PCP e BE qu­e­rem de­cre­to do tem­po de ser­vi­ço do­cen­te no Par­la­men­to

Par­cei­ros do Go­ver­no vão pe­dir apre­ci­a­ção par­la­men­tar ca­so di­plo­ma seja pro­mul­ga­do. Qu­e­rem que a lei pas­se a in­cluir a to­ta­li­da­de do tem­po de ser­vi­ço re­cla­ma­do pe­los docentes

Edição Público Porto - - SOCIEDADE - Sa­mu­el Silva

De­pois de te­rem obri­ga­do o Go­ver­no a vol­tar a ne­go­ci­ar com os sin­di­ca­tos a re­cu­pe­ra­ção do tem­po de ser­vi­ço dos pro­fes­so­res, com uma nor­ma in­cluí­da no Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019, PCP e BE qu­e­rem que o as­sun­to vol­te a ser dis­cu­ti­do na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca. Se o de­cre­to-lei em que é con­ta­bi­li­za­do cer­ca de um ter­ço do pe­río­do exi­gi­do pe­los docentes for pro­mul­ga­do (dois anos, no­ve me­ses e 18 di­as do tem­po de ser­vi­ço), os dois par­ti­dos vão pe­dir a sua apre­ci­a­ção par­la­men­tar.

O BE to­ma­rá “to­das as ini­ci­a­ti­vas que obri­guem o Go­ver­no a re­cu­pe­rar in­te­gral­men­te o tem­po de ser­vi­ço”. Ca­so o di­plo­ma seja pro­mul­ga­do, é pon­to as­sen­te pa­ra os blo­quis­tas que es­te deve ser dis­cu­ti­do no Par­la­men­to. O con­teú­do das pro­pos­tas a apre­sen­tar pa­ra a re­cu­pe­ra­ção in­te­gral do tem­po con­ge­la­do vai de­pen­der “da re­dac­ção e do con­teú­do” do mes­mo, ex­pli­ca a deputada Jo­a­na Mor­tá­gua.

Pa­ra o PCP é cla­ro que vai exi­gir no Par­la­men­to que a lei pas­se a in­cluir a to­ta­li­da­de do tem­po de ser­vi­ço re­cla­ma­do pe­los docentes: no­ve anos, quatro me­ses e dois di­as. Ana Mes­qui­ta diz que “não é ad­mis­sí­vel qual­quer solução que não pas­se pe­la con­ta­bi­li­za­ção in­te­gral”.

De­pois da úl­ti­ma reu­nião com os sin­di­ca­tos, que ter­mi­nou mais uma vez sem qual­quer avan­ço nas po­si­ções de am­bas as par­tes, o Go­ver­no de­ci­diu adi­ar a apro­va­ção do de­cre­to-lei, que es­ta­va pre­vis­ta pa­ra on­tem. Os re­pre­sen­tan­tes dos pro­fes­so­res têm le­gal­men­te di­rei­to a pe­dir ne­go­ci­a­ção su­ple­men­tar no pra­zo má­xi­mo de cin­co di­as úteis. A Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Pro­fes­so­res e a Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da Educação ain­da não de­ci­di­ram se vão fa­zê-lo. Uma vez apro­va­do, o de­cre­to-lei te­rá de ser en­vi­a­do pa­ra o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pa­ra ser ana­li­sa­do, que po­de ain­da ve­tá-lo. Ca­so seja pro­mul­ga­do, os par­ti­dos podem pe­dir a sua re­a­pre­ci­a­ção par­la­men­tar. Nes­se ca­so, têm uma de du­as so­lu­ções pe­la fren­te: ou pedem a ces­sa­ção da vi­gên­cia do di­plo­ma ou apre­sen­tam pro­pos­tas de al­te­ra­ção.

