O PS de Cos­ta é a es­tre­la num PSE em lu­ta pa­ra não ser ir­re­le­van­te

O pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês não fa­lou, nem pre­ci­sou dis­so, pa­ra ser o exem­plo que ser­ve de ba­se à es­tra­té­gia dos so­ci­a­lis­tas eu­ro­peus, cu­jo con­gres­so de dois di­as che­ga ho­je ao fim em Lis­boa

Edição Público Porto - - POLÍTICA - Re­por­ta­gem Li­li­a­na Va­len­te

Não se­rá por aca­so que os so­ci­a­lis­tas eu­ro­peus se jun­tam pe­la se­gun­da vez con­se­cu­ti­va em Lis­boa. Tam­bém não se­rá por aca­so que Fer­nan­do Me­di­na su­ge­riu que a con­ta­bi­li­za­ção da in­fluên­cia so­ci­a­lis­ta na Eu­ro­pa se fi­zes­se em pre­si­den­tes de câ­ma­ra, e não em pri­mei­ros-mi­nis­tros — é que o nú­me­ro des­tes, ape­nas seis, é o es­pe­lho das di­fi­cul­da­des dos so­ci­a­lis­tas eu­ro­peus na con­quis­ta do elei­to­ra­do e a ac­ção de três des­ses go­ver­nan­tes tam­bém não or­gu­lha o par­ti­do. Nes­ta reu­nião dos so­ci­a­lis­tas eu­ro­peus per­ce­be-se que o par­ti­do ten­ta de­fi­nir uma es­tra­té­gia pa­ra com­ba­ter o po­pu­lis­mo, pri­mei­ro; os “con­ser­va­do­res”, de­pois; e, so­bre­tu­do, per­ce­be-se que o Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Eu­ro­peu (PSE) lu­ta, an­tes de tu­do, pa­ra não se tor­nar ir­re­le­van­te, de­pois das elei­ções eu­ro­pei­as que ame­a­çam dar uma ma­cha­da­da na ban­ca­da par­la­men­tar da Ali­an­ça Pro­gres­sis­ta dos So­ci­a­lis­tas & De­mo­cra­tas (S&D).

O PSE en­co­lheu nos úl­ti­mos anos e re­ceia tor­nar-se ain­da me­nor nas elei­ções eu­ro­pei­as de 26 de Maio de 2016. Uns após ou­tros, res­pon­sá­veis do par­ti­do fo­ram des­fi­lan­do pe­lo pal­co no ISCTE a de­fen­der que es­ta é uma ba­ta­lha pa­ra a qual têm de ter uma no­va abor­da­gem — “ra­di­cal”, de­fen­de­ram al­guns; sem “am­bi­gui­da­des”, di­ria mais tar­de Au­gus­to San­tos Silva.

Pa­ra por­tu­gue­ses e es­tran­gei­ros, o ini­mi­go prin­ci­pal é o “po­pu­lis­mo” que nos discursos apa­re­ce com vá­ri­os no­mes, co­mo “na­ci­o­na­lis­mo”, “ex­tre­ma-di­rei­ta” ou aque­les que não de­fen­dem o Es­ta­do de di­rei­to. O Go­ver­no de Cos­ta é exal­ta­do, Je­remy Corbyn é o es­pe­ra­do, lo­go ele que é lí­der dos tra­ba­lhis­tas do pri­mei­ro país à bei­ra de sair da União Eu­ro­peia. Tal­vez por is­so se­ja o me­lhor exem­plo pa­ra as cen­te­nas de de­le­ga­dos de vá­ri­os paí­ses que se reu­ni­ram em Lis­boa pa­ra de­fi­nir a es­tra­té­gia pa­ra as elei­ções eu­ro­pei­as. Es­sa, de­fen­deu Corbyn no seu dis­cur­so de 25 mi­nu­tos, tem de mos­trar os er­ros da aus­te­ri­da­de que le­vou mui­tos a vol­ta­rem cos­tas aos so­ci­a­lis­tas e so­ci­ais-de­mo­cra­tas, com “da­nos na sua cre­di­bi­li­da­de”, e a vo­ta­rem ao la­do de po­pu­lis­tas ou em so­lu­ções co­mo o “Bre­xit”, “por­que es­ta­vam zan­ga­dos”.

O di­ag­nós­ti­co es­tá fei­to e a cu­ra pas­sa por “po­lí­ti­cas pro­gres­sis­tas” co­mo aque­las que fo­ram le­va­das a ca­bo em Por­tu­gal, que mos­tra­ram que “há um ca­mi­nho me­lhor”, de­fen­deu o in­glês, e por re­jei­tar a “or­to­do­xia” eco­nó­mi­ca, leia-se dos no­vos li­be­rais. Um ca­mi­nho que tem de ser “pa­ra mui­tos, e não pa­ra al­guns”, re­pe­tiu.

