E quan­do tu­do vol­ta ao iní­cio?

Edição Público Porto - - INICIATIVAS -

O In­ter­mi­ná­vel

DVD por + €6,95 na lo­ja PÚ­BLI­CO Alu­guer por + €3,95 na Fil­min

Dez anos an­tes, os ir­mãos Jus­tin e Aa­ron con­se­gui­ram es­ca­par a Camp Ar­ca­dia, uma sei­ta re­li­gi­o­sa com cren­ças re­la­ci­o­na­das com ex­tra­ter­res­tres. Quan­do re­ce­bem um ví­deo com uma men­sa­gem so­bre o lu­gar on­de cres­ce­ram, de­ci­dem vol­tar. Es­tra­nha­men­te, ca­da um de­les tem uma ideia di­fe­ren­te do que lá vi­veu: Jus­tin re­cor­da si­tu­a­ções in­qui­e­tan­tes; Aa­ron, pe­lo con­trá­rio, ape­nas bons mo­men­tos pas­sa­dos em co­mu­ni­da­de. Ape­sar de re­ni­ten­tes com a de­ci­são, eles sen­tem que, pa­ra su­pe­ra­rem com­ple­ta­men­te o que lhes acon­te­ceu, pre­ci­sam de en­con­trar res­pos­tas a uma sé­rie de per­gun­tas que os acom­pa­nham des­de a in­fân­cia. Po­rém, uma vez lá, even­tos inex­pli­cá­veis co­me­çam a ocor­rer, for­çan­do os ir­mãos a per­gun­tar-se se as cren­ças do cul­to so­bre o so­bre­na­tu­ral po­de­rão afi­nal não ser to­tal­men­te in­ven­ta­das e se, ago­ra que re­gres­sa­ram, con­se­gui­rão vol­tar a es­ca­par.

Um fil­me de ter­ror re­a­li­za­do e pro­ta­go­ni­za­do Jus­tin Ben­son e Aa­ron Mo­o­rehe­ad, cri­a­do­res dos acla­ma­dos fil­mes Re­so­lu­ti­on e Spring. Os ac­to­res Cal­lie Her­nan­dez, Ta­te El­ling­ton, Lew Tem­ple e Ja­mes Jor­dan jun­tam-se ao elen­co. Mais lo­ve­craf­ti­a­no, O In­ter­mi­ná­vel é acer­ca da ir­man­da­de, a per­da de au­to­no­mia e o mau há­bi­to que a His­tó­ria tem de se re­pe­tir. O fil­me es­tá dis­po­ní­vel nas lo­jas PÚ­BLI­CO e ain­da na pla­ta­for­ma on­li­ne Fil­min, on­de o po­de alu­gar por 3,95€.

O iní­cio do in­ter­mi­ná­vel

Tu­do co­me­çou de­pois de Re­so­lu­ti­on. Em con­ver­sas so­bre o que po­de­ria acon­te­cer aos per­so­na­gens, O In­ter­mi­ná­vel co­me­çou a ser de­li­ne­a­do. To­mou mais for­ma de­pois de Spring, com a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer um fil­me mai­or.

Um fil­me mai­or e mais sub­jec­ti­vo. E as in­ter­pre­ta­ções pa­ra o fil­me e o seu fi­nal são inú­me­ras. Em en­tre­vis­ta aquan­do d lan­ça­men­to do fil­me em DVD, Ben­son diz que, ape­sar de ter re­co­lhi­do pro­pos­tas vá­ri­as, na­da mu­dou quan­to à sua pró­pria ideia e pro­ces­so. “Não te­mos epi­fa­ni­as co­mo: ‘Ah, não me ti­nha aper­ce­bi­do de que po­dia ser as­sim.’ O que ou­vi­mos sim­ples­men­te re­for­ça o que que­ría­mos de fac­to fa­zer pas­sar.” Mo­orhe­ad con­ti­nua: “Nós cri­a­mos, as pes­so­as fa­lam so­bre is­so [o fil­me] e nós ve­mos o que o fil­me dei­xou, no sen­ti­do aca­dé­mi­co do ter­mo.” “Fe­liz­men­te ain­da não fi­ze­mos ne­nhum fil­me em que as pes­so­as te­nham re­a­gi­do de for­ma com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do pre­ten­di­do.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.