Ano no­vo pa­ra a re­li­gião?

A co­o­pe­ra­ção en­tre ci­ên­cia, éti­ca, re­li­gião e es­té­ti­ca po­de cri­ar um cli­ma es­pi­ri­tu­al que nos de­fen­de de to­dos os sim­plis­mos, ir­mãos de to­dos os fun­da­men­ta­lis­mos

Edição Público Porto - - ESPAÇO PÚBLICO -

1.O ser hu­ma­no é um ani­mal in­de­ci­so. No ani­mal, os ins­tin­tos e o mun­do ao qual es­tão adap­ta­dos, ou são adap­ta­dos, for­mam um to­do. Co­mo es­cre­veu Ro­ger Ga­raudy [1], o ani­mal é um fei­xe de res­pos­tas. O ser hu­ma­no é um fei­xe de per­gun­tas. Não se adap­ta ape­nas ao meio, trans­for­ma-o. Umas ve­zes pa­ra bem, ou­tras pa­ra mal. Nun­ca es­tá em equi­lí­brio per­fei­to com a na­tu­re­za. A ló­gi­ca in­ter­na do seu mun­do em cres­ci­men­to, cons­truí­do e go­ver­na­do pe­la ci­ên­cia e pe­la téc­ni­ca, le­va-nos a pen­sar e agir co­mo se to­dos os nos­sos pro­ble­mas pu­des­sem ser re­sol­vi­dos pe­la ci­ên­cia e pe­la téc­ni­ca. Não é ver­da­de. Mas só a es­tu­pi­dez po­de di­zer mal da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e das trans­for­ma­ções tec­no­ló­gi­cas. A sa­be­do­ria mais ele­men­tar des­co­bre as su­as es­pan­to­sas van­ta­gens e os seus quo­ti­di­a­nos li­mi­tes. É mi­o­pia es­que­cer que ne­nhu­ma ac­ti­vi­da­de cla­ri­vi­den­te po­de dis­pen­sar a in­ter­ro­ga­ção fi­lo­só­fi­ca, as lin­gua­gens da be­le­za e as exi­gên­ci­as da éti­ca.

Não é im­pos­sí­vel des­co­brir, por ou­tro la­do, que não es­ta­mos ape­nas em fa­ce de pro­ble­mas e enig­mas que mais ce­do ou mais tar­de po­de­rão en­con­trar so­lu­ções. Em to­dos os tem­pos e lu­ga­res há tes­te­mu­nhos de pes­so­as que des­per­ta­ram pa­ra o mis­té­rio sem no­me que re­sis­te a to­das de­fi­ni­ções e clas­si­fi­ca­ções, um não sei quê, uma noi­te lu­mi­no­sa que tu­do en­vol­ve e sem a qual tu­do se ba­na­li­za ou en­lou­que­ce. O fun­da­men­tal na ati­tu­de re­li­gi­o­sa é o es­pí­ri­to de aten­ção, de re­lei­tu­ra cons­tan­te do mis­té­rio do mun­do. Is­to na­da tem a ver com o ir­ra­ci­o­na­lis­mo, pai da vi­o­lên­cia, se­ja em que do­mí­nio for. A pró­pria re­li­gião, sem a vi­gi­lân­cia éti­ca, po­de tor­nar-se uma abo­mi­na­ção.

Da­da a com­ple­xi­da­de de tu­do o que fi­cou di­to, pa­re­ce-me que a co­o­pe­ra­ção en­tre ci­ên­cia, éti­ca, re­li­gião e es­té­ti­ca po­de cri­ar um cli­ma es­pi­ri­tu­al que nos de­fen­de de to­dos os sim­plis­mos, ir­mãos de to­dos os fun­da­men­ta­lis­mos. Co­mo diz o fí­si­co An­to­nio Raña­da, os fun­da­men­ta­lis­tas re­li­gi­o­sos e os ateus mi­li­tan­tes têm al­go em co­mum: acre­di­tam que a ge­o­gra­fia do

Ou­tra ca­rên­cia do nos­so ca­to­li­cis­mo é a fal­ta de es­pí­ri­to de in­ter­ro­ga­ção fi­lo­só­fi­ca, sem a qual a te­o­lo­gia ador­me­ce

mun­do ca­be to­da num só ma­pa, se­ja na in­ter­pre­ta­ção in­tran­si­gen­te de um li­vro sa­gra­do ou nos da­dos de uma ci­ên­cia ex­clu­si­vis­ta e to­ta­li­za­do­ra.

