TC ar­qui­va ca­so Si­za Vi­ei­ra: não po­de ser de­mi­ti­do de um car­go que já não exer­ce

Re­mo­de­la­ção go­ver­na­men­tal li­vrou ac­tu­al ti­tu­lar da Eco­no­mia da san­ção por in­com­pa­ti­bi­li­da­des

Edição Público Porto - - POLÍTICA - Le­o­ne­te Bo­te­lho e Ma­ria João Lopes

Qu­an­do a po­lé­mi­ca das even­tu­ais in­com­pa­ti­bi­li­da­des es­ta­lou, Pedro Si­za Vi­ei­ra era mi­nis­tro ad­jun­to do pri­mei­ro-mi­nis­tro. Nes­sa al­tu­ra, o pro­ble­ma era o go­ver­nan­te ter acu­mu­la­do, nos pri­mei­ros me­ses do man­da­to, ou­tra fun­ção, a de só­cio-ge­ren­te de uma em­pre­sa no sec­tor imo­bi­liá­rio. Ora, em Ou­tu­bro, com a re­mo­de­la­ção do Go­ver­no, Si­za Vi­ei­ra passou pa­ra a pas­ta da Eco­no­mia. E is­to, pa­ra o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, sig­ni­fi­ca que a ques­tão se es­va­zia: Si­za Vi­ei­ra já foi exo­ne­ra­do do car­go, ou se­ja, não po­de ser de­mi­ti­do de uma fun­ção que já não ocu­pa.

A te­se era avan­ça­da pe­la edi­ção de on­tem do Jornal Eco­nó­mi­co eo PÚ­BLI­CO tam­bém con­fir­mou que es­se é o sen­ti­do do acór­dão do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal que ain­da se­rá tor­na­do pú­bli­co. Já em No­vem­bro, aliás, o PÚ­BLI­CO es­cre­via que es­te era um pos­sí­vel des­fe­cho pa­ra a po­lé­mi­ca pro­ta­go­ni­za­da por Pedro Si­za Vi­ei­ra, mo­ti­va­da por ter acu­mu­la­do fun­ções no Go­ver­no com a ge­rên­cia, ain­da que não re­mu­ne­ra­da, de uma em­pre­sa de com­pra e ven­da de bens imo­bi­liá­ri­os, cri­a­da com a mu­lher na vés­pe­ra de to­mar pos­se no exe­cu­ti­vo de An­tó­nio Cos­ta.

O pro­ble­ma é que a lei de in­com­pa­ti­bi­li­da­des dos titulares de car­gos po­lí­ti­cos e al­tos car­gos pú­bli­cos de­ter­mi­na que es­ta ti­tu­la­ri­da­de é “in­com­pa­tí­vel com quais­quer ou­tras fun­ções pro­fis­si­o­nais re­mu­ne­ra­das ou não, bem co­mo com a in­te­gra­ção em cor­pos so­ci­ais de quais­quer pes­so­as co­lec­ti­vas de fins lu­cra­ti­vos”.

A con­sequên­cia se­ria a per­da de man­da­to. A ques­tão é que, ago­ra, Pedro Si­za Vi­ei­ra já não es­tá na­que­le car­go, mas nou­tro — é mi­nis­tro Ad­jun­to e da Eco­no­mia des­de Ou­tu­bro — e is­to im­pe­de a san­ção, mes­mo que os juí­zes en­ten­des­sem que de­via ser apli­ca­da.

Foi a 22 de Maio que o jornal Eco avan­çou com a no­tí­cia das ale­ga­das in­com­pa­ti­bi­li­da­des. Ape­nas um dia de­pois de a po­lé­mi­ca ter vin­do a pú­bli­co, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co anun­ci­a­va ter pe­di­do, ao TC, a fis­ca­li­za­ção das even­tu­ais in­com­pa­ti­bi­li­da­des do mi­nis­tro Pedro Si­za Vi­ei­ra.

No mes­mo dia, o go­ver­nan­te admitia a si­tu­a­ção de in­com­pa­ti­bi­li­da­de: “Pe­di re­nún­cia qu­an­do fui cha­ma­do à aten­ção pa­ra is­so”, dis­se, na al­tu­ra, aos jor­na­lis­tas. E, ci­ta­do pe­lo Jornal de Ne­gó­ci­os, acres­cen­ta­va: “Quan­to to­mei pos­se, só pos­te­ri­or­men­te to­mei cons­ci­ên­cia de que não se po­de ser ge­ren­te, ain­da que não re­mu­ne­ra­do, nu­ma so­ci­e­da­de fa­mi­li­ar”.

le­o­ne­te.bo­te­[email protected]­bli­co.pt ma­[email protected]­bli­co.pt

AN­DRÉ KOSTERS/LUSA

Si­za Vi­ei­ra cri­ou a imo­bi­liá­ria na vés­pe­ra de en­trar pa­ra o Go­ver­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.