Rui Rio diz “não” a Mon­te­ne­gro mas le­va di­rec­ção a vo­tos

Lí­der do PSD re­jei­ta di­rec­tas e avan­ça com mo­ção de con­fi­an­ça iné­di­ta na his­tó­ria do par­ti­do. Vo­to se­cre­to se­rá de­ci­si­vo na vo­ta­ção que po­de­rá ocor­rer ain­da es­te mês

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Mar­ga­ri­da Go­mes e So­fia Ro­dri­gues mar­ga­ri­da.go­[email protected]­bli­co.pt sro­dri­[email protected]­bli­co.pt

Um dia de­pois de ter si­do de­sa­fi­a­do por Luís Mon­te­ne­gro pa­ra con­vo­car elei­ções di­rec­tas, Rui Rio fez on­tem uma de­cla­ra­ção anun­ci­an­do que re­cu­sa o rep­to lan­ça­do pe­lo an­ti­go lí­der do gru­po parlamentar do PSD, ao mes­mo tem­po que anun­ci­ou já ter pe­di­do a con­vo­ca­ção de um con­se­lho na­ci­o­nal pa­ra que, em reu­nião ex­tra­or­di­ná­ria, se­ja apre­ci­a­da e vo­ta­da uma mo­ção de con­fi­an­ça à sua di­rec­ção. Es­ta é a pri­mei­ra vez no par­ti­do que um lí­der pro­põe uma mo­ção de con­fi­an­ça ao con­se­lho na­ci­o­nal.

“O Par­ti­do So­ci­al De­mo­cra­ta tem um lí­der elei­to. E o lí­der elei­to tem sen­ti­do de Es­ta­do e sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de. Por is­so, ja­mais to­ma­rá a de­ci­são aven­tu­rei­ra de co­la­bo­rar nu­ma ca­mi­nha­da in­sen­sa­ta pa­ra o abis­mo”, afir­mou Rui Rio, que com­ple­ta ho­je um ano à fren­te do PSD.

“Se for es­se o seu en­ten­di­men­to, o con­se­lho [na­ci­o­nal] po­de re­ti­rar a con­fi­an­ça à di­rec­ção na­ci­o­nal e as­su­mir de­mo­cra­ti­ca­men­te a res­pon­sa­bi­li­da­de de a de­mi­tir. Se os con­tes­ta­tá­ri­os não con­se­gui­ram reu­nir as as­si­na­tu­ras pa­ra a apre­sen­ta­ção de uma mo­ção de cen­su­ra, eu pró­prio fa­ci­li­to-lhes a vi­da e apre­sen­to, no âm­bi­to da mes­ma dis­po­si­ção es­ta­tu­tá­ria, uma mo­ção de con­fi­an­ça”, dis­se nu­ma sa­la do Ho­tel She­ra­ton do Por­to, num dis­cur­so mui­to ova­ci­o­na­do do prin­cí­pio ao fim.

Dei­xan­do cla­ro que foi o pri­mei­ro a ten­tar unir o par­ti­do, lo­go no con­gres­so, ao apre­sen­tar lis­tas con­jun­tas com o seu ad­ver­sá­rio, Pe­dro San­ta­na Lo­pes, pa­ra os ór­gãos na­ci­o­nais, Rio in­sur­giu-se con­tra aque­les que “in­fe­liz­men­te pre­fe­rem a guer­ri­lha pe­ran­te a uni­da­de do par­ti­do, ape­sar de o seu can­di­da­to, em que tu­do apos­ta­ram, já nem se­quer es­tar no PSD”, nu­ma alu­são à saí­da de San­ta­na.

