Blo­co de Es­quer­da su­a­vi­za dis­cur­so an­ti-Europa

Ca­ta­ri­na Martins não abor­dou di­rec­ta­men­te uma pos­sí­vel par­ti­ci­pa­ção do Blo­co num go­ver­no de es­quer­da, mas de­cre­tou a mor­te do vo­to útil e in­sis­tiu na im­por­tân­cia de o PS não ter mai­o­ria ab­so­lu­ta

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Ma­ria João Lo­pes e São José Al­mei­da ma­ria.jo­ao.lo­pes@pu­bli­co.pt são.jose.al­mei­da@pu­bli­co.pt

Ca­ta­ri­na Martins, que en­cer­ra ho­je a XI Convenção, impôs três con­di­ções ao PS pa­ra 2019. Ma­ri­sa Ma­ti­as vai ser ca­be­ça de lis­ta ao Par­la­men­to Eu­ro­peu

No pri­mei­ro dia de tra­ba­lhos da XI Convenção, que ter­mi­na ho­je em Lis­boa, foi um Blo­co de Es­quer­da com um dis­cur­so mais su­a­ve so­bre União Eu­ro­peia que trans­pa­re­ceu das in­ter­ven­ções dos seus di­ri­gen­tes no palco do Pa­vi­lhão do Ca­sal Vis­to­so. Is­so fi­cou pa­ten­te lo­go no dis­cur­so de aber­tu­ra fei­to pe­la co­or­de­na­do­ra, Ca­ta­ri­na Martins.

Na in­ter­ven­ção da lí­der sur­gi­ram crí­ti­cas à com­pla­cên­cia do po­der de Bru­xe­las com as ten­dên­ci­as au­to­ri­tá­ri­as, con­cre­ta­men­te no que se re­fe­re aos re­fu­gi­a­dos. Já ques­tões an­te­ri­or­men­te sa­gra­das pa­ra o Blo­co de Es­quer­da, e que es­tão na mo­ção de es­tra­té­gia glo­bal da di­rec­ção, co­mo a re­vi­são do Tra­ta­do Or­ça­men­tal, ficaram a car­go de ou­tros di­ri­gen­tes, co­mo é o ca­so da eu­ro­de­pu­ta­da que vol­ta­rá a en­ca­be­çar a lis­ta às eu­ro­pei­as, Ma­ri­sa Ma­ti­as, ou de Luís Fa­zen­da e Jo­a­na Mor­tá­gua.

Ca­ta­ri­na Martins cen­trou-se no aler­ta ao par­ti­do pa­ra a ba­ta­lha das le­gis­la­ti­vas, nas quais o Blo­co de Es­quer­da quer me­dir for­ças com o PS. Num tom crí­ti­co, aler­tou pa­ra os pe­ri­gos de uma mai­o­ria ab­so­lu­ta do PS em Ou­tu­bro de 2019 e dei­xou ga­ran­ti­as so­bre a com­pe­tên­cia do BE: “O Blo­co é ho­je um par­ti­do mais de­ter­mi­nan­te, mais pre­pa­ra­do, mais só­li­do nas su­as aná­li­ses e nas su­as pro­pos­tas. O Blo­co mos­trou que tem gen­te capaz, que sa­be mais do que tan­tos mi­nis­tros, por­que co­nhe­ce­mos os pro­ble­mas pe­la vi­da.”

E in­sis­tiu na ideia de que, “se o PS ti­ves­se ti­do mai­o­ria ab­so­lu­ta”, não te­ri­am si­do con­cre­ti­za­das di­ver­sas me­di­das que fo­ram pos­sí­veis gra­ças ao acor­do par­la­men­tar à es­quer­da que foi as­si­na­do a 10 de No­vem­bro de 2015, pre­ci­sa­men­te há três anos, no iní­cio da le­gis­la­tu­ra en­tre PS, BE, PCP e PEV. A pró­pria Ca­ta­ri­na Martins deu a res­pos­ta: “A po­lí­ti­ca mu­dou por­que o PS não te­ve mai­o­ria ab­so­lu­ta e por­que cres­ceu a for­ça da es­quer­da. Lem­brar 2015 é apren­der es­sa li­ção. Mor­reu o vo­to útil, re­nas­ceu a pos­si­bi­li­da­de de o po­vo im­por o res­pei­to.” Acres­cen­tan­do: “Aque­le vo­to com me­do da di­rei­ta e que pre­fe­ria uma so­lu­ção má a uma so­lu­ção pés­si­ma, es­se vo­to útil mor­reu. Paz à sua al­ma.”