É pa­ra es­ta se­gun­da hi­pó­te­se que quer o PCP quer o BE se in­cli­nam. A ces­sa­ção da vi­gên­cia do di­plo­ma iria es­va­ziá-lo dos seus efei­tos. Nes­se ca­so, os pro­fes­so­res ar­ris­ca­vam-se a fi­car à espera en­quan­to de­cor­re no- vo pe­río­do ne­go­ci­al, sem qual­quer im­pac­to po­si­ti­vo nas su­as car­rei­ras e ven­ci­men­tos. O mes­mo acon­te­ce­rá se o Pre­si­den­te op­tar pe­lo ve­to. É por is­so que o BE de­fen­de a pro­mul­ga­ção do di­plo­ma que ve­nha a ser apro­va­do pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros, abrin­do a por­ta a que o tem­po de ser­vi­ço que o Go­ver­no de­ci­diu con­ta­bi­li­zar te­nha efei­tos nas car­rei­ras já a par­tir de 1 de Ja­nei­ro de 2019.

Is­to mes­mo foi di­to on­tem pe­la lí­der do BE, Ca­ta­ri­na Mar­tins, a Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa. A lí­der blo­quis­ta su­bli­nhou que apro­var o de­cre­to-lei pa­ra os pro­fes­so­res não é con­tra­di­tó­rio com o des­con­ge­la­men­to fa­se­a­do do res­tan­te tem­po de ser­vi­ço. “A Ma­dei­ra de­ci­diu fa­zer o des­con­ge­la­men­to em se­te anos e os Aço­res em seis”, lem­brou, con­si­de­ran­do que “se­ria in­sen­sa­to ter uma solução di­fe­ren­te” pa­ra o con­ti­nen­te.

Ao PÚ­BLI­CO, a deputada do BE Jo­a­na Mor­tá­gua ex­pli­ca a ló­gi­ca da posição blo­quis­ta. O Go­ver­no deve “pa­gar ime­di­a­ta­men­te” aos pro­fes­so­res o tem­po de ser­vi­ço com o qual se com­pro­me­teu. Es­ta solução deve ser vis­ta co­mo “o pri­mei­ro mo­men­to de um ca­len­dá­rio de re­cu­pe­ra­ção” da to­ta­li­da­de do tem­po re­cla­ma­do pe­los docentes. O res­to do cro­no­gra­ma deve ser dis­cu­ti­do en­tre os re­pre­sen­tan­tes do exe­cu­ti­vo e os sin­di­ca­tos.

Se o de­cre­to-lei che­gar ao Par­la­men­to, o CDS as­se­gu­ra que te­rá “um papel ac­ti­vo” na dis­cus­são. Os cen­tris­tas vêem van­ta­gens nu­ma au­di­ção par­la­men­tar des­de lo­go pa­ra que os de­pu­ta­dos pos­sam “co­nhe­cer de fac­to” to­dos os da­dos so­bre o im­pac­to da con­ta­bi­li­za­ção do tem­po de ser­vi­ço nas car­rei­ras dos pro­fes­so­res pa­ra as con­tas pú­bli­cas, de­fen­de Ana Ri­ta Bessa.

A posição do PSD “vai de­pen­der do que vi­er a ser o di­plo­ma”, diz Mar­ga­ri­da Ma­no. “Só fa­rá sen­ti­do a As­sem­bleia pro­nun­ci­ar-se se es­ti­ve­rem em cau­sa com­pe­tên­ci­as da As­sem­bleia” e não do Go­ver­no. Por­fí­rio Silva, coordenador do PS na co­mis­são de Educação e Ciência, re­cu­sou fa­zer co­men­tá­ri­os so­bre o as­sun­to.

O CDS te­rá “um papel ac­ti­vo” na dis­cus­são no Par­la­men­to. A posição do PSD “vai de­pen­der do que vi­er a ser o di­plo­ma”

sa­mu­[email protected]­bli­co.pt

DA­NI­EL RO­CHA

Pro­fes­so­res em protesto en­tre­ga­ram on­tem no Con­se­lho de Mi­nis­tros 20.520 postais de “apoio à lu­ta” dos docentes com Le­o­ne­te Bo­te­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.