“Nu­ma al­tu­ra em que os por­tu­gue­ses ma­ni­fes­tam, das mais va­ri­a­das for­mas, o seu des­con­ten­ta­men­to pa­ra com o Go­ver­no, re­cla­man­do uma al­ter­na­ti­va po­lí­ti­ca que só o PSD po­de es­tar em con­di­ções de pro­ta­go­ni­zar, o dr. Luís Mon­te­ne­gro entende que o par­ti­do se de­ve ato­lar, ou­tra vez, num lon­go pro­ces­so elei­to­ral in­ter­no, aban­do­nan­do nos pró­xi­mos me­ses a opo­si­ção ao PS e a cons­tru­ção de uma al­ter­na­ti­va de go­ver­no pa­ra Por­tu­gal”, ati­rou, car­re­gan­do nas tin­tas: “Não há me­mó­ria de, na his­tó­ria da de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa, um di­ri­gen­te par­ti­dá­rio ter lan­ça­do pro­po­si­ta­da­men­te ta­ma­nha con­fu­são e ins­ta­bi­li­da­de no seu par­ti­do e a tão pou­co tem­po de elei­ções.”

E vol­tou a ati­rar na di­rec­ção do ex-de­pu­ta­do. “Pa­ra quem se diz pre­o­cu­pa­do com o ti­po de opo­si­ção que tem si­do pro­ta­go­ni­za­da pe­lo PSD, é di­fí­cil ima­gi­nar me­lhor ser­vi­ço ao PS e ao Go­ver­no do que es­te que Luís Mon­te­ne­gro lhes es­tá a pres­tar”. A sa­la vol­tou a res­pon­der com uma es­tron­do­sa sal­va de pal­mas. An­tes, o ex-au­tar­ca do Por­to de­nun­ci­a­ra o “es­pec­tá­cu­lo de­plo­rá­vel de guer­ri­lha in­ter­na e afron­ta per­ma­nen­te” a si e à di­rec­ção na­ci­o­nal a que tem as­sis­ti­do des­de que to­mou pos­se co­mo pre­si­den­te do PSD.

Por di­ver­sas ve­zes, Rio, que ti­nha a seu la­do a di­rec­ção na­ci­o­nal, ex­di­ri­gen­tes, fi­gu­ras do par­ti­do, ac­tu­ais e ex-ve­re­a­do­res, presidentes de con­ce­lhi­as e tam­bém das dis­tri­tais do Por­to e de Avei­ro, pe­diu cla­ri­fi­ca­ção, ex­pli­can­do que sem ela “não é pos­sí­vel fa­zer um tra­ba­lho efi­caz na cons­tru­ção da al­ter­na­ti­va que o país pre­ci­sa e que o PSD tem a obri­ga­ção de apre­sen­tar”.

Mon­te­ne­gro em si­lên­cio

Pa­ra já, Luís Mon­te­ne­gro pre­fe­riu man­ter o si­lên­cio, mas en­tre os seus apoi­an­tes há quem con­si­de­re a mo­ção de con­fi­an­ça uma ini­ci­a­ti­va com um âm­bi­to mais con­tro­la­do do que as elei­ções di­rec­tas on­de po­dem vo­tar to­dos os mi­li­tan­tes, co­mo pe­diu o ex-lí­der parlamentar.

Rio ten­tou ga­nhar tem­po ao pe­dir um con­se­lho na­ci­o­nal ex­tra­or­di­ná­rio que de­ve­rá de­cor­rer no pra­zo de 15 di­as, pa­ra vo­tar a mo­ção de con­fi­an­ça que, pa­ra ser apro­va­da, só pre­ci­sa de mai­o­ria sim­ples. Mas há uma ques­tão que po­de ser decisiva: o vo­to se­cre­to. Ha­bi­tu­al­men­te, as vo­ta­ções de­cor­rem por bra­ço no ar, mas há ex­cep­ções e o re­gu­la­men­to per­mi­te que se pos­sa fa­zer de for­ma se­cre­ta a pe­di­do de, pe­lo me­nos, um dé­ci­mo dos mem­bros do con­se­lho na­ci­o­nal pre­sen­tes. Em ca­so de re­jei­ção da mo­ção de con­fi­an­ça, a co­mis­são po­lí­ti­ca na­ci­o­nal é de­mi­ti­da au­to­ma­ti­ca­men­te.

