Um re­fu­gi­a­do não é um cri­mi­no­so

Edição Público Porto - - ESPAÇO PÚBLICO - Edi­to­ri­al

Aca­ra­va­na de mi­gran­tes hon­du­re­nhos que se des­lo­ca a ca­mi­nho da fron­tei­ra dos EUA com o Mé­xi­co vai ser re­ce­bi­da por um exér­ci­to que ame­a­çou re­a­gir (in­de­pen­den­te­men­te do gé­ne­ro ou da ida­de de quem for in­ter­cep­ta­do) co­mo se es­ti­ves­se, de fac­to, pe­ran­te um ini­mi­go. Con­tra­ri­a­men­te ao que a Ad­mi­nis­tra­ção Trump tem pro­pa­la­do, a ca­ra­va­na não é com­pos­ta por ter­ro­ris­tas, não é fi­nan­ci­a­da pe­los de­mo­cra­tas e acon­te­ce que aque­les mi­lha­res de pes­so­as im­pe­di­das de se­guir em fren­te tam­bém não po­de­rão re­gres­sar ao país de on­de fo­gem. E es­se país de on­de fo­gem é o mesmo on­de os Es­ta­dos Uni­dos, na sua tra­di­ci­o­nal von­ta­de de in­ge­rên­cia na Amé­ri­ca Cen­tral, de­sem­pe­nha­ram um pa­pel cru­ci­al na de­po­si­ção do Pre­si­den­te elei­to, Ma­nu­el Ze­laya, em 2009, co­mo há di­as aler­tou a As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na de An­tro­po­lo­gis­tas. As Hon­du­ras es­tão ho­je en­tre­gues a gangs e gru­pos or­ga­ni­za­dos que se di­gla­di­am en­tre si.

Quem fo­ge de um país as­sim é por­que pro­cu­ra pro­tec­ção e uma vi­da me­lhor, co­mo em mui­tas outras cir­cuns­tân­ci­as ao lon­go da his­tó­ria, que mol­da­ram a pró­pria his­tó­ria do EUA, fei­ta de ca­ra­va­nas e de mi­gra­ções. Esta não é a pri­mei­ra ca­ra­va­na do gé­ne­ro e o seu nú­me­ro nem se­quer tem vin­do a au­men­tar. Elas sempre exis­ti­ram e são uma das ra­zões pe­las quais Trump tan­to de­se­ja um mu­ro fron­tei­ri­ço com o vi­zi­nho Mé­xi­co. O que Trump faz des­ta ca­ra­va­na é mais um pre­tex­to pa­ra a exal­ta­ção do outro en­quan­to ini­mi­go. Um ini­mi­go que tem de ser de­ti­do an­tes de en­trar em casa, quer en­vi­an­do sol­da­dos, quer ten­tan­do ne­gar o di­rei­to de asi­lo a quem en­trar no país sem do­cu­men­tos, co­mo a pro­mul­ga­ção da úl­ti­ma sex­ta-fei­ra, que nem tem for­ça de lei nem res­pei­ta a pró­pria le­gis­la­ção na­ci­o­nal so­bre o di­rei­to de asi­lo. O que Trump faz ao cha­mar cri­mi­no­sos às pes­so­as des­te gru­po de mi­gran­tes, reu­ni­das pa­ra não pa­gar a con­tra­ban­dis­tas, é in­cen­ti­var um ódio lar­var que se re­flec­te em ac­tos co­mo o do ata­que à si­na­go­ga de Pitts­burgh no mês an­te­ri­or. Por que é que nin­guém lhes cha­ma re­fu­gi­a­dos?

O ob­jec­ti­vo não é outro que não o de de­por­tar mi­lha­res de re­fu­gi­a­dos co­mo meio de dis­su­a­são pa­ra que mais não re­pi­tam a viagem. Mas o mais pro­vá­vel que acon­te­ça, com a anun­ci­a­da re­du­ção da aju­da ex­ter­na dos EUA aos paí­ses da Amé­ri­ca Cen­tral, é que ci­da­dãos da Gu­a­te­ma­la, Hon­du­ras e El Sal­va­dor, com os ní­veis mais ele­va­dos de vi­o­lên­cia fo­ra das zo­nas de guer­ra, te­nham ain­da mais mo­ti­vos pa­ra imi­grar. acor­reia@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.