EDP quer obri­gar cli­en­tes a con­tra­tos de cin­co anos

Eléc­tri­ca diz que ade­são é vo­lun­tá­ria, mas quem não acei­tar per­de di­rei­to ao con­tra­to. Ob­jec­ti­vo é se­gu­rar cli­en­tes in­dus­tri­ais — e as re­cei­tas que es­tes re­pre­sen­tam

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Ana Bri­to ana.bri­[email protected]­bli­co.pt

A co­mer­ci­a­li­za­do­ra da EDP pa­ra o mer­ca­do li­be­ra­li­za­do, a EDP Co­mer­ci­al, tem em marcha uma no­va es­tra­té­gia pa­ra con­se­guir ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de da sua car­tei­ra de cli­en­tes in­dus­tri­ais — e as re­cei­tas que re­pre­sen­tam — nos pró­xi­mos anos. A em­pre­sa es­tá a no­ti­fi­car por car­ta to­dos es­tes cli­en­tes com con­tra­tos em fi­nal de pra­zo, de que a sua du­ra­ção vai ser al­te­ra­da pa­ra cin­co anos de­vi­do à “ac­tu­al con­jun­tu­ra de pre­ços no mer­ca­do da ener­gia”. Ca­so não con­cor­dem com as no­vas con­di­ções, os cli­en­tes te­rão de “pro­ce­der à re­so­lu­ção do con­tra­to”, afir­ma a EDP Co­mer­ci­al nas car­tas a que o PÚ­BLI­CO te­ve aces­so e que fo­ram en­vi­a­das em De­zem­bro.

Nos do­cu­men­tos, que co­me­çam pre­ci­sa­men­te com a frase “a du­ra­ção do con­tra­to de for­ne­ci­men­to de ener­gia vai ser al­te­ra­do”, a eléc­tri­ca re­fe­re que a con­jun­tu­ra dos pre­ços no mer­ca­do gros­sis­ta (em mo­vi­men­to de su­bi­da des­de o ano pas­sa­do) não lhe per­mi­te man­ter as con­di­ções con­tra­tu­ais. E, as­sim, apre­sen­ta uma so­lu­ção: “Pa­ra nos ser pos­sí­vel man­ter os pre­ços ac­tu­al­men­te cons­tan­tes do seu con­tra­to de for­ne­ci­men­to de ener­gia e evi­tar­mos os au­men­tos im­pos­tos pe­lo mer­ca­do gros­sis­ta de ener­gia, se­rá ne­ces­sá­rio pro­lon­gar a vi­gên­cia do seu con­tra­to até 31-12-2023”, lê-se nas car­tas.

A em­pre­sa ex­pli­ca que a al­te­ra­ção da du­ra­ção do con­tra­to im­pli­ca a mo­di­fi­ca­ção de du­as cláu­su­las con­tra­tu­ais: a que se re­fe­re à du­ra­ção, e a que in­ci­de so­bre as res­pon­sa­bi­li­da­des e pe­na­li­za­ções em ca­so de ces­sa­ção an­te­ci­pa­da.

Com a al­te­ra­ção da cláusula so­bre a du­ra­ção, o con­tra­to pas­sa a es­tar em vi­gor até fi­nal de 2023, re­no­van­do-se “au­to­má­ti­ca e su­ces­si­va­men­te por pe­río­dos de 1 (um) ano se ne­nhu­ma das par­tes no­ti­fi­car a ou­tra por es­cri­to” com um mês de an­te­ce­dên­cia.

Ca­so ha­ja ces­sa­ção an­te­ci­pa­da, e ten­do co­mo pres­su­pos­to a no­va du­ra­ção con­tra­tu­al, a par­te que pro­ce­tou der à ces­sa­ção fi­ca obri­ga­da a pa­gar à ou­tra uma com­pen­sa­ção de cin­co eu­ros por ca­da me­gawatt ho­ra “que re­sul­te da di­fe­ren­ça en­tre a ener­gia pre­vis­ta for­ne­cer e o con­su­mo re­al me­di­do até à ces­sa­ção”.

Ape­sar de, nas car­tas, a em­pre­sa não apre­sen­tar qual­quer al­ter­na­ti­va ao cli­en­te que não se­ja a de es­ten­der o con­tra­to por cin­co anos ou pôr-lhe fim (“ca­so não con­cor­de com as no­vas con­di­ções pro­pos­tas, te­rá de pro­ce­der à re­so­lu­ção do seu con­tra­to”), fon­te ofi­ci­al da EDP ga­ran­te que “a pro­pos­ta é de de­ci­são vo­lun­tá­ria por par­te dos cli­en­tes, que po­dem op­tar por man­ter o pra­zo dos seus con­tra­tos”.

A EDP não es­cla­re­ceu, con­tu­do, se “man­ter o pra­zo” dos con­tra­tos é equi­va­len­te a fa­zer uma re­no­va­ção de um ano (a du­ra­ção mé­dia ha­bi­tu­al nos con­tra­tos de ener­gia) e se, nes­se ca­so, o cli­en­te po­de man­ter o mes­mo ta­ri­fá­rio.