O cha­vão mais usa­do pe­los so­ci­a­lis­tas eu­ro­peus é uma pa­la­vra que di­fi­cil­men­te po­de ser usa­da em car­ta­zes. Ser “pro­gres­sis­ta” não en­tra nos ou­vi­dos dos elei­to­res, ape­sar de di­zer mui­to a es­tes de­le­ga­dos que em Lis­boa de­fen­de­ram a ne­ces­si­da­de de “abrir as por­tas e ja­ne­las”, dis­se Udo Bull­mann, mem­bro do SPD ale­mão, que se ba­teu por uma po­lí­ti­ca mi­gra­tó­ria in­clu­si­va e não “an­ti­mi­gran­tes”, ou pe­la ne­ces­si­da­de de adop­tar po­lí­ti­cas ami­gas do am­bi­en­te, po­lí­ti­cas equi­ta­ti­vas en­tre ho­mens e mu­lhe­res e res­pei­ta­do­ras dos di­rei­tos hu­ma­nos. An­tó­nio Gu­ter­res, aliás, foi um dos por­tu­gue­ses mais re­fe­ri­dos, ou não se ce­le­bras­se na se­gun­da-fei­ra o 70.º ani­ver­sá­rio da Declaração Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. A pro­cla­ma­ção de va­lo­res, mais do que de so­lu­ções ou de po­lí­ti­cas, ocu­pou o es­pa­ço do con­gres­so des­te que foi um dos mai­o­res par­ti­dos eu­ro­peus que ago­ra lu­ta pa­ra não ir ao fun­do.

No cam­po da po­lí­ti­ca, o ini­mi­go nú­me­ro um dos do PSE tem vá­ri­as ca­ras. “Não é le­gí­ti­mo que os so­ci­a­lis­tas de­mo­crá­ti­cos se­jam am­bí­guos no que tem de ser a sua lu­ta bá­si­ca con­tra po­pu­lis­mos, xe­no­fo­bia e na­ci­o­na­lis­mos”, de­fen­deu o mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Au­gus­to San­tos Silva. Mas não é qual­quer po­pu­lis­mo ou au­to­ri­ta­ris­mo. São to­dos. “Não po­de­mos ser am­bí­guos pa­ra com re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os, ve­nham da di­rei­ta ou es­quer­da, se­jam da Eu­ro­pa, Amé­ri­ca La­ti­na, Áfri­ca ou asiá­ti­cos. Nós so­mos so­ci­a­lis­tas, por is­so so­mos pe­las de­mo­cra­ci­as li­be­rais. Te­mos de lu­tar con­tra to­da a for­ma de re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os”, de­fen­deu o go­ver­nan­te nu­ma cur­ta in­ter­ven­ção du­ran­te a tar­de.

Es­ta lu­ta se­rá, na opi­nião de Car­los Zor­ri­nho, uma lu­ta de dois com­ba­tes. “Vão ser tra­va­dos dois com­ba­tes fun­da­men­tais que não se con­fun­dem. O pri­mei­ro com­ba­te é o da so­bre­vi­vên­cia do projecto eu­ro­peu e dos seus va­lo­res, é ven­cer os an­ti­eu­ro­peus. E o se­gun­do com­ba­te é mos­trar que, den­tro dos que de­fen­dem a Eu­ro­pa, há uma al­ter­na­ti­va”. “Te­mos de ven­cer os an­ti­eu­ro­peus, con­so­li­dar a maioria pró-eu­ro­peia” e is­so se­rá fei­to se os so­ci­a­lis­tas con­se­gui­rem cap­tar o “vo­to útil”. “Não ha­ve­rá vo­to mais útil do que aque­les vo­tos que fo­rem ca­na­li­za­dos pa­ra os so­ci­a­lis­tas e so­ci­ais-de­mo­cra­tas, e pa­ra o PS em Por­tu­gal. É o vo­to útil que ser­ve pa­ra sal­var o projecto eu­ro­peu de ra­di­ca­lis­mos”, dis­se Zor­ri­nho.

Pe­la mes­ma bi­to­la ali­nhou o se­cre­tá­rio-ge­ral do PSE, o ale­mão Achim Post, que de­fen­deu que as elei­ções de Maio do pró­xi­mo ano se­rão uma “es­co­lha en­tre con­ser­va­do­res e so­ci­a­lis­tas”.

On­tem foi o pri­mei­ro dia da reu­nião dos so­ci­a­lis­tas, que con­sa­grou o ho­lan­dês Frans Tim­mer­mans co­mo o can­di­da­to do PSE à Co­mis­são Eu­ro­peia, uma es­co­lha fei­ta an­tes da che­ga­da à reu­nião em Lis­boa. Ho­je se­rá a vez de su­bi­rem ao pal­co três pri­mei­ros-mi­nis­tros so­ci­a­lis­tas, An­tó­nio Cos­ta, o es­pa­nhol Pedro Sán­chez e Jo­seph Mus­cat, de Mal­ta.

li­li­a­na.va­len­[email protected]­bli­co.pt

FOTOS: MÁ­RIO CRUZ/LUSA

Frans Tim­mer­mans, can­di­da­to à pre­si­dên­cia da Co­mis­são Eu­ro­peia, com Ser­gei Sta­nishev, pre­si­den­te do PSE, e An­tó­nio Cos­ta e Fer­nan­do Me­di­na. Em bai­xo, o lí­der dos tra­ba­lhis­tas bri­tâ­ni­cos, Je­remy Corbyn

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.