Co­mo a que a pre­ce­deu, o ke­ma­lis­mo, es­ta é uma ide­o­lo­gia cen­tra­da no cul­to de uma per­so­na­li­da­de: o er­do­ga­nis­mo

Edição Público Porto - - MUNDO -

um pa­ra­le­lis­mo, com­pa­ran­do a lu­ta de Atatürk na guer­ra de in­de­pen­dên­cia da Tur­quia con­tra os ven­ce­do­res da I Guer­ra Mun­di­al à sua vi­tó­ria con­tra os gol­pis­tas que o ten­ta­ram derrubar me­ses an­tes. O gol­pe fa­lha­do de Ju­lho de 2016 ser­viu a Er­do­gan co­mo pre­tex­to fi­nal pa­ra se li­vrar de opo­si­to­res e crí­ti­cos (es­tão pre­sos), en­cer­rar cen­te­nas de jor­nais ou rá­di­os e des­pe­dir cen­te­nas de mi­lha­res de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos — pa­ra os subs­ti­tuir por pes­so­as pró­xi­mas do seu AKP (Par­ti­do da Jus­ti­ça e De­sen­vol­vi­men­to) ou do MHP (Par­ti­do do Mo­vi­men­to Na­ci­o­na­lis­ta), a for­ma­ção de ex­tre­ma-di­rei­ta que se tor­nou no im­pro­vá­vel ali­a­do do Pre­si­den­te no pós-gol­pe.

En­tre­tan­to, co­mo já se anun­ci­a­va, o AKP fez pas­sar em re­fe­ren­do um ti­po par­ti­cu­lar de pre­si­den­ci­a­lis­mo, com Er­do­gan a de­ter to­do o po­der exe­cu­ti­vo mas tam­bém par­te do le­gis­la­ti­vo (qua­se es­va­zi­an­do as com­pe­tên­cia da Gran­de As­sem­bleia Na­ci­o­nal, a pé­ro­la do le­ga­do po­lí­ti­co de Atatük) e ju­di­ci­al (nes­te ca­so atra­vés de no­me­a­ções). En­tre­tan­to, a fi­lo­so­fia de go­ver­no de Er­do­gan co­me­çou a ca­mi­nhar pa­ra se tor­nar na “no­va ‘ide­o­lo­gia ofi­ci­al’, co­mo o ke­ma­lis­mo o foi du­ran­te qua­se um sé­cu­lo”, es­cre­veu, já em 2016, o ana­lis­ta tur­co Mus­ta­fa Akyol.

“Al­guns ob­ser­va­do­res da Tur­quia cha­mam a es­ta ide­o­lo­gia ‘is­la­mis­mo’, mas is­so não con­ta to­da a his­tó­ria”, con­ti­nua Akyol. “Na ver­da­de, e co­mo a que a pre­ce­deu, o ke­ma­lis­mo, es­ta é uma ide­o­lo­gia cen­tra­da no cul­to de uma per­so­na­li­da­de: o er­do­ga­nis­mo.”

“A von­ta­de da na­ção”

A mai­o­ria dos crí­ti­cos in­ter­nos de Er­do­gan con­si­de­ra-se ke­ma­lis­ta e acu­sa-o de des­truir a Re­pú­bli­ca lai­ca e de­mo­crá­ti­ca que Atatürk cri­ou, es­que­cen­do que am­bos par­ti­lham um es­ti­lo de go­ver­na­ção as­sen­te no au­to­ri­ta­ris­mo. A di­fe­ren­ça, co­mo Er- Ana­lis­ta e trans­for­ma­dor que abo­liu o sul­ta­na­to mo­der­ni­zou o país do pon­to de vis­ta eco­nó­mi­co e po­lí­ti­co: aci­ma de tu­do, em­pe­nhou-se em se­pa­rar a re­li­gião da po­lí­ti­ca, o que nun­ca nin­guém ten­ta­ra no mun­do mu­çul­ma­no.

Mu­dou o dia de des­can­so de sex­ta-fei­ra pa­ra do­min­go, ins­cre­veu a lai­ci­da­de na Cons­ti­tui­ção, proi­biu a po­li­ga­mia, proi­biu o fez oto­ma­no pa­ra os ho­mens e os len­ços pa­ra as mu­lhe­res, adop­tou os có­di­gos oci­den­tais (Có­di­go Cri­mi­nal fran­cês, Có­di­go Pe­nal ita­li­a­no), fez re­co­nhe­cer o ca­sa­men­to e o di­vór­cio ci­vis. Em 1935, deu às mu­lhe­res o di­rei­to a vo­tar e a se­rem elei­tas. Mas tal co­mo Er­do­gan ten­ta cri­ar a sua No­va Tur­quia in­ves­tin­do em es­co­las is­lâ­mi­cas e na al­te­ra­ção de cur­rí­cu­los pa­ra for­mar tur­cos “pi­os” e lem­brar que “a his­tó­ria da Tur­quia não co­me­çou em 1923, Atatürk impôs a in­tro­du­ção do al­fa­be­to la­ti­no, abo­liu o calendário is­lâ­mi­co e obri­gou os tur­cos a adop­ta­rem no­mes pró­pri­os — tor­nan­do-se as­sim Ke­mal Atatürk, “pai dos tur­cos”.

MURAD SEZER/REU­TERS

O na­ci­o­na­lis­mo de Er­do­gan não é tão di­fe­ren­te do de Atatürk

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.