Ca­ro Ma­nu­el Ale­gre

Edição Público Porto - - POLÍTICA - Car­ta aber­ta An­tó­nio Cos­ta Pri­mei­ro-mi­nis­tro e se­cre­tá­rio-ge­ral do PS

Des­cul­pe a de­mo­ra, mas apro­vei­to o sos­se­go de um voo até Ber­lim pa­ra res­pon­der à sua car­ta aber­ta.

Por res­pei­to pe­lo plu­ra­lis­mo e amor à li­ber­da­de, não subs­cre­vo a fra­se ha­bi­tu­al­men­te atri­buí­da a Mahat­ma Gandhi “que o grau de ci­vi­li­za­ção de de­ter­mi­na­da so­ci­e­da­de po­de ser me­di­do pe­la for­ma co­mo tra­ta os seus ani­mais.”

Pre­fi­ro pen­sar que as ci­vi­li­za­ções tam­bém se dis­tin­guem pe­la for­ma co­mo tra­tam os ani­mais. Co­mo se dis­tin­guem pe­la for­ma co­mo va­lo­ri­zam a dig­ni­da­de do ser hu­ma­no, a na­tu­re­za ou se re­la­ci­o­nam com o trans­cen­den­te, por exem­plo.

Não acre­di­to nu­ma hi­e­rar­quia de ci­vi­li­za­ções, nem no ex­clu­si­vis­mo iden­ti­tá­rio, nem no de­ter­mi­nis­mo his­tó­ri­co da evo­lu­ção ci­vi­li­za­ci­o­nal.

Por is­so, afir­mar que uma cer­ta op­ção é uma ques­tão de ci­vi­li­za­ção não sig­ni­fi­ca des­qua­li­fi­car o opo­nen­te co­mo in­ci­vi­li­za­do. O diá­lo­go de ci­vi­li­za­ções exi­ge res­pei­to mú­tuo, to­le­rân­cia e a de­fe­sa da li­ber­da­de.

Ao con­trá­rio do que a fra­se de Gandhi po­de fa­zer su­por, uma mesma so­ci­e­da­de com­por­ta di­fe­ren­tes vi­sões ci­vi­li­za­ci­o­nais.

Não, tam­bém não par­ti­lho o re­la­ti­vis­mo mul­ti­cul­tu­ra­lis­ta e de­fen­do a uni­ver­sa­li­da­de de cer­tos valores e di­rei­tos que são ima­nen­tes à con­di­ção hu­ma­na, o pri­mei­ro dos quais a li­ber­da­de de cons­ci­ên­cia. Por is­so, não sen­do cren­te, re­cla­mo a li­ber­da­de de não crer e res­pei­to a li­ber­da­de de to­das as cren­ças. Mas é in­to­le­rá­vel ad­mi­tir co­mo ex­pres­são de tal li­ber­da­de, por exem­plo, a mu­ti­la­ção ge­ni­tal fe­mi­ni­na por­que o va­lor da in­te­gri­da­de fí­si­ca do ser hu­ma­no não po­de ser re­la­ti­vi­za­do.

Ten­do, por formação e per­so­na­li­da­de, à mo­de­ra­ção. Apre­cio o re­for­mis­mo e te­mo a re­vo­lu­ção, sa­ben­do que as mu­ta­ções ci­vi­li­za­ci­o­nais são pro­ces­sos mui­to com­ple­xos que ga­nham com ma­tu­ra­ção e in­te­ri­o­ri­za­ção pro­gres­si­va de no­vos valores e que raramente se en­raí­zam em pro­ces­sos de rup­tu­ra ou por im­po­si­ção le­gal. O fervor an­ti­cle­ri­cal fra­cas­sou na lai­ci­da­de que a in­te­li­gên­cia de Abril pa­ci­fi­ca­men­te con­so­li­dou.

Por is­so, não me re­ceie co­mo “ma­ta-tou­rei­ros”, qual ver­são con­tem­po­râ­nea de “ma­ta-fra­des”.

Pre­fi­ro con­ce­der a ca­da mu­ni­cí­pio a li­ber­da­de de per­mi­tir ou não a re­a­li­za­ção de tou­ra­das no seu ter­ri­tó­rio à sua pu­ra e sim­ples proi­bi­ção le­gal e con­si­de­ro ex­tem­po­râ­neo um re­fe­ren­do so­bre a ma­té­ria.

