Por­tu­gue­ses não sa­bem ler in­for­ma­ções so­bre saú­de

Pe­ri­tos di­zem que é pre­ci­so me­lho­rar co­mu­ni­ca­ção dos mé­di­cos com os do­en­tes

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Ri­ta Mar­ques Cos­ta

Se co­mer to­da a em­ba­la­gem de ge­la­do qu­an­tas ca­lo­ri­as es­tá a con­su­mir? Se lhe for per­mi­ti­do con­su­mir 60 gra­mas de hi­dra­tos de car­bo­no nu­ma so­bre­me­sa, que quan­ti­da­de de ge­la­do po­de co­mer? Es­tas são du­as das seis per­gun­tas que, acom­pa­nha­das de um ró­tu­lo fic­tí­cio de ge­la­do, com­põem o Newest Vi­tal Sign (NVS), o tes­te uti­li­za­do pe­la mé­di­ca Dag­ma­ra Pai­va e ou­tros cin­co in­ves­ti­ga­do­res pa­ra ava­li­ar o ní­vel de li­te­ra­cia em saú­de dos por­tu­gue­ses. Con­clu­são: es­ti­ma-se que 73% da po­pu­la­ção en­tre os 16 e os 79 anos não sai­ba res­pon­der cor­rec­ta­men­te a ques­tões co­mo es­tas. São pes­so­as com di­fi­cul­da­de em ace­der, com­pre­en­der e uti­li­zar in­for­ma­ção so­bre saú­de.

A si­tu­a­ção pi­o­ra com a ida­de. E, co­mo se­ria de es­pe­rar, quan­to me­nor for o ní­vel de es­co­la­ri­da­de, me­nos com­pe­tên­ci­as. Da­dos: na po­pu­la­ção en­tre os 16 e os 44 anos, a pro­por­ção da­que­les que mos­tram ní­veis de li­te­ra­cia ina­de­qua­dos os­ci­la en­tre os 62% e os 65% (as es­ti­ma­ti­vas têm um in­ter­va­lo de con­fi­an­ça de 95%). Na fai­xa etá­ria en­tre os 65 e 79 anos, a ta­xa é de 94%.

Quan­to ao ní­vel de es­co­la­ri­da­de, en­tre os que têm me­nos do que o 4.º ano, 97,5% re­ve­lam um ní­vel de li­te­ra­cia em saú­de ina­de­qua­do. En­tre a po­pu­la­ção com pe­lo me­nos uma li­cen­ci­a­tu­ra com­ple­ta, es­sa pro­por­ção des­ce pa­ra 44,5%.

“Pes­so­as com mais de 64 anos têm 21% mai­or pro­ba­bi­li­da­de de ter li­mi­ta­ções do que quem tem me­nos de 25 anos”, de­ta­lha ain­da o es­tu­do que faz par­te da te­se de dou­to­ra­men­to que Dag­ma­ra Pai­va apre­sen­tou em De­zem­bro de 2018 (o fo­co prin­ci­pal é a li­te­ra­cia nos cui­da­dos aos do­en­tes com di­a­be­tes ti­po 2, mas a mé­di­ca apre­sen­ta vá­ri­os es­tu­dos de con­tex­to). Não há di­fe­ren­ças de gé­ne­ro.

O ques­ti­o­ná­rio foi apli­ca­do em 2012 no âm­bi­to de um inqué­ri­to na­ci­o­nal que ti­nha co­mo ob­jec­ti­vo per­ce­ber o grau de co­nhe­ci­men­to da po­pu­la­ção so­bre pro­ble­mas co­mo obe­si­da­de, di­a­be­tes, do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, can­cro e so­bre com­lho­rá-la por­ta­men­tos sau­dá­veis. A amos­tra, re­pre­sen­ta­ti­va da po­pu­la­ção por­tu­gue­sa, ti­nha 1624 pes­so­as. En­tre os en­tre­vis­ta­dos, 79 não sa­bi­am ler nem es­cre­ver, pe­lo que fo­ram ex­cluí­dos da aná­li­se. So­bram 1544 in­di­ví­du­os na amos­tra fi­nal. Se a po­pu­la­ção que não sa­be ler nem es­cre­ver fos­se in­cluí­da nas es­ti­ma­ti­vas, en­tão o ní­vel de li­te­ra­cia ina­de­qua­da em saú­de se­ria ain­da mai­or: 74,5%.

A me­to­do­lo­gia tem li­mi­ta­ções. O NVS — uma es­pé­cie de tes­te rá­pi­do à li­te­ra­cia em saú­de — “foi desenhado pa­ra ava­li­ar com­pe­tên­ci­as in­di­vi­du­ais de com­pre­en­são de lei­tu­ra e cál­cu­lo, uma pe­que­na par­te do con­cei­to de li­te­ra­cia em saú­de”.

