Um adeus que ain­da não o é bem

Edição Público Porto - - MUNDO - Aná­li­se Te­re­sa de Sousa

1. On­tem, o con­gres­so da CDU, em Ham­bur­go, con­ce­deu à sua chanceler dez mi­nu­tos de co­mo­vi­do aplau­so. Po­dia ser ape­nas o adeus a uma lí­der que rei­nou so­bre o par­ti­do nos úl­ti­mos 18 anos e que di­ri­giu a Ale­ma­nha, pa­ra não di­zer a Eu­ro­pa, nos úl­ti­mos 13. Tal­vez não te­nha si­do só is­so. Ao es­co­lhe­rem a sua su­ces­so­ra de­sig­na­da, os 1001 de­le­ga­dos ao con­gres­so mos­tra­ram que ain­da não es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra pôr fim à era Mer­kel e lan­çar o par­ti­do nu­ma no­va “aven­tu­ra” po­lí­ti­ca, que de­ve­ria ser, na opi­nião de mui­tos, (um pou­co) mais con­ser­va­do­ra, (um pou­co) mais à di­rei­ta, mais ami­ga do mun­do dos ne­gó­ci­os, tal­vez mais “ame­ri­ca­na” e mais li­be­ral e me­nos “fran­ce­sa” e “de­mo­cra­ta-cris­tã”. Um pou­co mais, por­que os ale­mães não gos­tam de gran­des re­vo­lu­ções po­lí­ti­cas, pre­zam a es­ta­bi­li­da­de e, so­bre­tu­do, não se de­ram mal com a mo­de­ra­ção, o cen­tris­mo, a con­fi­a­bi­li­da­de a que se ha­bi­tu­a­ram com a chanceler.

An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er (A.K.K). não é igual a Mer­kel, nem se­quer pa­re­ce ser uma fi­gu­ra ape­nas des­ti­na­da a fa­zer a tran­si­ção. De­mar­cou-se em al­guns as­pec­tos da chanceler, é ca­tó­li­ca, o que não a im­pe­diu de se ba­ter pe­las quo­tas das mu­lhe­res nos con­se­lhos de ad­mi­nis­tra­ção das gran­des em­pre­sas, go­ver­nou o pe­que­no land do Sar­re, pa­re­des mei­as com a Fran­ça, em co­li­ga­ção com os Ver­des e com o FDP (a mes­ma que a chanceler não con­se­guiu for­mar de­pois das elei­ções de Se­tem­bro do ano pas­sa­do), ga­nhou as úl­ti­mas elei­ções re­gi­o­nais qu­an­do as son­da­gens da­vam a sua vi­tó­ria co­mo in­cer­ta. É mais du­ra que Mer­kel na res­pos­ta ao ex­pan­si­o­nis­mo agres­si­vo da Rús­sia. E tinha, à par­ti­da, uma van­ta­gem que, nou­tro país qual­quer, po­de­ria ser (ain­da) uma des­van­ta­gem: ser mu­lher. De­pois de Mer­kel, a per­gun­ta, iró­ni­ca mas nem por is­so me­nos ver­da­dei­ra, é se os ale­mães es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra se­rem go­ver­na­dos por um ho­mem. Des­ta vez, pro­va­vel­men­te, is­so ain­da não vai acon­te­cer. A me­nos que nos pró­xi­mos dois anos o SPD con­si­ga pôr fim à mor­te len­ta em que se dei­xou cair pra­ti­ca­men­te des­de que go­ver­nou a Ale­ma­nha (com Gerhard Sch­ro­e­der, até 2005), ou se acen­tue a ins­ta­bi­li­da­de e a frag­men­ta­ção, que atin­giu tam­bém o es­tá­vel sis­te­ma par­ti­dá­rio ale­mão. Co­mo escreveu o diário ale­mão Han­dels­blatt, qu­an­do Mer­kel anun­ci­ou a saí­da e Fri­e­dri­ch Merz avan­çou com a sua

A im­pren­sa ale­mã diz que a chanceler re­nas­ceu de­pois de ter anun­ci­a­do a da­ta de saí­da. Nos pró­xi­mos anos, Mer­kel se­rá ain­da a su­ces­so­ra de Mer­kel

can­di­da­tu­ra, “o ob­jec­ti­vo ime­di­a­to dos seus apoi­an­tes [foi] blo­que­ar a con­ti­nu­a­ção do ma­tri­ar­ca­do da chanceler”. “Merz re­pre­sen­ta o par­ti­do da lei e da or­dem em vez das sel­fi­es com os re­fu­gi­a­dos; o par­ti­do dos que vão à mis­sa, dos em­pre­sá­ri­os e, aci­ma de tu­do, o par­ti­do dos ho­mens”, escreveu o diário de cen­tro-di­rei­ta li­be­ral.

