Quem é Ju­an Gu­ai­dó, o ho­mem que desafia Ni­co­lás Ma­du­ro?

Edição Público Porto - - MUNDO - J.R.R.

Há pou­cos di­as, Ju­an Gu­ai­dó — o ho­mem que já é vis­to por mui­tos, den­tro e fo­ra da Ve­ne­zu­e­la, co­mo Pre­si­den­te in­te­ri­no do país — era um de­pu­ta­do anó­ni­mo. A im­pi­e­do­sa per­se­gui­ção do re­gi­me “cha­vis­ta” aos lí­de­res da opo­si­ção ca­ta­pul­tou es­te en­ge­nhei­ro de 35 anos pa­ra uma ta­re­fa co­los­sal.

Ni­co­lás Ma­du­ro fez ques­tão em pro­nun­ci­ar o seu no­me de for­ma er­ra­da, mas Ju­an Gu­ai­dó pro­me­te ser a mais re­cen­te dor de ca­be­ça do Pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no. De­pois de as­su­mir a pre­si­dên­cia da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, es­te de­pu­ta­do in­vo­cou a Cons­ti­tui­ção pa­ra se po­si­ci­o­nar co­mo Pre­si­den­te in­te­ri­no da Ve­ne­zu­e­la, con­tra Ma­du­ro, a quem cha­mou “usur­pa­dor”.

Ao abri­go do en­ten­di­men­to en­tre as vá­ri­as for­ças po­lí­ti­cas que com­põem a Me­sa de Uni­da­de Na­ci­o­nal (MUD), mai­o­ri­tá­ria na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, a li­de­ran­ça da câ­ma­ra é ro­ta­ti­va a ca­da ano. Em 2019, é a vez de a Von­ta­de Na­ci­o­nal as­su­mir a pre­si­dên­cia do he­mi­ci­clo, mas a sua di­rec­ção foi pra­ti­ca­men­te de­ca­pi­ta­da por Ni­co­lás Ma­du­ro. O ca­ris­má­ti­co Le­o­pol­do Ló­pez es­tá em pri­são do­mi­ci­liá­ria des­de Agos­to de 2017. Ou­tros lí­de­res ex­pe­ri­en­tes co­mo Freddy Gu­e­va­ra, que es­tá re­fu­gi­a­do na em­bai­xa­da chi­le­na em Ca­ra­cas, ou co­mo Car­los Vec­chio, exi­la­do nos EUA, tam­bém não pu­de­ram as­su­mir a pre­si­dên­cia.

A ta­re­fa re­caiu em Gu­ai­dó, um ex-di­ri­gen­te es­tu­dan­til, elei­to pe­la pri­mei­ra vez de­pu­ta­do em 2015, pe­lo es­ta­do de Var­gas (na cos­ta nor­te). O seu per­cur­so pú­bli­co co­me­çou co­mo di­ri­gen­te es­tu­dan­til, qu­an­do fre­quen­tou a Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca, on­de se for­mou em en­ge­nha­ria ci­vil. Foi na uni­ver­si­da­de que aju­dou a fun­dar o Von­ta­de Po­pu­lar, ao la­do de Ló­pez, em 2009. Tal co­mo mui­tos lí­de­res da opo­si­ção ao “cha­vis­mo”, Gu­ai­dó tam­bém es­tu­dou nos EUA, na Uni­ver­si­da­de Ge­or­ge Washing­ton.

Nas elei­ções de 2010 foi elei­to de­pu­ta­do su­plen­te nas lis­tas do par­ti­do. No­ta­bi­li­zou-se pe­la par­ti­ci­pa­ção nu­ma gre­ve de fo­me em 2015 or­ga­ni­za­da pa­ra exi­gir a mar­ca­ção de elei­ções legislativas — nas quais aca­ba­ria elei­to, com qua­se cem mil vo­tos, fa­zen­do par­te da mai­o­ria que con­tro­la ago­ra a As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

É de­fi­ni­do co­mo um “cen­tris­ta” pe­los seus co­la­bo­ra­do­res mais pró­xi­mos, diz o jor­nal ar­gen­ti­no Cla­rín. No par­la­men­to, tra­ba­lhou em pro­jec­tos de de­fe­sa da so­be­ra­nia da Ve­ne­zu­e­la so­bre Ese­qui­bo, uma re­gião dis­pu­ta­da com a Gui­a­na, e de­nun­ci­ou as ra­mi­fi­ca­ções da Ope­ra­ção La­va Ja­to no país.

Na ado­les­cên­cia, Gu­ai­dó foi um dos so­bre­vi­ven­tes da “tra­gé­dia de Var­gas”, co­mo fi­ca­ram co­nhe­ci­das as gran­des inun­da­ções de 1999 no Nor­te da Ve­ne­zu­e­la, em que mor­re­ram mais de dez mil pes­so­as. Pa­ra a mis­são que tem pe­la fren­te — em que vai en­fren­tar um apa­re­lho que ape­sar de en­fra­que­ci­do man­tém o con­tro­lo so­bre o Go­ver­no, os tri­bu­nais e as For­ças Ar­ma­das — es­te lí­der aci­den­tal te­rá de apu­rar ain­da mais o seu ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.