Cho­ca-me que o ser­vi­ço pú­bli­co de te­le­vi­são trans­mi­ta tou­ra­das. Mas não me ocor­re proi­bir a sua trans­mis­são.

Cho­ca-me que o ser­vi­ço pú­bli­co de te­le­vi­são trans­mi­ta tou­ra­das. Mas não me ocor­re proi­bir a sua trans­mis­são

Con­tu­do, re­cla­mo tam­bém a mi­nha pró­pria li­ber­da­de e de­fen­do a li­ber­da­de de quem mi­li­ta con­tra a per­mis­são das tou­ra­das.

O Es­ta­do não proí­be o con­su­mo do sal ou do açú­car, mas de­ve in­for­mar os ci­da­dãos dos ris­cos que o seu con­su­mo com­por­ta pa­ra a saú­de e tem o de­ver de pro­mo­ver a edu­ca­ção pa­ra uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel. E quan­do o faz não aten­ta con­tra a li­ber­da­de de es­co­lha ali­men­tar de ca­da um.

Co­mo a an­tiquís­si­ma proi­bi­ção da li­de de mor­te tem si­do acei­te e até de­fen­di­da pe­la ge­ne­ra­li­da­de dos afi­ci­o­na­dos.

A fis­ca­li­da­de não se des­ti­na só ao fi­nan­ci­a­men­to do Es­ta­do. De­ve ser tam­bém um ins­tru­men­to de re­dis­tri­bui­ção de ren­di­men­tos e po­de ser ain­da pro­mo­tor de po­lí­ti­cas e in­du­tor de com­por­ta­men­tos.

Cla­ro que não é neu­tra, re­sul­ta de op­ções que têm de ter le­gi­ti­mi­da­de de­mo­crá­ti­ca, que a nos­sa Cons­ti­tui­ção as­se­gu­ra, re­ser­van­do ao Par­la­men­to a com­pe­tên­cia le­gis­la­ti­va em ma­té­ria fis­cal.

Se­rá ile­gí­ti­mo dis­tin­guir en­tre di­fe­ren­tes gé­ne­ros de es­pec­tá­cu­los? Não. Se­ja por ra­zões eco­nó­mi­cas, mesmo que mui­to dis­cu­tí­veis, co­mo se pre­ten­de ao não abran­ger os “fes­ti­vais”. Se­ja por op­ções ci­vi­li­za­ci­o­nais co­mo já acon­te­ce com a por­no­gra­fia.

A cau­sa da pro­mo­ção do be­mes­tar ani­mal é ab­so­lu­ta­men­te le­gí­ti­ma e tem ti­do, fe­liz­men­te, pro­gres­si­va ex­pres­são le­gal, a mais re­le­van­te das quais a re­cen­te al­te­ra­ção do Có­di­go Ci­vil, que dei­xou de con­si­de­rar os ani­mais co­mo “coisas”. Ou a li­mi­ta­ção à uti­li­za­ção de ani­mais em es­pec­tá­cu­los de cir­co.

Co­mo ho­mem da Li­ber­da­de tem tam­bém de res­pei­tar os ci­da­dãos que, co­mo eu, re­jei­tam a tou­ra­da co­mo ma­ni­fes­ta­ção pú­bli­ca de uma cul­tu­ra de vi­o­lên­cia ou de des­fru­te do so­fri­men­to ani­mal.

Se­rá as­sim ile­gí­ti­mo, to­ta­li­tá­rio, vi­o­len­ta­dor da li­ber­da­de a não atri­bui­ção de be­ne­fí­cio fis­cal à tou­ra­da? O que se­ria en­tão se lhe fos­se da­do um tra­ta­men­to fis­cal agra­va­do, co­mo acon­te­ce com o ta­ba­co ou o ál­co­ol?

Bem sei que o no­vo po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to é ser po­li­ti­ca­men­te “in­cor­rec­to”... Mas en­tão pre­fi­ro man­ter a tra­di­ção e de­fen­der o que acho cer­to, no res­pei­to pe­la li­ber­da­de dos ou­tros de­fen­de­rem e pra­ti­ca­rem o con­trá­rio.

Um abra­ço com es­ti­ma, ad­mi­ra­ção e ca­ma­ra­da­gem.

An­tó­nio Cos­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.