2. A es­co­lha de A.K.K. tam­bém po­de ser a ga­ran­tia de que a chanceler, tal co­mo pro­me­teu qu­an­do anun­ci­ou que aban­do­na­ria a li­de­ran­ça da CDU, ter­mi­na­rá o seu man­da­to (2021) — por­ven­tu­ra, o tem­po ne­ces­sá­rio pa­ra que a Eu­ro­pa se ha­bi­tue a vi­ver sem ela, o que tam­bém não se­rá fá­cil no mo­men­to em que uma pro­fun­da cri­se de iden­ti­da­de ame­a­ça os fun­da­men­tos da in­te­gra­ção. Mer­kel te­ve he­si­ta­ções, en­ga­nou-se por ve­zes so­bre o equi­lí­brio in­dis­pen­sá­vel en­tre o in­te­res­se ale­mão ime­di­a­to e o seu in­te­res­se vi­tal (so­bre­tu­do, na for­ma co­mo co­me­çou por ge­rir a cri­se do eu­ro), mas foi de­ter­mi­nan­te pa­ra man­ter o bar­co eu­ro­peu a na­ve­gar, pa­ra res­ga­tar os seus va­lo­res fun­da­men­tais, pa­ra re­sol­ver al­guns dos seus pro­ble­mas mais com­ple­xos e pa­ra en­fren­tar um mun­do que lhe é ca­da vez mais hos­til. Foi fir­me fa­ce à Rús­sia e con­se­guiu a mis­são im­pos­sí­vel de man­ter a Eu­ro­pa uni­da. Foi ge­ne­ro­sa pe­ran­te os re­fu­gi­a­dos da gu­er­ra da Sí­ria, ape­sar do enor­me cus­to po­lí­ti­co. Con­se­guiu (até ago­ra) con­ter o no­vo “ban­do dos oi­to”, ca­pi­ta­ne­a­do pe­la Ho­lan­da, que não quer uma re­for­ma do eu­ro que im­pli­que qual­quer so­li­da­ri­e­da­de fi­nan­cei­ra e que quer di­mi­nuir o pró­xi­mo or­ça­men­to plu­ri­a­nu­al da União Eu­ro­peia. A pro­va es­tá no apre­ço que con­quis­tou en­tre mui­tos dos seus pa­res eu­ro­peus, à di­rei­ta co­mo à es­quer­da, e en­tre mui­tos eu­ro­peus, fa­zen­do de­la uma fi­gu­ra in­dis­pen­sá­vel, qua­se fa­mi­li­ar.

A for­ma sis­te­má­ti­ca e ri­go­ro­sa co­mo en­ca­ra os dos­si­ers, a se­re­ni­da­de com que en­fren­ta as di­fi­cul­da­des, a fa­ci­li­da­de com que cons­trói con­sen­sos, a ma­nei­ra com que se mo­ve no pal­co do mun­do tor­na­ram-na in­con­tor­ná­vel. É is­so tam­bém que es­tá em cau­sa nes­te con­gres­so do mai­or par­ti­do ale­mão e na es­co­lha que fez de quem su­ce­de­rá à chanceler. “Em tem­pos co­mo es­te que vi­ve­mos, de­fen­de­re­mos a nos­sa vi­são li­be­ral, o nos­so mo­do de vi­da, tan­to em ca­sa co­mo lá fo­ra”, dis­se Mer­kel on­tem, no seu dis­cur­so de des­pe­di­da. A im­pren­sa ale­mã diz que a chanceler re­nas­ceu de­pois de ter anun­ci­a­do a da­ta de saí­da. Nos pró­xi­mos anos, Mer­kel se­rá ain­da a su­ces­so­ra de Mer­kel.

te­re­[email protected]­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.