Gre­ve dos en­fer­mei­ros adia qu­a­tro mil ci­rur­gi­as

Go­ver­no en­ca­ra hi­pó­te­se de en­ca­mi­nhar do­en­tes pa­ra o pri­va­do ca­so se ul­tra­pas­sem os tem­pos má­xi­mos

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Ale­xan­dra Cam­pos acam­[email protected]­bli­co.pt

Os cerca de “qu­a­tro mil” do­en­tes cu­jas ci­rur­gi­as fo­ram can­ce­la­das de­vi­do à gre­ve dos en­fer­mei­ros em cin­co hos­pi­tais do país vão ter as su­as ope­ra­ções re­a­gen­da­das “de­se­ja­vel­men­te” a par­tir de 1 de Ja­nei­ro, adi­an­tou on­tem a mi­nis­tra da Saú­de, no fi­nal de uma reu­nião com os administradores das uni­da­des afec­ta­das por es­te pro­tes­to que du­ra há du­as se­ma­nas.

Até lá, tu­do in­di­ca que mais umas cen­te­nas de ci­rur­gi­as se­rão adi­a­das. Os res­pon­sá­veis dos dois sin­di­ca­tos que con­vo­ca­ram o iné­di­to pro­tes­to — mar­ca­do pa­ra du­rar até 31 de De­zem­bro — cal­cu­lam que es­tão a ser can­ce­la­das por dia en­tre 400 e 500 in­ter­ven­ções ci­rúr­gi­cas e ga­ran­tem que não vão pa­rar en­quan­to não fo­rem re­ce­bi­dos pe­la tu­te­la.

Num dia mar­ca­do por crí­ti­cas de res­pon­sá­veis hos­pi­ta­la­res e da Or­dem dos Mé­di­cos (OM), que pu­se­ram em cau­sa o si­lên­cio e a “pas­si­vi­da­de” do mi­nis­té­rio e aler­ta­ram pa­ra o pro­ble­ma dos do­en­tes em si­tu­a­ção gra­ve, cu­jas ci­rur­gi­as es­ta­rão a ser can­ce­la­das, a mi­nis­tra Mar­ta Te­mi­do não quis “en­trar na gu­er­ra dos nú­me­ros”, mas re­co­nhe­ceu que qu­a­tro mil ci­rur­gi­as é “um nú­me­ro sig­ni­fi­ca­ti­vo”, ape­sar de ser “re­si­du­al den­tro da­qui­lo que é a ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va do SNS”.

Es­ta gre­ve “é mui­to agres­si­va” mas a ade­são tem si­do “de 6% a 7%”, des­dra­ma­ti­zou. An­tes dis­so, já su­bli­nha­ra que não tinha a in­ten­ção de ali­men­tar “cli­mas de gu­er­ra” en­tre pro­fis­sões e que não ten­ci­o­na­va re­cor­rer, pa­ra já, a uma re­qui­si­ção ci­vil. Su­bli­nhan­do que a ideia é re­pro­gra­mar as ci­rur­gi­as “na me­di­da do pos­sí­vel den­tro do SNS”, ad­mi­tiu que os do­en­tes po­de­rão ser en­ca­mi­nha­dos pa­ra hos­pi­tais pri­va­dos, se os tem­pos má­xi­mos de res­pos­ta fo­rem ex­ce­di­dos.

Res­pon­den­do aos apelos do pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos Administradores Hos­pi­ta­la­res (APAH) e do bas­to­ná­rio da OM, a go­ver­nan­te de­fen­deu que os hos­pi­tais de­vem di­vul­gar as ci­rur­gi­as que têm si­do adi­a­das de­vi­do à gre­ve. Os res­pon­sá­veis das du­as es­tru­tu­ras di­zem que há do­en­tes gra­ves e pri­o­ri­tá­ri­os com ci­rur­gi­as adi­a­das.

