Do ter­re­no vem a voz que quer for­çar po­lí­ti­cos a cri­ar uma es­tra­té­gia con­tra a po­bre­za

A EAPAN, Re­de Eu­ro­peia An­ti-Po­bre­za em Por­tu­gal, en­ca­be­ça a lu­ta por uma es­tra­té­gia na­ci­o­nal e já fez de Mar­ce­lo um ali­a­do

Edição Público Porto - - DESTAQUE - Ana Cris­ti­na Pe­rei­ra

Há dez anos, o Par­la­men­to apro­vou, por una­ni­mi­da­de, um projecto de re­so­lu­ção a de­cla­rar “so­le­ne­men­te que a po­bre­za con­duz à vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos”. Ago­ra, a cha­ma­da “so­ci­e­da­de ci­vil”, en­ca­be­ça­da pe­la EAPN, a Re­de Eu­ro­peia An­ti­po­bre­za em Por­tu­gal, ba­te-se por uma es­tra­té­gia na­ci­o­nal, ten­do o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa, co­mo ali­a­do.

Qu­an­do se lhe per­gun­ta pe­lo efei­to da­que­la de­ci­são par­la­men­tar, que par­tiu de uma pe­ti­ção lan­ça­da pe­la Co­mis­são Na­ci­o­nal Jus­ti­ça e Paz, o pre­si­den­te da EAPN-Por­tu­gal, Jar­dim Mo­rei­ra, é ca­te­gó­ri­co: “Não ser­viu pa­ra na­da! Até ago­ra não ser­viu. To­da a gen­te se es­que­ceu dis­to. Di­zem que sim, pa­ra a fo­to­gra­fia. De­pois, tu­do abor­ta.”

“O que acon­te­ceu de­pois dis­so foi uma cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra”, lem­bra o so­ció­lo­go Re­na­to do Car­mo, da equi­pa de co­or­de­na­ção do Ob­ser­va­tó­rio das De­si­gual­da­des. A ta­xa de po­bre­za, que es­ta­va a cair, vol­tou a au­men­tar, atin­gin­do um pi­co de 19,5% (em 2013 e 2014). A par­tir daí, a ten­dên­cia co­me­çou a in­ver­ter-se. Em 2017, a ta­xa fi­xou-se nos 17,3%, o va­lor mais bai­xo dos úl­ti­mos 15 anos.

O Inqué­ri­to às Con­di­ções de Vi­da e Ren­di­men­to di­vul­ga­do pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca no dia 30 de No­vem­bro mos­tra que di­mi­nuí­ram as ta­xas de po­bre­za re­la­ti­va en­tre fa­mí­li­as mo­no­pa­ren­tais e fa­mí­li­as com três e mais cri­an­ças, em­bo­ra se man­te­nham ele­va­das (28,2% e 31,6%). Tam­bém des­ceu en­tre cri­an­ças e jo­vens (18,9%). En­tre ido­sos (nos 17,7%) e de­sem­pre­ga­dos (45,7%) é que se agra­vou.

O mi­nis­tro do Tra­ba­lho, da So­li­da­ri­e­da­de e da Se­gu­ran­ça Social, Vi­ei­ra da Silva, já es­pe­ra­va “bo­as no­tí­ci­as”, ain­da que “par­ci­ais”, uma vez que “a po­bre­za não é eli­mi­na­da com um gol­pe de má­gi­ca”. A re­fe­ri­da “es­pe­ran­ça” tinha por ba­se a su­bi­da da ta­xa de em­pre­go, o au­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo, o au­men­to das pen­sões, a di­mi­nui­ção do de­sem­pre­go, a di­mi­nui­ção do de­sem­pre­go de lon­ga du­ra­ção, o for­ta­le­cer das pres­ta­ções so­ci­ais.

“Em 2019, te­mos re­for­ço de re­cur­sos pa­ra com­ba­ter a po­bre­za”, en­fa­ti­za. Exem­plos? Alar­ga-se a res­pos­ta pa­ra a pro­tec­ção no de­sem­pre­go, au­men­ta-se o abo­no, o com­ple­men­to so­li­dá­rio pa­ra ido­sos pas­sa a abran­ger pes­so­as com pen­são de in­va­li­dez, so­be-se o va­lor de re­fe­rên­cia do RSI. “Ain­da as­sim, qu­an­do fa­la­mos de po­bre­za, a me­lhor no­tí­cia é ha­ver cres­ci­men­to de em­pre­go”, diz.

“O que ve­mos é que des­de que a re­so­lu­ção foi apro­va­da no Par­la­men­to te­mos ti­do di­fe­ren­tes ac­tu­a­ções em ter­mos de po­lí­ti­cas pú­bli­cas, umas com mai­or pre­o­cu­pa­ção social, ou­tras com me­nos, ou­tras com ne­nhu­ma”, ava­lia o eco­no­mis­ta Car­los Fa­ri­nha Ro­dri­gues, pro­fes­sor do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Eco­no­mia e Ges­tão. “No fun­do, o que es­ta­va sub­ja­cen­te era que o com­ba­te à po­bre­za fos­se uma pri­o­ri­da­de das po­lí­ti­cas pú­bli­cas no seu con­jun­to e is­so ain­da não foi con­se­gui­do.”

