A.K.K. — as três ini­ci­ais com que se es­cre­ve a su­ces­são de Mer­kel

Can­di­da­ta ven­ce por cur­ta mar­gem Fri­e­dri­ch Merz e Jens Spahn, crí­ti­cos da chanceler. Es­pe­ra-se que man­te­nha a uni­da­de no par­ti­do. “Nin­guém tem in­cen­ti­vos pa­ra tu­mul­tos”

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Ma­ria João Guimarães mgui­ma­ra­[email protected]­bli­co.pt

An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er, 56 anos, an­ti­ga che­fe do go­ver­no do pe­que­no es­ta­do fe­de­ra­do do Sar­re, foi on­tem elei­ta lí­der da CDU (União De­mo­cra­ta-Cris­tã), o par­ti­do da chanceler An­ge­la Mer­kel, no con­gres­so do par­ti­do em Ham­bur­go.

Kramp-Kar­ren­bau­er foi es­co­lhi­da na se­gun­da vol­ta da vo­ta­ção, com 517 vo­tos con­tra 482 de Fri­e­dri­ch Merz. A pri­mei­ra vol­ta eli­mi­nou Jens Spahn, o ac­tu­al mi­nis­tro da Saú­de. Foi uma mar­gem mui­to cur­ta so­bre o can­di­da­to der­ro­ta­do, que de­pois de 16 anos fo­ra da po­lí­ti­ca, tinha si­do apoi­a­do pu­bli­ca­men­te pe­lo de­ca­no do par­ti­do Wolf­gang Schäu­ble.

A no­va lí­der, cu­jo no­me é gran­de de­mais até pa­ra os me­dia ale­mães, é tam­bém co­nhe­ci­da ape­nas pe­las ini­ci­ais, A.K.K., co­mo se fos­se uma mar­ca.

Kramp-Kar­ren­bau­er par­tia com vá­ri­as van­ta­gens: a de se pre­ver que não apres­sa­rá a saí­da de Mer­kel do car­go de chanceler (a co-ha­bi­ta­ção de Mer­kel com um lí­der do par­ti­do crí­ti­co co­mo Merz ou Spahn se­ria di­fí­cil), a de ter bas­tan­te ex­pe­ri­ên­cia go­ver­na­ti­va, pensando nu­ma can­di­da­tu­ra a chanceler nas pró­xi­mas elei­ções (foi mi­nis­tra da Cul­tu­ra, do In­te­ri­or e lí­der do go­ver­no re­gi­o­nal do Sar­re); e ain­da o fac­to de já ter ven­ci­do uma elei­ção no seu es­ta­do qu­an­do se es­pe­ra­va uma der­ro­ta, em 2017, ten­do acu­mu­la­do cré­di­tos por aju­dar a pa­rar o “efei­to Schulz”, qu­an­do o can­di­da­to do Par­ti­do Social-De­mo­cra­ta (SPD) Mar­tin Schulz fi­cou, bre­ve­men­te, em pri­mei­ro nas son­da­gens.

O pe­ri­go, com os vo­tos dos de­le­ga­dos tão di­vi­di­dos, é que An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er não con­si­ga man­ter o par­ti­do uni­do. Já acon­te­ceu com vá­ri­os po­lí­ti­cos que se se­gui­ram a lí­de­res for­tes que ocu­pa­ram o car­go du­ran­te mui­to tem­po.

Mas Matthi­as Dil­ling, da Uni­ver- si­da­de de Ox­ford, diz que o pro­ces­so que o par­ti­do le­vou a ca­bo pa­ra es­co­lher o lí­der, com uma sé­rie de con­fe­rên­ci­as e de­ba­tes nos es­ta­dos fe­de­ra­dos, se­rá uma es­pé­cie de ate­nu­an­te. Ape­sar dos vá­ri­os pon­tos de vis­ta e per­so­na­li­da­des em jo­go, os de­ba­tes fo­ram bas­tan­te har­mo­ni­o­sos.

“O par­ti­do ce­le­brou, e apro­vei­tou co­mo al­go po­si­ti­vo, es­ta opor­tu­ni­da­de pa­ra de­ba­ter. Es­pe­ra­va-se um re­sul­ta­do di­vi­di­do, e pen­so que, ape­sar de ter si­do de fac­to a maioria mais cur­ta pos­sí­vel, não irá ser le­va­do con­tra Kramp-Kar­ren­bau­er”, dis­se Dil­ling num co­men­tá­rio, por te­le­fo­ne, ao PÚ­BLI­CO.

O que o ana­lis­ta es­pe­ra ago­ra é que a CDU, “de­pois do tu­mul­to da for­ma­ção do Go­ver­no e do Ve­rão [com o de­ba­te com a CSU, o seu par­ti­do-gé­meo na Ba­vi­e­ra, so­bre re­fu­gi­a­dos], se con­cen­tre na go­ver­na­ção”. “Nin­guém tem in­cen­ti­vo pa­ra tu­mul­tos”, diz o es­pe­ci­a­lis­ta em par­ti­dos de­mo­cra­tas-cris­tãos.