BE no Go­ver­no

Em to­do o dis­cur­so, a co­or­de­na­do­ra nun­ca abor­dou a dis­po­ni­bi­li­da­de do BE pa­ra par­ti­ci­par num go­ver­no com o PS de­pois das le­gis­la­ti­vas, ob­jec­ti­vo que é ad­mi­ti­do na mo­ção de es­tra­té­gia da di­rec­ção de que é pri­mei­ra subs­cri­to­ra. Es­se te­ma foi abor­da­do in­di­rec­ta­men­te pe­lo lí­der fun­da­dor, Fran­cis­co Lou­çã, ao che­gar ao Pa­vi­lhão do Ca­sal Vis­to­so, ain­da não ti­nham co­me­ça­do os tra­ba­lhos da Convenção. Lou­çã avan­çou os ter­mos em que um pró­xi­mo acor­do po­de exis­tir.

“A re­la­ção de for­ças é de­fi­ni­da pe­las elei­ções, não é só pe­los par­ti­dos”, su­bli­nhou Lou­çã, fri­san­do que o BE tem de “dar a cer­te­za às pes­so­as so­bre o que vai acon­te­cer na saú­de, nos trans­por­tes, na edu­ca­ção, na vi­da de to­dos os di­as. Is­so é que per­mi­te che­gar a um go­ver­no no fu­tu­ro e a po­si­ções de gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de”.

Mas Ca­ta­ri­na Martins não dei­xou de si­na­li­zar os te­mas que são cen­trais pa­ra o BE na pró­xi­ma le­gis­la­tu­ra. Cha­mou-lhes mesmo os três “de­sa­fi­os co­los­sais” que o Go­ver­no tem pe­la fren­te. “O pri­mei­ro re­sul­ta da op­ção do PS, que não he­si­tou em jun­tar-se à di­rei­ta na le­gis­la­ção la­bo­ral, que se vai ar­ras­tan­do no Par­la­men­to; é tem­po de aca­bar com es­sa ver­go­nha e apro­var uma lei que pro­te­ge os con­tra­tos, que im­pe­de a pre­ca­ri­e­da­de e que qua­li­fi­ca o tra­ba­lho”, co­me­çou por di­zer.

De se­gui­da, acres­cen­tou: “O se­gun­do é que o Go­ver­no não se im­por­tou em dar uma cam­ba­lho­ta pa­ra mu­dar de vo­to e pro­te­ger a EDP quan­do o Par­la­men­to já ti­nha apro­va­do uma ta­xa so­bre as ren­das da ener­gia; é tem­po de aca­bar com elas.” Por fim, enu­me­rou ain­da: “O ter­cei­ro de­sa­fio é que os atra­sos na lei de ba­ses da saú­de ou no in­ves­ti­men­to em trans­por­tes pú­bli­cos são maus in­di­ca­do­res so­bre a von­ta­de de dei­xar tu­do na mesma; é tem­po de cum­prir o Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de e de res­pon­der pe­los trans­por­tes de qua­li­da­de.”

Aos de­sa­fi­os anun­ci­a­dos por Ca­ta­ri­na Martins, se­ria acres­cen­ta­do mais um da par­te da tar­de pe­la de­pu­ta­da Jo­a­na Mor­tá­gua, abor­dan­do di­rec­ta­men­te as ques­tões eu­ro­pei­as. “O PS dis­se ao país que era pos­sí­vel vi­rar a pá­gi­na da aus­te­ri­da­de e cum­prir as me­tas do Tra­ta­do Or­ça­men­tal, mas é pre­ci­sa­men­te es­sa pro­mes­sa que é ho­je o co­le­te­de-for­ças da ‘ge­rin­gon­ça’. De­pois do que con­se­gui­mos, o PS tra­vou sempre que qui­se­mos ir mais lon­ge. [O] in­ves­ti­men­to pú­bli­co é o li­mi­te da ‘ge­rin­gon­ça’ e não é por uma ques­tão de sus­ten­ta­bi­li­da­de das con­tas pú­bli­cas, é por uma ques­tão de sus­ten­ta­bi­li­da­de da cam­pa­nha de Má­rio Cen­te­no”, ga­ran­tiu Jo­a­na Mor­tá­gua.

Re­ver Tra­ta­do Or­ça­men­tal

As ban­dei­ras do BE so­bre União Eu­ro­peia se­ri­am des­fral­da­das na sa­la

O Blo­co de Es­quer­da é a se­gu­ran­ça con­tra es­se imen­so e in­si­di­o­so par­ti­do da cor­rup­ção que vai dos sub­ma­ri­nos aos vis­tos gold, e às PPP Fran­cis­co Lou­çã Fun­da­dor do BE

da Convenção pe­la eu­ro­de­pu­ta­da Ma­ri­sa Ma­ti­as, já no es­ta­tu­to de ca­be­ça de lis­ta às eu­ro­pei­as — re­fi­ra-se que cou­be ao de­pu­ta­do José Ma­nu­el Pu­re­za anun­ci­ar que o BE quer ele­ger “mais de­pu­ta­dos”.

