al­men­te com a

es­ta que­bra na ci­vi­li­za­ção? Con­se­gui­rão as nos­sas ins­ti­tui­ções im­pe­dir um au­men­to de an­ti­se­mi­tis­mo?

mgui­ma­ra­es@pu­bli­co.pt

CLEMENS BILAN/EPA

“To­do o in­di­ví­duo é úni­co e não de­ve ser su­jei­to a ge­ne­ra­li­za­ções”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.