“Co­le­tes ama­re­los” dis­pos­tos a tu­do ru­mam a Paris

O pro­tes­to vol­ta à rua e mui­tos acham que é “uma no­va re­vo­lu­ção po­pu­lar”

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Ri­ta Si­za, em Roye ri­ta.si­[email protected]­bli­co.pt

Com o frio, a chu­va, e prin­ci­pal­men­te o ven­to, a não da­rem tré­guas, é pre­ci­so ga­ran­tir que a ten­da que os “co­le­tes ama­re­los” ins­ta­la­ram na ro­tun­da de Kuh­ne, jun­to da lo­ca­li­da­de fran­ce­sa de Roye, re­sis­te à in­tem­pé­rie que se anun­cia pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na. Um dos seis ho­mens de “tur­no” en­car­re­ga-se dis­so, re­cor­ren­do a pa­le­tes de ma­dei­ra que vão sen­do em­pi­lha­das jun­to à ten­da, pa­ra for­rar as “pa­re­des” e for­ta­le­cer a es­tru­tu­ra an­tes já re­for­ça­da com re­men­dos de car­tão ca­ne­la­do e lo­nas no te­lha­do. Nin­guém sa­be quan­to tem­po mais es­ta pre­cá­ria cons­tru­ção vai re­sis­tir, mas sa­bem is­to: en­quan­to não con­se­gui­rem o que que­rem, os “co­le­tes ama­re­los” não vão de­sis­tir da lu­ta nem ar­re­dar pé da­li.

“Se ti­ver de ser, co­me­mos aqui a ceia de Na­tal, fes­te­ja­mos aqui o Ano No­vo. Es­ta­mos pre­pa­ra­dos pa­ra o que for pre­ci­so”, ga­ran­te Ch­ris­tophe, de 39 anos, uma das mais de 200 pes­so­as que des­de o dia 17 de No­vem­bro fa­zem da ro­tun­da de Kuh­ne o seu lu­gar de pro­tes­to: con­tra a ca­res­tia de vi­da e a bai­xa do poder de com­pra, con­tra o pe­so dos im­pos­tos e a de­te­ri­o­ra­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos, con­tra as me­di­das do Go­ver­no da edu­ca­ção à se­gu­ran­ça social, mas so­bre­tu­do con­tra o Pre­si­den­te fran­cês, Emmanuel Macron, e “os seus acó­li­tos”, que “se es­tão nas tin­tas” pa­ra o po­vo”. “Aque­les que vo­ta­ram Macron es­tão ago­ra a ar­ran­car os ca­be­los”, ex­pli­ca Ge­or­ge, de 55 anos.

São ho­mens e mu­lhe­res de to­das as pro­ve­ni­ên­ci­as e das mais di­ver­sas ida­des e pro­fis­sões: al­guns mo­ram ali ao la­do e apa­re­cem sem­pre que têm um mo­men­to li­vre, ou­tros vêm de mais lon­ge e fi­cam ali ho­ras, noi­tes in­tei­ras, até por­que a “re­sis­tên­cia” faz-se 24 ho­ras por dia. Um jo­vem que o PÚ­BLI­CO en­con­trou fez 300 qui­ló­me­tros nos úl­ti­mos qu­a­tro di­as, “en­tre idas e vol­tas a ca­sa”, pa­ra não dei­xar os com­pa­nhei­ros de­sam­pa­ra­dos. Poucos se co­nhe­ci­am an­tes de Macron ter anun­ci­a­do o seu pla­no pa­ra um im­pos­to adi­ci­o­nal so­bre os com­bus­tí­veis, mas ago­ra di­zem que são “co­mo uma fa­mí­lia” — uma fa­mí­lia de pes­so­as que tra­ba­lham e cum­prem as su­as obri­ga­ções, mas não têm di­nhei­ro ao fim do mês pa­ra com­prar um brin­que­do pa­ra um fi­lho. “Nós não pe­di­mos mui­to, só pe­di­mos o di­rei­to de poder vi­ver com o nos­so sa­lá­rio”, re­su­me Ch­ris­tophe.