Pa­la­vra de Pre­si­den­te

Fa­ri­nha Ro­dri­gues não con­si­de­ra, po­rém, que de na­da te­nha ser­vi­do o Par­la­men­to as­su­mir a po­bre­za co­mo uma vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos. “A ní­vel do dis­cur­so po­lí­ti­co is­so te­ve al­gum im­pac­to”, diz. “Qu­an­do ou­vi­mos o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca dis­cur­sar per­ce­be­mos que tem a pre­o­cu­pa­ção de tra­zer pa­ra a ac­tu­a­li­da­de a po­bre­za co­mo um pro­ble­ma de di­rei­tos hu­ma­nos.”

Em Mar­ço, no fe­cho de um de­ba- te or­ga­ni­za­do pe­la EAPN em Lis­boa, Mar­ce­lo Re­ce­bo de Sousa de­cla­rou: “É uma vergonha na­ci­o­nal ser­mos, em 2017, e ago­ra já em 2018, uma das so­ci­e­da­des mais de­si­guais e com tão ele­va­do ris­co de po­bre­za na Eu­ro­pa. Eu te­nho vergonha.” Não se li­mi­tou a ex­pres­sar em­ba­ra­ço, pe­diu ac­ção. “Não se­rá tem­po de fa­zer­mos avan­çar a nos­sa es­tra­té­gia na­ci­o­nal?”

Já em Ou­tu­bro, a pro­pó­si­to do Dia In­ter­na­ci­o­nal de Er­ra­di­ca­ção da Po­bre­za, escreveu na sua pá­gi­na ofi­ci­al: “A po­bre­za e a sua er­ra­di­ca­ção não po­dem ser as­sun­tos aos quais vol­ta­mos ape­nas nos mo­men­tos de cri­se. Ago­ra que o tem­po é de re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra é o mo­men­to pa­ra agir.” Não por aca­so. “Nós con­tac­tá­mos o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, apre­sen­tan­do-lhe [a pro­pos­ta de compromisso pa­ra] a Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal pa­ra a Er­ra­di­ca­ção da Po­bre­za [em De­zem­bro de 2017], ele deu o seu al­to patrocínio”, re­su­me Agos­ti­nho Jar­dim Mo­rei­ra.

O ca­mi­nho co­me­çou a fa­zer-se há uns cin­co anos. A EAPN cri­ou um gru­po de tra­ba­lho que con­gre­ga­va pe­ri­tos (co­mo Car­los Fa­ri­nha Ro­dri­gues, Al­ci­des Mon­tei­ro, Al­fre­do Bru­to da Cos­ta, José Pe­rei­ri­nha, Pedro Hes­pa­nha) e re­pre­sen­tan­tes de or­ga­ni­za­ções (co­mo a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Lo­cal — ANI­MAR, a Cá­ri­tas Por­tu­gue­sa, a Cruz Ver­me­lha Por­tu­gue­sa e Ins­ti­tu­to de Apoio à Cri­an­ça). Ao lon­go de qua­se dois anos, pro­mo­veu en­con­tros pa­ra que pu­des­sem pen­sar e lan­çar pro­pos­tas.

Cou­be ao so­ció­lo­go Bru­to da Cos­ta, en­tre­tan­to de­sa­pa­re­ci­do, a ta­re­fa de apre­sen­tar uma es­pé­cie de ro­tei­ro em Se­tem­bro de 2015, no Por­to. Pri­mei­ro pas­so: cons­ti­tuir um gru­po ad hoc no Par­la­men­to des­ti­na­do a cri­ar a es­tra­té­gia. Se­gun­do: ge­rar um acor­do par­la­men­tar de prin­cí­pi­os so­bre o que is­so po­de­ria ser. Ter­cei­ro: fa­zer uma lei que en­qua­dras­se tu­do is­so. Quar­to: de­fi­nir a di­ta es­tra­té­gia e pas­sar a pas­ta ao Con­se­lho de Mi­nis­tros.

De­pois das elei­ções, a EAPN con­tac­tou os vá­ri­os par­ti­dos e não en­con­trou con­sen­so. Ago­ra, Jar­dim já se con­ven­ceu de que “nes­ta le­gis­la­tu­ra já não se­rá pos­sí­vel”. E es­tá a se­guir o con­se­lho de Mar­ce­lo. “O Pre­si­den­te acha que é pre­ci­so cri­ar uma voz for­te pa­ra es­ta cau­sa e nós es­ta­mos a cri­ar um gru­po em Lis­boa e no Por­to. Es­ta­mos a dar os pri­mei­ros passos, a pen­sar no per­fil das pes­so­as a con­vi­dar.”

O de­ba­te es­tá aí. Fa­ri­nha Ro­dri­gues acha que qual­quer es­tra­té­gia de­ve co­me­çar pe­las cri­an­ças. Re­na­to do Car­mo acha que te­rá de in­cluir a desigualdade. “Não se de­ve­ria se­pa­rar a po­bre­za da desigualdade. Es­tes fe­nó­me­nos são au­tó­no­mos, mas re­la­ci­o­na­dos”, de­cla­ra. “Não é só re­dis­tri­bui­ção de ri­que­za, é tam­bém re­dis­tri­bui­ção de poder, é pre­ci­sar dar mais opor­tu­ni­da­des e mais voz”, apon­ta, por sua vez, o pre­si­den­te da Cá­ri­tas, Eu­gé­nio Fon­se­ca. O que tem fal­ta­do, diz, “é von­ta­de po­lí­ti­ca”.

ac­pe­rei­[email protected]­bli­co.pt

ADRIANO MI­RAN­DA

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca cha­mou a aten­ção pa­ra o ris­co de po­bre­za e pa­ra a so­ci­e­da­de de­si­gual

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.