Tan­cos e tan­ques

Edição Público Porto - - ESPAÇO PÚBLICO -

O PÚ­BLI­CO de 7 de No­vem­bro traz uma car­ta do sr. Ma­nu­el Alves que me me­re­ceu es­pe­ci­al interesse. Ne­la diz que “os mi­li­ta­res, por­que co­nhe­cem co­mo nin­guém os hor­ro­res da guer­ra, não a de­se­jam e cho­ram co­mo cri­an­ças quan­do vêem tom­bar um ca­ma­ra­da”.

Pa­la­vras cer­tei­ras, mas in­su­fi­ci­en­tes. Há já uns anos, fui no­me­a­do pa­ra in­ter­vir num en­con­tro de ex-com­ba­ten­tes, em Leiria, so­bre “dis­túr­bio de stress pós-trau­má­ti­co” (stress de guer­ra, no ca­so). Ten­do si­do com­ba­ten­te e ti­do a sor­te de não pre­sen­ci­ar a mor­te de com­pa­nhei­ros, te­nho de di­zer, co­mo mé­di­co e ci­da­dão, que não é só a mor­te de ca­ma­ra­das que fe­re a al­ma.

Te­nho de con­fes­sar que as emo­ções me es­ca­pa­ram ao controlo, ao re­vi­ver es­se pas­sa­do trá­gi­co, e “cho­rei co­mo cri­an­ça”. Ho­je que tan­ta coi­sa nos de­ve fa­zer ques­ti­o­nar o pre­sen­te e o fu­tu­ro, os que já pas­sa­ram pe­la guer­ra não po­dem de­mi­tir-se de to­mar po­si­ção a fa­vor da paz, sem sa­cri­fi­car a li­ber­da­de. An­ti­des San­to, Leiria apoi­os de que ne­ces­si­tam em fun­ção das su­as ne­ces­si­da­des.

Se o fi­zes­se não ou­vi­ría­mos fa­lar de mães que dei­xam de tra­ba­lhar por não te­rem com quem dei­xar os fi­lhos, nem de fi­lhos que se de­sem­pre­gam pa­ra cui­dar dos pais, nem de ou­tros fa­mi­li­a­res que são for­ça­dos a re­or­ga­ni­zar as su­as vi­das em fun­ção de uma si­tu­a­ção­li­mi­te que não en­con­tra apoio na so­ci­e­da­de.

(...) Tra­tar de al­guém de­pen­den­te e com li­mi­ta­ções se­ve­ras, a tem­po in­tei­ro, de­ve ser le­gal­men­te pro­te­gi­do — ter uma re­mu­ne­ra­ção, uma re­for­ma, pe­lo me­nos.

Con­tu­do, de­ve­ria po­der ser uma op­ção das fa­mí­li­as e não uma de­ci­são to­ma­da por não haver al­ter­na­ti­vas vá­li­das, cre­dí­veis ou com as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as.

Não de­ve­ria o Es­ta­do ga­ran­tir a es­tas fa­mí­li­as uma al­ter­na­ti­va an­tes de al­gum dos seus mem­bros se ver obri­ga­do a re­o­ri­en­tar o seu per­cur­so de vi­da e ab­di­car dos seus pro­jec­tos?

Re­a­fir­mo: sou a fa­vor da con­fe­rên­cia de di­rei­tos aos cui­da­do­res in­for­mais, mas gos­ta­ria que este es­ta­tu­to fos­se uma op­ção, não a úni­ca hi­pó­te­se de ver um en­te que­ri­do bem cui­da­do. Ri­ta Ve­lo­so Men­des, Lis­boa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.