Roye é uma co­mu­na do de­par­ta­men­to de Som­me, na jun­ção da Au­to-Estrada n.º 1 e da Estrada Na­ci­o­nal n.º 17, que li­ga Paris à fron­tei­ra da Bél­gi­ca. A ca­pi­tal fran­ce­sa fi­ca a cerca de 120 qui­ló­me­tros, e é lá que vai es­tar ho­je Ju­li­en, de 33 anos, a ma­ni­fes­tar a sua in­sa­tis­fa­ção com o agra­va­men­to das con­di­ções de vi­da dos tra­ba­lha­do­res. “Não po­de­mos con­ti­nu­ar as­sim. Te­mos os im­pos­tos mais al­tos da Eu­ro­pa, mas as em­pre­sas não pa­gam. O Go­ver­no tem di­nhei­ro pa­ra dis­tri­buir, mas não pa­ra sa­lá­ri­os ou re­for­mas. Não es­ta­mos a vi­ver, es­ta­mos a so­bre­vi­ver”, la­men­ta. E é por is­so que vai pa­ra a rua. “Por­que o Pre­si­den­te tem que per­ce­ber que já não aguen­ta­mos mais.”

Vá­ri­os dos seus com­pa­nhei­ros de Roye es­ti­ve­ram na pri­mei­ra ma­ni­fes­ta­ção do mo­vi­men­to “co­le­tes ama­re­los” em Paris, há três se­ma­nas, e ou­tros par­ti­ci­pa­ram na jor­na­da de lu­ta do sá­ba­do pas­sa­do, que dei­xou de­ze­nas de pes­so­as fe­ri­das nos con­fron­tos com as for­ças da po­lí­cia an­ti­mo­tim. Os que lá es­ti­ve­ram acre­di­tam que a mis­são de ho­je é um pou­co “sui­ci­da” — vai ser di­fí­cil con­ter a pres­são. “Nós che­gá­mos lá sem ar­mas e de ca­ra des­co­ber­ta, e eles in­ves­ti­ram com bas­tões e gás la­cri­mo­gé­neo”, lem­bra um dos manifestantes, que faz ques­tão de dis­tin­guir en­tre os “co­le­tes ama­re­los” ge­nuí­nos, “que são pa­cí­fi­cos”, e os in­fil­tra­dos de ca­ra ta­pa­da, que apa­re­ce­ram pa­ra des­truir e pro­vo­car a vi­o­lên­cia, le­van­do as au­to­ri­da­des a cas­ti­gar a mul­ti­dão in­dis­cri­mi­na­da­men­te.

“O Es­ta­do im­pe­de-nos de ma­ni­fes­tar a nos­sa có­le­ra”, in­ter­rom­pe Syl­vie, de­sem­pre­ga­da de 48 anos que acre­di­ta na jus­te­za da lu­ta dos “co­le­tes” e acre­di­ta que es­te no­vo mo­vi­men­to, des­cen­tra­li­za­do, es­pon­tâ­neo e in­de­pen­den­te das or­ga­ni­za­ções po­lí­ti­cas, po­de ser a gé­ne­se de uma no­va re­vo­lu­ção fran­ce­sa. “Pa­ra mim, é mui­to cla­ro que es­ta é uma no­va re­vo­lu­ção po­pu­lar. É o po­vo que se revolta, não é um co­man­do que quer to­mar o poder”, acres­cen­ta Ge­or­ges, um em­pre­sá­rio que tem uma fro­ta de oi­to ca­miões e não es­con­de a sua sim­pa­tia pe­las idei­as de Flo­ri­an Phi­lip­pot, o an­ti­go nú­me­ro dois da Fren­te Na­ci­o­nal (ex­tre­ma-di­rei­ta) que fun­dou no iní­cio des­te ano o seu pró­prio par­ti­do, os Pa­tri­o­tas.