O Go­ver­no tem ti­do ava­li­a­ções mui­to ne­ga­ti­vas que têm pe­na­li­za­do so­bre­tu­do o par­cei­ro mi­no­ri­tá­rio, o SPD, mas tam­bém o par­ti­do mai­o­ri­tá­rio, a União (CDU/CSU).

Pa­ra Dil­ling, a gran­de in­cóg­ni­ta ago­ra é o que vai fa­zer Merz, que de­pois de sair da CDU pa­ra ter uma car­rei­ra de su­ces­so co­mo con­sul­tor da fi­nan­cei­ra nor­te-ame­ri­ca­na Blackrock na Ale­ma­nha, ten­tou re­gres­sar com uma for­te apos­ta num po­si­ci­o­na­men­to mais à di­rei­ta pa­ra com­ba­ter a AfD (Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha, ex­tre­ma-di­rei­ta).

“Pen­so que ele te­ve a sua ja­ne­la de opor­tu­ni­da­de e que es­ta se fe­chou”, diz Dil­ling. Pa­ra fi­car no par­ti­do, de­ve­ria ter-se can­di­da­ta­do a ou­tro dos lugares na li­de­ran­ça. “Se fi­car de fo­ra e ten­tar in­flu­en­ci­ar, vai ser vis­to co­mo um mau per­de­dor.”

Com es­ta vi­tó­ria, An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er fi­ca nu­ma óp­ti­ma po­si­ção pa­ra ser a can­di­da­ta a chanceler pe­la CDU. Mas cla­ro que “não é pos­sí­vel fa­zer prog­nós­ti­cos

no dia da es­co­lha de um lí­der par­ti­dá­rio”, diz Dil­ling. Ain­da fal­ta­rão três anos pa­ra as elei­ções, que te­rão de ser mar­ca­das an­tes do fi­nal de Ou­tu­bro de 2021. “É de­ma­si­a­do ce­do.”

A des­pe­di­da de Mer­kel

“To­dos sen­ti­mos que es­te é um con­gres­so es­pe­ci­al”, dis­se An­ge­la Mer­kel no seu dis­cur­so de des­pe­di­da, após 18 anos à fren­te do par­ti­do con­ser­va­dor.

Fa­lou an­tes da vo­ta­ção e pe­diu uni­da­de de­pois de ser es­co­lhi­do o no­vo ou a no­va pre­si­den­te, e lem­brou, sem a no­me­ar, a sua can­di­da­ta pre­fe­ri­da, que ven­ceu uma elei­ção di­fí­cil no ano pas­sa­do, o Sar­re, qu­an­do se es­pe­ra­va uma vi­tó­ria dos so­ci­ais-de­mo­cra­tas, que en­tão su­bi­am nas son­da­gens. “Te­mos for­ça pa­ra que­brar ten­dên­ci­as e pa­ra ga­nhar elei­ções qu­an­do lu­ta­mos uni­dos e com de­ter­mi­na­ção”, dis­se.

“Foi pa­ra mim uma imen­sa honra”, dis­se ao ter­mi­nar o seu dis­cur­so, com al­gu­ma co­mo­ção. A es­ta­ção de te­le­vi­são NTV con­tou o tem­po de aplau­sos: no­ve mi­nu­tos e 23 se­gun­dos. De pé, al­guns de­le­ga­dos ti­nham car­ta­zes com a men­sa­gem: “Obri­ga­do, che­fe.”

O tem­po de Mer­kel à fren­te da CDU foi me­di­do por um dos “vi­ces” da CDU, Vol­ker Bouf­fi­er, em com­pa­ra­ção com ou­tros car­gos: “Nes­tes 18 anos hou­ve três pa­pas, o Ham­bur­go te­ve 24 trei­na­do­res e o SPD te­ve dez lí­de­res.”

A CDU ofe­re­ceu a Mer­kel, gran­de apre­ci­a­do­ra de ópe­ra, uma ba­tu­ta do ma­es­tro Kent Na­ga­no, com que es­te di­ri­giu o concerto na ga­la da ci­mei­ra do G20 em Ham­bur­go. “Pa­ra Mer­kel, a mais im­por­tan­te ma­es­tri­na da po­lí­ti­ca mun­di­al”, escreveu Na­ga­no.

Foi ain­da fei­to um ví­deo agra­de­cen­do a Mer­kel “a cal­ma e se­re­ni­da­de num mun­do cheio de al­ti­fa­lan­tes”, “a co­ra­gem pa­ra mu­dar”, e “a ori­en­ta­ção em tem­pos di­fí­ceis”.

O lí­der da ban­ca­da par­la­men­tar da CDU, Ralph Brinkhaus, su­bli­nhou que es­te dia “é o fim da era de uma lí­der do par­ti­do; não é o fim da era An­ge­la Mer­kel”.

No Twitter, o ana­lis­ta Pe­pijn Berg­sen, da Ca­pi­tal Eco­no­mics, lem­bra­va a “re­gra n.º 1” da po­lí­ti­ca ale­mã: “Mer­kel ga­nha sem­pre.”

KAI PFAFFENBACH/REUTERS

CLEMENS BILAN/EPA

An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er e An­ge­la Mer­kel ao fun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.