“Do Mar­tim Mo­niz ao Ada­mas­tor: Lis­boa a fer­ver”

Edição Público Porto - - ESPAÇO PÚBLICO -

Ana­li­san­do o ar­ti­go do jor­na­lis­ta Vítor Be­lan­ci­a­no, sa­li­en­to a for­ma idí­li­ca que o au­tor uti­li­za ao des­cre­ver o Mi­ra­dou­ro do Ada­mas­tor es­cu­san­do­se à re­a­li­da­de — aque­le lo­cal é um es­pa­ço on­de ocor­rem, di­a­ri­a­men­te, ac­tos ilí­ci­tos e más con­du­tas, tais co­mo trá­fi­co de dro­ga, con­su­mo de dro­gas e ál­co­ol, as­sal­tos e agres­sões (até à PSP), bem co­mo prá­ti­cas abu­si­vas e aten­ta­tó­ri­as que com­pro­me­tem a se­gu­ran­ça, tran­qui­li­da­de, saú­de, bem-es­tar e até a vi­da da­que­les que ali mo­ram. O au­tor do ar­ti­go es­tá lon­ge de co­nhe­cer o que se vi­ve no Ada­mas­tor.

As­sim, que­ro in­for­mar o Sr. Be­lan­ci­a­no de que a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa no ca­so do Mi­ra­dou­ro de San­ta Ca­ta­ri­na tem ti­do uma ac­ção que con­si­de­ro per­ti­nen­te, pre­o­cu­pan­do-se em per­ce­ber qual a si­tu­a­ção dos mo­ra­do­res da sua zo­na en­vol­ven­te, os quais vi­vem cons­tan­te­men­te ame­a­ça­dos, in­se­gu­ros e pri­va­dos de so­no. A so­lu­ção en­con­tra­da é uma luz ao fun­do do tú­nel.

Apraz in­for­mar que, des­de que a re­de de pro­tec­ção foi co­lo­ca­da em re­dor do Mi­ra­dou­ro de St.ª Ca­ta­ri­na, os meus vi­zi­nhos da par­te in­fe­ri­or do mes­mo são ago­ra ca­pa­zes de ir à sua va­ran­da à noi­te sem se ar­ris­ca­rem a le­var com to­do o ti­po de ob­jec­tos, des­de gar­ra­fas, ci­gar­ros, co­pos.

Ou­tro pon­to que é ab­so­lu­ta­men­te fal­so é o da inexistência de da­dos “so­bre de­ser­ti­fi­ca­ção dos bair­ros, es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria, im­pac­to do tu­ris­mo ou de­sa­gre­ga­ção das re­des de vi­zi­nhan­ça”. Se o au­tor qui­ser, pos­so aju­dá-lo a ter aces­so a di­ver­sos es­tu­dos.

Fi­nal­men­te, gos­ta­ria de dei­xar no ar uma per­gun­ta: o que é, pa­ra o au­tor do ar­ti­go, o uso quo­ti­di­a­no de um es­pa­ço? A pre­sen­ça ma­ci­ça de tu­ris­tas, dro­ga­dos, tra­fi­can­tes, vân­da­los...? Ou o usu­fru­to do dia-a-dia por par­te de quem vi­ve ne­le? Vi­gí­lia Lopes Lis­boa Ale­ma­nha uma no­va pá­tria. A chanceler ale­mã lu­tou con­tra tu­do e to­dos ao re­ce­ber mais de um mi­lhão de re­fu­gi­a­dos. O “ven­da­val po­pu­lis­ta” aus­tría­co, ho­lan­dês, fran­cês e es­pa­nhol so­pra con­tra o aco­lhi­men­to de re­fu­gi­a­dos. En­quan­to is­so, as Na­ções Uni­das mos­tram a sua ino­pe­rân­cia pe­ran­te a per­se­gui­ção que se aba­teu so­bre a mi­no­ria rohingya. Ade­mar Cos­ta Pó­voa de Var­zim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.