A de­cep­ção dos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Ana Sá Lo­pes ana.sa.lo­pes@pu­bli­co.pt

OB­lo­co ins­ti­tu­ci­o­na­li­zou-se, “so­ci­al-de­mo­cra­ti­zou-se”, aban­do­nou a sua ma­triz de es­quer­da ra­di­cal? Pa­ra os crí­ti­cos da di­rec­ção e da ali­an­ça com o Go­ver­no PS, tu­do is­to é verdade. “Ho­je estamos mais fra­cos”, dis­se aos ca­ma­ra­das Inês Ribeiro San­tos, subs­cri­to­ra da mo­ção M. E “mais fra­cos” porquê? “A ra­di­ca­li­da­de do Blo­co per­deu­se en­tre a se­de de me­di­a­tis­mo e o tra­ba­lho bu­ro­crá­ti­co e par­la­men­tar, con­fun­din­do-se os mei­os com os fins, se­guin­do sem es­tra­té­gia cla­ra (...) den­tro de uma bo­lha par­ti­dá­ria com pa­re­des ca­da vez mais gros­sas, for­ta­le­ci­das por um en­can­ta­men­to de apro­xi­ma­ção do po­der, pe­la ar­ro­gân­cia de quem se acha sempre cer­to e pe­lo sec­ta­ris­mo de quem se re­cu­sa a di­a­lo­gar den­tro de casa mas que abre as por­tas ao cen­tro.”

Inês Ribeiro San­tos acu­sou a di­rec­ção de “pas­si­vi­da­de” e ain­da pi­or: “A pas­si­vi­da­de do Blo­co e a in­ca­pa­ci­da­de de mo­bi­li­zar e co­mu­ni­car com as pes­so­as pa­ra lá das tei­as da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e da po­li­ti­qui­ce são gri­tan­tes.” Não foi pa­ra is­to que o Blo­co nas­ceu, de­fen­de a subs­cri­to­ra da mo­ção M. “Estamos po­si­ci­o­na­dos num es­pec­tro po­lí­ti­co cen­tris­ta e re­cu­a­do fa­ce aqui­lo que é a gé­ne­se do Blo­co. E a na­tu­ra­li­za­ção dos re­cu­os é a ga­ran­tia da nos­sa der­ro­ta”, dis­se.

A mi­li­tan­te acu­sou tam­bém a di­rec­ção de fal­ta de de­mo­cra­cia in­ter­na: “O Blo­co, mais se­me­lhan­te ao PCP do que quer ad­mi­tir, tem vin­do a atro­pe­lar as de­ci­sões to­ma­das co­lec­ti­va­men­te.” A mo­ção M de­fen­de que o par­ti­do “ne­ces­si­ta de se afir­mar co­mo uma al­ter­na­ti­va às po­lí­ti­cas li­be­rais e não ser con­fun­di­do com um par­ti­do-fan­tas­ma que não es­tá nem no Go­ver­no nem na sua opo­si­ção”. Qu­an­to ao BE ir pa­ra o Go­ver­no, a mi­li­tan­te crítica da di­rec­ção diz que o par­ti­do “não po­de ser con­fun­di­do com uma mu­le­ta de um qual­quer go­ver­no que não cum­pra aqui­lo que de­fen­de­mos co­mo mo­de­lo de so­ci­e­da­de”.

Outro crí­ti­co, Amé­ri­co Cam­pos, pri­mei­ro subs­cri­tor da mo­ção C, apon­tou que “o Blo­co de Es­quer­da pre­ci­sa de um so­bres­sal­to (...). So­mos fraquís­si­mos em ter­mos or­ga­ni­za­ti­vos”. Cri­ti­can­do o do­cu­men­to es­tra­té­gi­co da lí­der, Amé­ri­co Cam­pos afir­mou: “A mo­ção A es­tá mais pre­o­cu­pa­da com a ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção do Blo­co de Es­quer­da e ob­ce­ca­da por lu­ga­res, car­gos e em­pre­gos, ob­jec­ti­vos egoís­tas e pe­que­no-bur­gue­ses.”

O mi­li­tan­te de­cep­ci­o­na­do Ma­teus Sa­dock foi cla­ro ao mos­trar aos con­gres­sis­tas a sua de­si­lu­são: “In­fe­liz­men­te des­co­bri que o Blo­co de Es­quer­da não é o par­ti­do que eu acha­va que era.” Sa­dock acha que o par­ti­do es­tá a “nor­ma­li­zar ca­da vez mais o sis­te­ma da con­tra­re­vo­lu­ção” e tam­bém se queixa de que “os mi­li­tan­tes do Blo­co sa­bem da ac­ção po­lí­ti­ca do par­ti­do atra­vés das te­le­vi­sões. Pa­ra esta di­rec­ção, a de­mo­cra­cia in­ter­na e o ra­di­ca­lis­mo são in­con­ve­ni­en­tes”. Sa­dock cri­ti­ca “a li­nha re­for­mis­ta da di­rec­ção”, que “aban­do­nou a trans­for­ma­ção ra­di­cal da so­ci­e­da­de”: “Vi­ve­mos das mi­ga­lhas que o PS nos dá.”

Ho­je, o BE, afir­ma o mi­li­tan­te crí­ti­co, é “um par­ti­do de es­quer­da que não põe em cau­sa a de­mo­cra­cia bur­gue­sa”. “O Blo­co de­ve ser um par­ti­do de rup­tu­ra com o sis­te­ma. Só as­sim não es­ta­re­mos con­de­na­dos aos tris­tes des­ti­nos dos par­ti­dos so­ci­ais-de­mo­cra­tas.”

Pa­ra Pe­dro Pe­rei­ra, pa­ra lá dos “té­nu­es au­men­tos de rendimento”, o apoio ao Go­ver­no PS “não al­te­rou ri­go­ro­sa­men­te em na­da a re­la­ção de for­ças com a Europa”. Além disso, por mui­to que os do­cu­men­tos blo­quis­tas se in­sur­jam con­tra a NATO, “nun­ca se fa­la na ques­tão da NATO”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.