Blin­da­dos a pos­tos em Paris e 90 mil po­lí­ci­as em to­do o país

Edição Público Porto - - MUNDO - An­tó­nio Sa­rai­va Li­ma

As au­to­ri­da­des fran­ce­sas pre­pa­ra­ram-se em for­ça pa­ra o que acre­di­tam poder ser mais um sá­ba­do de pro­tes­tos e vi­o­lên­cia em vá­ri­as lo­ca­li­da­des do país; mo­bi­li­za­ram 89 mil po­lí­ci­as pa­ra a con­ter ao má­xi­mo.

De­pois de três fins-de-se­ma­na con­se­cu­ti­vos de ma­ni­fes­ta­ções do mo­vi­men­to “co­le­tes ama­re­los”, o Go­ver­no de­sis­tiu da in­ten­ção de au­men­tar o im­pos­to so­bre os com­bus­tí­veis. Mas o re­cuo na me­di­da que de­sen­ca­de­ou os pro­tes­tos não foi su­fi­ci­en­te pa­ra tra­var os manifestantes, que vol­tam às ru­as pa­ra exi­gir re­for­mas la­bo­rais, so­ci­ais e no sis­te­ma de edu­ca­ção, en­tre ou­tras rei­vin­di­ca­ções.

Pa­ra evi­tar que se re­pi­tam as ce­nas de vi­o­lên­cia da se­ma­na pas­sa­da, o Go­ver­no de Édou­ard Phi­lip­pe pro­me­teu o uso de “mei­os ex­cep­ci­o­nais”.

En­tre os qua­se 90 mil efec­ti­vos que ho­je es­tão em aler­ta má­xi­mo, con­tam-se cerca de oi­to mil só pa­ra a ca­pi­tal fran­ce­sa, o prin­ci­pal pal­co dos con­fron­tos com as au­to­ri­da­des e dos ac­tos de van­da­lis­mo que ti­ve­ram co­mo al­vo lo­jas, veí­cu­los es­ta­ci­o­na­dos, es­tá­tu­as e mo­nu­men­tos.

Com o Fi­ga­ro a no­ti­ci­ar que as au­to­ri­da­des es­tão a pre­pa­rar-se pa­ra “as pi­o­res ofen­si­vas de vi­o­lên­cia pos­sí­veis” e que os manifestantes mais ra­di­cais ”têm von­ta­de de co­me­çar uma gu­er­ra ci­vil”, Paris vai con­tar com “de­ze­nas de carros blin­da­dos” a pa­tru­lhar as ru­as, o que po­de sig­ni­fi­car que tam­bém ha­ve­rá mi­li­ta­res a par­ti­ci­par nas ope­ra­ções. Os blin­da­dos saí­ram à rua em Paris no Maio de 68 e na con­tes­ta­ção ju­ve­nil nos su­búr­bi­os em 2005.

Es­ta­rão ain­da a pos­tos cerca de 75 mil ele­men­tos do cor­po mé­di­co e dos ser­vi­ços de emer­gên­cia.

Pa­ra além do re­for­ço se­cu­ri­tá­rio, a po­lí­cia pa­ri­si­en­se en­vi­ou um do­cu­men­to a cen­te­nas de lo­jas e res­tau­ran­tes lo­ca­li­za­dos nos Cam­pos Elí­si­os e nou­tras zo­nas do cen­tro da ci­da­de a re­co­men­dar que se man­te­nham fe­cha­dos. A mai­or par­te das lo­jas da zo­na pro­te­ge­ram as mon­tras, com gra­de­a­men­to e pla­cas de ma­dei­ra.

Mu­seus e zo­nas tu­rís­ti­cas, co­mo o Lou­vre, o Or­say, a Tor­re Eif­fel e a Ópe­ra de Paris vão fe­char, co­mo me­di­da de pre­cau­ção. Vá­ri­os jo­gos do prin­ci­pal cam­pe­o­na­to de fu­te­bol em Fran­ça fo­ram sus­pen­sos.

O mi­nis­tro do In­te­ri­or, Ch­ris­tophe Cas­ta­ner, pre­si­den­tes de câ­ma­ra e di­ri­gen­tes mu­ni­ci­pais da re­gião de Paris pe­di­ram aos ci­da­dãos pa­ra não se ma­ni­fes­ta­rem. O pri­mei­ro-mi­nis­tro aler­tou pa­ra o ris­co de o mo­vi­men­to de pro­tes­to poder fi­car ro­tu­la­do co­mo um “gru­po vi­o­len­to”, por cau­sa do com­por­ta­men­to de al­guns dos manifestantes.

”Há pes­so­as que não vêm aqui pa­ra pro­tes­tar, mas pa­ra cau­sar dis­túr­bi­os”, dis­se Phil­li­pe na ho­ra de jus­ti­fi­car a gran­de mo­bi­li­za­ção po­li­ci­al. “Que­re­mos ter os mei­os ne­ces­sá­ri­os pa­ra não lhes dar­mos car­ta-bran­ca. Con­ti­nu­a­re­mos a mos­trar fir­me­za e a lu­tar con­tra o ódio e a vi­o­lên­cia”.

Em Bor­déus, no Su­do­es­te, de­ze­nas de edi­fí­ci­os pú­bli­cos tam­bém es­ta­rão en­cer­ra­dos, tal co­mo em Mar­se­lha e Avi­nhão, na cos­ta Sul, e em Pas-deCa­lais, no Nor­te.

an­to­nio.li­[email protected]­bli­co.pt

Lo­jas pro­te­gi­das na zo­na dos Cam­pos Elí­si­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.