2. Na or­ga­ni­za­ção do ca­len­dá­rio li­túr­gi­co, es­te Do­min­go ce­le­bra o Bap­tis­mo de Je­sus ba­nha­do num cli­ma de enig­mas. Há ra­zões pa­ra jul­gar que lhe as­sis­te al­gu­ma ba­se his­tó­ri­ca, apre­sen­ta­da nu­ma in­ter­pre­ta­ção de con­ti­nui­da­de e rup­tu­ra com o pro­fe­tis­mo do An­ti­go Tes­ta­men­to.

Não con­vi­nha na­da que Je­sus fos­se bap­ti­za­do por João que ti­nha dis­cí­pu­los que so­bre­vi­ve­ram ao seu as­sas­si­na­to e ao de Je­sus. Es­tes po­de­ri­am sem­pre di­zer aos se­gui­do­res de Cris­to: foi o nos­so mes­tre que bap­ti­zou o vos­so e não o con­trá­rio. De fac­to, nos di­fe­ren­tes Evan­ge­lhos exis­te uma von­ta­de de mos­trar que Je­sus exal­tou a fi­gu­ra de João Bap­tis­ta e es­te a de mos­trar que não era ele o mes­si­as. Ape­nas lhe pre­pa­ra­va o ca­mi­nho. A nar­ra­ti­va de S. Lu­cas é co­mo­ven­te. Por um la­do, faz de Je­sus um dis­cí­pu­lo de João, por ou­tro, mos­tra a rup­tu­ra com o seu an­ti­go mes­tre [2].

O que te­rá acon­te­ci­do? João era o sím­bo­lo da ne­ces­si­da­de de re­for­mar a re­li­gião de Is­ra­el, mas ain­da na li­nha aus­te­ra dos pro­fe­tas. A sua pre­ga­ção não se afas­ta­va de um ri­gor mo­ra­lis­ta car­re­ga­do de ame­a­ças. Je­sus te­ve uma ex­pe­ri­ên­cia es­pi­ri­tu­al que o obri­gou a rom­per com es­se mun­do. Diz o tex­to que Je­sus bap­ti­za­do en­trou em ora­ção. O re­sul­ta­do ex­pri­me a pró­pria per­so­na­li­da­de do Na­za­re­no: Ele é a ter­ra aber­ta ao céu e o céu aber­to à ter­ra, aber­to a to­dos os mun­dos. O Es­pí­ri­to de Deus, ao ba­nhar o seu es­pí­ri­to, de­cla­ra que Ele é um fi­lho mui­to ama­do. Je­sus sai des­sa ex­pe­ri­ên­cia com uma mis­são: mos­trar que to­da a gen­te, a co­me­çar pe­la mais des­clas­si­fi­ca­da, sob o pon­to de vis­ta religioso, mo­ral e ma­te­ri­al, é ama­da por Deus e cha­ma­da a vi­ver do mes­mo Es­pí­ri­to: Es­pí­ri­to de Deus, Es­pí­ri­to de Cris­to, Es­pí­ri­to de re­no­va­ção da Igre­ja, Es­pí­ri­to de trans­for­ma­ção do mun­do, nu­ma imen­sa plu­ra­li­da­de de ca­ris­mas e de ca­mi­nhos. É um Es­pí­ri­to que so­li­ci­ta a nos­sa in­te­li­gên­cia e a nos­sa von­ta­de, mas que nun­ca se im­põe à nos­sa liberdade.

3. Com es­te no­vo ano sur­giu um no­vo jor­nal on­li­ne. Cha­ma-se 7Mar­gens. Pre­ten­de pre­en­cher uma la­cu­na. An­tó­nio Ma­ru­jo e Jor­ge We­mans ex­pli­cam o pro­jec­to: a par­tir de ho­je tem à sua dis­po­si­ção in­for­ma­ção, no­tí­ci­as, aler­tas, opi­nião e co­men­tá­rio so­bre as mais di­ver­sas bus­cas es­pi­ri­tu­ais que mar­cam o nos­so tem­po, des­de as aco­lhi­das e pro­mo­vi­das pe­las re­li­giões es­ta­be­le­ci­das, até àque­las sem no­me pro­ta­go­ni­za­das por pes­so­as de to­das as for­ma­ções.