Es­ta­bi­li­da­de e cus­tos

Em de­cla­ra­ções en­vi­a­das ao PÚ­BLI­CO, a em­pre­sa de ener­gia ex­pli­ca que, “pe­ran­te a evo­lu­ção dos pre­ços no mer­ca­do gros­sis­ta”, a EDP Co­mer­ci­al (di­fe­ren­te da EDP Ser­vi­ço Uni­ver­sal, que abas­te­ce os cli­en­tes do mer­ca­do re­gu­la­do) “de­ci­diu dar a pos­si­bi­li­da­de a to­dos os cli­en­tes in­dus­tri­ais com con­tra­tos em vi­as de re­no­va­ção de con­tra­ta­rem por pra­zos mais lon­gos”.

Com is­to, no­ta a EDP, os cli­en­tes ga­ran­tem “mai­or es­ta­bi­li­da­de e uma re­du­ção de cus­tos, ao be­ne­fi­ci­a­rem dos pre­ços mais bai­xos dos con­tra­tos de fu­tu­ros a cin­co anos”. A em­pre­sa diz ain­da acre­di­tar “que os con­tra­tos de mai­or pra­zo têm cla­ros be­ne­fí­ci­os pa­ra es­te seg­men­to” de con­su­mo. O PÚ­BLI­CO per­gun- à em­pre­sa se con­si­de­ra que os pre­ços gros­sis­tas vão man­ter-se aos ní­veis ac­tu­ais nos pró­xi­mos cin­co anos, mas não foi pos­sí­vel ob­ter um es­cla­re­ci­men­to.

Se­gun­do os da­dos de No­vem­bro da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra dos Ser­vi­ços Ener­gé­ti­cos (ERSE), a EDP Co­mer­ci­al — área de ne­gó­cio que es­tá a car­go da ad­mi­nis­tra­do­ra da EDP Ve­ra Pin­to Pe­rei­ra — man­ti­nha-se co­mo a lí­der do mer­ca­do li­be­ra­li­za­do em nú­me­ro de cli­en­tes, com 81% dos cer­ca de cin­co mi­lhões de cli­en­tes (4,130 mi­lhões se­gun­do o re­la­tó­rio e contas do pri­mei­ro se­mes­tre da eléc­tri­ca), e em con­su­mo abas­te­ci­do (cer­ca de 42% dos for­ne­ci­men­tos).

Po­rém, em­bo­ra li­de­re o con­su­mo no seg­men­to do­més­ti­co e de pe­que­nos ne­gó­ci­os, no seg­men­to dos cli­en­tes in­dus­tri­ais a em­pre­sa es­tá em ter­cei­ro lu­gar, com uma quo­ta de 18,9%, atrás da En­de­sa (27,3%) e da Iber­dro­la (21,4%), ain­da que te­nha re­gis­ta­do um cres­ci­men­to de 0,2 pon­tos per­cen­tu­ais.

Na cor­res­pon­dên­cia en­vi­a­da aos cli­en­tes, a EDP Co­mer­ci­al re­fe­re que a mo­di­fi­ca­ção con­tra­tu­al con­si­de­ra-se acei­te “se, no pra­zo de 20 di­as a con­tar da da­ta da car­ta”, o cli­en­te não a in­for­mar, por es­cri­to, da in­ten­ção de pro­ce­der à re­so­lu­ção de con­tra­to. Por ou­tro la­do, re­fe­re que a re­so­lu­ção do con­tra­to im­pli­ca­rá “a in­ter­rup­ção de for­ne­ci­men­to de ener­gia”.

Ape­sar de ser evi­den­te que o fim de um con­tra­to im­pli­ca a in­ter­rup­ção da pres­ta­ção de um ser­vi­ço, a uti­li­za­ção des­ta ex­pres­são já va­leu à EDP Co­mer­ci­al um “pu­xão de ore­lhas” por par­te da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra dos Ser­vi­ços Ener­gé­ti­cos (ERSE). Num ou­tro con­tex­to, em Ja­nei­ro de 2018, a ERSE con­si­de­rou a que a EDP Co­mer­ci­al, ao usar a ex­pres­são “in­ter­rup­ção do for­ne­ci­men­to de ener­gia” em car­tas de des­pe­di­da en­vi­a­das a cli­en­tes que op­ta­ram por mu­dar de co­mer­ci­a­li­za­dor de ener­gia, sus­ci­ta­va “um re­ceio in­jus­ti­fi­ca­do e in­fun­da­do re­la­ti­va­men­te à con­ti­nui­da­de da pres­ta­ção de um ser­vi­ço pú­bli­co es­sen­ci­al”.

Nas car­tas, não é apre­sen­ta­da al­ter­na­ti­va ao cli­en­te que não se­ja a de es­ten­der o con­tra­to por cin­co anos ou o seu fim

NEL­SON GARRIDO

EDP Co­mer­ci­al es­tá em ter­cei­ro lu­gar nos cli­en­tes in­dus­tri­ais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.