É ver­da­de que al­gu­mas das quei­xas re­pro­du­zem crí­ti­cas da ex­tre­ma­di­rei­ta ao Go­ver­no. Mas tam­bém é ver­da­de que es­tão ali mui­tos elei­to­res que irão sem­pre às ur­nas pa­ra im­pe­dir que uma po­lí­ti­ca co­mo Ma­ri­ne Le Pen pos­sa ser Pre­si­den­te da Fran­ça. O dra­ma dos fran­ce­ses, apon­ta­ram vá­ri­os des­tes “co­le­tes”, é es­ta­rem con­fron­ta­dos com es­co­lhas co­mo a das úl­ti­mas pre­si­den­ci­ais. “Eu não con­se­guia vo­tar em Le Pen e não con­se­guia vo­tar em Macron, vo­tei em bran­co”, con­ta um.

Qu­an­do se per­gun­ta qual po­de ser a so­lu­ção pa­ra es­te im­pas­se, per­ce­be-se que de ca­da ca­be­ça sai uma sen­ten­ça. Ch­ris­tophe, co­mo Ge­or­ges, Syl­vie ou Delphi­ne, de 44 anos, ga­ran­tem que a lu­ta só aca­ba com a de­mis­são de Macron e a for­ma­ção de um no­vo Go­ver­no. Uns re­cla­mam elei­ções já, ou­tros di­zem que pri­mei­ro é pre­ci­so “pôr o sis­te­ma a ze­ro” por­que to­dos os po­lí­ti­cos são iguais. To­dos con­cor­dam que a res­pos­ta é a mu­dan­ça das po­lí­ti­cas.

A con­ver­sa é fre­quen­te­men­te in­ter­rom­pi­da, pe­lo tra­ba­lho de es­ta­bi­li­za­ção da ten­da, pe­la che­ga­da de mais “co­le­tes” e pe­lo ba­ru­lho das bu­zi­nas dos sim­pa­ti­zan­tes do mo­vi­men­to que cir­cu­lam na ro­tun­da. Se­gun­do as son­da­gens, qua­se 80% dos fran­ce­ses di­zem-se so­li­dá­ri­os com o pro­tes­to, e na ro­tun­da de Kuh­ne há au­to­mo­bi­lis­tas que vêm des­car­re­gar man­ti­men­tos ou en­tre­gar di­nhei­ro pa­ra que a lu­ta con­ti­nue.

A ten­da nun­ca fi­ca com me­nos de cin­co pes­so­as, mas por ve­zes são mais de 50 lá den­tro. O es­pa­ço é exí­guo, mas es­tá di­vi­di­do por áre­as: um

“Pa­ra mim, é mui­to cla­ro que es­ta é uma no­va re­vo­lu­ção po­pu­lar”, diz Ge­or­ges, em­pre­sá­rio

pe­que­no bal­cão e um ar­má­rio on­de se guar­dam os man­ti­men­tos; ao la­do uma me­sa que ser­ve pa­ra reu­niões e pa­ra re­fei­ções; ao cen­tro uma bra­sei­ra eléc­tri­ca li­ga­da a um ge­ra­dor e no pou­co es­pa­ço li­vre que so­bra ao fun­do, im­pro­vi­sa-se ago­ra um ban­co com ma­dei­ra das pa­le­tes.

Num pla­card es­tão afi­xa­das fo­lhas de pa­pel com o pla­ne­a­men­to dos pro­tes­tos e o ho­rá­rio dos tur­nos, bem co­mo o ma­ni­fes­to com a lis­ta das rei­vin­di­ca­ções dos “co­le­tes ama­re­los” de Kuh­ne (no pri­mei­ro pon­to exi­gem a re­vo­ga­ção de to­das as leis do Go­ver­no Macron) e ain­da o re­gu­la­men­to da ten­da: ali não en­tram cri­an­ças, “por ra­zões evi­den­tes de se­gu­ran­ça”, nem ál­co­ol; a lim­pe­za tem de ser as­se­gu­ra­da, e a “cor­di­a­li­da­de e gen­ti­le­za” são re­que­ri­das em to­dos os con­tac­tos com as for­ças de se­gu­ran­ça.

ETI­EN­NE LAURANT/EPA

Al­guns dos que ho­je vão a Paris fa­lam nu­ma mis­são um pou­co “sui­ci­da”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.