O con­se­lho na­ci­o­nal é o ór­gão má­xi­mo en­tre con­gres­sos e re­pre­sen­ta as vá­ri­as sen­si­bi­li­da­des do par­ti­do. Dele fa­zem par­te 70 mem­bros elei­tos em con­gres­so, dez re­pre­sen­tan­tes da JSD, cin­co dos Tra­ba­lha­do­res So­ci­alDe­mo­cra­tas e cin­co dos Au­tar­cas So­ci­ais-De­mo­cra­tas, além dos lí­de­res das dis­tri­tais e dois re­pre­sen­tan­tes da co­mis­são po­lí­ti­ca re­gi­o­nal, além de an­ti­gos lí­de­res.

De­pois de as­su­mi­da a ini­ci­a­ti­va de Mon­te­ne­gro de de­sa­fi­ar a li­de­ran­ça de Rio, o PSD co­me­ça a mos­trar

si­nais de divisão. Nes­ta dis­pu­ta in­ter­na, o ac­tu­al lí­der tem um apoio de pe­so. Francisco Pin­to Bal­se­mão, mi­li­tan­te nú­me­ro um do PSD, mos­trou-se con­tra a ini­ci­a­ti­va de Luís Mon­te­ne­gro.

“Só que­ro di­zer que não me pa­re­ceu opor­tu­no, quan­to ao ti­ming, e que me pa­re­ceu um con­teú­do um pou­co me­lo­dra­má­ti­co, ou pa­té­ti­co”, dis­se on­tem, à mar­gem de uma con­fe­rên­cia na ci­da­de da Praia, em Ca­bo Ver­de. Bal­se­mão já ti­nha de­cla­ra­do o apoio a Rio nas di­rec­tas do par­ti­do. Ou­tras vo­zes se jun­ta­ram ao lí­der, tal co­mo a de Pau­lo Ran­gel, que con­si­de­rou anor­mal es­tar a cri­ar-se uma “cri­se po­lí­ti­ca” in­ter­na nes­te mo­men­to.

Dis­tri­tais au­sen­tes

Do la­do dos que de­fen­dem uma “cla­ri­fi­ca­ção” es­tá o pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Bra­gan­ça, Her­nâ­ni Di­as, ao con­trá­rio do lí­der da sua dis­tri­tal, Jor­ge Fi­dal­go, que acu­sou os opo­si­to­res in­ter­nos de Rio de in­co­e­rên­cia. Si­nal de afas­ta­men­to de mui­tos lí­de- res de dis­tri­tais da ac­tu­al di­rec­ção é a fal­ta qua­se em blo­co na reu­nião de on­tem do con­se­lho es­tra­té­gi­co na­ci­o­nal (CEN). As dis­tri­tais não es­tão re­pre­sen­ta­das na or­gâ­ni­ca do CEN, mas fo­ram con­vo­ca­das pa­ra es­ta reu­nião de pre­pa­ra­ção da pri­mei­ra con­ven­ção des­te ór­gão, mar­ca­da pa­ra 16 de Fevereiro. Só qua­tro di­ri­gen­tes dis­tri­tais com­pa­re­ce­ram: Lis­boa Oes­te, San­ta­rém, Avei­ro e Faro. Nem sem­pre os re­pre­sen­tan­tes das es­tru­tu­ras fo­ram os lí­de­res. E en­tre os que fal­ta­ram es­tão Pe­dro Pin­to (Lis­boa), Pe­dro Al­ves (Viseu) e Mau­rí­cio Mar­ques, que pre­si­de à dis­tri­tal de Coim­bra, on­de de­cor­reu o en­con­tro do CEN.

Foi nas dis­tri­tais que co­me­çou o mo­vi­men­to de re­co­lha de as­si­na­tu­ras pa­ra con­vo­car um con­se­lho na­ci­o­nal ex­tra­or­di­ná­rio pa­ra apre­sen­tar uma mo­ção de cen­su­ra à di­rec­ção de Rui Rio. Ago­ra, os con­se­lhei­ros vão ter de vo­tar uma mo­ção de con­fi­an­ça.

Rui Rio on­tem no Por­to: o lí­der “ja­mais to­ma­rá a de­ci­são aven­tu­rei­ra de co

MA­NU­EL RO­BER­TO

la­bo­rar nu­ma ca­mi­nha­da in­sen­sa­ta pa­ra o abis­mo”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.