Até on­tem, o Hos­pi­tal de San­ta Ma­ria (que per­ten­ce ao Cen­tro Hos­pi­ta­lar de Lis­boa Nor­te) não tinha fei­to ne­nhu­ma ci­rur­gia pe­diá­tri­ca des­de o iní­cio da gre­ve, se­gun­do adi­an­tou à TSF Car­los Mar­tins, pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção. E acres­cen­tou que 456 pes­so­as fi­ca­ram por ope­rar, um nú­me­ro que po­de che­gar às 1500 até ao fi­nal do mês.

Já no Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra não fo­ram re­a­li­za­das “823 ci­rur­gi­as pro­gra­ma­das”, de acor­do com os da­dos di­vul­ga­dos pe­lo pre­si­den­te da Sec­ção Re­gi­o­nal do Cen­tro da Or­dem dos Mé­di­cos, Car­los Cor­tes. O Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni­ver­si­tá­rio do Por­to adi­an­tou en­tre­tan­to ao PÚ­BLI­CO que fo­ram até à da­ta can­ce­la­das 850 ci­rur­gi­as. Não foi pos­sí­vel ob­ter da­dos do Cen­tro Hos­pi­ta­lar São João (Por­to) e do Cen­tro Hos­pi­ta­lar de Se­tú­bal, as ou­tras du­as uni­da­des afec­ta­das por es­te pro­tes­to.

“Tem ha­vi­do mui­ta de­sin­for­ma­ção”, la­men­ta Car­los Ra­ma­lho, pre­si­den­te do Sin­de­por (Sindicato De­mo­crá­ti­co dos En­fer­mei­ros de Por­tu­gal), um dos que con­vo­ca­ram a gre­ve. Por dia são adi­a­das en­tre 400 e 500 ci­rur­gi­as, cerca de 4500 a 5000 no to­tal, cal­cu­la o di­ri­gen­te sin­di­cal, que diz que no San­ta Ma­ria fo­ram ope­ra­das pe­lo me­nos qu­a­tro cri­an­ças des­de que o pro­tes­to ar­ran- cou, con­tra­ri­an­do as de­cla­ra­ções do ad­mi­nis­tra­dor do hos­pi­tal.

As­se­gu­rou ain­da que, co­mo es­ti­pu­la­do nos ser­vi­ços mí­ni­mos, os ca­sos gra­ves não es­tão a ser adi­a­dos e fri­sou que es­tão “à es­pe­ra que o mi­nis­té­rio dê si­nais de aber­tu­ra pa­ra ne­go­ci­ar se­ri­a­men­te”.

“Te­mos um pro­to­co­lo ne­go­ci­al as­si­na­do. Es­ti­ve­mos no dia 5 [quar­ta-fei­ra] à por­ta da Ad­mi­nis­tra­ção Cen­tral do Sis­te­ma de Saú­de”, dis­se, la­men­tan­do que a tu­te­la se reú­na com ou­tros sin­di­ca­tos — o Sindicato dos En­fer­mei­ros Por­tu­gue­ses (SEP) e a Fe­de­ra­ção de Sin­di­ca­tos dos En­fer­mei­ros (Fen­se).

No dia de on­tem mul­ti­pli­ca­ram-se en­tre­tan­to os apelos e as re­co­men­da­ções. Até da bo­ca do ex-mi­nis­tro da Saú­de Adal­ber­to Cam­pos Fer­nan­des, que ape­lou a um en­ten­di­men­to en­tre o Go­ver­no e os sin­di­ca­tos dos en­fer­mei­ros pa­ra pôr fim à gre­ve. “Eu te­nho a cer­te­za de que a ac­tu­al equi­pa po­lí­ti­ca do Mi­nis­té­rio da Saú­de tem to­das as con­di­ções e es­tá em­pe­nha­dís­si­ma em en­con­trar um pon­to de diá­lo­go”, afir­mou.

