Um ano de Rio e o PSD “na ter­ra de nin­guém”

Um ano após ter si­do elei­to pre­si­den­te do PSD, que ba­lan­ço fa­zem Mi­guel Mor­ga­do, Pe­dro Du­ar­te e Mi­guel Pin­to Luz da li­de­ran­ça de Rui Rio?

Edição Público Porto - - DESTAQUE - São Jo­sé Al­mei­da, Ma­ria João Lo­pes e Mar­ga­ri­da Go­mes sao.jo­se.al­mei­[email protected]­bli­co.pt ma­ria.jo­ao.lo­[email protected]­bli­co.pt mar­ga­ri­da.go­[email protected]­bli­co.pt

Fa­zen­do “um ba­lan­ço ne­ga­ti­vo” do pri­mei­ro ano de man­da­to de Rui Rio à fren­te do PSD, Mi­guel Mor­ga­do con­si­de­ra que, “com o re­fú­gio no blo­co cen­tral, o PSD es­tá nu­ma ter­ra de nin­guém do pon­to de vis­ta es­tra­té­gi­co”. As­su­min­do que é es­te o prin­ci­pal pon­to das su­as dis­cor­dân­ci­as, o de­pu­ta­do que foi ad­jun­to de Pas­sos Co­e­lho no an­te­ri­or Go­ver­no diz que “foi fei­ta uma mu­dan­ça ra­di­cal de ori­en­ta­ção es­tra­té­gi­ca do par­ti­do”, ten­do si­do “aban­do­na­da a vo­ca­ção his­tó­ri­ca do PSD, que é de ocu­par um lu­gar de for­mu­la­ção e pro­pos­ta de go­ver­na­ção es­sen­ci­al­men­te di­fe­ren­te do pro­jec­to de po­der da es­quer­da e do PS em par­ti­cu­lar”.

E dá co­mo exem­plo “ini­ci­a­ti­vas es­tra­té­gi­cas”, que não per­ce­be “em que be­ne­fi­ci­am o país, co­mo o pseu­do-acor­do dos fun­dos es­tru­tu­rais e o pseu­do-acor­do da des­cen­tra­li­za­ção”. Com “o fra­cas­so des­sa ori­en­ta­ção es­tra­té­gi­ca, pas­sa­dos seis me­ses, fi­cou pa­ten­te a des­ca­rac­te­ri­za­ção e in­di­fe­ren­ci­a­ção do par­ti­do”. A que se se­guiu “uma de­so­ri­en­ta­ção no sen­ti­do li­te­ral”, ga­ran­te.

Mor­ga­do de­fen­de que “des­de o mo­men­to da elei­ção não hou­ve ten­ta­ti­va de unir, pe­lo con­trá­rio”. E con­si­de­ra que Rio “se­guiu o seu ca­mi­nho co­mo se exis­tis­se uma pu­re­za ide­o­ló­gi­ca do PSD que vai ao ar­re­pio da his­tó­ria e da com­po­si­ção so­ci­o­ló­gi­ca do par­ti­do, que é he­te­ro­gé­nea e que fez sem­pre a for­ça do PSD”. Na sua opi­nião, Rio “che­gou ao pon­to de di­zer que quem não de­fen­de a pu­re­za ide­o­ló­gi­ca do PSD de­ve sair”. Um ges­to que “ali­e­nou a ba­se do PSD”, pro­vo­can­do mes­mo “du­as dis­si­dên­ci­as que vão con­cor­rer com o PSD, a Ali­an­ça de Pe­dro San­ta­na Lo­pes e o Che­ga de An­dré Ven­tu­ra”.

Tam­bém pa­ra Pe­dro Du­ar­te, que des­de ce­do di­ver­giu de Rio, “a es­tra­té­gia que o par­ti­do es­tá a se­guir não é a cor­rec­ta e não é a que ser­ve o in­te­res­se do país”. O an­ti­go lí­der da JSD su­bli­nha tam­bém que ela “não ser­ve os in­te­res­ses elei­to­rais do PSD”, se bem que acres­cen­te que es­sa “é uma ques­tão se­cun­dá­ria”.