Ma­ri­sa Ma­ti­as de­fen­deu que o pro­gra­ma elei­to­ral que o BE pro­põe pa­ra Por­tu­gal e que irá apre­sen­tar às elei­ções le­gis­la­ti­vas “é in­com­pa­tí­vel com o Tra­ta­do Or­ça­men­tal”, as­su­min­do as­sim a ne­ces­si­da­de da sua re­vi­são que es­tá, aliás, na mo­ção de es­tra­té­gia da di­rec­ção de que a eu­ro­de­pu­ta­da é tam­bém subs­cri­to­ra.

E fê-lo de­pois de apre­sen­tar os cin­co ei­xos em que es­se pro­gra­ma irá as­sen­tar: re­cu­pe­ra­ção dos di­rei­tos la­bo­rais, de­fe­sa da con­tra­ta­ção co­lec­ti­va e no com­ba­te à pre­ca­ri­e­da­de e à po­bre­za; a de­fe­sa da so­be­ra­nia e dos ser­vi­ços pú­bli­cos; a re­con­ver­são ener­gé­ti­ca; a de­fe­sa do in­ves­ti­men­to pú­bli­co a ní­veis pré-troi­ka; e o cres­ci­men­to da so­be­ra­nia ali­men­tar.

Mas foi o fun­da­dor Luís Fa­zen­da quem, de for­ma mais ve­e­men­te, de­mar­cou o Blo­co de Es­quer­da das po­lí­ti­cas ne­o­li­be­rais que diz se­rem as da Co­mis­são Eu­ro­peia.

Co­me­çou por afir­mar que os blo­quis­tas es­tão “in­sa­tis­fei­tos com as gri­lhe­tas do Tra­ta­do Or­ça­men­tal” e fez ques­tão de fri­sar que “a Co­mis­são Eu­ro­peia e o Eu­ro­gru­po têm um pro­gra­ma po­lí­ti­co” a que cha­mam “re­for­mas es­tru­tu­rais”. O fun­da­dor do Blo­co pas­sou en­tão a ex­pli­car que es­sas re­for­mas são: as pri­va­ti­za­ções; a pre­ca­ri­e­da­de; a re­du­ção dos cus­tos do tra­ba­lho.

Ad­ver­tin­do que “es­se pro­gra­ma é ina­cei­tá­vel” pa­ra o BE, Luís Fa­zen­da ga­ran­tiu que es­ses cri­té­ri­os da po­lí­ti­ca da Co­mis­são Eu­ro­peia e do Eu­ro­gru­po pro­vo­cam um “de­se­qui­lí­brio so­ci­al” e es­tão “em vi­gor” em Por­tu­gal, já que “a Con­cer­ta­ção So­ci­al cum­pre os cri­té­ri­os da Co­mis­são Eu­ro­peia e do Eu­ro­gru­po”.

Luís Fa­zen­da não pou­pou se­quer uma crítica di­rec­ta a An­tó­nio Cos­ta, que fez em tom de res­pos­ta. Lem­bran­do que o pri­mei­ro-mi­nis­tro dis­se que os blo­quis­tas eram “bons pa­ra ser ami­gos, mas não pa­ra ca­sar”, Fa­zen­da ga­ran­tiu: “Pa­ra nós, não faz sen­ti­do ca­sar com o Eu­ro­gru­po.”

O Blo­co é ho­je um par­ti­do mais de­ter­mi­nan­te, mais pre­pa­ra­do, mais só­li­do nas su­as aná­li­ses e nas su­as pro­pos­tas Ca­ta­ri­na Martins Co­or­de­na­do­ra do BE

Pa­ra nós, não faz sen­ti­do ca­sar com o Eu­ro­gru­po Luís Fa­zen­da Fun­da­dor do BE

O BE es­tá dis­po­ní­vel pa­ra jun­tar for­ças com to­das as for­ças que quei­ram fa­zer po­lí­ti­ca à es­quer­da Ma­ri­sa Ma­ti­as Eu­ro­de­pu­ta­da do BE

RUI GAUDÊNCIO

Ca­ta­ri­na Martins lan­çou três “de­sa­fi­os co­los­sais” ao exe­cu­ti­vo pa­ra 2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.