Em se­te­mar­gens.com en­con­tra­rá tu­do is­to, edi­ta­do e ori­en­ta­do por cri­té­ri­os jor­na­lís­ti­cos. In­de­pen­den­te de qual­quer ins­ti­tui­ção, re­li­gi­o­sa ou ou­tra, se­te­mar­gens. com re­ge-se por prin­cí­pi­os pro­fis­si­o­nais e tem co­mo ob­je­ti­vo tra­tar in­for­ma­ção re­la­ti­va ao fe­nó­me­no religioso, en­ten­di­do na mai­or abran­gên­cia pos­sí­vel do con­cei­to. Des­te pon­to de vis­ta, é um pro­je­to iné­di­to no mun­do que fa­la por­tu­guês.

A en­tre­vis­ta a Pe­dro Abru­nho­sa a propósito do seu no­vo dis­co, Es­pi­ri­tu­al, foi uma boa es­co­lha. Re­cor­to uma pas­sa­gem que tem a ver com o Es­pí­ri­to des­te Do­min­go e des­ta cró­ni­ca: “Vi­vem-se mo­men­tos de au­sên­cia de mis­té­rio, mo­men­tos de pu­ra fi­si­ca­li­da­de, de apa­rên­cia, mui­ta apa­rên­cia, de ‘eu sou o que te­nho’, ‘eu sou o que mos­tro que te­nho’. Às ve­zes nem é o que te­nho, se eu mos­trar as pes­so­as vão de­du­zir que te­nho. Lo­go, sou aqui­lo que mos­tro. E is­so faz com que se vi­va nu­ma fei­ra de vai­da­de, que me faz lem­brar mui­to os ven­di­lhões do tem­plo, faz-me lem­brar mui­to es­te abas­tar­da­men­to dos va­lo­res hu­ma­nos, que é uma das fa­lên­ci­as da de­ca­dên­cia. Os im­pé­ri­os co­me­çam a de­cair exac­ta­men­te por is­so, por uma cer­ta fe­bre da vai­da­de da apa­rên­cia.”

Não pos­so es­con­der a ale­gria que es­te acon­te­ci­men­to me pro­vo­cou. Sem pre­ten­der cons­ti­tuir uma al­ter­na­ti­va ao que exis­te na Igre­ja, vai cer­ta­men­te vi­a­jar por pai­sa­gens que ela ou ig­no­ra ou faz que ig­no­ra. Se­rão no­vos olhos a ver o que a ce­guei­ra dos gran­des mei­os de co­mu­ni­ca­ção in­sis­te em ig­no­rar.

Ou­tra ca­rên­cia do nos­so ca­to­li­cis­mo é a fal­ta de es­pí­ri­to de in­ter­ro­ga­ção fi­lo­só­fi­ca, sem a qual a te­o­lo­gia ador­me­ce. Em Coim­bra, lem­bran­do Jo­sé Di­as da Sil­va, o Ins­ti­tu­to Uni­ver­si­tá­rio Jus­ti­ça e Paz vai re­vi­si­tar, a vá­ri­as vo­zes, a Dou­tri­na So­ci­al da Igre­ja e as su­as in­ci­dên­ci­as na in­ter­ven­ção po­lí­ti­ca.

Em Lis­boa, na Ca­pe­la do Ra­to, vá­ri­os no­mes co­nhe­ci­dos da cul­tu­ra por­tu­gue­sa vão in­ter­ro­gar a Fi­lo­so­fia, a Li­te­ra­tu­ra, a Es­pi­ri­tu­a­li­da­de.

Não sou jor­na­lis­ta, mas de­se­jo que es­te no­vo ano nos tra­ga mui­tas e boas sur­pre­sas.

[1] Cf Pa­la­vra de Ho­mem, D Qui­xo­te, Lis­boa, 1975

[2] Lc 3, 15-22

Es­cre­ve ao do­min­go

JOÃO HEN­RI­QUES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.