A bas­to­ná­ria da Or­dem dos En­fer­mei­ros, Ana Ri­ta Ca­va­co, en­vi­ou uma car­ta ao pri­mei­ro-mi­nis­tro pe­din­do a in­ter­ven­ção de An­tó­nio Cos­ta. “Não se­rá pos­sí­vel, nos pró­xi­mos anos, re­cu­pe­rar des­ta ca­tás­tro­fe”, avi­sa Ana Ri­ta Ca­va­co. E o bas­to­ná­rio dos Mé­di­cos, Mi­guel Guimarães, mar­cou pa­ra se­gun­da-fei­ra um en­con­tro com os di­rec­to­res clí­ni­cos dos cin­co hos­pi­tais pa­ra ava­li­ar a si­tu­a­ção dos adi­a­men­tos das ci­rur­gi­as “que es­tão a afec­tar do­en­tes com pa­to­lo­gi­as gra­ves, de­sig­na­da­men­te on­co­ló­gi­cas, e tam­bém par­ti­cu­lar­men­te as cri­an­ças”, co­mo acen­tu­ou, em no­ta à co­mu­ni­ca­ção social.

Mé­di­cos a ope­rar so­zi­nhos?

Mui­to pre­o­cu­pa­do com a si­tu­a­ção, o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos Administradores, Ale­xan­dre Lourenço, avan­çou com uma pro­pos­ta ou­sa­da pa­ra con­tra­ri­ar os efei­tos des­ta gre­ve e que pas­sa­ria por pôr os mé­di­cos a ope­rar so­zi­nhos, sem os en­fer­mei­ros. Uma pos­si­bi­li­da­de que Mi­guel Guimarães re­fu­tou, po­rém, pe­lo me­nos por en­quan­to.

“Te­o­ri­ca­men­te, os mé­di­cos po­dem ope­rar so­zi­nhos, tam­bém sa­bem ins­tru­men­tar, mas es­ta não se­ria uma boa so­lu­ção, is­so se­ria des­res­pei­tar os en­fer­mei­ros com quem tra­ba­lha­mos”, re­tor­quiu Mi­guel Guimarães, pa­ra quem há “al­ter­na­ti­vas mais viá­veis” pa­ra co­lo­car em ci­ma da me­sa. Uma de­las, su­ge­re, é a trans­fe­rên­cia dos do­en­tes pa­ra hos­pi­tais “pú­bli­cos e pri­va­dos” que ain­da não es­tão afec­ta­dos pe­la gre­ve.

A gre­ve foi con­vo­ca­da pe­lo Sin­de­por e pe­la As­so­ci­a­ção Sin­di­cal Por­tu­gue­sa de En­fer­mei­ros, em­bo­ra te­nha par­ti­do de um mo­vi­men­to de en­fer­mei­ros que lan­çou um fun­do aber­to ao pú­bli­co que re­co­lheu mais de 360 mil eu­ros pa­ra com­pen­sar os gre­vis­tas.

Em cau­sa es­tão rei­vin­di­ca­ções re­la­ci­o­na­das com o des­con­ge­la­men­to das pro­gres­sões e a va­lo­ri­za­ção do tra­ba­lho di­fe­ren­ci­a­do de uma clas­se que se de­cla­ra “exaus­ta” e com mi­lha­res de ho­ras de tra­ba­lho em dí­vi­da. com Ana Maia

A mi­nis­tra da Saú­de ad­mi­te que os do­en­tes afec­ta­dos po­de­rão ser en­ca­mi­nha­dos pa­ra hos­pi­tais pri­va­dos, se os tem­pos má­xi­mos de res­pos­ta fo­rem ex­ce­di­dos no SNS

PAU­LO PI­MEN­TA

“Os mé­di­cos po­dem ope­rar so­zi­nhos, mas não se­ria uma boa so­lu­ção”, diz bas­to­ná­rio dos Mé­di­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.