Mes­mo as­sim, não é por is­so que os seus re­sul­ta­dos são me­nos im­por­tan­tes, sus­ten­ta o es­tu­do. “A ava­li­a­ção das ha­bi­li­da­des nu­mé­ri­cas dos pa­ci­en­tes po­de ter um pa­pel fun­da­men­tal na me­lho­ria do uso apro­pri­a­do de me­di­ca­men­tos e na pre­ven­ção de er­ros de do­sa­gem, ali­nhan­do-se aos ob­jec­ti­vos do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção pa­ra a Saú­de, Li­te­ra­cia e Au­to­cui­da­dos.” Ou­tras mais­va­li­as são o fac­to de já ter si­do usa­do nou­tros con­tex­tos, cor­re­la­ci­o­nar-se bem com ins­tru­men­tos mais com­ple­xos e per­mi­tir com­pa­ra­ções in­ter­na­ci­o­nais.

Em 2011, o NVS já ti­nha si­do apli­ca­do nou­tros paí­ses, no âm­bi­to do Inqué­ri­to Eu­ro­peu de Li­te­ra­cia em Saú­de. A Ho­lan­da, on­de só 23,7% dos en­tre­vis­ta­dos re­ve­la­ram ter li­te­ra­cia ina­de­qua­da em saú­de, te­ve a ta­xa de su­ces­so mais ele­va­da en­tre os ana­li­sa­dos. Es­pa­nha, on­de se es­ti­ma que 63,1% da po­pu­la­ção te­nha es­te ti­po de li­mi­ta­ções, foi o país com pi­o­res re­sul­ta­dos na al­tu­ra.

Uma coi­sa é cer­ta: a li­te­ra­cia ina­de­qua­da em saú­de é um pro­ble­ma. E se a lon­go pra­zo a for­ma de me- é atra­vés do in­ves­ti­men­to na edu­ca­ção dos ci­da­dãos, no ime­di­a­to, ate­nu­ar os seus efei­tos po­de pas­sar por “me­lho­rar as com­pe­tên­ci­as de co­mu­ni­ca­ção dos pro­fis­si­o­nais de saú­de”, de­fen­de Dag­ma­ra Pai­va, que in­te­gra o gru­po de in­ves­ti­ga­ção em Epi­de­mi­o­lo­gia de Do­en­ças Não Trans­mis­sí­veis no Ins­ti­tu­to de Saú­de Pú­bli­ca da Uni­ver­si­da­de do Por­to.

A agres­si­vi­da­de re­sul­ta?

Ava­li­a­ção de 2011 mos­trou que na Ho­lan­da só 23,7% da po­pu­la­ção ti­nha ní­veis bai­xos de li­te­ra­cia em saú­de

Ou­tro dos tra­ba­lhos que in­te­gram a te­se des­ta mé­di­ca (são cin­co no to­tal) fo­ca-se nos fac­to­res que fa­ci­li­tam e ini­bem a co­mu­ni­ca­ção en­tre pa­ci­en­tes com di­a­be­tes ti­po 2 e pro­fis­si­o­nais de saú­de. E con­clui que se os do­en­tes iden­ti­fi­cam a “co­mu­ni­ca­ção agres­si­va” no con­sul­tó­rio co­mo uma “barreira à co­mu­ni­ca­ção”, os pro­fis­si­o­nais en­ca­ram-na co­mo um as­pec­to “fa­ci­li­ta­dor” — en­ten­dem uma cer­ta do­se de agres­si­vi­da­de co­mo um ape­lo à mu­dan­ça de com­por­ta­men­tos dos pa­ci­en­tes.

“Não há ne­nhu­ma so­ci­e­da­de nem as­so­ci­a­ção que dê re­co­men­da­ções pa­ra tra­ta­men­to e ges­tão da di­a­be­tes ti­po 2 que re­co­men­de co­mu­ni­car de uma for­ma agres­si­va, pa­ra as­sus­tar as pes­so­as. To­das as in­di­ca­ções são no sen­ti­do de usar téc­ni­cas de en­tre­vis­ta mo­ti­va­ci­o­nal, aju­dar os do­en­tes a iden­ti­fi­car as prin­ci­pais bar­rei­ras à mu­dan­ça de com­por­ta­men­tos e, den­tro do seu con­tex­to de vi­da, aju­dá-los a de­ci­dir so­bre as pe­que­nas mu­dan­ças pa­ra me­lho­rar a sua saú­de”, no­ta Dag­ma­ra Pai­va. Mes­mo as­sim, “há mui­tos mé­di­cos” que uti­li­zam a abor­da­gem agres­si­va.

O pro­ble­ma es­tá no en­si­no. “Na mai­o­ria das fa­cul­da­des de Me­di­ci­na, o trei­no em co­mu­ni­ca­ção ain­da não faz par­te do cur­rí­cu­lo [obri­ga­tó­rio]. É uma coi­sa que os pró­pri­os pro­fis­si­o­nais de saú­de assumem que lhes faz fal­ta”, no­ta a mé­di­ca.

“Os mé­di­cos pas­sam seis anos na fa­cul­da­de a apren­der a fa­lar ‘me­di­ca­lês’ e apren­dem cer­ca de seis mil ter­mos no­vos di­fe­ren­tes. Quan­do aca­bam o cur­so, já não sa­bem fa­lar com as pes­so­as”, apon­ta. “As po­lí­ti­cas de saú­de têm mes­mo de co­me­çar a in­ves­tir nis­so a sé­rio.”

ri­ta.cos­[email protected]­bli­co.pt

PAU­LO PI­MEN­TA

Ques­ti­o­ná­rio abran­geu 1624 pes­so­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.