Pe­dro Du­ar­te con­si­de­ra que “o país pre­ci­sa de uma al­ter­na­ti­va cla­ra à ac­tu­al go­ver­na­ção”, a qual de­ve ter “uma agen­da e um pro­gra­ma de fu­tu­ro, com uma vi­são que, de fac­to, pre­pa­re o país pa­ra os de­sa­fi­os e opor­tu­ni­da­des que aí vêm”. O que, fri­sa, “não tem acon­te­ci­do por­que o PSD se tem, em cer­to sen­ti­do, li­mi­ta­do a ten­tar can­di­da­tar-se a ser me­lhor su­por­te do Go­ver­no do que têm si­do o BE ou o PCP”. Uma es­tra­té­gia que clas­si­fi­ca de “mui­to re­du­to­ra pa­ra o PSD”, que de­ve­ria ter ti­do “uma ati­tu­de de se

Pa­ra Pe­dro Du­ar­te, que des­de ce­do di­ver­giu de Rio, o PSD tem-se “li­mi­ta­do a ten­tar ser me­lhor su­por­te do Go­ver­no do que têm si­do o BE ou o PCP”

afir­mar co­mo al­ter­na­ti­va cla­ra a es­ta go­ver­na­ção”.

Mais opo­si­ção

Me­nos vi­o­len­to no tom, Mi­guel Pin­to Luz, ou­tro dos no­mes que sur­gem co­mo even­tu­ais can­di­da­tos a lí­der, con­si­de­ra que o PSD de­via “es­tar a fa­zer mais opo­si­ção”. Afir­man­do que “An­tó­nio Cos­ta tem vin­do a ven­der um país de ilu­sões aos por­tu­gue­ses”, Pin­to Luz as­su­me aqui­lo que con­si­de­ra de­ver ser o dis­cur­so do PSD co­mo prin­ci­pal par­ti­do da opo­si­ção. “Os por­tu­gue­ses ho­je já per­ce­be­ram que afi­nal as va­cas não vo­am em Por­tu­gal e que há fal­ta de qua­li­da­de de vi­da, dos ser­vi­ços pú­bli­cos, o Es­ta­do falha re­cor­ren­te­men­te, co­mo fa­lhou em Bor­ba, no SNS, nos in­cên­di­os, falha to­dos os di­as, es­te Es­ta­do ca­da vez mais en­xu­to, me­nos efi­ci­en­te a pres­tar o ser­vi­ço que de­ve pres­tar aos nos­so con­ci­da­dãos”, afir­ma Pin­to Luz, acres­cen­tan­do que “os por­tu­gue­ses já per­ce­be­ram” e que “é preciso fa­zer uma opo­si­ção mais pre­sen­te, mais ac­ti­va, mais com­ba­ti­va, e é is­so que fal­ta nes­te pri­mei­ro ano de man­da­to” de Rio. Mas acres­cen­ta: “Acho que ain­da há tem­po de fa­zer es­sa opo­si­ção.”

O eu­ro­de­pu­ta­do Pau­lo Ran­gel, apon­ta­do pa­ra li­de­rar a lis­ta do PSD às eu­ro­pei­as, não quis fa­lar so­bre o pri­mei­ro ano de man­da­to de Rio, mas na sex­ta-fei­ra, no seu pro­gra­ma ha­bi­tu­al da TVI24 Pro­va dos 9, não dei­xou de cen­su­rar o fac­to de ter si­do aber­ta uma cri­se po­lí­ti­ca des­tas em ple­no pe­río­do elei­to­ral

e qu­an­do se soma ou­tro fac­tor: “Es­ta­mos com um lí­der que foi le­gi­ti­ma­men­te elei­to e que es­tá a meio do seu man­da­to”. “Uma coi­sa é ter di­ver­gên­ci­as tác­ti­cas, es­tra­té­gi­cas, ide­o­ló­gi­cas re­la­ti­va­men­te à di­rec­ção do par­ti­do (...)”, ou­tra coi­sa é “pro­vo­car uma cri­se que é ne­ga­ti­va pa­ra o par­ti­do, pa­ra as ins­ti­tui­ções e pa­ra a de­mo­cra­cia po­lí­ti­ca”.

Já Jo­sé Edu­ar­do Mar­tins dis­se na sex­ta-fei­ra à TSF que se uma cla­ri­fi­ca­ção “for rá­pi­da, po­de não ser pe­na­li­za­do­ra pa­ra o PSD”. E acres­cen­tou que os so­ci­ais-de­mo­cra­tas têm de com­ba­ter o ris­co de uma “paz po­dre”.

DA­NI­EL ROCHA

RUI GAUDÊNCIO

Luís Mon­te­ne­gro, Mi­guel Mor­ga­do, Pe­dro Du­ar­te e Mi­guel Pin­to Luz: até ago­ra, só o pri­mei­ro de­sa­fi­ou aber­ta­men­te Rui Rio a dis­pu­tar a li­de­ran­ça do par­ti­do

MAR­TIN HENRIK NU­NO FER­REI­RA SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.