For­man­do ou desperdiçando?

Edição Público Porto - - ESPAÇO PÚBLICO -

Dis­cu­tiu-se por cá o en­si­no su­pe­ri­or. A se­cre­tá­ria de Es­ta­do ques­ti­o­nou a exis­tên­cia de nu­me­rus clau­sus. Se 20.000 es­tu­dan­tes qui­se­rem de re­pen­te ser, sei lá, en­ge­nhei­ros de ba­ta­tas fri­tas, de­ve­ria ser pos­sí­vel? Sem de­fen­der uma pla­ni­fi­ca­ção ri­go­ro­sa à la so­vié­ti­ca, pa­re­ce-me im­por­tan­te exis­tir al­gum equi­lí­brio en­tre a ofer­ta do en­si­no su­pe­ri­or e o mer­ca­do de tra­ba­lho, in­se­ri­do nal­gum pla­no de de­sen­vol­vi­men­to de co­nhe­ci­men­to no país. Es­tá bem que os for­ma­dos po­dem de­pois emi­grar, mas não ve­jo o en­si­no su­pe­ri­or co­mo uma ac­ti­vi­da­de pre­do­mi­nan­te­men­te ex­por­ta­do­ra. Um ou­tro pro­ble­ma mais ime­di­a­to é a in­fra-es­tru­tu­ra dos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no. Uma es­co­la pre­pa­ra­da pa­ra re­ce­ber 100 alu­nos por ano não po­de pas­sar de re­pen­te pa­ra 5000 e a se­guir vol­tar aos 100.

Es­tas von­ta­des de “mas­si­fi­ca­ção” vo­lun­ta­ri­o­sa lem­bram-me aque­las te­o­ri­as da sa­cros­san­ta pri­ma­zia da pro­du­ção, on­de o que im­por­ta é pro­du­zir mui­to... e o que se faz ao pro­du­zi­do lo­go se ve­rá. O re­sul­ta­do des­te mo­de­lo foi/é a fa­lên­cia.

Tam­bém se dis­cu­tiu a exis­tên­cia de pro­pi­nas. Nin­guém, ca­paz, de­ve ser ex­cluí­do do en­si­no su­pe­ri­or por di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, mas aten­der a es­se di­rei­to com a abo­li­ção das pro­pi­nas é uma abor­da­gem gros­sei­ra e/ou de­so­nes­ta. Se­ria pre­fe­rí­vel um ou­tro me­ca­nis­mo de sub­si­di­a­ção mais di­rec­to e se­lec­ti­vo, já que o cus­to do en­si­no su­pe­ri­or não é ape­nas pro­pi­nas e o que faz sen­ti­do é aju­dar ape­nas quem ne­ces­si­ta. Re­cor­da-me a mo­da dos ma­nu­ais es­co­la­res gra­tui­tos. A sua ge­ne­ra­li­za­ção não faz sen­ti­do. Car­los J. F. Sam­paio, Es­po­sen­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.